Analisando friamente: o futuro de Vitor Belfort

Renato Rebelo | 21/01/2013 às 06:35

Anotem aí: Rockhold ou Weidman no caminho de Belfort

Semana passada escrevi um textinho intitulado: “Para o Velho Leão, em SP, é matar ou morrer”.

Como não poderia estar mais errado em “Belfort x Bisping: lendo as entrelinhas do jogo”, Vitor matou.

Sábado, no UFC on FX 7, o “Fenômeno” anotou a vitória mais impressionante e expressiva de sua carreira desde a noite de 31 de janeiro de 2004 – quando cortou o rosto do “Natural” Randy Couture e abocanhou o cinturão dos meio-pesados.

Logo após o chute alto que tirou o inglês Michael Bisping do ar, fãs e membros da mídia especializada, tomados pelo calor do momento, davam como certa uma segunda chance para o carioca se embrenhar na teia do “Spider”.

Mas a realidade não é bem essa.

Troquei e-mails com o Dana White e ele me disse que o Vitor vai precisar de mais algumas vitórias para enfrentar Anderson Silva novamente – disse o executivo Marshall Zelaznik.

Por mais atônitos que estejamos, a verdade nua e crua é que, no UFC, o cartel do aluno de Carlson Gracie entre os médios aponta apenas duas vitórias (uma sobre um top 10) e uma queda no primeiro round para o campeão.

Belfort fechando a conta no sábado

Mesmo dotado de um apelo comercial indiscutível, existem outros tubarões nesse mar famintos por carne de aranha.

Luke Rockhold, ex-campeão do Strikeforce, e Chris Weidman, discutivelmente o desafiante número 1 até 84 kg, clamam por uma chance – mas ainda não encontram o suporte necessário entre os fãs.

É bem provável que, em breve, vejamos Vitor se engalfinhando com um deles. Quem sobreviver, garante o indiscutível “title shot”.

Jon Jones? Esqueçam-no. Outro compromisso contra o atarefado rei dos meio-pesados beira a utopia.

Mas, pera aí, Renato. Bisping está fora, Rockhold, Weidman e Belfort precisam de mais uma…

Será que o UFC vai deixar o lucrativo e quase quarentão Anderson Silva de molho vendo o tempo passar?

Sites americanos deram uma curiosa sugestão para esse quebra-cabeça: Rashad Evans.

Caso vença Minotouro no próximo dia dois, Evans se tornaria uma mão na roda para Dana White.

Ex-campeão, “Suga” traz consigo um impressionante cartel (18v e 2d), é mais rentável que Belfort (quinto em vendas de pay-per-view) e, tecnicamente, representa uma ameaça real e inédita ao reinado do paulista.

Acham que faz sentido?

Abraços.

Tags: