Pensando alto: a análise
informal do UFC Chile

Rodrigo Tannuri | 20/05/2018 às 02:52

Meus queridos, não apareci no podcast, mas aqui estou eu pra mais um “Pensando Alto”, dessa vez sobre o UFC Chile (primeira vez da organização no país).

E que edição tivemos! O público local compareceu em peso e foi brindado com grandes lutas. A ausência de nomes fortes foi compensada com demonstrações de garra e fome de luta.

A única nota lamentável foi a pesada vaia à Guido Cannetti, por este ter vencido o chileno Diego Rivas. Chega de público passional! Permitam-me começar?

Kamaru Usman x Demian Maia

O óbvio aconteceu: Demian Maia foi derrotado por um wrestler mais jovem. Se isso já tinha acontecido contra Tyron Woodley e Colby Covington, por que seria diferente contra Kamaru Usman, ainda mais sendo chamado de última hora? Demian sabia do risco de substituir Santiago Ponzinibbio e aceitou para renovar seu contrato com o UFC, mas até que ponto isso é legal? Sua carreira está se aproximando do fim e fala por si, mas um acúmulo de derrotas é sempre pesado. Usman, que não tem nada a ver com isso, aproveitou a fragilidade do adversário e venceu sem sustos. O nigeriano não foi tão impressionante como em suas últimas atuações, mas foi precavido e inteligente. Mesmo sem tanta agressividade, lutou melhor que seu rival, Covington, contra o brasileiro. E digo mais: Usman, que sempre se queixava dos grandes nomes o recusarem, agora, possui um e tanto em seu cartel. Afinal, por mais que Santiago seja melhor, ainda há mais peso em vencer Demian do que o argentino. E, aos que estão minimizando as chances de Usman em relação a ser campeão, lembrem que essa foi a oitava vitória seguida. Se esse número não merece respeito, não sei mais o que merece.

Tatiana Suarez x Alessa Grasso

Fatalmente, Tatiana Suarez será campeã dos palhas do UFC. Não é de hoje que ela vem sendo consistente. A wrestler já havia vencido o TUF 23 sem qualquer problema e não é à toa que está invicta. Se com 27 anos e apenas seis lutas no MMA a americana se comporta dessa forma, o que esperar da mesma daqui pra frente, quando estará no auge? É inegável que Alexa Grasso seja talentosa, mas, ao mesmo tempo, é superestimada. A mexicana venceu Randa Markos (de forma controversa), mas não convenceu até agora, nem apresentou algo capaz de parar a pressão e o grappling de Suarez. Dito e feito! Na metade do primeiro round, a americana finalizou, sem receber qualquer golpe traumático. O futuro pra Suarez é brilhante, pois poucas lutadoras serão capazes de lidar com seus atributos físicos e técnicos. Será ela a versão feminina de Khabib Nurmagomedov? Começo a acreditar.

Dominick Reyes x Jared Cannnier

Já havia dito no podcast que Jared Cannonier paga pela arrogância. Quando está em vantagem na luta ou enfrenta adversários não tão conhecidos, menospreza. O que adianta ser poderoso se comete esse tipo de erro? Por outro lado, Dominick Reyes suportou os ataques do rival, não se intimidou e fez uso dos uppers pra nocautear no primeiro round. Aos 28 anos, o invicto Reyes é um nome a se observar. Até porque, nos meio-pesados, qualquer um que vence bem é visto com outros olhos, sendo essa a terceira vitória seguida no UFC (todas pela via rápida e no primeiro round), a entrada no ranking é quase certa. Reyes é um lutador definidor e que, com certeza, terá a torcida de muitos não só por ter esse estilo, como também pelo atual estado da divisão.

Vicente Luque x Chad Laprise

Nem foi um soco tão forte, mas foi eficaz. Por mais que Vicente Luque fosse superior em pé, o duro Chad Laprisse equilibrava as ações no primeiro round, porém, quando o golpe pega, não tem jeito. A verdade é que, mesmo com a dificuldade, o brasileiro foi letal pela sexta vez no UFC. Seja com nocaute ou finalização, Luque não vence por decisão. Muitos atletas acusados de vencer somente dessa forma culpam o alto grau de competitividade por isso, mas o “Assassino Silencioso” tem enfrentado bons nomes (Laprise, Niko Price e Belal Muhammad que o digam) e se destacado. Qual é a desculpa? Quem assistiu o TUF 21, jamais poderia imaginar que Luque chegaria a esse nível. Tomara que ele continue assim e, quem bobear, vai perder, sem ter qualquer ajuda da juizada.

Menções Honrosas:

  • Foi difícil, mas Michel Trator venceu em sua estreia nos meio-médios. No entanto, não há muito o que comemorar. Se o esforçado Zak Cummings fez jogo duro, nomes nem tão relevantes podem ser o bastante pra superar o brasileiro. Na nova casa, Trator perde seu diferencial nos leves: a força. Não é qualquer baixinho atarracado que vai subir de categoria e terá sucesso. Rafael dos Anjos é excelente tecnicamente! Trator tem sua qualidade no grappling, mas não fará campanha igual. Ou volta pros leves (batendo o peso!) ou aceite a dura realidade das prováveis derrotas.
  • Pelos moscas, Alexandre Pantoja não tomou conhecimento de Brandon Moreno. O brasileiro foi melhor em todas as áreas e, melhor do que isso, não perdeu o foco em nenhum momento. Ele poderia ter sido sugado para o caos que o adversário gosta, mas foi inteligente ao administrar as ações. Com a boa vitória, Pantoja se firma na divisão e é um nome a ser respeitado nela, pois tem técnica e disciplina.
  • Nada como a segunda aparição pra mostrar que a pressão da estreia existe mesmo. Se na primeira luta no UFC Poliana Botelho precisou de três rounds pra vencer a limitada Pearl Gonzalez, na sequência, bastaram 33 segundos. Syuri Kondo acusou um chute na linha de cintura e a brasileira teve o mérito de agredir a adversária nessa situação. Quantos atletas perdem a chance de encerrar suas lutas pela falta de urgência? Carismática, a peso-palha aproveitou a animação para pedir uma adversária ranqueada e até que merece ser premiada.
  • O subestimado Gabriel Benitez foi avassalador! Definiu o confronto em apenas 39 segundos, sendo que, com 13, já havia aplicado um knockdown em Humberto Bandenay. Quando o peruano tentou uma chave-de-braço, o mexicano aproveitou o movimento e aplicou um slam. Vale lembrar que Benitez já havia vencido Sam Siclia e Jason Knight, ou seja, vem ganhando destaque pouco a pouco nos penas. O mexicano é o típico lutador batalhador, que já perdeu pra adversários inferiores, mas que pode incomodar no futuro.
  • Logo na abertura, os leves Claudio Puelles e Felipe Silva fizeram um combate bastante movimentado. O brasileiro era melhor em pé, mas, no chão, levava sufoco. Foi assim que ele chegou perto de vencer pelo menos duas vezes e perdeu na sequência. Em uma bobeira, o peruano mostrou raça e oportunismo ao aplicar uma chave de joelho no terceiro round. Felipe até lutou bem, bate pesado, mas perdeu a segunda seguida e são deslizes como esse que fazem um lutador ser cortado.
  • Coletivo Extérpretes

    Não falaram da luta que não só foi a batalha mais linda e gostosa da noite, mas também levou o prêmio de combate da noite! Como assim?

    • Malk Suruhito

      Sem querer cair no lugar comum do sexismo, mas das lutadoras a arbitra central, meua migo…

      • Antônio Damacena

        Linda também, o que deixou a luta mais bela ainda, mas a boa forma das meninas estava uma maravilha, bem atléticas! A árbitra é um pouco mais da categoria da Big Mac Dern; algo que muitas vão usar para se promoverem: Venci minha luta e ainda bati o peso!

  • Lee

    Esse Damian maia sempre foi isso aí. Nem ele devia acreditar que um dia pudesse ser campeão.

    • Julio Varoni

      Sem extremismo, meu caro.

      Demian é muito bom. Foi a 4ª vez seguida que ele lutou com um wrestler de alta qualidade. A galera dessa modalidade, então, está começando a pegar o seu jogo.

      Se ele pegar a maioria dos striker ou os wrestler medianos, ganha até com facilidade. Ou seja, Maia é top 6 em qualquer categoria que lutar.

  • RWillians

    Pelos palpites Damian seria nocauteado pelo cara q tem um nocaute no UFC. Kamaru e bom lutador, é simpático e eu ate torço por ele em suas lutas, mas Dá não pode ser menosprezado, tirando Damian, qual a vitoria relevante de Kamaru? Vivem criticando os hypes do UFC em alguns lutadores, mas qdo o UFC não cria hypel pro cara a própria imprensa especializada cria, e depois qdo perde sao os primeiros a criticar. A diferença é q pelas lutas dadas a Kamaru, ele tem se tornado um lutador melhor e mais preparado.

  • Diogo Barbosa

    “Se esse número não merece respeito, não sei mais o que merece.”
    Toda sequencia merece respeito, mas não é algo autossuficiente. Só agora Usman foi pegar um cara de nome e fez uma luta morna.
    Não digo que ele é um lutador ruim, é muito bom , por sinal, mas acho que a galera se empolga demais.
    Para o bem dele, ele tem que pegar um striker com boa defesa de quedas, ou até mesmo um zé nota 8 em tudo, ao menos assim vai experimentar uma adversidade real e remodelar aos poucos seu jogo.
    Essa história de 10/15/ X% pode acarretar um remake do que foi com Thominhas, Marreta e até mesmo o próprio Demian etc. (guardadas as devidas proporções, claro)

  • Fábio

    O jogo do Demiam já foi mapeado.
    A especialidade que lhe conferiu tamanho destaque no MMA, hoje, contra lutadores completos, torna o seu unidimensonalismo um fator complicante.

  • Iago Batista

    Kamaru é superestimado pra caralho

  • Mauro

    Usman lutou precavido com receio de ser quedado, isso ficou claro, até por isso uma performance abaixo do esperado. Mesmo assim, não acho que aguentaria o Woodley, Stephens, e talvez não o daria como favorito contra Colby, Anjos, Till.
    Pantoja passeou.

    • Iago Batista

      vou além: Masvidal ganha dele tbm

      • Mauro

        Masvidal, discordo.

  • Sergio Araujo

    A galera que tá criticando o Usman por não ter vencido o Demian Maia de forma brilhante, sendo este o único grande nome em seu cartel…

    Quem venceu Demian Maia de forma brilhante? Nem o campeão da categoria, nem o Covington(que tomou bastante soco na cara) e nem o Anderson Silva (no auge!) conseguiram isso! Todo mundo sabe que o Maia tem o melhor JJ do UFC, quem for tentar fazer graça pra cima do kra vai dormir.

    Pra mim, dos 3 kras que venceram o Maia recentemente, o Usman foi o mais dominante.

    • Diogo Barbosa

      Usman lançou menos golpes em cinco rounds que Coby em três.
      A crítica não é só por ele não ter sido dominante, mas pela luta a baixo da média que fez.
      Dentro dos caras de renome, Maia era o maior mismatch para o Nigeriano.

      • Sergio Araujo

        Usman saiu de cara limpinha do combate, ao contrário do Colby que levou um atraso na trocação. Pra mim, o nigeriano venceu melhor que o americano.

        • Diogo Barbosa

          Sangue na cara não é parâmetro algum, A.S que o diga.
          Maia bateu sim no Colby, o que to dizendo é a performance do adversário, ou seja, Colby mesmo apanhando e tendo menos punch buscou bem mais a luta e bateu bem mais no Demian, chegando próximo de um nocaute no final.
          Rory McDonald dominou, bateu que nem um condenado no Demian, isso sem ser um mismach como era o caso do Usman (Wrestling que bate forte)então criticar uma performance que deixou muito a desejar faz total sentido, principalmente quando uma galera o vê como potencial campeão.

          • Davi

            Boa, pessoal. Concordo com Sérgio. Confesso que me decepcionei um pouco com o Usman, pois nunca tinha visto nenhuma luta dele e, pelo que falavam, eu esperava um cara mais agressivo. Mas, mesmo me decepcionando , achei o desempenho dele bom. Controlou o combate de ponta a ponta e não correu risco em nenhum momento, repito, em NENHUM momento. Acho que essa estatística aí, que ele desferiu menos golpes em 5 rds do que Coby em 3, é autoexplicativa: uma coisa é lutar 3 rds, outra é lutar 5. Numa luta de 25 minutos o cara tem que se preservar. Além do mais, Maia não é um lutador fácil pra ninguém, imagino que os adversários devem ficar tensos o tempo todo para que a luta não vá para o chão. Até por que, se for, já sabem, né? Também temos que levar em conta que o pesadelo nigeriano pegou a luta de última hora, estava treinando prum striker e pegou o maior jiujitsu do mma.
            Resumindo: não deu show, ok, mas, por outro lado, mostrou disciplina e inteligência.
            Saldo positivo.

          • Sergio Araujo

            Pois é kra, o Usman não deu show. Mas quem deu show lutando contra o Maia num passado recente? Colby bateu mais, verdade, mas o Usman saiu ILESO da luta, pra mim isso é uma melhor performance.

          • Davi

            Sem dúvida. Coby tomou um atraso em pé de Maia. Pense aí.

          • Sergio Araujo

            Colby pode ter batido mais, mas o Usman saiu ileso da luta, ganhou sem passar nem um perigo. O Colby levou um atraso na trocação, um pouco mais de punch o tinha derrubado. Pra mim, o Usman foi melhor.

  • Paulo Magalhaes

    Pra mim a atuacao do Demian foi excelente. 5 rounds, 3 semanas de antecedencia, 40 anos. Adversario uma decada mais novo.

  • Igor Barbosa

    Usman não me impressionou tanto assim. Contra o Meek, ele disse que estava lutando com 30% da capacidade. É questão de tempo pra ele mandar uma desculpa parecida.

    Até que enfim, um colunista que também acha que a Tatiana Suárez vai ser campeã! E desconfio que também será muito dominante… Quanto a Grasso, superestimada demais! A beleza impressionante contribuiu, e muito, pra esse hype todo.

    Evento legal demais, torcida maravilhosa, mas extremamente exigente né… Muitas vezes, vaiando lutas que nem mereciam vaias. Mas como foi o primeiro evento lá, demos um desconto.

Tags: , , ,
Instagram