Entenda como Glover, o mão
de pilão, carimbou mais um

Fernando Cappelli | 18/04/2016 às 21:31

Mesmo com baixas importantes no card, o UFC on Fox 19 foi satisfatório no em assinaturas técnicas e teve combates interessantes em mais um final de semana recheado de eventos pelo mundo.

No encontro estilístico mais esperado da jornada, Glover Teixeira precisou de pouco mais de dois minutos para esparramar Rashad Evans na lona do octógono. Assim, garantiu o terceiro triunfo consecutivo e se reafirmou-se como um dos contenders mais duros entre os meio-pesados.

Como de costume, aquela olhada mais de perto nos destaques vem a seguir.

Letal

Na ponta do lápis, a principal expectativa era saber como o poder visceral de golpes de Glover se confrontaria com as manhas técnicas de Rashad. Como esperado, o norte-americano escaneou bastante opções e ângulos antes de cada ataque, usando e abusando de jabs, fintas e mudanças de nível (altura) para se tornar mais imprevisível.

Mas novamente, um velho cacoete atrapalhou. Mesmo com todo ‘calo’ de octógono, Rashad ainda fica atabalhoado quando o oponente propõe alguma blitz ou exerce pressão mais severa. Aí, começa a recuar de forma displicente e desequilibrada.

Tal falha no fundamento básico de movimentação já deve ter sido percebida e treinada para ser sanada por Henri Hooft e os demais profissionais que cuidam de seu strking.

giphyMas os famigerados ‘brancos técnicos’ ainda perseguem o norte-americano em momentos de grande pressão psicológica e técnica. O fato é predominante desde que foi horrivelmente nocauteado por Lyoto Machida, em 2009.

Um dos lutadores mais instintivos do esporte, Glover se impôs e logo fechou o cerco para aproveitar a inabilidade de Rashad com as costas contra as grades e testar as saídas do raio de ação do adversário. Na primeira chance, aproveitou uma escapada para a esquerda para aplicar um chute alto.

Muito se fala na potência boçal no punho direito do brasileiro, mas o cruzado de esquerda é seu golpe mais frequente e perigoso, sobretudo quando jogado após um direto. Trata-se de uma receita básica do pugilismo e que pode atrapalhar até os mais experientes.

Para os destros, os cruzados de esquerda são muito funcionais quando usados em combos pela possibilidade de ampliar alternativas de timing-surpresa. São golpes de muita velocidade e pouco telegrafados.

LinedFemaleHamadryadO norte-americano foi bem orientado e teve feeling técnico para perceber isso. Tanto que o padrão de movimentação foi desenhado para ‘ganhar’ constantemente a esquerda de Glover, ou seja, ir de encontro ao golpes que vinham do lado direito, supostamente o mais forte.

Uma tentativa ousada, mas que não surtiu efeito.

Ao fechar o cerco mais uma vez, Rashad percorreu a grade inclinando demais o tronco. Ao tentar golpear sem uma base estável, acabou atingido por um direto, seguido de um cruzado de esquerda na ponta do queixo.

No momento em que tentou se levantar, ainda foi pego por um uppercut de direita. Fatal.

Fluido

giphy (1)Se nos bastidores Cub Swanson parecia um tanto desanimado para o desafio da vez, na prática desenvolveu jogo dinâmico e cheio de personalidade contra Hacran Dias.

Caracterizado por ser pontual, de combos enxutos e intenção de aproveitar as reações do adversário, esse estilo tem sido cada vez mais frequente nos atletas da equipe Jackson/Winkeljohn, e demanda alto grau de confiança.

Sanson já apostava em atuar desta maneira há algum tempo. Mas até então, ia melhor quando priorizava fundamentos mais básicos.

ImpressionableWeightyKawalaNo compromisso da vez, a maturidade técnica foi mais que satisfatória.

Houve espaço para alguns trejeitos à la Dominick Cruz, com trocas de base constantes, jogadas de ombro acrescidas de passadas com socos, além de diretos longos aplicados no tórax e uppercuts imprevisíveis.

Os low kicks aplicados na panturrilha – outra assinatura do atleta – usados como golpe inicial para desequilibrar o oponente, também estiveram presentes, criando volume ofensivo peculiar e não dando chances para o brasileiro, perdido taticamente desde o começo.

Clássico

Beneil Dariush acabou derrotado no combate contra Michael Chiesa por finalização. Mas o iraniano mostrou uma variação de aplicação dos low kicks muito tradicional no kickboxing e muay thai, chamada por muitos treinadores de ‘corredor’.

Usada para ‘matar’ espaço de forma ativa frente a oponentes que recuam demais, consiste em jogar alguns golpes com os punhos, geralmente retos, acrescidos de passos, para em seguida disparar o chute na perna, deslocando a posição do corpo levemente para a diagonal, acertando com a canela e projetando do corpo para redobrar impulso e contundência.

  • Neylon

    Cappelli! Você já recebeu convite pra ser treinador de alguma equipe? Manja demais dos paranauê mano. C é louco…

    • Rodrigo Carvalho

      O pior é que você nota que muito lutador não tem um feedback desse tipo na sua equipe. Me pergunto o quão importante alguém que analise friamente as coisas dessa forma é.

      • Marcelo Silveira

        Imagina esse cara comentando no Combate..? Mas o que temos para o momento é Lutão pra cá, lutao pra lá

        • Neylon

          Nem me fale nos comentaristas do Combate. Só escapam o Carlão e o Luciano Andrade.

      • Fernando Cappelli

        É cada vez mais importante, Rodrigo.
        abs

    • Jonas

      A julgar pelas entrevistas que os lideres de equipes aqui no Brasil dão, eu duvido que tenha esse nível de detalhe e feedback para os lutadores. Aqui é mt “paraibagem” e pouco perfeccionismo. Cappeli neles!

      • Fernando Cappelli

        hahahahahaah

    • Fernando Cappelli

      Eu trabalho com a 011 aqui em São Paulo, Neylon. Minha função principal é ser manager e assessor.
      abs

      • Neylon

        Hum! Legal Cappelli. Acredito que a maneira como esse site tem crescido, cedo ou tarde vamos ver alguns de vcs assumindo cadeira de comentarista no Combate. Não pelo fato do site crescer, mas pelo nível de conteúdo que os colunistas apresentam aqui. Seria um orgulho pra nós hehehe

  • Tiago Nicolau de Melo

    Mestre Cappelli, textaço!
    Na parte final dos combos do Dariush, algumas vezes, o chute me lembrava alguns que o Bas Rutten utilizava bastante, pondo o pé de apoio numa linha após o oponente.
    BTW, foi um lutão. Minha torcida foi pro Iraniano, mas o Chiesa mandou bem e mereceu vencer.

    • Fernando Cappelli

      Isso. Dessa forma a canela acerta como se fosse um taco de beisebol. Paulada pura.
      abs!

  • Hyuriel Constantino

    Eu só fico ainda aflito com o footwork do Glover que compromete a expectativa de uma evolução total em seu jogo e o torna um alvo mais suscetível a tomar golpes. Mas fora isso, tá completamente distante daquele Glover que foi contra Phil Davis. Excelente cardio, arsenal técnico apurado e confiança em ir pra cima cercando e oprimindo o oponente.

    Swanson eu vi como uma cobra. O bicho foi de uma malícia medonha (E BELÍSSIMA DE SE ASSISTIR!) contra o Hacran. Há tempos não se via essa versão ameaçadora do Cub.

    Cappelli, devo concordar com a galera aí embaixo: vc tem que ir pro Canal Combate, e rápido! Ou então estar nos córneres de nossos atletas pra ver se melhora um pouco a situação do Brasil no MMA. kkkkkk… Tá de parabéns no texto. hehe…

    • Glauco Lopes

      Vdd mano vc sempre com bons comentários!!

      • Hyuriel Constantino

        Valeu, Glauco. 🙂

    • Tiago Nicolau de Melo

      Cub: por favor, raspe o cabelo. Esse penteadinho não combina.
      KKKKKK

      ps.: tô falando sério.

      • Jonas Angelo

        Vdd. Aquela cara de bad boy-psicopata-serial killer com cabelinho de Alan Jouban não orna…

      • Hyuriel Constantino

        kkkkkk… A princípio tb estranhei o Swanson de cabelo. Mas agora tô me habituando a esse novo style dele. hehe…

  • Cappelli no corner do Cigano seria incrivel.

  • Thorens Acchuphase

    Uma das característica que mais admiro no Glover é a sua concentração e calma nos momentosa vitais. Muitos strikers se atrapalham após o primeiro golpe bem sucedido e acabam não conseguindo dar sequencia no nocaute por essa razão. Impressionante como o Hacran Diaz, Glaudia Gadelha e José Aldo se comportam de forma idêntica na trocação, chega a ser possível prever os seus movimentos.

    • Fernando Cappelli

      Justamente. Por isso que o cruzado de esquerda, uma emenda na maioria das sequências do Glover, é um dos golpes mais constantes e precisos dele.
      abs

      • Thorens Acchuphase

        Legal a sua percepção Capelli, vou me atentar a isso nas próximas lutas do Glover. Apesar dele ter uma movimentação heavyweight, seu punch condiz e justifica isso, o tornando um dos caras com maior punch na categoria, capaz de derrubar quase todos da categoria (abro uma exceção para o “inocauteável” DC e o mutante JJ), porém sinto falta da busca por finalizações de Jiu Jitsu em situações onde a trocação apenas não é suficiente, pois ele tem essa expertise em seu currículo.

  • Jonas Angelo

    Capelli, uma dúvida: esse Footwork não acabou se tornando uma das principais características da Kings MMA? Tenho a impressão de uma clara assinatura do cordeiro nessa estratégia, vide Dos Anjos, Dariush, Erick Silva (última luta), e próprio Shogun.

    • Fernando Cappelli

      Os caras da Kings estão criando estilo próprio também, Jonas. Já tem algumas assinaturas técnicas em comum. Esse ‘corredor’ é bem old school mesmo, bem ao jeitão que o Cordeiro gosta de impregnar na mente dos principais atletas.
      abs

  • Glauco Lopes

    Para o Cappelli comentando no combate eu voto SIM!!!

    • CarlosMedeiros

      Eu nunca vi o Cappelli falando na tv, será que seria tão bom quanto escrevendo? Se sim, seria ótimo.
      o Renato sei que se sai muito bem no video.

      • Renato B.

        Eu também gosto muito dos textos. Mas acho que com a quantidade de informação colocada nos textos ela teria que falar com a velocidade de um locutor de corrida de cavalos. Sem contar o que os gif’s quebram um galho.

  • Vinicius Maia

    Eu gostei da atuação do Glover nesta sábado mas acho que o buraco dos top 5 é muito mais embaixo que seus 3 últimos adversários. Não vejo ele conseguindo alguma coisa contra DC, JJ, AG e AJ. Gostaria de ver ele lutando contra todos os 4 mas acho que o caldo entorna pro brasileiro nessas 4 lutas.
    Vale lembrar que ele foi amassado por 3 rounds pelo Phil Davis que por sua vez não conseguiu nada contra o AJ.
    Sei que comparações no MMA é complicado, mas ainda o vejo longe desses 4 lutadores. A impressão que ficou pra mim do Glover (mesmo sendo uma luta antiga) foi ele quase caindo com um soco vadio do Maldonado já entregue na luta.

    • Jonas Angelo

      Vinicius, permita-me discordar. Vejo Jones e DC apenas como superiores ao Gloves. Acho que Rumble é ligeiramente favorito pelo poder nos punhos (mas a luta tem no mínimo 3 rounds, e o bruto já mostrou que pode cansar), mas Gloves tem grandes chances sim. Já num embate contra The Mauler, vejo um confronto bem parelho, pois o sueco prima mais pelo volume do que pela potência.
      Já a apresentação do Gloves contra o Davis foi recheada de poréns: emocional estava abalado, forma física estava pífia, vinha de contusão da luta contra o Jones. Não que sejam desculpas, mas mostram que não vemos hoje o mesmo Gloves que lutou contra o sunga rosa, são lutadores bem distintos. Aliás, o próprio Gloves já comentou isso em diversas entrevistas.

      • Mauricio

        Jonas, eu já discordo um pouco de você.. eu vejo o Glover bem abaixo do Rumble, que não é só força ele é bem veloz tbm, não se só eu, mas não acho que o Glover quando for pressionado vá se sair bem. E já vejo o DC uma luta mais vencível para o Glover do que Jones e Rumble.

        Se ele afiar a dfesa de quedas e golpear bem o DC variando na linha cintura acho que o DC não passa do 3º Round!

        Quando ao “Gusta” se ele entrar na versão disputa de titulo ele vence o Glover, agora a versão lutas comuns não dá jogo pra ele!

        abrass

        • Jonas Angelo

          Gostei da sua análise Mauricio. Concordo que AJ é veloz e ágil, mas seus braços cansam rápido por serem pesados.
          Acho que DC jogaria como Phil Davis jogou contra Glover, e convenhamos que DC é bem mais eficiente do que o Mr. Wonderful, a única defesa de quedas que resiste à ele é a do Jon.
          Cormier ainda aguentou 5 rounds contra Gus, e no último round estava menos cansado que o sueco (seu jogo no dirty boxing destrói). Não acho que seu gás acabe logo.

          Abçs mano.

      • Vinicius Maia

        Eu to ligado que é outro lutador e que podemos citar que a luta contra o Phil Davis é um ponto fora da curva. Mas tu acha que se ele se dobrar igual ele se dobrou contra o OSP o AJ não moí ele no GNP? Sei la, acho o Glover um bom lutador mas não creio que ele vá conseguir algo contra os tops 5. Não canso de citar, a luta contra o Maldonado ele tava com um Shape bom e quase caiu pra 1 soco vadio dele mano. Ele cometeu o mesmo erro contra o Bader. Não consigo confiar nele. Eu torço por ele, mas não consigo confiar nele. A luta contra o JJ ele não fez praticamente nada, foi dominado do começo ao fim da luta.Lembro ate que o protetor bucal dele ficou caindo no 5 round e teve até uma hora que o JJ avisou pro Juiz ( não lembro direito ).
        E contra o Mauler é uma luta que gostaria de ver. Gosto muito do sueco e acho que ele consegue vencer o Glover por volume. A movimentação do Sueco é insana.

        • Jonas Angelo

          Sim, Vinicius. Se o Glover se meter a trocar de mano a mano com AJ ele tomba rápido. Precisa ser inteligente e tentar cansar o americano, como Cormier fez. Vai conseguir? Não sei, é uma tarefa hercúlea, mas veja boas capacidades para tal.

Tags: ,