Flashback: Amanda "Leoa"
Nunes, a campeã improvável

Fernando Henriques | 14/07/2016 às 21:33

As reviravoltas, tanto numa luta específica, quanto numa carreira, são um dos muitos pontos alto do MMA. Para os narradores, é sempre um prato cheio, o momento de soltar a voz, cativar atenção e produzir emoção.

Não raras, as reviravoltas são quase sempre saudadas como ápice do esporte. Algo belo, pela forte característica de superação.

Emoção da conquista

A emoção da conquista

Foi assim quando Michael Bisping se tornou campeão do UFC e Dan Henderson, aos 45 anos, nocauteou Hector Lombard – só para ficar em dois exemplos recentes que se cruzaram.

Mas de tanto visualizar o improvável, deixamos alguns feitos passarem despercebidos como tais. É um vício que o MMA produz em nós.

Não notamos, por exemplo, o quão improvável é ver Amanda Nunes com o cinturão peso-galo do UFC, com potencial para tornar-se uma campeã dominante apenas oito meses após a queda da maior estrela do MMA feminino, que, de fato, reinou na categoria.

Em novembro passado, a esta altura, esperávamos ver Ronda Rousey em uma revanche contra Holly Holm, sua algoz. Mas, contra todas as previsões, esta luta está até bem distante de acontecer no momento. De Ronda para cá, passamos por Holm e por Miesha Tate, outra campeão improvável, para chegar em Amanda, uma baiana arretada.

Ora, me parece fato que este é um esporte destinado a nos surpreender, seja por sua dinâmica especial, que envolve complexidades tais não encontradas, juntas, em nenhum outro esporte de combate, seja pelo “pequeno detalhe” que separa o rosto de um lutador das mãos do adversário: uma pequena luva de quatro onças.

Lá se foi um nariz...

Lá se foi um nariz…

Num dia você pode ser um estreante desconhecido, topando uma luta com duas semanas de antecedência, num peso acima do seu, contra um top mundial e, por isso tudo, o maior azarão da noite, e no outro, como num passe de mágica, converter-se em um prospecto que todo mundo quer ver lutar novamente, depois de ter entregue o melhor primeiro round do ano.

Assim como Lando Vannata, a primeira campeã brasileira do UFC, também primeira homossexual campeã(ão), nos surpreendeu ao roubar o cinturão de Miesha Tate de forma brutal.

Quando Amanda Nunes fez o septo de Miesha explodir, a alma da então campeã estava quebrada e o cinturão, destinado ao Brasil. O improvável, depois da derrota do mais provável Rafael dos Anjos, acontecia.

Na verdade, no dia da luta em si, as chances da brasileira eram reais devido ao entrelaçar de estilos. Completa, Amanda poderia equiparar as ações onde Miesha é forte, o grappling, e dominar onde a vitória começou, em pé.

Amanda sofreu contra Zingano

Amanda sofreu contra Zingano

Por isso mesmo o favoritismo da americana não foi tão grande. O que pesou contra a brasileira na análise de todos nós foi seu cardio, conhecido ponto franco que já havia cobrado a conta de um mal preparo na luta contra Cat Zingano (sofreu um TKO no terceiro round após vencer o primeiro com folga).

Não fosse por isso, talvez seu nome estivesse mais perto do de Miesha nas cotações pré-luta.

Mas isto é agora, 2016. Voltemos um pouco no tempo e lembremos onde estava Amanda há três anos, quando Ronda Rousey consolidava seu nome e literalmente fundava o MMA feminino no UFC.

A brasileira estreou em agosto de 2013 na organização que agora domina, com uma vitória sobre a alemã Sheila Gaff, mas vinha de derrota em janeiro do mesmo ano para a pouco conhecida Sarah D’Alelio.

Na verdade, trazia 1-2 como score das últimas três lutas quando estreou no UFC.

Depois de Gaff, Germaine de Randaime foi outra vítima de sua força e eficácia. Novo TKO bruto, digno de uma baiana porreta.

Estreou no UFC vinda de derrota para D’Alelio

Estreou no UFC vinda de derrota para D’Alelio

Porém, na terceira luta pelo UFC, nova derrota, esta já citada para Cat Zingano. Somava então seu cartel, nas últimas seis lutas, um desanimador 3-3. E isto em 2014. Outro dia, não?!

Foi somente em 2015, ontem praticamente, que a guinada da Leoa começou. Para credenciar-se à disputa do cinturão, Amanda venceu três meninas que não são das mais condecoradas na categoria: Shayna Baszler, Sara McMann e Valentina Shevchenko.

E com a ‘ajuda’ de Jon Jones, teve a oportunidade de conquistar o único cinturão linear brasileiro no main event do histórico UFC 200.

A depender de quem for desafiá-la primeiro, a brasileira pode quebrar o ciclo de defesas mal sucedidas que se estabeleceu na categoria peso-galo na fase pós-Ronda.

Mas prevaleceu!

Mas prevaleceu!

Mas, de verdade, isto não importa tanto. Com a vitrine do UFC 200, o primeiro selinho gay (se bem me lembro) dado dentro do octógono e sua qualidade técnica já comprovada, Amanda continuará no topo da categoria, fazendo história.

Não foi Cris Cyborg, talvez a melhor lutadora de MMA de todos os tempos, nem Claudia Gadelha, que já “ganhou e não levou” contra a campeã peso-palha do UFC, mas Amanda Nunes, com suas quatro derrotas, a primeira campeão brasileira do UFC.

Em 2008, quando estreou no esporte com derrota para a veterana do jiu-jitsu e do reality show “No Limite”, Ana Maria Índia, talvez nem Amanda acreditasse aonde estaria em oito anos.

A moça que perdeu para Cat Zingano, Sarah D’Alelio e Alexis Davis há não muito tempo é a nova senhoria da categoria peso-galo. Saudemos o esporte das reviravoltas!

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Ótimo texto, a Amanda de fato mereceu e amassou a Miesha de um modo que calou geral, vendo a atual categoria dos galos feminino acho que ela pode realmente prevalecer pois é uma das trocadoras mais decentes de lá e que tem um dos melhores 1º round do UFC, boa sorte pra ela na carreira e espero que essa rotatividade do título da categoria acabe um pouquinho haha.

  • Matheus V.

    Sabe, se a Ronda realmente voltar disputando o cinturão, pode ser uma boa de verdade para a Amanda. São duas lutadoras bastante agressivas, por isso a luta tende a acabar rápido, e tendo em conta o boxe que a campeã apresentou contra a Miesha e o fato de ser melhor de chão – sem falar na inatividade da Rowdy – dou vantagem a ela.
    Ah, ainda tem toda a $ati$fação de e$tar enfrentando uma grande lutadora do pe$o, r$r$r$.

    • Tu acha a Amanda melhor de chão que a Ronda?

      • Matheus V.

        Menos impetuosa, mas mais experimentada, pelo menos…

        • Chão não se resume a jiu-jitsu, cara. A Ronda é ótima no grappling, tem perícia em umas duas ou três quedas de quadril e nalgumas variações de arm-lock que a tornam bem acima da média no quesito.

          Se elas se embolassem, Ronda estaria em vantagem. Amanda leva essa luta na base do bom e velho soco na cara mesmo.

  • Beto Magnun

    Só corrigindo… A Amanda não passou nem perto de vencer o segundo round contra a Zigano. Ela cansou ainda no final do primeiro apesar de ter ganhou tranquilamente.

    • Pode ser. Tem tempo que vi a luta e não sei porque estava com essa impressão. Vou revê-la quando possível.

  • Hyuriel Constantino

    Eu acho que o ponto de virada pra Amanda foi a luta contra McMann. Ali se viu o potencial que ela tinha para ser uma atleta completa e robusta. Contra Zingano ela deu o azar de ir com muita sede ao pote contra uma atleta que tava invicta e resiliente.
    Quanto ao gás, eu acho que se ela continuar lutando com a mesma frieza que pegou a Tate, não tem cinco rounds pra ela. Em pé, ela desossa. No grappling ela embala a coitada que se opõe a ela. Sem contar que tem tudo pra melhorar.
    Sinceramente, com essa trocação ela aposenta a Ronda.

    • Estou com a mesma confiança. A parte técnica está ok, ela precisa agora seguir focado na estratégia, para dosar sempre o gás. Se lutar de maneira bruta como contra a Tate por dois rounds, sem botar a língua para fora, já será perigosíssima.

      A própria Ronda nunca precisou de mais de dois rounds.

    • Vinicius Maia

      Rapaz, eu to achando que a Ronda nunca mais vai lutar MMA. Vai fazer 1 ano da derrota da Holm e até agora não se vê nenhuma declaração da dita cuja sobre recuperar o cinturão e voltar nas cabeças do MMA. Essa “nova safra” da categoria dos galos creio que a Ronda tenha muito trabalho para vencer. E concordo com você, o Punch da Amanda é bem maior que o da Holm e creio que ela quebra o nariz igual quebrou o da Miesha.

      • Renan Oliveira

        Também acho que ela não volta. Dá pra ver que ela não evoluiu. Pra ficar manchando o cartel é melhor focar na carreira de atriz mesmo. Ronda já deu o que tinha que dar.

        • Igor Martins

          o problema é a imagem que se criou em cima dela de invencível e veio uma derrota acachapante, e nem ao menos voltar nem que seje pra fazer uma luta com uma mediana pra pegar novamente o time da categoria hoje e também que passar a imagem que superou sua derrota, porque falando atualmente ali no topo da categoria somente a tate acho que ela vença, e olhe lá…, pois não vemos evolução da ronda pra parte em pé contra as tops ali, e ao contrário a concorrência já decifrou o jogo dela, ou seja a ronda parou no tempo. Aquela derrota mostrou claramente todas as deficiências dela, principalmente a parte de trocação juntamente com a estratégia de sua equipe que estavam mais perdidos que ela, que se eu fosse a rondinha,não pensava duas vezes ja caia fora dessa academia.

          • A Ronda tem um jogo enjoada e tem potencial para bater qualquer uma do topo. Se embolar com ela é um perigo. A atuação da Holly naquela dia foi irrepreensível, apesar de ajudada pela burrice estratégica de Ronda e sua equipe, que sem o costume de perder ou sequer levar atraso, não conseguiram reavaliar nada durante a luta e tomaram atraso até o derradeiro KO. Corrigindo uma coisa ou outra na movimentação em pé para se expor menos, assim como uma variação dentro do próprio arsenal (surpreender com entradas de quedas que não de quadril) , pode pegar sim o cinturão novamente. Eu não se apostaria contra ela numa nova luta contra a Holm, por exemplo.

            Estou confiante na Amanda entregar uma luta dura para ela do que qualquer outra.

          • Renan Oliveira

            Eu apostaria em qualquer TOP 5 contra ela. A Holly mata de novo e a Amanda passa o carro na Ronda.

          • Rapaz… Ela não é boba, acho que pode muito bem vencer, mas isto não quer dizer que vá.

          • Renan Oliveira

            Mas o jogo não casa pra ela. Ainda mais que ela se abre muito e a Amanda adora isso.

    • Renan Oliveira

      Amanda arranca a alma da Ronda, hahaha

  • Sexto Empírico

    “Mas de tanto visualizar o improvável, deixamos alguns feitos passarem despercebidos como tais. É um vício que o MMA produz em nós.” Magnífico!
    Fazia já algum tempo que eu não lia uma crônica tão interessante como essa. O texto está lindo. Discordo daquela parte ambígua : “… Cris Cyborg, talvez a melhor lutadora de MMA de todos os tempos, nem Claudia Gadelhae já “ganhou e não levou …” Henriques, apesar do talvez e das aspas, vc sabe que, logicamente, a Ronda é a melhor até agora e Cláudia perdeu aquela luta. Chorão terá sempre. Quanto a Nunes, torço por ela, mas terá que evoluir além de sua capacidade pra se manter como campeã. Coisa que eu torço, mas acho improvável.

    • Sexto Empírico

      Desculpe o “evoluir além da capacidade”, mas sei q vc entendeu.

    • Como você bem apontou, existe um talvez no trecho — antes da afirmativa sobre a Cris — exatamente para quem discorda. Porém, pra mim, é ponto pacífico que ela é a melhor lutadora de MMA de todos os tempos. Ronda foi somente a que fez mais baralho.

      Não pode ser a melhor desde sempre àquela que mal sabe trocar socos.

      • Sexto Empírico

        Eu tinha entendido.
        Ronda é melhor e maior que qualquer outra lutadora até aqui, tanto no cartel quanto nos feitos. E a Claudinha, tambem referia-me a 1a luta. Lutador q não define suas lutas, não chora depois.

        PS não gosto da gordinha. Sempre torcia pra ela perder. A luta dela contra a Holm foi a que eu mais revi na vida. Também gostaria q fosse a Cris, mas não posso negar os fatos.

        • Que fatos, cara? Por que o cartel da Ronda seria tão melhor que o da Cyborg? Uma derrota para cada lado, sendo a da Cyba nos primórdios (em sua primeira luta) e a da Ronda ontem, além de um monte de atropelos para ambas.

          • Silas K

            Concordo com você Fernando, pra mim Cyborg já é a melhor da história.

          • Sexto Empírico

            Seu coracao concorda.

          • 😉

          • Sexto Empírico

            Fato1: Ronda venceu e defendeu com sucesso o cinturao das duas maiores organizacoes mundiais.
            Cyborg venceu um grande e teve que devolver por trapacear.

            Fato2; A Gordinha, com excecao da Holm, bateu as melhores lutadoras do mundo com extrema facilidade.
            Cris, tirando a Marloes e a Carrano (essa mais ou menos), so venceu pereba. E bateu aquelas duas em sua fase “bombastica”.

          • Ah, para com esse mimimi “bombástico”. O importante é que el a bateu em todo mundo que cruzou seu caminho. Só não é campeã do UFC porque não tem sua categoria. Foi igualmente campeã do Strikeforce e é campeã do Invicta.

          • Sexto Empírico

            mimimi… hahaha… Fernando, essa nossa discussao foi um empate majoritario. Mas os juizes deram uma garfadinha pro seu lado, pois vc ta lutando no seu territorio, Hahaha… Fica bem!

          • Silas K

            Não pode ser empate pois eu concordo com Fernando, coloque qualquer mulher do mundo de 60 a 70 kgs na frente da Cyborg e ela irá vencer indubitavelmente no MMA. Você está pensando como os fãs médios do MMA, só porque viu a Ronda em maior exposição e assistiu o grande marketing do UFC em tentar transformá-la na mulher mais má do planeta está acreditando piamente nisso, não seja tão alienado amigo.

          • Sexto Empírico

            Vc tem razao. Eu sou um Zuffazombie, como diria Bloodstain Lane. E desculpa eu ter profanado a divindade de sua deusa.

          • Beleza pura, Fera. Aceito o empate.

          • Renan Oliveira

            Na boa, a Ronda também pegou muita luta que favorecia ela. Pra mim as únicas lutadoras de alto nível que ela bateu foram Miesha e Zingano, as outras estão muito longe de serem as melhores do mundo.

          • Sexto Empírico

            Acho que a Cyba mataria a Ronda numa luta se nao caisse na armadilha da chave de braco. Seria como Tate vs Nunes com muito mais violencia. O que estou dizendo e que, se o MMA acabasse hoje, Ronda seria a lutadora mais relevante para a Historia e nao a Cris. E isso nao e achismo, e a logica dos fatos.

          • Isso é verdade, e na outra de nível que esbarrou, ficou pelo caminho.
            Carmouche, McMann, Bethe Pitbull… Meu Deus, precisam treinar um pouco mais. Já Alexis Davis acho boa lutadora.

  • bedotRJ

    FH rocks! (o daqui, não aquele outro).

  • Leonardo Dias

    Hoje, o jogo da Holly tornaria a vida da Amanda muito difícil. Para ela vencer ela teria que levar para baixo e finalizar no ato, pois, caso ficasse agarrada a Holly ou tentando trocar com ela, a Amanda iria cansar demais. Só vejo a Holly ou a Ronda tirando esse cinturão da Amanda, sinceramente. E pelo o que o Dana anda dizendo, se a Holly ganhar da Valentina, talvez rola Nunes vs Holm em New York em novembro… Ele quer muito a Holly com a cinta para o Holly vs Ronda II.

    • Mas será que a Amanda não consegue grudar na Holm?

      • Leonardo Dias

        Olha, conseguir, ela consegue, sim. Mas, a Holly é de se movimentar intensamente, isso não deixaria as coisas legais para a Amanda. Vamos ver como ela se sai contra a Valentina.

    • Silas K

      Acho que mesmo na trocação, a Amanda tem um punch que a Holly nunca experimentou no octógono, então seria uma luta interessante de assistir, se Amanda viraria grappler ou se poderia causar problemas em pé para a Holm

      • Leonardo Dias

        A Marion tem um jogo em pé muito bom e a Holly dominou a luta. O jogo da Holly é mais no contra ataque. Se ela tivesse a postura da Joanna de buscar, fazer pressão contra sua adversária, ela até poderia ter nocauteado a Miesha.A Holly no Legacy era bem agressiva, tinha esse jogo de pressionar. Então, Para uma luta de 5 round, a Amanda viraria grappler contra a Holly. E acho que no dia 23, veremos uma Holly mais agressiva e com menos medo de ir ao chão.

    • Renan Oliveira

      Sinceramente, só vejo Holly tomando a cinta da Amanda por causa da velocidade e movimentação. Ronda é um casamento bem vencível pra leoa.

  • Vinicius Maia

    Excelente texto FH. Realmente MMA como diria Joseph Climber é igual a vida, uma caixinha de surpresas. Em 2016 eu jamais imaginária ver Bisping campeão, Amanda campeã, Hendo vencendo Hector Lombard com uma cotovelada na têmpora apagando o anão bodybuilder e El cucuy tomando 2 knockdown de um peso pena com 2 ou 4 semanas de camp.
    Como esse esporte é imprevisível, por isso gosto demais dele. É um esporte onde favoritismo pode não significar nada.
    Tava até imaginando Wilson Reis destronando o DJ se o mesmo não tivesse lesionado kkkk (num mundo onde Bisping nocauteia Luke no R1 por que não sonhar mais adiante).
    Com relação a Cris Cyborg acho ela um monstro, até hoje eu vejo o treino de Wrestling dela com o Tito Ortiz e fico de bobeira kkk. Ela dando um body slam no Tito.
    http://www.mma.tv/wp-content/uploads/2016/04/cyborg-pic.jpg

    • Treino de Submission, no caso. E ela é monstrinho mesmo. Em treinos, deve porrar um bocado de colega homem.

  • Gefferson Nesta

    Sempre apostei na Amanda, hoje no MMA feminino são poucas atletas que tem poder de nocaute, dentre elas temos Cris Cyborg, Amanda Nunes, Joana Campeã, Holly Holm, mas dessas citas só a Amanda e a Cris são as mais perigosas com as mãos… Anotem aí! Amanda nunes tem trocação e poder pra fazer frente com qualquer uma na categoria, cuidando de alguns aspectos de lutas que já ficaram visíveis ela sera imbatível. Defesa de quedas e gás em dia ela vai dar muito trabalho!

    • Jessicão Bate-Estaca no peso-palha também, hein.

      • Idonaldo Gomes Assis Filho

        É a Lineker do mma feminino aehuauheshu

      • Gefferson Nesta

        Verdade, esqueci dela…!

  • Leonardo Carvalho
  • Fernando Batista Lima

    Achei a postura e a movimentação da Amanda parecida com o Lidell nessa luta. Até a maneira de boxear, desperdiçando poucos golpes.
    Ela é bem completa e bate pesado, mas acho que esse cinturão ainda vai ficar pipocando como batata quente por um tempo.
    Ainda assim, torcerei para que ela evolua e continue nos entregando boas lutas.

Tags: ,