Chegaram as distorções: MMA no formato ”tag team”

Renato Rebelo | 27/07/2012 às 21:06

 

Nem tudo são flores quando falamos do crescimento vertiginoso do MMA. Como em qualquer outra atividade profissional, à medida que o capital entra, pessoas mal intencionadas vêm junto.

Como o primeiro UFC sancionado por orgãos reguladores foi o de número 28, em 2000, ainda se trata de uma modalidade muito nova e com um conjunto de regras incompreendido pelas massas.

Desta forma, a necessidade de fazer aquele trabalho de formiguinha de educar e levar informações sobre aquilo que é visto na televisão é muito importante. Admito que sou daqueles chatos que adovogam a favor do MMA.

Velhos argumentos sobre o boxe ser mais traumático, a falta de lesões graves e acidentes fatais em eventos sancionados – o que não ocorre nem no futebol-, a rica parte técnica e a inclusão social promovida já estão na ponta da lingua.

É verdade que ainda há preconceito, mas vamos seguir quebrando paradigmas com o tempo. O que não precisamos é de exemplos como o do vídeo embedado acima.

Na Rússia, o ”Thrones MMA” chega com a proposta de trazer ”brigas de rua” (como eles mesmo descrevem) em ringues de areia, onde quatro atletas, divididos em dois times, podem se enfrentar na mesma luta – sem limite de tempo. No estilo ‘tag team’, muito usado no telecatch (famosa marmelada).

É exatamente em situações como essa que ocorrem lesões graves, acidentes e infortúnios. E lá vou eu explicar que não é isso que defendo…

E vocês, o que acham?

Tags: , ,