Pensando Alto: A Análise
Informal do Bellator 208

Lucas Rezende | 14/10/2018 às 01:29

Estamos de volta em solo nova iorquino para o Bellator 208.

Apesar da enorme quantidade de atletas russos no card, aviso, com muita satisfação, que todos os meios de transporte coletivo transitaram ilesos pelas dependências do Nassau Coliseum, em Uniondale.

Por coincidência, não tínhamos nenhum irlandês no card.

Voltando ao assunto, a noite foi de agradáveis surpresas e resultados positivos para quem sangrou seus dólares suados para ceder algumas horas de sua noite de sábado para financiar as sandices de Scott Coker.

Não só Fedor Emelianenko cimentou sua vaga para ser massacrado contra Ryan Bader na final do GP dos pesados, mas Cheick Kongo, Benson Henderson  e Anatoly Tokov todos garantiram bons espetáculos a nós, ávidos por toda violência que pudermos assistir.

Me acompanhem.

Fedor Emelianenko vs. Chael Sonnen

Temos nossos finalistas para o GP dos pesados! Um meio-pesado e um médio com um pouco de sobrepeso.

É verdade que as chances de Fedor Emelianenko contra Ryan Bader são próximas de coisa nenhuma, mas o Último Imperador chegou à final do torneio de Scott Coker, e, em seu último desafio, o russo assustou, foi surpreendido, assustou outra vez, pareceu que passaria para o próximo assalto, mas definiu o combate.

Sim, pois quando se tranca Chael Sonnen numa jaula, você nunca está mais do que dois ou três socos de distância de uma vitória por ground and pound. Seguindo os passos do mestre Bob Sapp, o Gangster Americano jamais se demora em utilizar sua arma secreta, a posição fetal, para sacramentar qualquer duelo quando bem entender.

Contra Fedor, o ianque ainda arriscou uma manobra ainda mais difícil de se executar, a tentativa de rolamento tático partindo das costas, mas sem largar o pescoço do adversário. Sonnen, que já havia demonstrado maestria na cambalhota quando enfrentou Anderson Silva em 2010, dessa vez acusou a passagem do tempo e a chegada da idade.

Deitado eternamente em berço esplêndido após ser raspado por tio Fedor, Chael rapidamente concedeu a posição que fez o contracheque cair mais rápido em sua conta-corrente e abraçou a décima sexta derrota da carreira com orgulho.

Benson Henderson vs. Saad Awad

A breve jornada de Benson Henderson no Bellator talvez tenha concedido uma impressão errada sobre o ex-campeão do octógono. Derrotado pelos líderes de duas divisões diferentes na companhia de Scott Coker, pairou a noção de que o auge do cabeludo poderia ter ficado no bolso de Dana White.

No entanto, desde o combate contra Roger Huerta, Bendo demonstrou que não era bem assim. E a afirmação apenas continuou quando o Smooth bailou com Saad Awad em Uniondale.

Henderson fez bem em convencer Awad de que estaria interessado numa briga honesta no centro da jaula, mas seu lado estratégico é imperativo demais para permiti-lo. Apesar de ter arriscado golpes esdrúxulos em dados momentos, Bendo lacrou a vitória por decisão unânime no solo, conectando posições de jiu-jitsu e wrestling de forma tão natural que não à toa o chamam de Suave.

Após consecutivas tentativas de finalização e ground and pound, Henderson aos poucos moeu não apenas o corpo de Awad, mas também a mentalidade e conseguiu, pela primeira vez, encaixar uma sequência de vitórias na nova casa. Carregando o nome que carrega, não devem demorar a lhe ceder uma nova chance ao título, principalmente contra Michael Chandler, que o derrotou por meros detalhes, numa decisão dividida.

Cheick Kongo vs. Timothy Johnson

É muito saudável ter expectativas baixas ou nulas, você só pode ser surpreendido positivamente!

Em um embate protagonizado por Cheick Kongo e Timothy Johnson, nem preciso estabelecer que a única missão era não adormecer até o soar do gongo final, não? Eis que, de repente, o francês, na flor dos seus 43 anos de idade, presenteia a mim e a todos os outros espectadores, com um nocaute furtivo e rápido.

Antes que o bigodudo Johnson pudesse ser capaz de grampear, Kongo o detonou com um sorrateiro golpe na tampa do cocuruto e me impediu de balançar nos braços de Morfeu. Fico muito agradecido.

Já que o assunto é furtividade, também é válido relembrar que Kongo laçou sua sétima vitória consecutiva dentro da jaula circular e, com certeza, fez muito mais por merecer uma chance ao título vago dos pesados do que qualquer um dos concorrentes do atual GP. É muito descaso!

Anatoly Tokov vs. Alexander Shlemenko

Numa versão soviética, bem menos lúdica, do saudoso brinquedo pirocóptero, Alexander Shlemenko buscou trilhar seu caminho até a vitória através de muitos rodopios e revoluções. Pontapés, socos e cotoveladas revolveram em torno do próprio eixo do russo em contínuas tentativas de deitar o compatriota Anatoly Tokov.  Todas em vão.

A mais efetiva, que atingiu Tokov na zona genital, infelizmente foi percebida pelo árbitro Dan Miragliotta, que concedeu tempo de recuperação para o atleta.

Quando se sobe em uma arena para realizar nada menos que sua sexagésima nona luta de MMA profissional, dificilmente um combatente adentra o palco imune a cacoetes, Alexander não é exceção. Culpado por excesso de verticalização, Shlemenko ameaça, e muito, em pé, afinal são 31 triunfos por nocaute, mas, ao mesmo tempo, é facilmente abafado.

Tokov, ainda se firmando entre os médios do Bellator, navegou até uma vitória por decisão unânime tranquila, anulando a maior zona de perigo de Shlemenko ao encurtar distâncias e impedir o ex-campeão de simplesmente fazer o que faz. Mesmo assim, Anatoly também se garantiu de pé, encaixando cruzados precisos e seus próprios contragolpes.

Apesar dos 28 anos de idade, bater alguém do calibre de Shlemenko pode ser precisamente o que Anatoly Tokov necessite para escalar ao próximo nível da categoria. Fazer por merecer, diria que já fez, dentro das limitações da sua segunda maior liga do mundo, é claro.

  • Leo Corrêa

    Sobre a manobra fracassada de Chael Sonnen, nada mais me vem à mente, se não o célebre sermão do velho Renzo: “CAMBALHOTA DE M****!”

    • Saulo Henrique

      O que diabos foi aquilo né? Na hora, pensei que tivesse cochilado e imaginei aquilo. .hahaha

      • Leo Corrêa

        huauhaha

  • Igor Barbosa

    Jogo realmente casou muito mal pro Sonnen… É difícil amarrar esse pessoal do sambô, ainda mais se for alguém muito mais pesado. Não dou como favas contadas pro Bader não… Nunca confiei muito no queixo dele, e Fedor tem chumbo nas mãos. Bader vai ter que se movimentar bem e prolongar a luta, cansando o Fedor. O que não deve demorar muito pra acontecer.

    • Matheus V.

      O problema é que a trocação do Fedor é basicamente aqueles mata-cobras. Tanto que um cara com o boxe um pouquinho mais justo como o Maldonado deu trabalho pra ele. Não duvido nem do Bader nocautear em pé, na verdade

      • Igor Barbosa

        Sim, e inclusive acho que o Bader deu uma evoluída na trocação de um tempo pra cá. Mas é aquilo, no começo da luta vai ter que ser bem paciente, senão pode azedar pra ele.

    • Shotokan Karate

      Pra mim inclusive o Fedor é favorito. A razão é simples, o gordinho vem crescendo luta após luta e vem de duas convincentes vitórias. O fato do Bader ser top no wrestling não é problema. Sonnen tb é e foi reduzido a nada.

      • Wellington Fonseca

        Mas o Sonnen é mais leve que o Fedor, sem contar que o russo lutou a carreira inteira nos pesados. Já o Sonnen competiu nos médios e poucas vezes no meio-pesado. Já o Bader está acostumado com caras maiores e mais pesados na hora da luta, então, acho que já é uma vantagem a mais para ele. Concordo com relação ao queixo do americano e peso das mãos do Imperador, mas acho que não vai dar pro russo, não.

        • Shotokan Karate

          Gordinho bom de briga Fedor Emelianenko está evoluindo a cada luta. Some-se a isso o punch que ele tem por excelência. Não convém duvidar dele…

          • Wellington Fonseca

            Duvidar, não duvido, principalmente em se tratando da categoria dos pesados, onde uma mão desliga o disjuntor e o russo sempre teve duas bigornas no lugar das mãos. Seria épico ele conquistar um cinturão a essa altura do campeonato, mas não consigo vislumbrar esse cenário, nem nos meus devaneios mais otimistas. Só se o Darth Bader Volkovizar e expor o queixo. Aí merece mesmo perder.

  • Saulo Henrique

    Bendo finalmente acordou no Bellator. Haha. Concordo 100 % na luta do Congo, já estava arrastando o travesseiro e veio o nocaute. Obrigado xesus. Quanto ao Padeiro, ou acha uma pedrada contra o Bader, ou vai virar o crassico ” passageiro da agonia. “

  • Shotokan Karate

    Em duas semanas dois russos colocaram dois palhaços em seus devidos lugares kkkkkkkkkkkk. Depois do Khabib chutar o traseiro do palhaço irlandês foi a vez do gordinho bom de briga Fedor Emelianenko dar um belo pau no Chael Sonnen. Fedor vem evoluindo bem e já podemos ver um pequeno esboço do que ele foi no Pride. No Bellator Fedor mostrou tanto pro Mir como pro Sonnen quem é o top. Agora que venha o Bader. Bader é wrestler por excelência mas não esqueçamos que o Sonnen tb é e o gordinho tirou ele pra nada. Pra complicar a vida do Bader queixo nunca foi mto o forte dele e o gordinho tem duas bombas nucleares nas mãos. Dou o favoritismo do titulo ao gordinho bom de briga Fedor Emelianenko na final.

  • Luiz Antonio Felisberto

    Muito Bom. Só não acho que o Chandler venceu o Bendo por pouca Margem. Os juízes é que fizeram cagada nas papeletas. Se não me engano foi 4 a 1, além de ter sido uma das melhores lutas daquele ano.

Tags: , ,