UFC 197: os palpites dos
colunistas do Sexto Round

admin | 22/04/2016 às 21:31

Amigos do Sexto Round,

Esqueçamos  por um momento o Furacão McGregor e o problemático UFC 200 pois o octógono desembarca em Las Vegas neste fim de semana, e com um card de primeira.

No UFC 197Demetrious Johnson de olho no recorde de defesas de cinturão e a volta do cabuloso Jon Jones. Excelente oportunidade para os (nem sempre tão precisos) palpites dos nossos colunistas.

Vamos a eles!

JONES-ST-PREUX

Felipe Paranhos: A menos que um meteoro caia em Las Vegas ou o ex-campeão entre no octógono como sombra do que já foi, Jones vencerá OSP com relativa facilidade. Além de tudo, vi um vídeo da preparação recente de Bones e ele me parece ainda mais apurado no striking. Pra mim, a única chance de Saint Preux é descobrirmos que Alexander Gustafsson foi menos espetacular do que parecia contra Jones, e este na verdade trava contra adversários com envergadura parecida. Jones, TKO.

Fernando Cappelli: Saiu DC, entrou OSP. Da mesma forma que Bones, o haitiano/norte-americano se destaca pela envergadura, mas tecnicamente fica bem atrás do ex-campeão. É, vai dar Jon Jones, por KO.

João Vitor Xavier: A não ser que menospreze inteiramente OSP, Jon Jones usará novamente um cinturão depois de amanhã. O perigo é apenas esse, praticamente: Bones é melhor que Saint-Preux em literalmente todos os fundamentos. O problema é que li por aí que ele está querendo lutar com a base canhota só para dizer que é melhor que OSP até nesse quesito. Aí mora o perigo – não por lutar como canhoto, mas por estar menosprezando o adversário, que apesar de inferior é muito duro. Acho que isso não é o suficiente para apostar contra JJ. Jones vence por TKO no R2.

Lucas Carrano: “Ah, mas o Jon Jones está afastado há muito tempo”… “Ah, mas o psicológico”… “Ah, mas o estilo esquisito do OSP”. Beleza, tudo isso é verdade, mas estamos falando do Supremo Senhor Kaioh da estupidez em nível de MMA. Vai ter cotovelaço e nocautaço. Jones, por TKO.

Lucas Rezende: Apesar do inferno pessoal de Jones e o longo afastamento do octógono, não consigo, em sã consciência, apostar em um OSP de última hora, que foi dominado no solo, por cinco rounds, por Ryan Bader. Jones por finalização no round 2.

Renato Rebelo: No podcast da semana classifiquei OSP como um adversário legítimo. Em pé, sua potência, estilo heterodoxo e envergadura – semelhante a de Gustafson- o tornam um perigo constante. Acontece que Jones sabe disso e seus mentores – Greg Jackson e Mike Winkeljohn- não são conhecidos por dar mole a Kojak. O que nos leva ao fato do ex-campeão ter altíssima taxa de quedas convertidas e St. Preux ser paupérrimo no setor. Adiciono à equação o fato de que OSP teve pouquíssimo tempo de preparo e chego à conclusão de que um buffet de cotovelos será servido em Las Vegas. Jones, TKO.

Rodrigo Tannuri: Meu exército vai à loucura! Apesar de ser um fã do estranho Ovince (tatuagens e careta míticas!), não acredito que vá surpreender. Ok, a fase pessoal de Jones é horrível, mas, convenhamos, como lutador, é monstro e já enfrentou e venceu atletas bem melhores. O único porém aqui é saber se o haitiano irá encontrar um daqueles seus golpes espíritas. Se sim, Jones pode ser surpreendido. Caso não, será um passeio e aposto nisso. Jones finaliza no 3º round.

JOHNSON-CEJUDO

Felipe Paranhos: Cejudo é um gigante no wrestling? Sim. Mas é igualmente espetacular como wrestler no MMA? Não. Por suas deficiências nas transições, acho muito difícil que Henry crave DJ no chão por muitas vezes. E não duvido de Mighty Mouse conseguir algumas quedas. Mas não vejo nada muito diferente de uma luta com domínio pelo menos dos rounds finais pelo cardio inesgotável do campeão. DJ, decisão.

Fernando Cappelli: O desafiante tem colocado pra jogo um estilo cada vez mais ‘massudo’, sobretudo nas adaptações – muito bem pensadas – de wrestling. Mas pelo conjunto da obra, ainda é difícil visualizar o atual campeão sendo destronado. Mighty Mouse mais uma vez deve capitalizar pra valer a velocidade e criar problemas para o adversário com o volume de golpes característico. Demetrious Johnson, decisão.

João Vitor Xavier:  As mãos de Cejudo são boas? Sim. O wrestling do desafiante é de alto nível? Sem dúvida, afinal ele é medalhista de ouro olímpico na modalidade. Mas é certo que o “Mensageiro” não consegue misturar suas qualidades tão bem quanto o campeão – me atrevo a dizer que ninguém consegue. Johnson sabe como poucos mudar a direção da luta, tem um jogo de MMA quase perfeito e vai dominar mais um adversário duro. Decisão unânime para “Mighty Mouse”.

Lucas Carrano: Nunca em minha carreira de palpiteiro amador corri tanto risco como neste exato momento. Estou disposto a arriscar um suado e medíocre quinto lugar pela oportunidade de me distanciar dos meus colegas. Vou confiar que Cejudo vai bancar a Holly Holm e ter “escondido” seu jogo nas últimas atuações, guardando sua excelência no jogo de quedas e imposição física para este confronto – e teremos todas as categorias tendo mudado de mão. Em todo caso, se eu me der mal, estarei conformado pois mereci. Cejudo leva na decisão.

Lucas Rezende: Bom boxeador e nível olímpico no wrestling. Cejudo pode ser ainda um tanto verde no MMA, mas acredito que já é experimentado o bastante para fazer um combate duro contra o campeão inderrubável dos moscas. Mas não o bastante para derrubá-lo. Mighty Mouse por DU.

Renato Rebelo: Apesar do ouro olímpico no wrestling e do passado no boxe amador, Cejudo chegou cedo demais ao último chefão de sua categoria no MMA. Por mais que no campo “isonométrico” sua vantagem seja clara, as diferenças de velocidade e capacidade cardiovascular pendem pesadamente para o outro lado. Mighty Mouse é um dos lutadores mais completos, ardilosos e adaptáveis da história do MMA e o vejo levando essa na “experi” (batendo e saindo, muita movimentação, footwork, etc). DJ, decisão.

Rodrigo Tannuri: Muitos acreditam que essa luta seja o último desafio de Johnson nos moscas e que será algo equilibrado, mas, sinceramente, não vejo assim. Sei muito bem que o wrestling do invicto Cejudo está além do nosso alcance, porém DJ está além do alcance do adversário como lutador de MMA. Temos que apaudir de pé o que ele faz! Acredito que o combo velocidade/condicionamento/técnica/inteligência o levem a mais uma vitória tranquila. A 8ª defesa de cinturão virá, DJ por DU.

barboza-pettis

Felipe Paranhos: Tenho tudo pra acreditar numa vitória do brasileiro, mas algo me chama a atenção. Pettis trava contra lutadores que o pressionam, que o encurralam contra a grade — e este não é o jogo de Barboza. Apesar de esperar uma diferença de tamanho considerável a favor do friburguense, acho que Pettis se reergue com seu striking. Pettis, TKO.

Fernando Cappelli: Minha grande expectativa pra esse card em termos de striking. Foi pauta recente do Receita. Tomara que seja uma batalha tática e campal. Pettis, vem de atuações irregulares e reformulou o camp com a ajuda da Jackson/Winkeljohn. Palpite bem cascudo esse. Pettis, decisão.

João Vitor Xavier: Pode pular essa? Normalmente, veria Pettis como favorito por sua imprevisibilidade. Porém, Edson vem de boas apresentações – perdeu para o top Ferguson em uma grande guerra, onde se deu bem em boa parte do combate. O jogo justo do brasileiro é menos difícil de ser estudado e neutralizado, principalmente para um striker especialista, caso do ex-campeão. Acho que Pettis consegue impor um pouco mais de castigo, através de seus ângulos malucos e golpes improváveis. Pettis vence por decisão dividida.

Lucas Carrano: Já fiz graça acima, então aqui vou no modo conservador. Barboza não tem o perfil ideal para fazer o jogo de pressão que se mostrou ser o calcanhar de aquiles de Pettis e, por isso, vejo vantagem do ex-campeão na trocação. Pettis abre caminho na porrada e termina o trabalho no chão. Pettis leva, por finalização.

Lucas Rezende: Pelo menos Pettis não precisará se preocupar em ser amassado, aqui. Aliás, o ex-campeão tem inclusive um jogo de solo superior ao de Edson. Para não sofrer três derrotas seguidas, acredito que veremos um Anthony estratégico. Pettis por finalização no round 2.

Renato Rebelo: Duelo de strikers de altíssimo gabarito que dificilmente terminará em grude – a não ser nos segundos finais de cada round, para garantir uns pontinhos. Sendo assim, vejo Pettis com pequenas vantagens nos campos da criatividade, movimentação e resistência a impactos. A luta será decidida no detalhe e, por isso,no cantar das canelas, vou com o favorito. Pettis, decisão.

Rodrigo Tannuri: Como fui ultrapassado na liderança dos palpites, tentarei surpreender Sir Cappelli. Se eu liderasse, iria de Pettis, mas tenho que correr atrás do prejuízo. Mesmo treinando na Jackson’s MMA, o americano não é mais o mesmo. A surra que tomou de RDA deixou sequelas (o travou) e, após perder pra Alvarez, acredito que ele lute com ainda mais receio diante do brasileiro. Até acho que o queixo do fenômeno de Nova Friburgo volte a falhar, mas se há hora pra apostar contra Showtime, essa hora é agora! Lutando de forma inteligente, Barboza vencerá por DU.

SAPO-WHITAKKER

Felipe Paranhos: Sapo que me desculpe, mas a diferença dos dois em pé é tão considerável que, ao brasileiro, restam duas chances: uma abertura de espaço por Whittaker no chão ou o retorno do queixo frágil do neozelandês na época de meio-médio. O peso médio que evolui luta a luta e com resistência alta a golpes não perde essa luta. Whittaker, KO.

Fernando Cappelli: O neozelandês tem mostrado atuações mais sólidas nos médios. Ele deve tomar a rédea do combate com os recursos para controlar a distância. Sapo deve fazer frente e a luta tem tudo para ser razoavelmente boa. Vou de Whittaker, KO.

João Vitor Xavier:  Whittaker vai enfrentar um adversário experiente, duro e que sabe levar a luta pro “fundo da piscina”, usando seu físico para se impor sobre o adversário através de clinches e derrubadas. Sapo é muito bom e ainda está melhorando, mas confio mais no dinamismo do neozelandês, que aprendeu a lidar com esse tipo de lutar quando enfrentou o duríssimo Court McGee, há alguns anos. Whittaker vence por nocaute técnico.

Lucas Carrano: Vejo bem mais alternativas para o neozelandês neste combate. Ele deve controlar as ações na trocação e, se não nocautear, leva a melhor na decisão – meu palpite fica com a segunda opção. Whittaker vence em decisão unânime.

Lucas Rezende: Um bom teste para o emergente Whitaker. Sapo é um veterano da categoria com jogo de chão para azedar a boa fase do striker australiano. Pelo que me lembro, no entanto, Robert possui defesas de queda decente. E poder de nocaute, também. Whitaker por KO round 1.

Renato Rebelo: O jogo de grade do impetuoso Sapo é, sem dúvida, um dos mais chatos da categoria. Exatamente por isso que o brasileiro representa um excelente teste para Whittaker – striker em ascensão que se encontra com grapplers faz tempo. Acho que investirei na narrativa que aponta o jovem australiano se desvencilhar do sufoco e acertando os melhores golpes em pé. Whittaker, decisão.

Rodrigo Tannuri: Reconheço a boa fase de Sapo e confesso que até fico surpreendido com as quatro vitórias seguidas, mas creio que seu grande momento termine nessa luta. Whittaker is on fire e isso é muito bom pros médios. Duvido muito que ele dê uma de Uriah Hall, não apertando o gatilho. Mais jovem, rápido, técnico e faminto, o neozelandês não deve ter problemas pra vencer o veterano no 1º round. Whittaker vence por KO.

RODRIGUEZ-FILI

Felipe Paranhos: A Rodríguez, sobre ousadia e falta polidez em pé. Já Fili é melhor formado como lutador, mas também tem buracos grandes no jogo. Embora não acredite em nenhum dos dois a longo prazo, acho que hoje o mexicano está, por pouco, à frente. Rodríguez, decisão.

Fernando Cappelli: Rodriguez é um cara cheio de versatilidade e Fili cria da Team Alpha Male. O mexicano deve dosar melhor o combate com movimentação dinâmica e controle de clinch. Rodriguez, decisão.

João Vitor Xavier: Boa luta para início de conversa no card principal do UFC 197. Dois atletas em ascensão, mas creio que o treino duro de Touchy Fili na Team Alpha Male, e sua maior experiência no MMA, farão a diferença. Será uma guerra e Fili vencerá por decisão dividida.

Lucas Carrano: Bom choque de jovens promissores. Entretanto, Fili, apesar de mais rodado, já tropeçou mais. Vou apostar na maior dinâmica de luta do mexicano, que vai subir um grande degrau em sua escalada na organização. Rodriguez leva em decisão apertada.

Lucas Rezende: A única garantia aqui é de combate animado. Tanto Rodriguez quanto Fili são partidários do “luta bonito” e gostam de tentar técnicas mirabolantes dentro do octógono. Apesar de Fili ser mais experiente e representar a Team Alpha Male, vou apostar na boa fase do Pantera. Rodriguez por DU.

Renato Rebelo: Dois porradeiros viscerais, dois mais excitantes da categoria até 66kg. Nessa, vou com a experiência do Alpha Male, que completa sua 19º luta profissional ante o Pantera que tem menos da metade da milhagem. Se o caldo engrossar em pé, Touchy ainda tem recursos para esfriar a luta de outras formas. Fili, decisão.

Rodrigo Tannuri:  Essa é uma das lutas que mais quero assistir nesse evento. Por que? Estamos falando de dois lutadores bem jovens, criativos, empolgantes e carismáticos. Até o momento, Pantera mostrou mais regularidade e é um dos poucos participantes dos TUF menos tradicionais que dá pra gente confiar. Portanto, deve vencer outra guerra. Rodriguez vence por DU.

Restante do card:

Sergio Pettis x Chris Kelades
Danny Roberts x Dominique Steele
Carla Esparza x Juliana Lima
Glaico França x James Vick
Walt Harris x Cody East
Marcos Pezão x Clint Hester
Efrain Escudero x Kevin Lee

Placar dos colunistas (2016):

1- Fernando Cappelli: 24-12 (66,6%)
2- Rodrigo Tannuri: 27-14 (65,8%)
3- Felipe Paranhos: 24-17 (58,5%)
4- João Vitor Xavier: 22-19 (53,6%)
5- Lucas Carrano: 20-21 (48,7%)
5- Renato Rebelo: 20-21 (48,7%)
7- Lucas Rezende: 17-20 (46.3%)
8- Fernando Henriques: 7-9 (43,75%)

  • Matheus Araujo

    Rapaz tá batendo um felling que Cejudo vai ganhar essa porra…..

  • Hallefy Ribeiro

    Lucas Carrano … to contigo com cejudo

  • Rodrigo Tannuri

    Quis dar uma de diferentão apostando no Barboza e, pelo visto, vou me ferrar 🙁 #Parabéns

    • RWillians

      Tannuri, tô contigo e não abro, mas não acho que o problema do Barboza seja o queixo. Acho que Striker por Striker o Barboza é levemente favorito, mas eu acho q nessa o Pettis vai pro abafa, vai tentar fazer uma luta segura, pq sabe q o grande problema é o JJ. Barboza vai ter que usar a envergadura e ligar uma metralhadora de chutes baixos.

      • Bruno Barbosa

        É mais fácil o Edson ser finalizado tentando quedar do que o Anthony Pettis quedar ele, se não me engano o Edson tem a melhor defesa de queda da categoria

        • RWillians

          Isso é fato, mas Edson no chão é uma negação.

      • Lero

        O queixo dele é bom, Galera não perdoa aquele jab do Cerrone. É tipo o Miocic que foi nocauteado pelo Struve, e depois aguantou até guerra com Cigano

      • Rodrigo Tannuri

        Eu até acho que o Greg Jackson vai pedir pro Pettis ser mais estrategista, mas ele não tem esse perfil. Pra mim, é mais fácil o Barboza ser do que o americano.

        • RWillians

          Eu acho q ele vai tentar seguir a estratégia. Se o Greg Jackson estiver no córner achoq vai ser assim.

        • RWillians

          Deu “nóis” Tannuri… kkk

          • Rodrigo Tannuri

            Mitamos!!!

          • RWillians

            A impressão q fiquei é q o Pettis ta fraco, sem pressão, talvez devesse tentar a sorte nos penas. Edson foi bem, guarda fechadinha, mas durante a luta passei a imaginar q somente um golpe estilo Showtime podia salvar Pettis.

          • Rodrigo Tannuri

            Eu também vi assim. O Pettis só luta em busca de um KO chamativo. Se ele não acontece, a tendência é sucumbir. É sempre perigoso, mas está se tornando bem frágil.

          • RWillians

            Achei até a trocação fraca ontem. Barbosa ontem bateu forte, foi preciso e estratégico. Lutas para ele hj: Nate Diaz, se não pegar o Connor (UFC200?), ou então partir para limpar seu cartel, Cerrone, Ferguson ou Johnson.

    • Tiago Nicolau de Melo

      #toiss

    • Thorens Acchuphase

      Eu tô contigo Tannuri! Pela ultima performance de ambos, aposto tranquilamente no brasileiro, Barbosa não venceu o El Cucuy por pouco! Pettis não tem o queixo e a garra do brasileiro, ainda tá abalado com perda da cinta. Acho que perde por TKO!

      • Rodrigo Tannuri

        O problema é o queixo do Edson. Ele pode estar melhor em pé, mas não duvido que um jab o derrube de novo 🙁 Tomara que vença, pois é um atleta muito bom mesmo!

        • Thorens Acchuphase

          Se estivesse valendo uma graninha, iá gastar tudo em cerveja artesanal haha

  • Tiago Nicolau de Melo

    Lá vai:
    Jones por finalização/submissão, após brilhante atuação de pé ele vai mostrar novos truques no chão. #LookSeeDo
    Espero que o Cejudo leve, mas deve dar DJ numa DU, vencendo 4 rounds.
    Barboza e mais um chute pros highlights.
    Sapo pára o Robert no chão, rear naked.
    Gosto do Fili, mas o Rodriguez é muito “porraloca” no bom sentido. Vou de Yair, tko.

  • Bruno Barbosa

    Jon Jones SUB – o OSP tem queixo e coração demais pra tomar um TKO/KO
    Cejudo DEC – Ganhando os 3 primeiros rounds de forma apertada enquanto tem gás, leva a luta numa decisão mais apertada ainda(tomara, gosto do DJ mas se ele ganhar os moscas vão ficar feios)
    Barboza DEC – Lutando inteligente o Edson leva em uma luta de chutes de todos os gostos
    Whittaker DEC
    Rodriguez DEC – a lá ninja

  • Jonas Angelo

    Shape do Janjão tava qualquer coisa de assombroso nessa pesagem. Sejam bem vindos à Bones 2.0- A era dos nocautes!

    • Bruno

      Tava realmente assustador! Deixou o Ovince pequeno.
      Espero que venham os nocautes agora, já faz tempo que o Janjão não nocauteia ninguém.

  • Renan Oliveira

    Palpites:

    Jones
    Rato
    Barboza
    Whitaker
    Rodríguez

  • Lucas De Oliveira

    Sou fã do Barboza, mas não tenho essa confiança toda nele. Acho que a potência e interessantes combinações de golpes dele, não vão se sobressair diante da precisão, angulações de golpes “malucas” e jiu-jitsu afiadíssimo do Showtime. De qualquer forma, estou na torcida pelo brazuca.
    #GoBarboza

  • James sousa 8

    Jon Jones , Demetrious , Edson Barboza , Whittaker , Yair Rodriguez

  • Vitor Camilo

    Hoje teremos muitas surpresas, aposto em todos os azarões nesse card.

  • Saulo Henrique

    Triste..mas vou ter que torcer contra o Demetrious pra categoria andar..GSP manda abraços.Alguém sabe que diabos é aquela ”comemoração” do OSP????

    • Rodrigo Tannuri

      Algum ritual! Só pode kkkkk

  • Thorens Acchuphase

    Falando agora DJ, vou me atrever a dar minha opinião sabendo que 90% de todos que a lerem me ignorarão: n°1 peso-por-peso (ou o maior de todos os tempos, esse último título prefiro não usar) no ranking do UFC e ou em qualquer lugar na internet, aparecerá o JJ. No meu ponto de vista, o DJ está acima e ocupa a primeira posição, explico: DJ lutou com todos os tops da categoria e nunca passou nem susto com algum, ele faz o Benavidez, DD parecerem lentos e medianos. Não existe vantagem física como envergadura ou massa muscular, é 100% técnica e condicionamento. JJ fez uma luta parelha com o sueco e nunca enfrentou o Humble (apesar que é totalmente favorito), tomou um susto com o armlock do pastor, atropelou vários lutadores, porém alguns já não estavam no auge da carreira como o Rashad e Shogun.
    É perfeitamente compreensível que assistir as lutas do JJ sejam mais emocionantes que as do DJ ou de qualquer luta do peso mosca, acho que por esse mesmo motivo ele sempre será desvalorizado.

Tags: , , , , , , , ,
Instagram