Atacando de Joe Silva: lutas a casar pós-UFC 165

Renato Rebelo | 22/09/2013 às 21:31

Com o UFC 165 nos livros, chegou a hora desse pretensioso jornaleiro que vos fala vestir o chapéu de “matchmaker”.

Mantendo os pés no chão, dispensando confrontos improváveis e excluindo atletas comprometidos, cheguei aos seguintes casamentos:

 

NUM11231627_534263456653465_1449401384_nJon Jones x Alexander Gustafsson II

Certa vez, um valente carateca acertou um direto de esquerda nele. A lenda diz, também, que o Jovem Dinossauro chegou a encaixar um justo armlock por alguns segundos. Ontem, no entanto, o Viking sueco aterrizou 114 caroçadas no corpanzil do Bicho-Papão – que terá que se alimentar por um canudinho nos próximos dias. Reconheço que não é prática conceder revanche imediata a desafiantes derrotados, mas também não é prática levar um dos maiores fenômenos da história do MMA ao limite de suas capacidades humanas e, de quebra, proporcionar a luta do ano. O feito de Gustafsson é grande demais para fazermos vista grossa. Engulo meu orgulho nacionalista e a vontade de ver outro tupiniquim com a posse do cinturão dos meio-pesados e clamo por mais uma!

Com certeza eles vão me dar outra luta. Não quero esperar essa revanche. As coisas são assim. Não vou dizer que ele (Gustafsson) não merece a revanche. A luta foi fenomenal – reconheceu Glover Teixeira à Fox americana.

NUM2Renan Barão x Dominick Cruz

Da série “mais batido que carro de filho do Eike Batista”, esse manjado casamento terá que ser forçado. Se o americano não comparecer com seus padrinhos até o dia primeiro de fevereiro (fim de semana do Superbowl americano), que vá catar coquinho. Não se trata mais de sensibilidade com a situação do cara. Cercear a felicidade plena de alguém tão eficiente e merecedor como o Barão por quase dois anos chega ser um desserviço do UFC. Chega de fuleiragem. Ou dá ou desce.

NUM3Brendan Schaub x Todd Duffee

O “Híbrido” tirou onda apagando Matt Mitrione, mas, sei lá… A forma arreganhada como bate me faz pensar que qualquer caboclo com boxe mais em linha e defesa de quedas sólida é capaz de botá-lo no bolso. O garotão com físico de super-herói e gás de asmático preenche, de certa forma, os requisitos para o trabalho. Será que Duffee detona o queixo de Schaub ou a maresia o corrói antes? Duelo divertido.

NUM4Francis Carmont x Yushin Okami

Vítima do próprio estilo efetivo, Carmont, certificado com o selo Ben Askren de entretenimento marcial, continua fora do radar – mesmo estando invicto desde 2008. Apesar dos pesares, seus números me obrigam a alimentá-lo com um peixe nobre. Pensei em Luke Rockhold – mas a lesão no joelho que o tirou do confere com Tim Boetsch no UFC 166 parece braba. Portanto, que o francês continue tentando quedar e pontuar contra o mordido japa – louco para se reerguer depois da sova que levou de Ronaldo Jacaré em Minas Gerais.

NUM5Khabib Nurmargomedov x Rafael dos Anjos

O combatente russo foi alistado para cumprir tarefa pra lá de complicada e acabou fazendo com Pat Healy o que Pat Healy faz com os outros. Em seu caminho à glória, não há muitos valentes em situação compatível para freá-lo. Talvez, a última fronteira entre a “Águia” e o bolinho composto por TJ Grant, Anthony Pettis e Josh Thompson seja o faixa-preta de Roberto Gordo. Eliminação sumária. 1, 2, 3, corredor polonês…

Amigos queridos, passo a bola pra vocês no que se refere a Wilson Reis e Michel Trator. Algo em mente para essas feras?

Abraços.

Tags: ,