Três motivos para não perder o UFC 158 neste sábado

Renato Rebelo | 15/03/2013 às 23:29

Se você curte MMA e não assina o canal Combate, chegou a hora de encarar aquele velho dilema: vale largar “cinquentão” pra assistir o UFC 158 no sofá de casa – mesmo sem lutadores brasileiros no card?

Mesmo sem receber um cascalho da emissora, como aquele capetinha que senta no ombro esquerdo do cidadão indeciso, vou tentar persuadi-lo.

Vamos lá:

Encrenqueiro hipnotizante

A personalidade do “bad boy” de Stockton é tão incomum que acompanha-lo torna-se uma necessidade. Brigas em pronto-socorro de hospital e hall de hotel, dopings consecutivos, ofensas públicas a rivais e patrões, desleixo com compromissos profissionais… Tudo isso é apenas plano de fundo para um dos lutadores mais técnicos e empolgantes que já pisaram no octógono. Pode ser que GSP limpe o chão neste sábado com sua carcaça movida a cannabis medicinal, mas, certamente, veremos dedos médios em riste, xingamentos aos montes, tapas de mão aberta e outras peripécias do irmão mais velho de Nate. “Cade você, Georges?”.

Ele é um ser humano fascinante. Muito difícil de se entender. O que importa para a maioria das pessoas, não importa para ele. Ele é um indivíduo único – disse Dana White em bate-papo com a imprensa.

Campeão mordido

Por mais frio e centrado que seja, as últimas reações do canadense indicam que, dificilmente, todas as emoções ficarão do lado de fora do octógono. Frases de naipe de “seu tolo sem educação”, “ele é o ser mais desrespeitoso do mundo”, “quero bater até aposentá-lo” nunca haviam saído da boca do polido “Rush”. Será que o lado obscuro tomará conta na hora de trabalhar?

 

 

Leônidas em águas profundas

Se sobreviver à blitz inicial e girar constantemente para a esquerda – evitando a canhota de uma tonelada do barbudo -, o “Natural Born Killer” pode muito bem brilhar com sua envergadura superior (1,93m), kickboxing fino e fôlego de camelo. Já Hendricks, além da tamancada, tem a opção de tirar do armário o wrestling condecorado para amassar o bife no groud and pound (tomando cuidado com os venenosos botes da guarda de Condit). Esse, pra mim, é o teste mais espinhoso nessa longa jornada do “Big Rigg” rumo ao cinto dourado. Aroma de luta da noite no ar.

 Assisto essa cara há muitos anos. Ele é muito bom em todos os sentidos. Estou empolgado e quero ver como me saio contra essa grande ameaça ao meu jogo – disse Johnny ao repórter Ariel Helwani.

Card completo: 

Georges St-Pierre x Nick Diaz

Carlos Condit x Johny Hendricks

Jake Ellenberger x Nate Marquardt

Chris Camozzi x Nick Ring

Colin Fletcher x Mike Ricci

Patrick Cote x Bobby Voelker

Antonio Carvalho x Darren Elkins

Jordan Mein x Dan Miller

Daron Cruickshank x John Makdessi

Quinn Mulhern x Rick Story

T.J. Dillashaw x Issei Tamura

Reuben Duran x George Roop