UFC Brooklyn: os palpites
dos colunistas do Sexto Round

admin | 18/01/2019 às 16:53

Neste sábado, o tradicional Brookyln recebe o primeiro evento do Ultimate em 2019. Nele, um econtro de campeões irá acontecer, pois Henry Cejudo e TJ Dillashaw fazem a luta principal do UFC Fight Night 143.

Vindo de vitória histórica sobre Demetrious Johnson no UFC  227, em agosto do ano passado, o Cejudo, o novo campeão dos moscas, irá para sua primeira defesa de título – sendo que um triunfo poderá garantir a sobrevivência da categoria até 57kg no UFC.

Do outro lado do córner, TJ Dillashaw tenta fazer história. O campeão dos galos quer ser o quarto lutador a conquistar dois cinturões do Ultimate de duas divisões diferentes de forma simultânea.

Ótima oportunidade para os primeiros palpites dos colunistas do Sexto Round neste ano de 2019!

André Azevedo:  O fato de ter batido o maior campeão do peso (e recordista de defesas, DJ) mostra que Cejudo tem jogo pra vencer TJ nos 57kg, que, claramente, terá a desvantagem pelo corte de peso agudo. Cejudo via decisão.

David Carvalho: Dillashaw é um dos mais completos do MMA, mas considerando a última performance de Cejudo, acredito que ele irá usar seu potencial como wrestler para superar a cobra. Cejudo vence por pontos.

Felipe Paranhos: Corte de peso à parte, Dillashaw tem recursos técnicos para vencer Cejudo. O striking é dos melhores peso por peso, o passado de wrestler deve ajudar e, no tamanho, também há alguma vantagem (não massiva, entretanto). Como a parte física e o condicionamento de TJ nos moscas são verdadeiras incógnitas, vou levar em conta apenas o casamento técnico. E, aí, ele leva. Dillashaw, decisão.

João Vitor Xavier: Olha, essa luta é muito, mas muito equilibrada. Cejudo tem melhorado muito sua trocação e parece cada vez mais à vontade no octógono, mas vai enfrentar um dos melhores trocadores do MMA, na minha opinião. A seu favor, claro, é o wrestling de nível mundial, que pode deixar Dillashaw bastante temeroso de se comprometer com as suas já conhecidas combinações. Porém, a capacidade de adaptação de TJ durante a luta deverá torná-lo o mais novo bicampeão do UFC. Apesar de estar tentado a apostar em Cejudo, principalmente pela questão do peso de TJ, vou de Dillashaw por TKO.

Laerte Viana: Se não fosse a questão do corte de peso, apostaria em TJ, que é o lutador mais completo da dupla. Como estou verdadeiramente receoso com o quão isso vai influenciar Dillashaw no dia da luta, aposto que Cejudo, adaptado ao peso, vai estar mais inteiro fisicamente e crescerá nos rounds de campeonato. Cejudo vence por decisão dividida.

Leo Salles: Cejudo vai enfrentar um Dillashaw mais afiado ainda nas defesas de queda e “mirrado”. Acho que Dillashaw vai se esquivar e manter o combate em pé, onde é bem melhor que o campeão dos moscas. E fará história: Dillashaw por decisão.

Lucas Carrano: Dillashaw, decisão.

Lucas Rezende: Mesmo com as inúmeras fotos da figura abatida e ressecada de Dillashaw, ainda creio que TJ é um casamento desfavorável para Cejudo. O galo é maior, tem mãos mais poderosas e hábeis, e bagagem o suficiente na luta olímpica para não ser facilmente derrubado. A não ser que o corte de peso o exaure completamente, não vejo motivos para não ir de Dillashaw por KO.

Luiz Fernando Ferreira: TJ Dillashaw tem todas as ferramentas para superar Henry Cejudo. Porém, o corte de peso drástico vai cobrar o preço. Acredito que o campeão dos galos vai sentir esse corte e sucumbirá. Cejudo mais adaptado a categoria levará a melhor nesse duelo. Cejudo, decisão.

Renato Rebelo: Dillashaw, decisão.

Rodrigo Tannuri: TJ, decisão.

Thiago Sampaio: Dillashaw, decisão.

André Azevedo: A posição desta luta no card é, no mínimo, estranha. Pondo isso de lado, creio que a maior experiência de Crowder fará a diferença no Combate. Allen Crowder via TKO.

David Carvalho: Hardy tem o tamanho somado à sua explosão e velocidade a seu favor, diferencial que devemos levar em consideração para a categoria dos pesados. Greg Hardy vence nocauteando.

Felipe Paranhos: Allen está aí para que Greg Hardy retome a atenção do enorme público que o acompanhou nos tempos de NFL. O que vi do ex-jogador ainda não é digno de prever o futuro, mas deve ser o suficiente para vencer Crowder ainda no primeiro round. Hardy, TKO.

João Vitor Xavier:  Hardy mostrou até agora ter mãos pesadas demais até para os pesados, mas nada além disso. Crowder, por sua vez, também não impressionou, mas tem mais experiência. Luta de difícil prognóstico, até porque não sabemos o que esperar de Hardy, que tem vasta experiência atlética profissional. No cara e coroa, vou de Hardy, por nocaute.

Laerte Viana: Apesar na inexperiência, Hardy é porradeiro e bate pesado. E isso costuma funcionar contra pesos pesados de qualidade duvidosa, caso de Crowder. Hardy, TKO.

Leo Salles: Por mais inexperiência que tenha, Hardy deve vir desenfreado e buscar acabar com a luta o quanto antes. Hardy por TKO.

Lucas Carrano: Hardy, TKO.

Lucas Rezende: Apesar das derrotas por nocaute e cartel mediano, creio que a maior experiência de Allen seja o suficiente para brecar a trinca de vitórias rápidas que Hardy atualmente ostenta. Crowder sabe finalizar e deve tirar proveito desta brecha do adversário. Pretty Boy por finalização.

Luiz Fernando Ferreira: O ex-jogador de futebol ameircano é apenas um porradeiro com a mão bem pesada, mas o seu adversário tem um nível para lá de questionável. A mão deve entrar e invencibilidade se manter. Hardy, KO.

Renato Rebelo: Por ora, Hardy é apenas um grandalhão que bate pesado, como outros tantos. O diferencial, claro, é a fama conquistada nos campos de futebol americano. Esperto, o UFC não o colocaria para ser co-main event do primeiro card da ESPN contra alguém que possa envergonhá-lo. É na medida. Hardy, TKO.

Rodrigo Tannuri: Hardy, TKO.

Thiago Sampaio: Hardy, KO.

André Azevedo: Velozes e furiosos, Benavidez e Ortiz devem fazer 15 minutos de porrada frenética na já moribunda 125 lb. Vou de Benavidez via decisão.

David Carvalho: Ortiz é um bom nome, mas não acredito que a luta termine diferente do que a primeira vez entre os dois. O superior Benavidez vence na decisão dos jurados.

Felipe Paranhos: Apesar da idade avançada para um mosca, considero a derrota para Sergio Pettis um mero acidente de percurso na carreira de Benavidez. O veterano compensa como poucos a queda na explosão com timing e excelência técnica. Com sua provável subida para os galos, acho que veremos a última exibição de gala de Joe-Jitsu. Benavidez, decisão.

João Vitor Xavier: Prevejo mais um passeio de Benavidez, que é melhor em todos os quesitos. Ele só não leva se subestimar muito seu adversário, a quem já venceu em outra ocasião – Benavidez, decisão.

Laerte Viana: Dustin vem evoluindo e fechando as lacunas em seu jogo, principalmente em pé. O problema, para ele, é que Benavidez é melhor em todas as áreas. Prevejo um repeteco do primeiro encontro entre eles, em 2014. Joe-B leva por pontos.

Leo Salles: Benavidez deve ditar o ritmo do combate contra um Ortiz pegando a luta em cima do laço. Benavidez por decisão.

Lucas Carrano: Benavidez, decisão.

Lucas Rezende: Ortiz sempre engasga quando o caldo engrossa. Benavidez pode parecer passado, mas o Alpha Male só foi superado pela elite da categoria. Não creio que Dustin lhe oferecerá grande ameaça. Benavidez por decisão.

Luiz Fernando Ferreira: Benavidez é muito mais lutador e deve vencer mais uma sem dificuldade. Joe-Jitsu na decisão.

Renato Rebelo: Apesar do pedigree inferior no wrestling, Benavidez é superior tecnicamente em todo o resto. O marido de Megan Olivi, aliás, é um daqueles muito difíceis de serem batidos, pois tem garrafas pra vender em todos os setores – além da experiência. Se você não é um Demetrious Johnson da vida, dificilmente passará. A nota de corte é alta, tanto que até Cejudo já foi reprovado. Não dá pra Ortiz. Vou de Joe-Jitsu por decisão.

Rodrigo Tannuri: Benavidez, decisão.

Thiago Sampaio: Benavidez, decisão.

André Azevedo: Mais jovem, atlético, forte background no wrestling e mãos rápidas: ingredientes que, na minha opinião, farão Roberson vencedor, apesar do pouco tempo de camp contra Glover. Roberson via TKO. 

David Carvalho: Para se manter ali, vindo de um perde e ganha nas últimas lutas, vou de Glover vencendo nos pontos.

Felipe Paranhos: Roberson não tem nada a perder e, ex-meio-pesado, vai muito provavelmente tentar se impor via explosão no início do duelo. Me preocupa muito a perda de velocidade que Glover tem mostrado nos últimos tempos. Por isso, acho que ele será esperto o suficiente para tentar quedar o adversário e colocar em prática o seu jiu-jítsu muito superior. Venho do futuro e vejo um katagatame vindo. Glover, finalização.

João Vitor Xavier: O brasileiro parece estar mostrando sinais de queda de rendimento, a contar pelos seus últimos compromissos. Mas creio que sua experiência irá ser fundamental, principalmente tendo em vista o caminho dado por Cézar Mutante, que finalizou Roberson no primeiro round da luta entre os dois. Se for esperto, e acho que será, Glover vai pelo mesmo caminho – Teixeira, finalização.

Laerte Viana: Glover já mostra sinais de desaceleração, enquanto Roberson ainda é um novato talentoso e perigoso em pé. A grande questão é que existe um gap descomunal entre eles na luta agarrada. Some aí a diferença de peso que estarão no dia da luta e o tempo inexistente de preparação do americano. Fico com o brasileiro. Glover finaliza.

Leo Salles: Se a vitória já era crucial para Glover, virou ainda mais encarando Karl Robertson sem camp algum. Se não der a louça de trocação franca, o brasileiro terá êxito. Glover por decisão.

Lucas Carrano: Teixeira, decisão.

Lucas Rezende: Mesmo aceitando o combate quase que nos ‘finalmentes’, creio que a diferença de idade e a juventude de Roberson possam mitigar o problema que é se preparar para Glover Teixeira em uma semana. O brasileiro está mais desgastado e vagaroso em seus reflexos a cada luta, o que pode ser fatal para um jovem de mãos pesadas como Karl. Com isso em mente, vou de Baby K por KO.

Luiz Fernando Ferreira: Glover Teixeira já demonstra que está perto do fim. Porém, não vejo o brasileiro em nível para ser derrotado para Roberson. Glover, finalização.

Renato Rebelo: A última atuação do Glover – contra o Corey Anderson -, pra mim, foi a pior da sua carreira. O mineiro parecia lutar em câmera lenta, como se a idade tivesse batido e ele desacelerado. Roberson ainda é 10 anos mais jovem, será o striker superior, mas também já foi finalizado em um round por Cezar Mutante na categoria de baixo. E aí, o brasileiro, maior e mais pesado, consegue a queda ou vira alvo fixo novamente? Aí vai o meu último voto de confiança: Glover, finalização.

Rodrigo Tannuri: Glover, finalização.

Thiago Sampaio: Glover, finalização.

André Azevedo: Gosto demais do estilo dinâmico do Hernandez. Cerrone além do desgaste natural da idade, já sofreu demais com as batalhas e lesões adquiridas. Creio que veremos mais uma passagem de bastão nesta noite. Hernandez via decisão.

David Carvalho: Hernandez é bom lutador, mas Cowboy irá usar sua experiência e envergadura para dominar a luta. Cerrone vence nos pontos.

Felipe Paranhos: O início de Hernandez no Ultimate é realmente impressionante, mas tenho um pouco de dúvidas sobre o que verdadeiro potencial do rapaz. O incrível nocaute sobre Beneil Dariush nos impediu de ver o que ele poderia fazer se colocado em situações difíceis, algo que Cerrone sabe aproveitar como muito poucos. Embora todos saibam que pressão intensa e movimentação defensiva sejam a chave da estratégia para vencer Cowboy, talvez existam muitas brechas no jogo de Alexander ainda não conhecidas. Vou na zebra: Cerrone, TKO.

João Vitor Xavier: Há algum tempo fora do peso leve, Cerrone enfrenta um atleta talentoso, promissor e ainda com “fome” de vitória. Combinação perigosa para o veterano, que também vai lidar com o corte de peso. Vou na opção que julgo ser mais conservadora – vitória por decisão de Hernandez.

Laerte Viana: O volume imposto por Hernadez deve complicar o Cowboy, que já se encontra longe do auge. Se não der mole em pé ou na guarda de Cerrone, sempre muito perigosa, o novato deve levar a melhor na base da pressão e quedas contra o veterano. Hernandez, decisão.

Leo Salles: Ultimamente, Cerrone tem passado perrengue contra a molecada. Mas, desta vez, acredito que “Cowboy” será mais resiliente em suas ações. Cerrone, por decisão.

Lucas Carrano:  Cerrone, decisão.

Lucas Rezende: Troca de guarda. O Cowboy até provou que ainda pode sobreviver mais alguns anos depois de finalizar Mike Perry sem maiores esforços, mas Perry é apenas um striker grosseiro, enquanto Hernandez é uma promessa legítima da categoria. Talvez não consiga despachar Cerrone, o que é tarefa para poucos, mas acredito que Alexander vença por decisão.

Luiz Fernando Ferreira: Cerrone ainda tem o suficiente para vencer o jovem Hernandez. Cowboy, finalização.

Renato Rebelo: O garotão que, de fato, parece ser bem talentoso não vem respeitando os cabelos brancos do “velho cachorro” (como Cerrone se autointitula). Até de “degrau” o Cowboy foi chamado. Mas a verdade é que Cerrone já foi mais do que testado no fogo da batalha, é maior fisicamente e também o melhor grappler. Antiguidade é posto e, apesar do garoto ser mais forte e rápido, vou com quem tem mais recurso. Cerrone, finalização.

Rodrigo Tannuri: Hernandez, decisão. 

Thiago Sampaio: Cowboy, finalização.

Restante do card:

Gregor Gillespie x Yancy Medeiros
Paige VanZant x Rachael Ostovich
Joanne Calderwood x Ariane Lipski
Alonzo Menifield x Vinícius “Mamute” Castro
Cory Sandhagen x Mario Bautista
Belal Muhammad x Geoff Neal
Chance Rencountre x Kyle Stewart

Ranking dos colunistas 2018 (final):

1 – Laerte Viana: 100-65 (60,6%)
2 – Renato Rebelo: 99-66 (60%)
3 – Rodrigo Tannuri: 97-68 (58,7%)
4 – Lucas Carrano: 94-67 (58,3%)
5 – Felipe Paranhos: 94-71 (56,9%)
6 – David Carvalho: 93-72 (56,3%)
7 – Lucas Rezende: 92-73 (55,7%)
7 – Luiz Fernando Ferreira: 91-74 (55,15%)
7 – João Vitor Xavier: 91-74 (55,15%)
8 – Leo Salles: 90-75 (54,5%)
8 – Thiago Sampaio: 90-75 (54,5%)
9 – André Azevedo: 73-82 (47%)

  • Douglas Mol Resende

    TJ aparentou estar bem mais hidratado na pesagem cerimonial, a diferença era nítida no peitoral. Cejudo vai precisar da melhor atuação da vida para vence-lo

  • Alyson D’Gramont

    – Henry Cejudo x T.J. Dillashaw = Cejudo, decisão.
    – Greg Hardy x Allen Crowder = Crowder, decisão.
    – Gregor Gillespie x Yancy Medeiros = Gillespie, KO.
    – Joseph Benavidez x Dustin Ortiz = Benavidez, decisão.
    – Paige Vanzant x Rachael Ostovich = Vanzant, KO.
    – Glover Teixeira x Karl Roberson = Teixeira, finalização.
    – Donald Cerrone x Alexander Hernandez = Hernandez, KO.
    – Joanne Calderwood x Ariane Lipski = Lipski, decisão.
    – Belal Muhammad x Geoff Neal = Muhammad, decisão.
    – Dennis Bermudez x Te Edwards = empate.

  • Wellington Fonseca

    Como funciona essa estatística dos palpites dos colunistas? Pontua-se mais se acertar vencedor e método e pontuação menor se acertar só o vencedor?

  • Doniel Porter

    Walking Dilladead via TKO pra cima Minicrack Cejudo

    • Wellington Fonseca

      Errooooouuuuuu!

      • Doniel Porter

        Pois é, agora ele fez jus ao “Dilladead” rsrs

Tags: , , , ,
Instagram