Mente, fama e deslumbre: erros
de Pettis? E de mais quantos?

Felipe Paranhos | 02/05/2016 às 13:18

Na hora de colocar lutadores na prateleira dos preferidos, dos preteridos e dos odiados, quem acompanha MMA de longe tende a se prender às imagens que os atletas colocam na vitrine.

Arrogante, humilde, ingênuo, mau caráter, grosseiro, gentil. E quando eu vejo Anthony Pettis levar a porrada que levou de Daniel Wanderley, seu treinador de jiu-jitsu na Roufusport, acho que é hora de questionar tudo isso.

Foi meio de surpresa porque estava tudo certo até chegarmos lá, e o cara decidiu trocar de última hora. Disse que se sentia confortável com o Greg Jackson, um cara que ele só fez três aulas. Acho que a escolha foi por ele ser técnico do Jon Jones e querer aparecer com o Greg Jackson, por ele estar mais na mídia com o Jones, com a Holly Holm. Ele sentiu falta da mídia em cima dele.”

Pettis dominado por Barboza

Domínio de Barboza marcou a 3ª derrota consecutiva do ex-campeão

Por um lado, tratam-se das palavras de um cara magoado. Daniel seria o córner de Pettis na luta contra Edson Barboza no UFC 197 e foi trocado por Greg Jackson de última hora, já depois da pesagem.

Por isso, cabe a ponderação: quanto dessas palavras estão contaminadas pela decepção com Anthony? Por outro lado, determinadas verdades só vêm à tona quando a barreira da confiança é quebrada.

As opiniões de Wanderley sobre Pettis provavelmente nunca teriam sido expostas não fosse a sacanagem feita com o treinador.

Tratemos, então, Anthony como alguém que se deslumbrou com o título dos leves, conquistado em 2013 e perdido menos de dois anos depois na surra que sofreu de Rafael dos Anjos.

Naqueles 22 meses, mesmo com só uma defesa — contra Gilbert Melendez —, Pettis desfrutou de uma vida absolutamente nova: caiu nas graças do UFC e de sua máquina de promoção — é bem mais fácil vender um lutador jovem e espetacularmente nocauteador —, ganhou muito dinheiro, foi o primeiro atleta a estrelar a cobiçada campanha dos cereais Wheaties — cuja caixa sempre estampa a imagem de grandes atletas americanos —, enfim, chegou a um patamar inalcançável à quase totalidade dos lutadores do UFC.

wheaties.0O que isso deve representar para um moleque de descendência latina, cujos avós, imigrantes mexicanos, decidiram americanizar o sobrenome Pérez para não sofrer preconceito?

O que significa essa mudança de vida pro moleque que, aos 16 anos, perdeu o pai, um zelador que tinha recorrentes problemas com drogas, esfaqueado?

Como encarou a vida de rei o adolescente que largou as artes marciais após a morte do pai porque “não valia a pena ser bonzinho enquanto tanta coisa ruim acontece”?

Não sabemos.

E o que significa perder tudo isso de um dia pro outro, sendo relegado novamente à casta dos comuns?

Nunca saberemos.

Ele fez duas semanas de sparring lá com o Cowboy (Cerrone) e nem foram sparrings duros. Ele está perdido, tentando voltar ao caminho. Quis um cara com nome, como o Greg Jackson, achando que ia ajudar na luta. (…) O cara não conhece o Anthony, não sabe como ele luta, como treina. Tirou um que dava aula para ele há três anos por um que deu três aulas só porque ele treina caras famosos. É mídia, ele quer aparecer. O Anthony sofreu a terceira derrota seguida. O que será dele agora?”

E quantos outros lutadores passam pela mesma perda de foco quando sobem de vida? Quantos dentro e fora do UFC estão tendo seu potencial minado pelos puxa-sacos, conselheiros de ocasião e más companhias em geral? Muitos.

“Uma parada que pensei muito é que é por isso que o McGregor deu para trás com isso de mídia. Atrapalha muito. O Anthony estava muito estrela e isso atrapalha os treinos.”

É por isso que este é um texto muito mais de perguntas do que de respostas. As declarações de Daniel Wanderley sobre Pettis servem menos pros fãs execrarem o Showtime e mais como lição ou exemplo para outros atletas.

Wanderley graduando Pettis

Wanderley graduando Pettis

Façam uma lista de dez ou 15 lutadores brasileiros com bastante talento. Pensem qual seria o “teto” esportivo deles, onde eles poderiam chegar. Analisem quantos deles foram incensados e festejados muito antes de chegarem a esse teto.

E lembrem do exemplo de Rafael dos Anjos, não à toa algoz de Pettis, que durante anos trabalhou sem ser alcançado pelo radar atraente da mídia brasileira, dos amigos de ocasião, das festas badaladas com celebridades.

Onde Rafael estava em 2011, quando houve o boom do MMA no Brasil, que lançou precocemente jovens atletas ao status de futuros fenômenos?

Ainda que em proporções diferentes, a história de Pettis é a história de muita gente por aqui.

  • Renan Oliveira

    Será que veremos o Pettis no WSOF?

    • Coelho Bruno

      Ou no Rizin… a gente nunca sabe!

      • Renan Oliveira

        Verdade, hahaha

    • Gilmar Nascimento de Souza

      De uma coisa tenho certeza, se ele for pro Bellator e o campeão dos leves lá for o Mogli, já sabemos o que acontecerá no final kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      • Hyuriel Constantino

        Bendo vai dizer:

        “Porra véi, aqui tb? TNC!”. kkkkkkkk

        • KRS Porlaneff

          E nessa o Pettis pode ainda fazer um feito inédito: vencer 3 vezes o campeão em 3 ligas diferentes: WEC, UFC e Bellator.

          O feito será maior do que o de qualquer outro lutador que conseguiu o mesmo feito, como Cro-Cop (contra Josh Barnett), Frankie Edgar (contra BJ Penn), Wandeco (contra Sakuraba)…

          • Hyuriel Constantino

            1) Bendo consegue a cinta dos leves no Bellator.
            2) Pettis é contratado por Coker, pega o TS e ganha do Bendo.
            3) Bendo perde mais algumas e vai para o WSOF.
            4) Bendo ganha a cinta do WSOF.
            5) Pettis perde algumas no Bellator, é demitido e aí é contratado por Ray Sefo.
            6) Pettis pega o TS contra Bendo…
            7) Aí Pettis ganha a cinta do WSOF.
            8) Bendo perde mais algumas…
            .
            .
            .
            “Onde Bendo vai, o Pettis vai atrás.” kkkkkk…

  • Thiago_NCO

    Esse aí “Shogunizou” legal…
    Em breve, nos braços do tio Scott.

  • Hyuriel Constantino

    Sinceramente, sempre achei Pettis um cara superestimado. Não é um atleta do qual vc se recorda por ter um striker forte (tá mais pra um kicker forte e plástico, pois seu boxe não é marcante), tem uma defesa de quedas mambembe (mesmo para um striker, vide Barboza) e no solo só conta com um grappling guardeiro que só funciona contra quem não tem um GNP expressivo (imagine se Melendez fosse bom de GNP como RDA naquela luta que tiveramo no UFC 181?).
    Além disso, apesar de ter vitórias em cima de Cerrone, Bendo (2x) e Melendez, tirando o Cerrone, dois estão na curva descendente de suas carreiras e, no atual TOP 5 dos leves, Pettis não se dá bem contra nenhum. Vejo-o como um protótipo do McGregor: com banca de descolado, de estilo heterodoxo e diferenciado, mas de qualidade ambígua. Bastou pegar caras com um jogo mais consistente e balanceado pra expor as gaps intrínsecas a sua forma de lutar. Não me surpreenderei se, na próxima, ele terá sua primeira derrota antes do tempo legal da luta.

    • Marcio Lennon

      discordo em alguns pontos, melendez e bendo tem um otimo gnp, bendo ja esmagou caras como miller e diaz n gnp, e melendes entre outros usou bem o recurso contra o aoki q é um excelente guardeiro, pettis tbm tem um jogo por cima de rasoavel para bom, vide principalmente a 1 luta dele contra o bendo, q ele derrubou, montou nas costas e etc…………., nem bendo e nem melendez estavam na descendente, na epoca eles eram tops e estavam em rasoavel forma sim, em pé tenho sua visao tbm, o q acontece e q rafael achou uma forma para vence-lo, abafando sempre, melendez tentou abafar e nao conseguiu, entao nao é agora q o cara perde 3 que ele ja deixa de valer algo, a derrota para edson sim foi bem zebra para mim, atualmente pode ate ser q ele nao tenha chances, mas se emplacar uma sequencia boa denovo, ai a confiança volta e ele volta a ter chances de se reerguer

      • Hyuriel Constantino

        Bom, quando falei sobre Bendo e Melendez, falo do quadro atual. Sei que eram relevantes na época, mas agora o nível dos atletas do TOP 5 estão significativamente acima de Bendo e Melendez, entende? É aquela mesma história do Khabib que fica falando que venceu RDA e tals, mas quando vc vê o cartel do cara, só tem nome de mediano pra indiferente, e o RDA que ele venceu na época, hj não existe mais.
        Contra Barboza eu acho que ele só tinha o nome pra ser favorito, pois o striking do brasileiro é bem mais consistente e balanceado (os pecados de Barboza são apenas de nível sutil, como o queixo questionável e uns brancos que dá nele).

        • RWillians

          Acho que em vc está certo sobre tudo agora só não entendo qual é a do queixo questionável de Barboza? Perdeu de k.o. para Varner, que não era nenhum demérito. Teve uma luta equilibrada com Danny Castillo, depois de ser duramente castigado no 1º Round, se recuperou e no mínimo empatou a luta. Perdeu para Cerrone e Ferguson em lutas que em pé vinha até melhor que os adversários. O problema do Barbosa nunca foi o queixo e sim os apagões nas lutas.

          • Tiago Nicolau de Melo

            Galera se fixa no jab do Cerrone que desequilibrou ou deu um flash down no Edson pra dizer que ele é o Mutante dos Leves.

          • Thorens Acchuphase

            Vc está certíssimo, nunca entendi porque falarem tanto do queixo do Barbosa, como se o cara tivesse um cartel meio-a-meio e as derrotas por nocaute?! Um tempo atrás colaram no Overeem com o mesmo papo, dizendo que o cara tinha queixo de vidro? Nos pesados nunca poderemos julgar que um cara tem queixo de vidro, já que do outro lado pode estar o martelo do Thor! Não existe esse cara que não caia, já vimos isso com o Roy Nelson, Minotauro, AS, Benavidez, etc… Barboza não tem queixo questionável, tem absorção normal a qualquer lutador da categoria.

          • RWillians

            Aí Mutante foi la e resistiu ao Oluwale Bamgbose. É a mesma coisa falar do Belfort, o cara tem 4 derrotas por K.O., sendo 3 TKO, 2 para o Couture, 1 pro AS e 1 para o Weidman. e aguentou porrada do Antony Johnson. Tem mtos fãs que acabam caindo no papo dos “especialistas”.

    • RWillians

      Concordo com vc, sempre achei Pettis superestimado tb. Ficou mais famoso pelos seu famosos chutes, contra Barbosa parecia um Stryker contra um Grappler que sabia trocar e não achava espaço pra levar pro chão, perecia lutador de um golpe só, como Nelson e Hunt que ficam esperando um soco, Pettis esperava um chute ShowTime. RDA elevou o nível da categoria para outro, e Pettis se tornou unidimensional demais, vejo ai o mesmo problema de Khabib, que até hj não enfrentou alguém que o coloque em seu devido lugar na cadeia alimentar.

  • Vinicius Maia

    Eu acho o pessoal meio extremista com relação a situação do Pettis. Eu vejo da seguinte forma: a categoria dos pesos leves é uma das mais populosas do UFC junto com a dos meio-médios e é uma categoria que os top 10 podem engrossar o caldo de qualquer lutador da categoria. Tudo bem que o Pettis não esta num bom momento mas ficar pintando ele como se fosse um lutador superestimado e fora do UFC pra mim já é demais. Perder e ganhar faz parte do esporte.
    Acho que essas opiniões sobre o Pettis é de um imediatismo exagerado. A carreira de todo esportista tem altos e baixos e gostaria de ver o Pettis dar a volta por cima pelo lutador emocionante e criativo que é.

    • Hyuriel Constantino

      Bom, devo concordar com vc sobre o futuro dele, mas quanto ao passado eu tenho minhas posições.

      1) contra Bendo ele era favorito, considerando o fato que já o tinha vencido uma vez, e depois pq há tempos este vinha fazendo lutas bem parelhas em suas defesas de cinturão contra caras que, no quadro atual da divisão, ou estão numa situação de mediana pra ruim (Diaz e Melendez) ou sequer estão mais na divisão (Edgar).

      2) contra Melendez, apesar de tb considerá-lo azarão, deu atraso no Pettis no Boxe, mas foi vacilão em não administrar o gás e ir pra luta agarrada como um amador.

      3) contra RDA, ainda que o brasileiro fosse azarão nas apostas, acreditei neste desde que se credenciou ao TS vista a evolução monstruosa (mesmo tendo empacado contra o Khabib) em seu jogo e a forma como dominou seus oponentes.

      Resumo: sabe-se que é um cara contra o qual, tendo cardio e grappling de qualidade, se pode abafar fácil (com certeza Khabib teria tirado sua cinta se não fosse RDA a entrar na frente, e com requintes de brutalidade e crueldade) e, mesmo no striking, seu recurso derradeiro, foi neutralizado por um jogo mais sólido e balanceado como o do Barboza. Desse modo, se Pettis quiser ganhar relevância novamente na categoria, é melhor se reinventar, pois seu jogo já está batido há um bom tempo.

      • Vinicius Maia

        Eu acho muito difícil alguém ter apostado dinheiro no RDA contra o Pettis. Visto que a evolução dele tinha sido monstruosa mas acho que mesmo no site do 6º round não lembro se algum colunista apostou na vitória sobre o Pettis. Eu mesmo estava torcendo pro RDA ganhar mas não estava confiante.
        E não acho que ele deve se reinventar como você mesmo disse, Cigano é a prova de que se reinventar nem sempre é benéfico para o lutador.
        Acho que ele deve levar seus treinos mais a sério, se preparar pra cada luta e executar as estratégias pré determinadas nos treinos. Seu treinador falou que a estratégia era levar a luta pra baixo.
        Creio que se ele focar nos meus principais fundamentos, ficar menos encurralado na grade creio que voltará a ser relevante.
        Com relação ao Khabib ainda quero ver ele contra um trocador mais evoluído, pois seu jogo em pé não me deixa confortável em cravar que ele conseguirá encurtar a distância e aplicar seu jogo de quedas.

        • Hyuriel Constantino

          Cigano é um ponto fora da curva nesse aspecto da reinvenção, cara. Em termos estatísticos, se formos ver, a reformulação de um estilo faz muita diferença. Basta ver como certos jiujiteiros se tornam outros atletas quando começar a se dedicar a trocação e vice-versa.
          Além disso, Pettis sempre teve um erro em seu jogo e que estão caindo em cima que é uma beleza: ele é um striker plástico, mas, paradoxalmente, com um jogo de pés sem tanta mobilidade. Isso o torna um alvo fácil para quedas. Não foi à toa que um cara como o Guida neutralizou ele, mesmo sendo um atleta que não é lá essas coisas. E Guida faria o mesmo de novo, enquanto com RDA seria bem diferente.

          • Vinicius Maia

            Não sou muito fã dessas afirmações absolutas de que se o Guida lutar com o Pettis de novo ele vence pois o MMA você muito bem sabe tudo pode acontecer. Concordo que ele tem pouca movimentação mas não é necessário mudar todo o seu jogo como voce mesmo diz. Gaps técnicos sempre vão existir no MMA, ainda mais se tratando de lutadores com várias valências diferentes. Belfort nunca conseguirá se equiparar ao Wrestling do Weidman por isso não adiantaria mudar seu jogo pra fazer força contra weidman. Guida quando lutou contra o Pettis era um top da categoria. Tanto que tinha feito um TS eliminator na próxima luta dele contra o Bendo.
            Não estou falando que o Pettis não deve melhorar seu jogo, mas discordo totalmente de você que ele deve se reinventar, mudar totalmente seu jogo, pois foi com esse jogo que ele foi campeão do UFC e sempre foi um lutador empolgante.
            Demian Maia é outro lutador que sempre tentou evoluir em pé e nunca teve resultado.

          • Eugenio

            Reinventar é uma palavra forte, mas, com certeza, todos esses lutadores que você citou precisam evoluir e acrescentar novos elementos em seu modo de lutar. Esse negócio de que o Cigano deve voltar a ser lutador de antes é pura balela. O cara precisa sim evoluir. E fez isso na última luta mostrando que está aprendendo a chutar! Isso é evolução meu caro. Da mesma forma, o Pettis precisa sim acrescentar novos elementos em seu jogo e evoluir. Eu acho que quando o Hyuriel fala que os caras precisam se reinventar é mais nesse sentido de acrescentar novos elementos ao jogo. Essa é essência do MMA, que é uma mistura de artes marciais. Se o cara fica parado no tempo como o Pettis e logo é suplantado por outros lutadores que trabalham com mais versatilidade.

          • Vinicius Maia

            Você pegou exatamente minha discordância com o pensamento do Hyriel. Eu não acho que ele deva parar no tempo mas reinventar seu jogo é exagero. Todos os lutadores devem buscar evolução mas ainda acho que cada lutador deve ter seu carro chefe uma atenção especial. por exemplo, tivemos a luta da Ronda contra Holly. O Gap técnico entre as duas na luta em pé talvez nunca será diminuído, pois a diferença é enorme. Assim como a Holly não conseguirá fazer com que o Gap técnico entre as duas no jogo de chão seja suplantado.
            Concordo que devam evoluir mas mudar seu jogo drasticamente não é a resposta.

          • Hyuriel Constantino

            Boas colocações. Abs.

    • Rafael Fiori

      Acho que o texto falou bem sobre o Pettis. Entendo que ele não evoluiu desde que chegou ao UFC. Parece o mesmo lutador de quando tinha 22 anos, está hoje apenas mais encorpado. Se perdeu durante o caminho, enquanto alguns lutadores mais sérios não pararam de evoluir.

      • Vinicius Maia

        Discordo de você. Ele melhorou bastante seu jogo de chão e guarda tanto que finalizou Bendo e Melendez dois faixas pretas de BJJ ele sendo graduado na marrom.
        Vitórias e derrotas acontecem com todos os lutadores que competem em alto rendimento ainda mais numa categoria tão competitiva quanto os leves do UFC.
        Concordo com você quando fala que ele se perdeu no caminho, mas não vejo o Pettis como muita gente já esta pintando como carta fora do baralho.

  • Bruno

    Acho que um dos problemas da queda do Pettis está no nível altíssimo da categoria, mas acredito que ele consiga se manter ali no top 5.
    Fora isso, acho que o Paranhos tocou em um assunto que influencia muito no desempenho do atleta, que é a fama. Muitos se deslumbram e depois que levam uma queda não sabem como reagir, Ronda é um grande exemplo disso. Fora os “fenômenos” do TUF Brasil citado no texto, muita pressão para cima deles, muito imediatismo midiático e pouca luta.

  • Raphael Pinheiro

    Pra mim, é (era?) o melhor chutador do UFC. Tem muito striker louvado por aí que praticamente não chuta e nem por isso está sendo perseguido. Lembram quando ele arrebentou Donald Cerrone na base da bicuda? A fase é ruim, evidentemente, e numa categoria muito difícil. Por ora, não dá sinais de que permanecerá no top 5 muito tempo, mas há maneiras de reagir, por que não?

    No mais, achei o texto do Paranhos super pertinente. Pra mim uma aventura nos penas talvez traria um foco melhor para o Showtime, nesse momento. Estão muito recentes as peias levadas com 70 kg…

  • Gabriel Fareli

    Pettis é mais um exemplo de que em qualquer esporte, só talento não basta, tem que trabalhar duro no dia-dia. Só talento não faz ninguém se manter no topo, ainda mais o MMA hoje em dia que é cada vez mais competitivo e em alto nível.
    ShowTime caminha pra ser mais um da “escola Shogun” de talento desperdiçado.

    • Renan Oliveira

      Ronda e Conor daqui a pouquinho também entram na escolinha do professor Shogun.

  • André Guilherme Oliveira

    Eu gosto de uma frase que diz que no alto nível a diferença entre o melhor e os demais está principalmente na mentalidade. Uma vez que um cara brilhante se perde mentalmente, fica bem difícil dar a volta por cima somente com as suas habilidades técnicas. Acredito também que o Pettis e sim um dos I0 melhores leves do mundo e pode reaver a cinta, mas pra isso precisa colocar a cabeça no lugar.

    • Hyuriel Constantino

      Concordo contigo. A mentalidade de ser campeão é um fator muito forte. Basta ver a postura de RDA. O cara transpira essa mentalidade na sua postura e dedicação.

  • Bruno P.

    Esse texto mostra o quão fora de série é o JJ né… Caiu em todas essas tentações e mesmo assim, dentro da jaula, se mantém no topo

    • Hyuriel Constantino

      Jones é um bicho diferenciado. Só perde para carros, drogas, juizes e ele mesmo. kk

    • Vinícius Pereira

      Jones é como o Pelé. Não pode ser comparado com qualquer outro atleta. Torço pra que o Showtime recupere o caminho, não o cinturão.

  • KRS Porlaneff

    Eu sou o tipo de cara que quando vejo o tempo todo alguém sendo superestimado enquanto não está no topo ao mesmo tempo que quem está no topo está sendo subestimado, acabo pendendo pro lado do subestimado. Foi assim na época do Lesnar quando meio mundo endeusava o Velasquez e foi assim também com Bendo campeão e Pettis ascendendo. Com isso, sempre vi o Showtime com maus olhos, até o ano passado que ele perdeu o cinturão.

    Pettis sempre teve na plasticidade dos movimentos o seu maior trunfo. A luta do WEC 53, pra mim, pendeu pro lado dele por causa do “Spider-Man Ninja Kick” que ele aplicou no Bendo. Também vi ele perdendo a luta contra o Jeremy Stephens e o primeiro round da luta contra o Gilbert Melendez (que pra mim perdeu de forma bizarra) além de não ter conseguido ver de jeito nenhum ele vencendo dois rounds contra o Eddie Alvarez.

    Por conta disso, sempre vi ele superestimado por conta de alguns golpes bonitos e procurando definir a luta sempre tirando o coelho da cartola. E quando ele pegou um adversário que o pressionou o tempo todo pra não o deixar fazer esse jogo (RDA), foi 50-45 na cabeça. E naquela época, se ele tivesse enfrentado Nurmagomedov e talvez até Cerrone, era capaz de ter perdido.

    Mas voltando em um dos focos do texto, que é também o aspecto psicológico, é relativo colocar isso como fator determinante principalmente quando se apela para a pobreza. Vivemos no Brasil, e histórias tristes como a da família Pettis são repetidas à exaustão diariamente em todo o Brasil – tem aqueles que ligam o foda-se e os que superam isso e alcançam o sucesso; e dentro dos que alcançam o sucesso, tem os que se deslumbram e os que continuam focado. E é aí que entra a diferença entre Pettis e Rafael dos Anjos que é outro cara que também tem uma história de vida marcada pela dificuldade e não deixou a peteca cair.

  • Pedro Duarte

    O nome que mais me vem em mente: Erick Silva. Surgiu como maior promessa do MMA no momento do boom do esporte no BR e adquiriu status de celebridade antes mesmo de enfrentar um adversário com credenciais de verdade. A partir daí virou baladeiro, galã e até pegou atriz global. Mas no octagon não ganhou de ninguém realmente relevante.

    • Renan Oliveira

      Erick Silva é puro hype

  • Felipe Oliveira²

    Boa reflexão. O Pettis é claramente um cara muito talentoso e diferenciado. Com essas derrotas a impressão que fica é que a questão psicológica que tem sido o problema mesmo.

    Uma pena pois é um dos lutadores que mais gosto se assistir. Fica a torcida para que ele volte ao topo, onde – pelo menos na minha opinião – é o seu lugar.

  • Tiago Nicolau de Melo

    Pra mim no final de casa luta, quando o próprio Pettis sempre respeita o adversário e o aplaude, ele pensa: “putz… viajei de novo, vou levar mais a sério na próxima!”
    Acho que o que falta mesmo é, como já citado, treinar mais seriamente. Qualidade ele tem de sobra e boa parte de quem fala que ele tá ultrapassado/superestimado, tem como um dos highlights do MMA o chute dele no Bendo.
    Não vejo ele saindo do Top10… categoria essa onde qualquer Top10 se tornar Campeão não é impensável, como em muitas outras.

  • Thiago Batista

    Um atleta de elite sem um bom psicológico já era. O Jones faz muitas besteiras mas tem uma autoconfiança assustadora. Alguns interpretam como arrogância, eu vejo como uma autoconfiança de um nível muito profundo. Por isso se mantém no topo por tanto tempo.

    • Vinicius Maia

      Exato, eu tava vendo uma entrevista do Dunga sobre psicólogos no esporte e ele mostrou o quão imbecil e ignorante sobre o assunto ele é. Pessoal ainda tem muito preconceito de uma coisa que eles não entendem bem. O psicologo do esporte não é um cara pra ouvir as lamentações do atleta e sim condiciona-lo a manter a calma e conseguir aplicar tudo que lhe foi passado nos treinos.

  • Malk Suruhito

    Renatão, sabe dizer porque o Pettis parou de treinar com os irmãos Moraes? Da última vez que passei por lá na Ilha, ainda tinha banner do Pettis…

  • Ridelson Medeiros

    – Apesar de tudo, e dessa fase maldita que o Apaepettis ta vivendo, existe algo que me faz acreditar que ele ainda pode ser champ. É tipo a fé que eu ainda tenho na possibilidade do Slowgun emplacar uma sequencia de 4 vitorias.
    – Impossível? Talvez improvável.

Tags: , , ,