UFC Phoenix: os palpites
dos colunistas do Sexto Round

admin | 15/02/2019 às 17:02

Neste domingo (17), o octógono do Ultimate desembarca em Phoenix para a primeira edição do UFC on ESPN. Os fãs presentes na Talking Stick Resort Arena irão presenciar o embate entre Francis Ngannou e Cain Velásquez, na luta principal da noite.

Quase três anos longe dos octógonos, Velásquez tenta provar que não só está em forma, como ainda tem lenha para queimar. O ex-campeão, que sempre sofreu com frequentes lesões, não luta desde o distante UFC 200, em julho de 2016, quando nocauteou Travis Browne.

Do outro lado do córner, Francis Ngannou pode encurtar o seu caminho para uma nova chance de disputa pelo cinturão da categoria. O camaronês vem se mostrando bastante ativo, pois o duelo com Velásquez será o sexto combate em um período de dois anos.

Além do duelo de gigantes na luta principal, James Vick e Paul Felder prometem um show de pancadaria no co-main event. Os pesos-leves tentam se recuperar do revés em seus últimos combates.

O card principal ainda conta com a estreia de Kron Gracie contra Alex Caceres e Vicente Luque encarando Bryan Barberena.

No card preliminar o destaque vai para o duelo entre Jimmie Rivera e Aljamain Sterling, na divisão dos galos. Além da participação do ex-campeão Renan Barão, que tenta sair da péssima fase diante de Luke Sanders, também na categoria até 61kg.

Ótima oportunidade, então, para os palpites dos colunistas do Sexto Round.

Vamos a eles!

David Carvalho: Velásquez é diferenciado, mas é difícil um palpite logo depois de tanto tempo parado. Se fosse um top 15, nos pesados, eu diria que Cain passaria o carro mesmo lesionado, mas se tratando do numero três da divisão e ainda uma luta de cinco rounds, serei conservador e vou de Ngannou via TKO.

Felipe Paranhos: Em 2016, o retorno de Cain foi triunfal, nocauteando Travis Browne. Mas o que era Browne naquele ano e nos seguintes acho que minimiza o feito. Sendo assim, vou no leão novo. Ngannou, TKO.

João Vitor Xavier: Mesmo sendo difícil prever que Cain Velásquez entrará em ação, prefiro manter o conservadorismo. Acredito que o ex-campeão vai tirar “um livro da página” (alô, Mike Goldberg!) de Stipe Miocic e usará seu wrestling para neutralizar a trocação do camaronês. Como a luta tem cinco rounds e Cain tem ground and pound ainda mais agressivo que Miocic, vejo-o levando por nocaute técnico. Com algumas dúvidas, vou de Cain por TKO.

Laerte Viana: O condicionamento físico e o ritmo de jogo de Cain, em virtude da inatividade de quase três anos, me preocupa. Se não aparecer em sua melhor versão, Ngannou pode decidir a parada num golpe singular. Porém, vou me apegar no casamento de estilos, que favorece o ex-campeão. Quedando e trabalhando o ground and pound, Velásquez vence por TKO no 3º round.

Leo Salles: Velasquez, mais uma vez, passando por longo período de inatividade, terá que aguentar a pancadaria de Ngannou. Prevejo um dèjá vú de Cigano x Velasquez 1: Ngannou, KO.

Lucas Carrano: Velásquez, decisão.

Lucas Rezende: Não acredito no retorno de Jesus Cristo, muito menos no de Cain Velásquez. Francis Ngannou tremeu nas bases diante de Derrick Lewis, mas provou que ainda pode conter os melhores wrestles da categoria quando bateu Curtis Blaydes uma segunda vez. Posso até quebrar a cara, mas, a esta altura, acreditar na fina forma do ex-campeão vai além da minha fé. Predador nocauteia. Ngannou, KO.

Luiz Fernando Ferreira: Ngannou, KO.

Renato Rebelo: Ngannou, TKO.

Rodrigo Tannuri: Velásquez, TKO.

Thiago Sampaio: Que imensa incógnita é como Cain Velásquez vai voltar depois de tanto tempo de inatividade. Contra um cara que tem pedras nas mãos como Ngannou, basta um soco para liquidar. Ainda assim, confiarei no talento do ex-campeão e nos seus treinos de alto nível com Daniel Cormier, Luke Rockhold e cia. Se colocar o excelente wrestling em prática, ponto fraco do camaronês, e proteger o queixo, ele sobra. Velásquez, decisão.

David Carvalho: Felder é veterano, experiente e que mesmo seu jogo (olha o rodado vindo aí) possa ter sido desvendado, ele tem a malandragem para superar James Vick. Felder vence por pontos.

Felipe Paranhos: Já acreditei mais em James Vick. A derrota rápida para Justin Gaethje me deu a sensação de que o teto do ‘Texecutioner’ já foi atingido. Por isso, mesmo tendo pouquíssima fé em Felder, acredito que ele arranca o nocaute. Felder, KO.

João Vitor Xavier: Felder é agressivo e tem bom queixo, capaz de lidar com a diferença de envergadura. Ou seja, não terá tantos problemas em absorver um ou dois golpes para conectar. Além disso, tem chutes na perna agressivos e bastante criatividade na trocação. Felder, TKO.

Laerte Viana: James Vick não me convence e Paul Felder já mostrou que tem seu teto na categoria. Ou seja, não boto fé na dupla. A questão é que o gigante dos leves, se souber tirar proveito de sua maior envergadura, vai frear a agressividade do rival e levar na base da técnica. Vick, decisão.

Leo Salles: Dois atletas bem desenvoltos, agressivos na trocação e sem medo de arriscar. Pelo momento que vivem, acredito que Vick vá ditar o ritmo da luta. Vick por decisão.

Lucas Carrano: Vick, decisão.

Lucas Rezende: Que prognóstico complicado. Se por um lado Vick possui envergadura para encrencar as investidas do criativo striker Paul Felder, por outro, o Dragão Irlandês pode muito bem surpreender James assim como fez Justin Gaethje. No solo, entretanto, o texano leva vantagem e pode se aproveitar de uma abordagem mais estratégica para evitar a segunda derrota consecutiva. Vou de Vick por finalização.

Luiz Fernando Ferreira: Felder, TKO.

Renato Rebelo: James Vick, decisão.

Rodrigo Tannuri: Vick, decisão.

Thiago Sampaio: Vick é bastante técnico, gigante para a divisão dos leves e tem boas chances de controlar as ações circulando e mantendo a distância com a envergadura que o favorece. Mas ele também já mostrou que se complica contra caras que imprimem pressão. Se Felder vier com seus golpes giratórios para aniquilar, tem boas chances de êxito. Felder, nocaute.

David Carvalho: Na moral, se Kron não passar pelo menino Bruce Leeroy, faça me um favor e volte lá pro Rizin, Bellator ou para a gangue dos irmãos Diaz. Kron Gracie via TKO.

Felipe Paranhos: Caceres se vendia como um cara com jiu-jítsu minimamente alinhado quando chegou ao UFC. O folclórico lutador, porém, sempre foi mais ‘Bruce Leeroy’. Por isso, é o adversário ideal para Kron finalizar e estrear com moral no Ultimate. Kron, finalização.

João Vitor Xavier: “Bruce Leeroy” tem problemas com sua defesa de quedas, e não acredito que consegue impedir que Kron o grampeie. A partir daí, vem o passeio. Gracie, finalização.

Laerte Viana: Caceres é na medida para Kron Gracie estrear com destaque: é relativamente conhecido e não se destaca em nenhuma área. Kron queda e passeia no chão. Gracie finaliza.

Leo Salles: Na estreia de mais um Gracie no UFC, o adversário, Caceres, pelo estilo irreverente, pode ajudar na estratégia de luta de Kron, que não vai perder tempo para derrubar e trabalhar o jiu-jítsu. Kron por finalização.

Lucas Carrano: Kron, finalização.

Lucas Rezende: Alex Caceres já foi finalizado seis vezes em sua carreira e seus golpes plásticos possuem pouca, quase nenhuma, eficiência. Do lado de lá, o adversário tem Gracie no sobrenome. Kron por finalização.

Luiz Fernando Ferreira: Gracie, finalização.

Renato Rebelo: Gracie, finalização.

Rodrigo Tannuri: Gracie, finalização.

Thiago Sampaio: Apesar da pouca experiência no MMA e de estar há mais de dois anos sem lutar, Kron Gracie tem tudo para honrar a tradição da família se não inventar de se provar um trocador. O irregular Alex Caceres, que é habilidoso em pé mas com enormes túneis defensivos, foi colocado na medida para ele vencer. Gracie, finalização.

David Carvalho: Barbarena, que se parece com tudo, menos com lutador, vai encarar aquele que é um produto perfeito para o MMA. O brasileiro é completo, tem punch, técnica, fala três línguas e leva uma vida de um verdadeiro atleta das lutas. O MMA é emocionante por ser imprevisível? Sim, mas vou na lógica: Vicente Luque por TKO.

Felipe Paranhos: Barberena é brigador e duro. Mas, em pé, não vai ter chance com Vicente. Luque, TKO.

João Vitor Xavier: Barberena é aquele atleta difícil de decifrar, mas acho que Luque tem confiança em pé e no chão, e é superior ao “Bam Bam” nos dois quesitos. Não dá para apostar contra ele. Luque, TKO.

Laerte Viana: Vicente Luque é bem mais técnico e completo do que Bryan Barberena, mas a alta resiliência do americano pode complicar, uma vez que o brasileiro já mostrou problemas com o gás. Contudo, Luque deve encerrar a peleja antes: boa sequência de golpes em pé, knocdown e mais uma D’Arce choke para conta. Luque, finalização.

Leo Salles: Expectativa de trocação franca de forma feroz. Ambos são difíceis de serem derrubados e poderemos ver um brawl anárquico em algum momento da luta. Porém, fico com o brasileiro, por gostar de ditar o ritmo da luta. Luque por decisão.

Lucas Carrano: Luque, TKO.

Lucas Rezende: Barberena é resiliente e capaz de surpreender seus adversários quanto mais o combate se delonga, ao passo que o brasileiro costuma levar pouco tempo para definir suas lutas. Ainda que o americano seja o wrestler superior e possa atrasar o jogo de Vicente, também é válido lembrar que Luque é um exímio finalizador, o que torna o duelo um tanto equilibrado. Considerando as características de Bryan e o fato do brasileiro sempre ter perdido quando suas lutas transcorreram por todos os três rounds, aposto em Barberena por decisão.

Renato Rebelo: Vicente Luque, decisão.

Rodrigo Tannuri: Luque, finalização.

Thiago Sampaio: Vicente está numa fase abençoada, mas Bryan Barberena é um adversário bem mais difícil do que os anteriores que ele venceu. Eficiente em pé, desenrola bem no chão e tem queixo para resistir. Se os rounds se prolongarem, já vimos que o gás do “brasileiro” não é dos melhores. Mas como as atuações dele estão cada vez mais convincentes, fica o crédito pela manutenção do embalo. Luque, finalização.

David Carvalho: Sterling, quando chega na hora de provar que pode ser grande, entrega a paçoca. Agora vai encarar um ferrolho que não gosta de entregar luta fácil pra ninguém. Jimmie “El Terror” Rivera via TKO. 

Felipe Paranhos: Luta interessante, mas a trocação de Sterling continua a mesma. O atleta da Serra-Longo ainda não corrigiu flagrantes falhas que tornam o seu jogo previsível. Rivera repete Marlon Moraes e apaga Aljamain. Rivera, TKO.

João Vitor Xavier: Vou dar mais um voto de confiança a Sterling, que sempre teve problemas ao se deparar com os tops do peso galo. Acho que sua criatividade em pé e no chão podem ser o diferencial contra um atleta que não é espetacular em nada, mas muito bom em praticamente todos os fundamentos. Sterling, decisão.

Laerte Viana: Não vejo Sterling controlando Rivera no chão – El Terror nunca sequer foi quedado no UFC -, o que me faz acreditar que a luta vai desenrolar em pé. E na trocação a vantagem é de Jimmie, que apesar da desvantagem no tamanho, é mais rápido e possui um bom jogo de perna + combinações de mãos. Rivera leva por pontos.

Leo Salles: Dois bons lutadores que vão para o matar ou morrer na divisão. Quem vencer volta ao bolo do title-shot dos galos. Vejo Rivera com vantagem na luta em pé, mas Sterling é um ótimo grappler. Palpite complicado, mas irei de Rivera por decisão.

Lucas Carrano: Rivera, decisão.

Lucas Rezende: Striker com defesa de quedas impressionante, creio que Rivera casa bem com o jogo de Sterling. Embora seu leque de finalizações seja amplo, o Funkmaster oferece pouco perigo em pé e creio que encontrará dificuldades em arrastar Jimmie até o seu elemento. Portanto, vou de Rivera por decisão.

Luiz Fernando Ferreira: Rivera, decisão.

Renato Rebelo: Rivera, decisão.

Rodrigo Tannuri: Rivera, decisão.

Thiago Sampaio: Sterling conseguiu vitórias com propriedade contra Brett Johns e Cody Stamann. Mas Jimmie está em outro patamar. Tem um wrestling decente para evitar a maioria das investidas de queda e, em pé, é paciente o suficiente para manter o controle e levar em mais uma decisão burocrática. Rivera, decisão.

Restante do card:

Cortney Casey x Cynthia Calvillo
Myles Jury x Andre Fili
Benito Lopez x Manny Bermudez
Andrea Lee x Ashlee Evans-Smith
Scott Holtzman x Nik Lentz
Jessica Penne x Jodie Esquibel
Renan Barão x Luke Sanders
Alexandra Albu x Emily Whitmire

Ranking dos colunistas:

1 – Leo Salles: 9-3 (75%)
1 – Luiz Fernando Ferreira: 9-3 (75%)
1 – Renato Rebelo: 9-3 (75%)
1 – Thiago Sampaio: 9-3 (75%)
2 – Felipe Paranhos: 8-4 (66%)
2 – Laerte Viana: 8-4 (66%)
2 – Lucas Carrano: 8-4 (66%)
2 – Rodrigo Tannuri: 8-4 (66%)
3 – David Carvalho: 7-5 (58%)
3 – João Vitor Xavier – 7-5 (58%)
3 – Lucas Rezende: 7-5 (58%)

  • Julio Varoni

    André saiu do ranking mesmo ou foi um “erro”?

    • David Oliveira

      Deve ter sido rebaixado, não estava acertando uma.

  • Fernanda Almeida

    Putz, cadê a Análise da única luta feminina do card principal?

    • Luiz Henrique

      deve ser pq não tem nenhum nome que chame atenção, fizeram isso até com o renan barão olha q ele é ex campeão, mas ta numa fase…

  • David Oliveira

    “Não acredito no retorno de Jesus Cristo, muito menos no de Cain Velásquez “. Rezende polêmico. Velásquez irá calar os ateus.

  • Mauro

    Ngannou nocaute no primeiro round,
    Rivera nocaute no terceiro round,
    Luque nocaute.
    Se bajulou tanto o filhote de Gracie, que vou de Alex por nocaute.
    E acredito que Vick vai querer se vingar após o massacre sofrido.

  • Henrique

    Ngannou TKO
    Felder TKO
    Gracie SUB
    Luque TKO
    Rivera DEC

  • Tiago Nicolau de Melo

    Não creio muito no Kron, mas ia achar massa um representante clássico dos Gracies vencendo/indo bem no UFC.

Tags: , , ,
Instagram