Koscheck x Demian: casamento estranho

Renato Rebelo | 01/05/2013 às 18:38
JOE

Joe atrás das grades

Apesar de vocês não levarem fé, há ciência legítima por trás da minha coluninha pós-eventos “Atacando de Joe Silva”.

No UFC Rio III, bati um papo com o nanico casador de lutas e pude conhecer melhor seu modus operandi.

Existe um banco de dados que o auxilia nas escolhas, mas, a grosso modo, o homem segue três simples leis:

Sim, senhor, patrão!
Não tem jeito, o UFC não é instituição filantrópica. Se aqueles que o sustentam (fãs) demandarem, esqueçam rankings e meritocracia. Nessa aqui, encontramos revanches, blockbusters e grandes rixas. Exemplos: Nick Diaz x GSP e Sonnen x Jones.

Almas gêmeas
A junção dos demais atletas é feita sob a seguinte premissa: quem vem de vitória luta com quem vem de vitória e quem vem de derrota luta com quem vem de derrota. Simples. Se não houver apelo ou pedidos especiais (influência da primeira lei), dificilmente encontraremos exceções. Exemplo: 85% dos casamentos.

Não tem tu, vai tu mesmo!
Tiro de misericórdia. Se todos já tiverem agendado ou a bruxa atacar de última hora, aquele que levantar a mão recebe a bola. Exemplos: Bonnar x Anderson e Belfort x Jon Jones.

Todo esse cerca lourenço acima é pra mandar a seguinte letra: para alguém caxias como eu, Demian Maia x Josh Koshcheck não faz sentido!

UFC 156: Fitch v Maia

O grude pode ser a resposta contra Koscheck

Vamos lá:

1- Não vi nenhuma passeata na Cinelândia exigindo os dois no mesmo octógono, não há rixa e muito menos um desafio público

2- O brasileiro vem de três vitórias e o americano de duas derrotas

3- Demian, quarto entre os meio-médios, teria à disposição o terceiro do ranking (Carlos Condit), o sexto (Nick Diaz) e o sétimo (Martin Kampmann). Mas, não. Ele enfrentará o décimo.

Vale notar que Saffiedine, Lawler, Ellenberger e Condit estavam de bobeira até meados de abril, ou seja, quando o plano foi arquitetado, qualquer um dos quatro poderia dançar tango.

Acredito em momento e até faria uma fezinha no jiu-jiteiro paulistano, mas, se ele não conseguir “carrapatear”, a vantagem logística vai para Biro-Biro – wrestler condecorado de mão pesada que já disputou duas vezes o título da categoria.

Será que “Demião” marcha rumo ao cinto dourado e manda pra fila do seguro-desemprego mais um faixa-preta de Dave Camarillo?

Aguardem o UFC 163.

Abraços.

Tags: , ,