Paulão e Arlovski lutaram sábado: que bicho que deu?

Renato Rebelo | 24/03/2013 às 02:25

É a mesma pessoa?

Para esse limitado ser que vos fala, os três maiores mistérios da humanidade são:

1- Qual é o sentido da vida?
2- Existe vida inteligente em outros planetas?
3- Como Anthony Johnson conseguia bater 77kg?

E, sinceramente, acho mais fácil criaturas evoluidas surgirem dos céus e responderem as duas primeiras perguntas do que entender a terceira.

No World Series of Fighting 2, seco com 105 kg, “Rumble” estreou entre os pesados logo contra um ex- campeão mundial da categoria.

Mas as dentadas do “Pitbull” bielorrusso não perfuram como antes e o queixo, mais suspeito que gordinho após sumiço de bolo, o deixou novamente na mão.

Andrei Arlovski terminou o primeiro round semi-nocauteado e, daí em diante, tornou-se espectador.

Decisão unânime a favor da sanfona da Blackzilians – que já atuou em quatro pesos diferentes – e mandíbula fraturada para Leônidas.

Uma surra triste, muito triste

Sempre ouvi o pessoal da academia do Renzo Gracie em Nova York dizendo que David Branch era um monstro nos treinos.

No UFC, no entanto, foi irregular. Levou a bota após perder duas em quatro.

Contra Paulão Filho, o cara que já foi considerado por anos o segundo melhor peso-médio do mundo, ele sabia que era hora de mostrar serviço:

Peço desculpas à minha família. Treinei três meses como um animal. Fui egoísta, não dei atenção a eles. Mas me preparei como nunca.

Pra quem acompanhou o feroz galo de briga de Carlson Gracie de 2000 a 2007 como eu, certamente sofreu muito durante 15 longos minutos.

Não é exagero dizer que a luta se resumiu a um profissional treinado surrando alguém que apenas alugou a carcaça para fazer figuração.

Jamais imaginei ver o talentosíssimo faixa-preta de jiu-jítsu e judô apanhando na posição fetal ou quase sucumbindo a um crucifixo.

Um jornalista americano twittou:

Não se sinta mal pelo Filho. Se sinta mal pelos lutadores famintos presos nas preliminares que deram o seu melhor.

Mas, não tem como. A depressão é um dos males mais vorazes que podem afetar um homem.

Minhas orações são para que Paulão vença a batalha contra esse monstro invisível e se torne um porta-bandeira das artes marciais.

Aulas, seminários… Eu pagaria facilmente para ter acesso a seus ensinamentos.

Agora, dentro da jaula não dá mais… Vê-lo apanhando praticamente indefeso arruinou meu sabadão. 

Esse não é o Filho que a gente conhece. Que surra! Foi um sucesso para ele chegar à decisão dos juízes – disse Bas Rutten, ex-lutador e comentarista do evento.

Abraços.