CM e a manutenção do emprego no Ultimate

Renato Rebelo | 28/06/2013 às 12:53

Com o quadro de funcionários abarrotado, o UFC começou uma campanha de terror e pânico.

O famoso facão, que só cortava cabeças após duas ou três derrotas consecutivas, passou a entrar em ação por muito menos.

Cristiano Marcello, talvez o único ser humano a ter atuado em Pride, UFC e TUF, fugiu à nova regra.

Mesmo com dois reveses em três apresentações, o líder da CM System continua com a carteira assinada.

Por que será? Confira sua linha de raciocínio: