Pensando alto: a análise
informal do UFC 228

Rodrigo Tannuri | 09/09/2018 às 02:23

Escrever o “Pensando Alto” é bom, escrever sobre um evento sensacional é melhor ainda!

Já adianto que a resenha ficou grande, tamanha foi minha empolgação com o UFC 228, lutas e desdobramentos.

Vimos um campeão tendo atuação de campeão, duas grandes ameaças para Rose Namajunas brilharem, nocautes e finalizações brutais e raros e por últimos,mas não menos importante, veteranos calando esse que vos escreve e Lucas Rezende, mandando a #aposentadoria pro beleléu.

Permitam-me começar?

Tyron Woodley x Darren Till

Tudo levava a crer que o reinado de Tyron Woodley chegaria ao fim. O campeão dos meio-médios nunca teve o prestígio dos fãs, mas a situação piorou, pois fazia tempo que não lutava, dava declarações que não caíam bem, recusava desafiantes justos e enfrentaria um adversário enorme, mais jovem e com ritmo de luta.

Mas o retorno de “The Chosen One” foi incrível! O primeiro round foi a cara de Woodley. Assim como fez contra Stephen Thompson, o americano se posicionava próximo à grade e fez uso do seu porte físico pra prender e não deixar Till à vontade.

No segundo, o campeão mostrou, porque é o número um da categoria. Acertou o inglês com tudo, o puniu com um ground and pound avassalador e o finalizou na sequência. O domínio foi tanto que o placar poderia ter sido 10×7!

Apesar de liderar o ranking, Woodley, novamente, foi azarão contra um desafiante bem maior, oriundo da trocação e saiu por cima. Pode parecer muita pretensão da parte dele se chamar de “maior meio-médio de todos os tempos”, mas a verdade é que, não importa qual é o tamanho do desafio, Woodley estará lá, pronto pra surpreender os fãs e calar os críticos.

Foi assim contra Robbie Lawler, Thompson e Till. Colby Covington não vai, mas deve respeitá-lo, porque, com essa atuação, até o público reconheceu seu valor e o aplaudiu.

Jéssica Andrade x Karolina Kowalkiewicz

Jéssica Andrade é uma jóia no WMMA. Entre as mulheres de todas as divisões, são poucas as que possuem o poder da brasileira e não há uma com tanta agressividade no octógono.

Nesse aspecto, ela é sim superior às compatriotas Cris Cyborg e Amanda Nunes. O plano de jogo é simples: sempre ir pra matar as oponentes.

Contudo, por mais batido que seja, a maioria não consegue lidar com tamanha brutalidade e pressão. Karolina Kowalkiewicz até poderia fazer frente com seu ritmo cadenciado e técnica na trocação, mas viu que ia sucumbir cedo ou tarde já no primeiro ataque.

Ela, simplesmente, foi destruída! Quem olha, até pensa que a polonesa é uma atleta qualquer. Com três vitórias seguidas sobre bons nomes (Claudia Gadelha, Tecia Torres e Kowalkiewicz), a mini Wanderlei Silva merece uma nova chance de lutar pelo cinturão dos palhas.

Não é porque a campeã Rose Namajunas derrotou duaz vezes Joanna Jedrzejczyk, que seu reinado será eterno. Estilos fazem lutas!

Zabit Magomedsharipov x Brandon Davis

Yair Rodríguez tanto fez, que conseguiu fugir de Zabit Magomedsharipov e, a cada atuação do russo, dá pra entender o mexicano.

Quando se encara um adversário visivelmente inferior, que nem camp completo teve, o favorito tem que dominar, mas nem sempre isso acontece no MMA. Zabit não deu sopa pro azar e confirmou o favoritismo com louvor!

Brandon Davis subiu ao octógono pra sobreviver, mas não conseguiu. Pior, foi mais fácil do que o esperado. O russo é tão opressor, que vai tirando a vontade do oponente de permanecer na luta.

Quedou como quis e ainda finalizou com uma linda chave de joelho. Por mais que suas vítimas não possuam alto nível, não dá mais pra ignorá-lo.

Ele sabe disso, o UFC também e os demais penas até querem, mas não podem fazer isso. Um confronto entre a velha e a nova guarda se aproxima.

Como seria injusto perguntar se Chad Mendes aguentaria o tranco, farei outra: o russo está preparado pra encarar um oponente tão histórico? O momento chegou!

Jimmie Rivera x John Dodson

Os fãs podem dizer que John Dodson nocauteou TJ Dillashaw, campeão dos galos, pra justificar sua permanência na divisão, mas a verdade é que, desde que trocou os moscas, o pequenino virou outro lutador (pior!).

Mais pesado, perdeu sua maior característica: a velocidade. Contra Jimmie Rivera, um adversário corpulento, Dodson foi presa fácil. Ao contrário do que estávamos acostumados, “The Magician” ficou plantado e, quando atacava, parecia fazer por mera obrigação.

É estranho, mas parece que Dodson não se sente mais feliz no octógono, tanto é que seus treinadores pediram pra “ser ele mesmo”. Obviamente, a postura não deu certo e a dica veio tarde demais.

Rivera, que não tem nada a ver com isso, fez apenas o básico e, como um top que é, não correu risco. Pra ele, esse encontro valia apenas pra se recuperar da pesada derrota pra Marlon Moraes e não pra encantar.

Missão concluída e facilitada. Nada como um bom feijão com arroz.

Abdul Razak Alhassan x Niko Price

A luta de abertura do card principal prometia e fez jus tanto à expectativa quanto ao preliminar. Niko Price é um lutador insano e isso o faz vencer de forma marcante e perder da mesma forma.

Contra um striker poderoso como Abdul Razak Alhassan, o americano deveria fazer de tudo pra ir pro chão, mas ignorou sua virtude, fazendo o que o adversário queria.

Bastaram 43 segundos pro membro do meu exército de “negros maravilhosos” brutalizar o favorito e assustar, novamente, os demais meio-médios. Como não temer um ganês, que só vence por nocaute no primeiro round?

Alhassan está longe do cinturão e ficará assim a carreira toda, mas é o tipo de lutador que os fãs gostam de assistir. Se falta técnica, sobra força e o show agradece.

Menções Honrosas:

  • Sinceramente, alguém esperava outra coisa a não ser um passeio de Tatiana Suárez sobre Carla Esparza? Quando colocadas lado a lado, já dava pra ver a desvantagem da ex-campeã. No octógono, a superioridade foi física e técnica. Suárez fez o que quis, puniu sem dó uma veterana, que merece um pouco mais de respeito. Se a surra em pé aplicada por Joanna foi traumática, a no chão e mais recente também pode gerar sequelas. Já tinha dito uma vez e repito: Tatiana é a versão feminina de Khabib Nurmagomedov. E não só por estar invicta no MMA, mas também por ser uma máquina de bater e de pressão constante. É uma locomotiva imparável, sendo questão de tempo pro cinturão dos palhas estar em sua cintura.
  • Não adianta, o que Aljamain Sterling tem de desengonçado em pé, tem de perigoso no chão, não importa qual seja a posição. O favorito fez um primeiro round estranho contra o embalado Cody Stamman, mas bastou o segundo vir pra se embolar com o adversário e mostrar toda sua superioridade no grappling. Primeiro, foi pras costas e prendeu os braços de Stamman. Depois, finalizou com uma difícil e rara chave de joelho. Essa foi a segunda vitória seguida de “Funk Master” e a segunda vez que brecou a ascensão de novos galos. É um porteiro e tanto, mas ele não quer apenas esse status. Animado, desafiou Dominick Cruz e prometeu lutar pelo cinturão em breve. Será que só grappling e tenacidade vão bastar? Difícil, mas já fez mais que Raphael Assunção mesmo já tendo perdido pro mesmo…
  • Yes! Yes! Yes! Todos sabem que Diego Sanchez (até o próprio) está mais pra lá do que pra cá por sempre optar pela emoção, ao invés da razão. Essa é a natureza do showman. No entanto, o meio-médio foi inteligente ao pressionar o fraco Craig White contra a grade, ignorando a envergadura do gigante, o dominou no chão e se recuperou dos últimos nocautes sem sofrer tantos danos. O adversário só assustou com pedaladas. No terceiro round, como não poderia ser diferente, “The Dream” tomou knockdown e quase jogou uma atuação convincente no lixo, mas logo reverteu a situação no chão. Como é bom ver o Sanchez grappler de volta (ou seria grinder?)! É bem verdade que ele não vence sem a ajuda dos juízes desde 2008, mas o que importa são os três pontos. Comemore, Sanchez!
  • As quatro derrotas seguidas fizeram muitos fãs pedir a aposentadoria do veterano Jim Miller, mas temos que dar o braço a torcer: é muito bom ver o leve vencendo novamente! Sejamos francos: o UFC foi uma mãe e sacrificou o pobre Alex White, numa última tentativa de reanimá-lo, como se dissesse “Jim, é agora ou nunca!”. Dito e feito! Com fome de principiante, Miller aplicou knockdown e obteve a 14ª vitória por finalização ainda no primeiro round. O triunfo foi ainda mais marcante, pois este foi seu 30º combate pelo UFC, o tornando recordista de participações. E mais: também é o atleta que mais venceu nos leves (17 vezes) e o que mais finalizou na divisão, ao lado de Joe Lauzon e Nate Diaz (7x). Esse guerreiro merece os feitos!
  • Marcelo Siedler

    Da pra dizer que o russo tá a 2 lutas do TS?

    • Billy

      Se o desejo de Zabit se realizar, Mendes será o maior desafio até então. No entanto, se Mendes colocasse o russo para dormir eu não me surpreenderia…Mas Zhabit está bem próximo, acho que mais umas 3. Vejo o Aldo, pelo nome que possui, ainda ligeiramente à frente.

    • Rodrigo Tannuri

      Creio que sim. O Zabit terá que enfrentar os grandes nomes agora.

      • Dan Fernandes

        vi na entrevista pós luta nos bastidores, que ele quer chad ou aldo

      • Dan Fernandes

        E dependendo do adversario e de como vencer, acho que uma luta ja deixa ele com ts, tipo, se as estrelas se alinharem e zabit pegar o aldo e nocautear ou finalizar….

  • Alyson D’Gramont

    Eu acho o Alhassan um diamante bruto, só precisa ser lapidado.

    • Rodrigo Tannuri

      O problema é que já possui certa idade pra deixar de ser apenas um brawler.

      • Alyson D’Gramont

        É verdade. Agora que eu vi que o cara já tem 33 anos, que pena.

        • Rodrigo Tannuri

          Mas, independente da idade, sempre que o Alhassan aparecer, será garantia de entretenimento. Não precisa ser top pros fãs gostarem. Eu, você e outros estaremos acompanhando essa besta kkkkk

  • Leonardo Saraiva

    Ninguém vence Condit, Lawler, Gastelum, Thompson, Maia e Till a toa. Subestiman o Woodley a troca de nada, o cara é um monstro

    • Rodrigo Tannuri

      Subestimam mais por não gostar da pessoa dele. Como lutador, não tem o que questionar.

      • Dan Fernandes

        É tipo isso mesmo.
        Till: forte, alto, mão pesada, jovem, otima trocação.
        woodley: fez luta chata, é chato, escolhe adversario

    • Dan Fernandes

      Poisé, na época, Condit, Lawler e Thompson eram melhores trocadores no mma que Till, e woodley foi pra trocação com eles e ganhou, isso não é K1, lutar contra um wrestling com otima trocação e mão pesada complica qualquer campeão de muay-thai ou seja la o que for.

    • Dan Fernandes

      vejo muita gente falando mal do woodley e dizendo que Till não fez nada, queriam que Till fosse pra cima ? era queda na certa, a verdade é que se apaixonaram pelo Till e esqueceram que o jogo do woodley era ruim para o estilo agressivo do ingles, Till tinha chances ? claro, ele nao tava com o TS a toa, mas subestimar o woodley ja é demais, mesmo o campeão se encurralado (é normal pra ele) Till não conseguiu encaixar seu jogo, no 2° round mostrou a agressividade que alguns disseram que woodley não aguentaria…deu no que deu.

    • Igor Martins

      Eu já apostava no woodley antes, o negão é sinistro quando explode ou é kcnockout ou knockdown dos bravos, acho que till entrou de salto alto, já tinha tomado uns petardos durante a luta e não se ligou, tem que respeitar essa mão do woodley não adianta. O americano realmente passou o carro, tirou till pra nada, na verdade o till pra mim nem ganhou do thompson, mas por casamentos da divisão e visando o mercado europeu o colocaram rapidinho, pegou um cerrone já ladeira abaixo, e thompson como já foi dito. dos desafiantes foi o que apresentou menos perigo e falhas tecnicas, o ingles é bom lutador, dificil de quedar na divisão mas uma vez no chão vira passageiro da agonia.

  • Dan Fernandes

    “Tudo levava a crer que o reinado de tyron woodley chegaria ao fim”
    Parei de ler por aqui, tudo o que ? O que o Till tinha ou fez para ter toda essa vantagem ? Nocauteou cerrone ? (Risos ) Se for pela vitoria sobre Thompson ja pode parar por ai, vitoria sem brilho, nao mostrou superioridade , o ingles fez uma luta tão chata quanto woodley vs thompson, mas essa vitoria foi a afirmação de que poderia ganhar do campeão, vai entender.
    Pra ganhar, Till sempre tem que fazer funcionar esse Jab/direto pesado que tem, e só, woodley muito mais lutador em tudo, se deixaram levar pelo hype do rapaz, ou era a raiva por woodley ter despachado o campeao sem cinta Maia, que pelo o que me lembro bem, nao precisava nem quedar o woodley, era so grudar e a cinta era nossa…

    • Rodrigo Tannuri

      Parou de ler e perdeu a explicação.

      • Dan Fernandes

        “enfrentaria um adversário enorme”, a maioria dos atletas são maiores que woodley, que ja provou saber lidar com isso.
        “mais jovem e com ritmo de luta”, ser jovem é uma vantagem, mas não vantagem suficiente para cravar que

        • Rodrigo Tannuri

          O Woodley está bem, mas sempre terá essas desvantagens pra lidar. Não é difícil entender isso.

          • Dan Fernandes

            exato Tanuri, Woodley fez 10 rounds e dois camps para Wonderboy (1,83) estava mais adaptado do que nunca, e ja havia lutado contra condit (1,87) e DHK (1,85) lawler era a ponta do iceberg na carreira de woodley sobre tamanhos de adversarios, enfim, nao to aqui defendendo woodley como GOT, Till tinha suas Chances, mas estavam dando essa luta como favas contadas para o ingles, é dificil entender isso.

          • Rodrigo Tannuri

            Isso é verdade, Dan. A imprensa brasileira e americana estavam encantadas com o Till. Eu mesmo caí no hype britânico kkkkk, mas o Woodley é um grande lutador desde o Strikeforce. O subestimamos 🙁 Que bom que voltou a aparecer com tudo!

          • Dan Fernandes

            vlw pela interação Tannuri, na verdade eu acreditava numa vitoria por DU do Woodley, mas do jeito que foi…acho que nem Till espera uma trocação boa e um Time tão bom do campeão, defendeu todas as tentativas de queda, na hora da trocação…

          • Rodrigo Tannuri

            Tomara que o Woodley lute com esse sangue nos olhos contra o Covington também. É pedir muito? kkkkk

          • Dan Fernandes

            só falta isso kkkk perder para o colby

          • Baixista Loko

            Se perder pro Colby ai eu desisto e não importa os feitos dele, eu apago da memoria e vou dedicar a vida a diminuir os feitos dele kkkkkkkkkkkkk pro Colby n véi plmdds kkkkk

          • Dan Fernandes

            Ja nao bastou RDA, ter que aturar colby vencendo woodley e desafiando conor kkkkkkkkkkk

    • Xizou

      Bem isso mano, concordo em gênero número e grau. O pessoal não gosta do Woodley, torce contra na cara de pau mas não deixa de quebrar a cara

    • Igor Barbosa

      O Woodley burocrático que vinha se apresentando seria obliterado pelo Till. Como o Tannuri mesmo disse, estilos fazem lutas. Andar pra trás e dar a iniciativa pro Till seria certeza de derrota, mas o próprio Woodley percebeu isso.

      • Dan Fernandes

        “estilos fazem lutas”
        falou corretamente, por isso, Woodley teve que mudar seu estilo para lutar contra wonderboy e Maia, se fosse agressivo contra esses dois, as chances de sofrer com os contra-golpes do Thompson seriam enormes, e Maia no 1R é muito forte, se grudasse, seria perigoso demais, fez o que tinha que fazer, erro foi alguns generalizarem, como se woodley se resumisse no que mostrou nas ultimas lutas, Till nao tem o jogo complicado como Wonderboy e Maia, teve que andar pra tras para evitar contra-golpe e o bjj do maia, Simples.

        • Igor Barbosa

          Woodley poderia ter feito contra o Thompson um jogo similar ao que sempre faz. Fácil falar que deu certo agora mas pra grande maioria das pessoas ele nem venceu a segunda luta contra o Wonderboy. Contra o Demian ele tinha uma vantagem gigantesca na trocação e não seria derrubado. Ninguém resume o Woodley pelas últimas lutas muito pelo contrário. Todo mundo sabe que ele é capaz de muito mais do que vinha fazendo como mostrou contra o Till.

  • Carlos Eduardo

    Grande Vitória do Woodley. Merece ser o campeão.
    Agora esse lance de colocar a mão no rosto do adversário deve ser banido do esporte. Fiquei agoniado em ver o Woodley esfregando os dedos nos olhos do Till. E o árbitro olhando passivamente.

  • Victor Martins

    Coitada da Karolzinha, virei o rosto na hora do KO

    Era pra ser na Bethe

  • Xizou

    Tyron foi malandro, não pediu por nenhum nome mas alfinetou GSP

  • Daniel Piva

    Eu, pelo menos, não lembro de uma atuação tão impressionante do Woodley. Nem mesmo quando nocauteou o Lawler ele me espantou tanto quanto ontem.

    Em relação a Jéssica, gostei da analogia que o Renato fez no vídeo com o John Lineker. Além de uma mão de pedra, ela demonstra ter um bom queixo, já que a estratégia a deixa aberta a receber golpes também. Vamos ver até quando aguenta. Embora isso pareça um certo receio, acredito que em um curto prazo ela consiga ter muito sucesso

Tags: , ,