Pensando alto: a análise informal do UFC FN 27

Renato Rebelo | 29/08/2013 às 01:19

Belo card para uma quarta-feira em que, normalmente, teríamos que escolher entre Copa do Brasil e Programa do Ratinho, não?

Pra começar, Jason High, Darren Elkins e Brandon Thatch entregaram um card preliminar explosivo. Quatro das seis lutas principais também não desapontaram…

Enfim, chega de papo furado. Vamos àquela minha sempre confusa leitura da ação:

 

CONDITCarlos Condit x Martin Kampmann

O dinamarquês entrou numa de seguir o mapa da mina desenhado por GSP e Johnny Hendricks e chamou o “Natural Born Killer” pro jogo de isometria. Acontece que o gás de Kampmann foi pro beleléu em dois tempos enquanto Condit apenas aquecia. Morto, o kickboxer não segurou a bronca do americano em pé e teve seu rosto transformado em bife tártaro por barragens intermináveis de socos, chutes e joelhadas. Impressionado, Herb Dean discou 911 (o 190 deles). Bela atuação do veterano que ainda vai derrubar muito desafiante do cavalo.

 

DOSANJOSRafael dos Anjos x Donald Cerrone 

Certa vez, Rafael me contou: “Passei praticamente um ano inteiro treinando jiu-jítsu só uma vez por semana e boxe e muay thai todo dia… Precisava aprender na marra”. O resultado tá aí: um dos melhores “strikers” da categoria, com envergadura bem superior, teve que recorrer à baiana no segundo round para pontuar. Atuação exuberante do ex-unidimensional faixa-preta de jiu-jítsu – que teve o periculoso “Cowboy” no bolso por 10 minutos. Tá comprovada mais uma vez a robustez do jogo gerado pela fusão entre o boxe tailandês de Rafael Cordeiro, o wrestling de Jacob Harman e o jiu-jítsu de Roberto Gordo. E teve gente que chamou meu palpite ontem de “patriotada”…

 

KELVINKelvin Gastelum x Brian Melancon

Como disse na prévia, o “drive” do jovem de 21 anos é sobrehumano. Por mais que não seja um primor tecnicamente, Gastelum, enorme pro peso-meio-médio, fungará no seu cangote até as últimas consequências. Desconfio que seja necessário crucifixo, colar de alho e bala de prata para pará-lo. O porradeiro Melancon sucumbiu exatamente onde costuma brilhar: em pé. Knockdown, mata-leão e a sétima vitória na carreira do invicto pupilo de Chael Sonnen.

 

MCGEECourt McGee x Robert Whittaker

Já vi duelo de kickboxing amador mais emocionante em Copacabana. Um misto de lentidão e imprecisão reinou por 15 minutos mostrando, mais uma vez, que conquistar o “The Ultimate Fighter” pode não ser toda essa groselha. Mas o pior ainda estava por vir: um jurado marcou 30 a 27 McGee e outro 30 a 27 Whittaker! Como pode? De forma dividida, “The Crusher” prevaleceu. “Grande luta”, disse Dana White – que deu claras demonstrações de embriaguez durante a noite.

 

MISUGAKITakeya Mizugaki x Erik Perez

O segundo engenheiro eletricista mais brabo do planeta (sendo o primeiro meu pai) é um cara que, dificilmente, vai afivelar o dourado – mas, para batê-lo, o sujeito precisa estar inspirado. Não foi o caso do “El Goyito”, esperança mexicana (ao lado de Cain Velásquez) de levar o circo do Ultimate ao país em 2014, que viu uma série de oito triunfos ir pro vinagre. Já o japa segue espremendo uma decisão aqui, outra acolá e logo logo pega um top.

 

Ah, o que acharam de Brad Tavares x Bubba McDaniel? Estorvo total ou bico nos culhões?

Abraços.

Tags: