Flashback: o longo reinado
de terror de Cris Cyborg

Fernando Henriques | 31/03/2016 às 16:30

Não sei se você já reparou, mas depois da queda de José Aldo, Cris Cyborg é a pessoa invicta há mais tempo no esporte.

Captura de Tela 2016-03-31 às 16.01.35Nem Jon Jones, que tem apenas uma falsa derrota para Matt Hamil em seu cartel, possui retrospecto similar. Bones sequer luta MMA profissional há 10 anos.

Assim como o russo Khabib Nurmagomedov, que tem o incrível cartel de 22-0, mas está no MMA “apenas” há sete anos.

Depois da recente dança das cadeiras no peso galo feminino do UFC, nunca foi tão fácil responder quem é a melhor lutadora de MMA da atualidade.

Mesmo considerando a escassez de talentos até 66kg, fato que a simples existência da Dona Cyba certamente contribui, não há controvérsia.

Dez anos de invencibilidade é uma marca notável mesmo que hajam diversos “poréns” envolvidos.

A primeira (e única) derrota

A carreira da ex-esposa de Evangelista Cyborg (que, vejam vocês, iniciou no vale-tudo representando a luta livre) começou no longínquo ano de 2005, contra Erica Paes, atleta da BTT à época.

A luta aconteceu na segunda edição Showfight, portentoso evento de São Paulo produzido por Oscar Maroni (ele mesmo!), e foi mais um capítulo dentro da histórica rivalidade entre BTT e Chute Boxe.

E a “primeira vez” de Cristiane Justino – nome real da lutadora – não durou muito. Oriunda do jiu-jitsu, Paes conseguiu aplicar uma chave de joelho reto em Cyborg em menos de dois minutos.

De lá para cá, porém, muita coisa mudou. Cyborg deixou de ser apenas a “garota que aguentava pisão na cara em treino da Chute Boxe”, como bem gosta de frisar Marcelo Alonso, e se tornou uma lutadora completa.

Ao contrário de sua algoz, que parou de lutar em seguida e tentou voltar só em 2013, sem muito sucesso (foi derrotada por Bethe Pitbull no Jungle Fight e venceu outras duas meninas menos conhecidas em eventos menores), Cyborg foi ascendendo passo a passo e jamais voltou a sequer estar próxima de uma derrota.

Depois de perder na estreia, Cyborg fez aquela que pode ser considerada a segunda luta mais dura de sua carreira, contra Vanessa Porto. A vitória veio apenas na decisão (de suas 15 vitórias, apenas duas não foram por KO ou TKO).

Isto foi ainda em 2005. Alguém imaginaria desfecho similar para este combate hoje? Vanessa luta até 57kg e Cyborg até 66kg.

Carreira internacional

Bazsler dominada

Baszler dominada

Depois do tortuoso início de carreira diante Erica Paes e Vanessa Porto, Cyborg deslanchou contra adversárias mais “modestas” e emplacou três nocautes seguidos antes de estrear internacionalmente no falecido EliteXC contra uma das futuras “Horsewomens” (clubinho fundado por Ronda Rousey): Shayna Baszler.

Bem menor, Baszler não foi páreo para a brasileira e sucumbiu via TKO no segundo round. Aliás, a estreia em terras estrangeiras marcava a evolução física de Cyborg, que adicionava novos músculos a cada nova apresentação.

Fora do cage, ele procurou tapar os buracos em seu jogo de solo treinando e competindo no jiu-jitsu de pano, chegando inclusive ao título mundial na faixa-roxa (hoje ela é marrom do André Galvão).

A caminhada no EliteXC foi curta, com apenas mais uma vitória, pois o evento faliu. Mas Cyborg seguiu sua trajetória vitoriosa lutando pelo Strikeforce, onde depois de duas vitórias por KO/TKO, encontrou aquela que era tida como a melhor lutadora de MMA do mundo.

A maior surra da História?

20hmrmeEstávamos em 2009 e o confronto com Gina Carano (esta mesma, dos filmes de ação) valeria o cinturão inaugural do peso pena no Strikeforce.

Nunca fui um grande fã de MMA feminino e meu interesse por lutas do gênero continua reticente.

Porém, devo confessar a vocês que antes de Holly Holm despachar Ronda Rousey de maneira brutal, apenas outra luta feminina havia me chocado tanto: Cris Cyborg vs. Gina Carano.

O que foi aquilo, senhoras e senhores, senão uma das maiores surras do esporte?

Foto famosa de Esther Lin

Foto famosa de Esther Lin

Por tudo que a luta envolveu e por ter sepultado de uma vez a promissora carreira de Carano, o combate concorre fortemente como maior atropelo de todos os tempos.

Cyborg literalmente aposentou a queridinha dos americanos à época, quase uma Ronda Rousey pré-boom do MMA, mandando-a direto para uma carreira de atriz sem passagem de volta. Hollywood agradece.

Durante os quase cinco minutos da luta ficamos com a impressão de ver um homem batendo numa mulher, tamanha supremacia. Carano foi guerreira e era uma boa lutadora, mas Cyborg já estava em outro patamar físico e técnico.

Doping, uma nova derrota

Depois deste feito, certamente a maior vitória de sua carreira, a brasileira defendeu o cinturão do Strikeforce com sucesso três vezes, sendo a primeira contra a única adversária que lhe dá algum trabalho nos últimos anos, Marloes Coenen.

Coenen equilibrando

Coenen equilibrando

Em sua última defesa, porém, contra Hiroko Yamanaka, a brasileira foi flagrada no doping e a luta posteriormente virou no contest.

Cair no antidoping talvez tenha sido o maior revés da Cris Cyborg desde Erica Paes. Desde então, ela sempre é colocado em suspeição e não há um fã que acredite na “pureza” de seu físico avantajado.

Cyborg demorou para se reerguer, voltando a lutar somente em 2013 (o doping foi em 2011), mas o fez em grande estilo, barbarizando no Invicta FC, novíssimo evento voltando exclusivamente para as meninas.

Lutando pelo Invicta, Cyborg reconquistou seu posto de número do mundo até 66kg. Já são cinco vitórias seguidas, sendo quatro lutas pelo cinturão (uma conquista e três defesas), e apenas uma delas, contra Coenen, passou do 1º round.

Novela com o UFC

Captura de Tela 2016-03-28 às 14.05.37Do Invicta, Cyborg viu a ascensão assustadora da pseudo-rival Ronda Rousey no UFC, e buscou a todo custo este combate para provar que ainda era a melhor do mundo.

Ronda, por sua vez, ciente do perigo de tornar-se uma nova “Gina Carano”, nunca se animou com esta super luta. Até que Holly Holm jogou água neste chope e encerrou o papo de uma vez.

Porém, Cyborg já tinha um contrato assinado com a Zuffa e o que parecia impossível acontecerá em Maio: ela estreará no UFC 198 em peso casado (63,5kg) contra Leslie Smith.

Pode parecer pouca coisa, dada a impotência da adversária, mas para o currículo da brasileira é muito importante esta passagem.

Dependendo do que ocorrer daqui para frente, ela pode se consolidar ou não como a maior lutadora de MMA da história.

  • Betinho Moscoso

    Belo texto! É engraçado como se pode traçar um paralelo entre a Cyborg e o Spider,logo após os seus dopings suas histórias e carreiras ficaram “duvidosas” e as pessoas se perguntam se realmente só se dopparam ali ou o sucesso deles se deve ao suco.

    • Pois é, rola isso. Mas a pergunta correta é: ele (Spider) estava em desigualdade de condições com os demais?

      O meu palpite é que não, que se ele se dopava, a grande maioria dos adversários também. Mas, claro, é só um palpite totalmente livre de compromisso com uma afirmação.

      • Heitor de Assis Ramos

        a crys lidou com o doping totalmente diferente do spider, assumiu o erro e foi atras do prejuízo, por isso acho que ela tem bem mais crédito do que o aranha, que debocha do assunto, mas nunca assume o erro.

        • Vinicius Maia

          Ia comentar exatamente isso. Acho que a grande diferença entre a situação do Spider e da Cris foi como eles lidaram com o dopping.

        • Sim. No que diz respeito a marketing e assessoria de imprensa, qualquer um vai melhor que o Spider. Rs.

      • Vinicius Maia

        Concordo, o Chael Sonnen falou em entrevista quando foi perguntado se o AS estava dopado na primeira luta deles, não lembro as exatas palavras, mas foi algo do tipo: “Sim ele estava dopado, mas não tanto quanto eu!”
        O que pra mim ficou mais feio na situação do Anderson dar declarações que quem é pego no doping deve ser banido do esporte e cai no exame e fica negando ate morte.

        • Carlos Montalvão

          Sonnen não afirmou, ele disse: “SE ele estava, não estava tanto quanto eu”

          • Vinicius Maia

            Por isso que eu disse NO COMENTÁRIO: “não lembro as exatas palavras”.

          • Carlos Montalvão

            Foi só um “update” para seu post rs 😉

        • Anderson só enrola. Era melhor apenas lutar e falar, sei lá, sobre futebol.

  • Thorens Acchuphase

    Bacana a homenagem à maior lutadora de mma da atualidade! Cris Cyborg foi meu primeiro ídolo do sexo feminino nesse esporte e venho acompanhando suas lutas desde o extinto Strikeforce. Para muitos, Cyborg se resume a brutalidade e força física apenas, mas mim houve uma grande evolução técnica com o passar dos anos, principalmente suas defesas de quedas e suas quedas também. Em sua luta contra a gatíssima e popular Gina Carano ela ainda não dominava bem sua técnica de quedar e chegou a colocar a Gina sobre ela numa infeliz tentativa, assim também foi no primeiro duelo contra a Marloes Coenen, que na época já era uma veterana e tecnicamente bem superior a Cyba, tanto que isso a encorajou a aceitar um segundo duelo. Grata surpresa foi ver como na revanche, a Cyba já demostrava um significante aumento de refinamento técnico e o atropelo fez a Coenen perceber que ali não existia mais possibilidade de vencer a renovada Cyborg! Hoje, bem veterana, Cyba apresenta um conjunto praticamente sem falhas e brechas a serem exploradas pelas suas adversárias. A única lutadora que apresenta algo parecido com a Cyba hoje, é a campeã do invicta Tonya Evinger, mas que devido aos seus 34 anos, dificilmente veremos alguma evolução do que ela já apresenta.

    • Show de bola o seu comentário. Enrique o tópico com novas infos que não vieram no texto.

      • Thorens Acchuphase

        Obrigado Henrique, fiquei muito feliz por ouvir isso também! Sou apenas um mero fã-fanático por esse esporte tão individual e complexo! Um grande abraço!

    • Carlos Montalvão

      Tonya Evinger tá pelas últimas, só tem o cinturão pois a nata da categoria dela não está exatamente no Invicta.

      • Thorens Acchuphase

        Me desculpe amigo, tenho que descordar. Irene Aldana e Alexa Grasso, são atualmente duas estrelas na mira do Dana White e a esquisita, porém eficiente Evinger, quase assassinou a Aldana, uma lutadora que em seu ultimo combate fez mais uma linda demonstração do boxe moderno e totalmente adaptado para o mma com um lindo TKO no primeiro round!

        • Carlos Montalvão

          Acho que a Irene tem que comer mais arroz e feijão pra estar no nível UFC, além da Jessamyn Duke já ter demonstrado claramente que não aguenta tomar meia-dúzia de soco e por ser magra demais, levou uma única na boca do estômago já chama a mãe. Gosto da Aldana, mas ainda não coloca ela na elite. Quanto à Alexa, também é um ótimo prospecto mas enquanto ela não voltar e sair na mão com a Livia Renata (e por torcida minha, vença a brasileira bocuda), fica difícil dizer se já tá no bolo de sua categoria também, por mais que tenha feito lutas alucinantes no Invicta.

          • Thorens Acchuphase

            Respeito a sua opinião sobre a Aldana, que apesar de extremamente talentosa, ainda é novata no mma profissional e precisa amadurecer, mas pela maneira que a Tonya Evinger, com seu jogo simples a anulou 100%, não encontro coerência em você julgar que ela esta nas ultimas!, já que foram 8 vitórias consecutivas incluindo Carina Damm, Sarah D’Alelio e Ediane Gomes. Você pode não ser fã da Tonya Evinger, mas ainda não entendi o seu julgamento?!

          • Carlos Montalvão

            Digo isso em relação à falta de competição de elite na atual fase em que ela se encontra. Essas adversárias citadas tem mais nome por serem pioneiras que um cartel repleto de sucessos. Gostaria de vê-la UFC mas acho difícil, eles jamais demonstraram interesse nela e ela já desdenhou da organização e de suas atletas. Mas dentro do Invicta, realmente tá construindo uma bela história.

          • Thorens Acchuphase

            Entendo Carlos, mas quando falamos de “nível UFC” é preciso tomar cuidado com o sensacionalismo embutido e empurrado guela abaixo pela mídia e pelo Hype! Marloes Coenen (Bellator) ou Raquel Pennington (UFC)? Vanessa Porto (Invicta) ou Shayna Bazler (UFC)? O UFC está cheio de lutadores decadentes e no feminino a situação se agrava já que não existe muito investimento nesse segmento! No mais, não vou prolongar nossas opiniões, pois cada um tem a sua, não é mesmo? O importante é trazer críticas e opiniões construtivas baseadas em fatos verdadeiros e justificados por resultados e tomar cuidado com opiniões formadas apenas pela mídia e hype com o único interesse de promover lutadores pra serem captadores de dinheiro e vendedores de PPV como foi com o Sage e a Vanzant. Abs!

  • Carlos Montalvão

    Vanessa Porto é uma pedreiraça, pena que não é muito vista. A luta dela contra a Jeniffer Maia no Invicta mês passado foi alucinante, melhor luta feminina do ano

    • Ele endureceu para a Cyba quando lutaram, mesmo sendo bem menor. Acho que tem a luta inteira no Youtube.

  • Carlos Montalvão

    Se não me engano contra a Baszler a americana foi finalizada (bateu), o juiz não viu, a Cris soltou e a Shayna continuou na luta até ser nocauteada pela Cyborg. Meio que semelhante à Jim Miller x Cowboy, onde o Cowboy ganhou a luta 2x

    • Poxa, não lembrava disso. Mas se foi assim mesmo, é uma pena, ia dar uma diversificada no cartel da brasileiro, que é um repeteco de KO/TKO.

      • Carlos Montalvão

        Não é certeza, tem alguns anos que vi a luta, mas se for, ela entra para os raros casos dos lutadores que venceram a mesma luta em duas formas diferentes (até dava um post do 6º round sobre isso rs)

  • Leonardo Neves

    Volto a dizer que esta é a melhor coluna do site. Foge do tom especulativo que tornou-se padrão.

  • Paulo Zanchet

    Muito bom seu texto, como de costume, e legal a homenagem à brasileira. Só achei que o terceiro parágrafo ficaria melhor se estivesse na continuação do segundo. E uma pergunta: por qual motivo ainda não criaram a categoria peso pena feminino no UFC? Não sei como a Cyba se sairia lutando abaixo do peso que normalmente ela luta. Um abraço

  • Lero

    não é MMA mas é legal lembrar da luta que ela teve contra a Jorina Bars no Lion Fight

    • Pois é, ela tem participações interessantes em outros esportes, mas como o foco era MMA (senão ficava muito extenso), citei apenas o título mundial de jiu-jitsu porque tem ligação direta com a evolução dela no próprio MMA.

  • douglas karpinski

    Parabens pelo texto, cyborgue até que enfim esta ganhando seu espaço, esse esporte pode ser ingrato as vezes, mas esse é o momento dela…..

Tags: , ,