TJ Grant fora: boa notícia para Josh Thomson?

Renato Rebelo | 17/09/2013 às 20:21
Strikeforce: Barnett v Cormier

Melendez castigando Thomson em pé

Num antigo capítulo do seriado “Um Maluco no Pedaço”, o mordomo Geoffrey corteja uma dama que, segundo ele, seria rainha da Inglaterra caso 172 pessoas morressem subitamente.

Para Josh Thomson receber o “title shot” do peso-leve no UFC não foi necessária tamanha tragédia.

“Apenas” a soberba de Nate Diaz, o mole de Ben Henderson no primeiro round e as lesões de José Aldo e TJ Grant bastaram.

Golpe do destino ou não, o fato é que o “Punk” da American Kickboxing Academy tentará arrancar o recém-conquistado cinturão das mãos de Anthony Pettis no UFC on Fox 9.

Acontece que o bilhete premiado da mega-sena cai nas mãos do trintão exatamente contra uma encrenca logística.

Apesar de “pegador”, Thomson sempre baseou seu jogo no volume.

É o típico lutador que não é excepcional em nenhuma área, mas prepara um feijão com arroz caprichado.

O abre-alas é o kickboxing tradicional ensinado por Javier Mendez na Califórnia.

Em seguida, uma dose de agarra-agarra para cansar a presa e liquidar a fatura no chão ou em pé – fazendo-se valer do mix condicionamento físico privilegiado + faixa-preta de jiu-jítsu.

Acontece que seus algozes mais recentes (Gilbert Melendez e Tatsuya Kawajiri) começaram o frustrando em pé, depois negaram-lhe o solo e, por fim, não morreram no gás.

A derrota na decisão unânime para Clay Guida também prova que estamos falando de um wrestler apenas decente.

E esse Toyota Corolla completo, com banco de couro, freios ABS e sensor de estacionamento estará alinhado no dia 14 de dezembro com um Porsche Carrera biturbo.

Pettis é dono de trocação no estado da arte, tem melhorado bastante a defesa de quedas e dá botes venenosíssimos no chão.

Ainda há o fator momento – e “Showtime” está, simplesmente, em chamas.

Ele é um “striker”, então é uma boa luta para nós. Já treinamos jiu-jítsu juntos uma vez no Havaí, então, sei o que ele pode trazer para a luta – disse Pettis ao repórter Guilherme Cruz, do site MMA Fighting.

No papel, o pega não me parece muito competitivo, mas, sabem como é, vai que pinta uma nuvem vadia no dia e muda completamente as condições da pista…

Obs: sacaram a piadinha com o “Poderoso Castiga” na foto de destaque?

Abraços.