Pensando alto: a análise informal do UFC FN 28

Renato Rebelo | 05/09/2013 às 00:08

Com pouco menos de cinco mil pessoas no Mineirinho, o UFC Fight Night 28 entregou uma noite de emoções mistas.

Por um lado, pela primeira vez, quatro brasileiros foram derrotados por gringos em território nacional.

Mas, por outro, o astro local sobreviveu de forma heróica e garantiu a chance de disputar o cinturão.

Cortando o papo furado, vamos àquela minha sempre confusa análise da cena do crime:

 

GLOVER

Glover Teixeira x Ryan Bader

Na reedição de Pat Barry x Cheik Kongo, Glover gerou número recorde de ataques cardíacos em Sobrália. A mão direita de “Darth” encontrou seu queixo num upper e quase mandou o sonho verde-amarelo de reconquistar o cinturão dos meio-pesados pras cucuias. E agora, olhamos o copo meio cheio ou meio vazio? Queixo sinistro e boxe de primeira ou vulnerabilidade contra um cara cuja a trocação não é lá essas cocadas? Estaria Glover pronto para encarar o Cabuloso? Confesso que ainda estou refletindo.

Dana White confirmou, Joe Silva confirmou, e Glover recebe próxima oportunidade de disputa de cinturão – disse o diretor de operações internacionais do UFC, Marshall Zelasnick.

 

JACARERonaldo Souza x Yushin Okami 

O jacaré mais voraz do planeta caçou o número dois do ranking com habilidade rara. O estalo da mão direita do capixaba no rosto do japa me provocou dor no úmero. Já que Okami, ameaça real, foi tirado pra pangaré, fica claro que o céu é o limite para o cidadão que é bicampeão mundial absoluto de jiu-jítsu, faixa-preta de judô e bate pesadão. A real é que o faminto réptil emergiu da água e o cenário nunca foi tão hostil para quem bate 84 quilos no clube dos Fertitta Bros.

 

JOSEPHJoseph Benavidez x Jussier Formiga

No resultado mais previsível da noite, Formiga recorreu à posição fetal quando o bicho pegou provando, novamente, que absorção de golpes não é seu forte. Joejitsu, num bate e sai frenético, fintou com pisões frontais e usou sua direitinha marota pra liquidar a fatura. O placar final, no entanto, ainda favorece a Nova União  (3 a 1 contra os Alpha Male).

 

POLSKAPiotr Hallmann x Francisco Trinaldo

Massara, infelizmente, atacou de velocista. 100 metros rasos de velocidade alucinante e só. O polonês, acostumado ao castigante inverno europeu, foi frio para sobreviveu à tempestade e teve disposição para estalar o braço do duro faixa-marrom de jiu-jítsu – que quase expeliu o pulmão pela boca de tão fadigado.

 

SAPORafael Natal x Tor Troeng

O “Martelo” sueco, terror do circuito europeu, foi tirado pra prego pelo dono da casa. Sapo passeou com dois knockdowns, raspagens mis e algumas guilhotinas justas – sem sequer ser incomodado. Fica provado, mais uma vez, que, na Série A, a banda toca outra música. Ah, e já passou da hora do aluno de Vinicius Draculino ser testado de verdade. Chega de embuste.

 

O que acharam da derrota do Marcos Vina para Ali Bagautinov, rapaziada?

Abraços.

Tags: