Vale a pena ostentar no
MMA? #resenha

Renato Rebelo | 19/04/2018 às 21:51

Pessoal, nessa edição do #jornaleiroresponde, matutei sobre dois casos recentes de ostentação no MMA.

Será que vale a pena vender um peixe que você não tem? E essa atitude, atrai a atenção do público?

Venham comigo!

  • Bruno Siqueira

    Como grande especialista em comentários aleatórios que sou, vaticino: um pouco de tudo o que o nobre jornaleiro ponderou e mais um fator de muito peso.
    Pessoas de interessaram por pessoas. Ponto e simples assim.

    BBB mesmo sendo atacado há anos continua firme e forte na Globo e movimentando muitas discussões por ai. Que tipo de produto, qual o entretenimento que ele oferece? Relações entre pessoas.
    A maioria dos grandes youtubers (nacionais e estrangeiros) por mais que foquem em certos nichos as vezes, no fundo são macro séries sobre pessoas.
    Os grandes filmes da história, aqueles a independente de bilheteria e premiação continuam sendo lembrados e celebrados através dos anos em sua grande maioria ofereciam grandes personagensinterpretações e roteiro. De novo: pessoas e suas relações.

    Claro que sempre há exceções. Programas de TV de sucesso que trate sobre temas técnicos., canais de YouTube com foco em conteúdos específicos (ao invés do youtuber e em si), filmes celebrados pelos efeitos espaciais, etc.

    Mas a voltando ao MMA, o que a grande massa acompanha? Não estou falando do nicho aficcionado que acompanha PBP de evento búlgaro num Forum madrugada adentro.
    O público em geral gosta de uma história, de um personagem a quem possa se identificar (ou ojerizar) para acompanhar. Pouquíssimos se importam realmente com a técnica refinada do Demétrius aplicando um armlock a partir de um suple. Isso é uma ação meio alienígena à maioria das artes humanos. A galera vai interagir/acompanhar/discutir/comentar/consumir mais com o sujeito FDP que levou um socão e foi nocauteado pelo outro. Isso é um roteiro que o sujeito comum consegue se identificar e comprar mais que uma parada técnica e deveras complexa, que é a análise técnica de uma luta de MMA.

  • Vinicius Maia

    Eu olhei no Tapology e no MMA Manifesto e os dados foram conflitantes. No tapology ele tem seu earnings: $138,000 https://www.tapology.com/fightcenter/fighters/23634-colby-covington
    E no MMAManifesto:
    250 Colby Covington* $ 379,000
    http://thesportsdaily.com/2018/02/21/ufc-fighter-salary-database-salary-main-ufc-career-fighter-earnings-html-fox11-2/

    • André Guilherme Oliveira

      No Tapology só foram contados os vencimentos de 3 lutas. O do MMA Manifesto deve estar mais próximo da realidade.

      • Vinicius Maia

        Valeu pelo esclarecimento.

  • Paulo Magalhaes

    Realmente é uma discussão interessante. O Floyd é um caso icônico, acho que mais que o próprio Conor, tem carros pretos em uma casa e brancos em outra, só usa sapatos uma vez, anda com maços de dinheiro na mala do carro relógios de meio milhão de dólares e cordões idem. Já falei isso algumas vezes e sempre as pessoas dizem o seguinte: abre aspas, ele trabalhou ele gasta como quiser, o dinheiro é dele, foda-se, vai pra Cuba idiota, etc, etc,etc, fecha aspas. Mas vou dizer, um cara que veio da miséria, passou uma infância dificil com o pai que espancava ele e o caralho, negro, sofreu discriminação, claro deve gastar, fazer umas farras boas, comer mulher adoidado, mas poderia gastar seu dinheiro também ajudando outras pessoas que hoje passam pelas mesmas situações que ele. Sinto falta de atletas que tenham alguma representação que extrapole o esporte, um tipo tal qual Muhammad Ali, que era muito mais que um lutador, o Salah atual atacante do Liverpool. Os caras poderiam defender algo, sabado assisti o Altas horas com Neymar e o cara parece um lesado com toda a experiencia que ja teve na vida. Enfim fugi ao tema, é um marketing de merda, muitas vezes funciona, mas não me enche os olhos.

  • bedotRJ

    Esse lance de ostentação costuma atrair a atenção basicamente de dois tipos de pessoas: invejosos e deslumbrados. Ainda que esses sentimentos mereçam, no meu entendimento, ser tachados de desprezíveis, a fidelidade de seus portadores a eles é mais do que canina: é dogmática. O afinco com que o invejoso e o deslumbrado alimentam estes atributos quase nunca será superado pela disposição para o enfrentamento das pessoas que os desprezam. Porque esse enfrentamento é uma tarefa inglória. A inveja e o deslumbramento não são características auto-evidentes. Quem as aponta corre risco de ter fortes baterias apontadas para si até que seja possível comprová-las. O ostentador tem consciência de tudo isso e investe nesse display social de sucesso justamente para conseguir a atenção desse público barulhento e particularmente dedicado. Se a coisa engrena (ou seja, se o ostentador aparenta naturalidade e obtem resultados), as cifras se multiplicam muito mais rapidamente.

  • Doniel Porter

    Lembrei deste vídeo, feito na época em que McGregor não ostentava os zeros na conta que tem hoje e esse seu estilo era ainda visto por muitos como motivo de piada…https://www.youtube.com/watch?v=p3qmFFi_4LM

  • Diogo Barbosa

    É simples até:
    A maioria das pessoas gostam de ter ídolos que supostamente são o que elas desejam ser.
    Nessa maioria, quase (ou todos) queriam ser ricos pra cacete e um completo imbecil que dá carteirada com base no que ganha em tudo, é só você se questionar quantas vezes já ouviu alguém dizer que queria ser Juiz p/ usar o bordão “sabe com quem está falando?” ou que queria “ganhar na loteria p/ mandar o chefe tomar no cu” (Tanuri quer isso Rabelo, abra o olho!).
    Esse é o espelho da vasta maior parte dos fãs médios de todos os esportes e nisso muitos caras capitalizam, não só MMA ou Brasileiros. Para quantos Zlatan e CR7’s existem um Messi?
    Em suma, se geral aplaudisse quem dava a bunda, Colby estaria num gangbang violento.

  • Vagner Bragança

    Ninguém segue ou quer vê um atleta pelo dinheiro que ele ganha, isso é burrice de alguns lutadores, Floyd é seguido por ser o melhor no que faz não pela grana que ganha, McGregor tbm, claro que o que eles falam tem repercussão e aumenta a expectativa, mas não pela grana, nada disso. E se falar e não fazer tbm cai no esquecimento.

    • André Guilherme Oliveira

      Quando o apelido do Floyd era Pretty Boy ele era mais um, a carreira deu um grande salto quando ele adotou o apelido Money e a postura um tanto esbanjadora.
      É uma analise rasa, mas basicamente foi isso.

  • Nathan Dreak

    A ostentação faz parte de um pacote que é estudado na área de marketing esportivo. Na verdade a ostentação é apenas um item de algo maior que é feito por esportistas e celebridade tendo como objetivo a divulgação, penetração em diversos meios e mercados. Quanto mais reconhecido um rosto, uma personalidade e um nome, maior conhecimento e retorno de imagem e nome.

    Vou dar um exemplo. A uns dois anos, ao renovar seu contrato com o Barcelona, um representante, ou advogado do Neymar, revelou alguns dados do contrato com enfoque no fato de ser o contrato maior valioso do mundo. Depois, levou um esculacho do próprio dirigente do Barcelona se ele sabia qual era o contrato do Suarez ou do Messi. Ficou até um pouco feio para ele, que depois mudou, disse que era o mais valioso por ser longo. Mas o objetivo ali era que, apesar das críticas ao jogador, divulgar que seu trabalho estava muito valorizado, que ele era reconhecido por um dos maiores times do mundo com um contrato que lhe conferia sucesso e reconhecimento a despeito de qualquer crítica que alguém possa ter. Isso reduz a relevância da opinião dos críticos e amplia a imagem de sucesso. Fortalece um nome reconhecido por uma das maiores instituições desportivas. Isso gera retorno sob diversas formas.

    A ostentação na verdade é apenas uma parte desse conjunto, que muitas vezes atinge seu objetivo, algumas vezes não. A ostentação, aliada aos diversos fatores já citados, consegue atrair maior atenção e ter maior efeito. Ela é um dos fatores. Alguns esportistas utilizam outros não. Mas existe algo que já está mais na cultura das novas gerações. Além do sucesso, divulgar o sucesso. Além do reconhecimento, divulgar o reconhecimento. A ostentação é mais uma forma, uma alternativa e estratégia para se chegar a esse objetivo. Quanto mais pessoas souberem e identificarem seu sucesso, mais você pode obter retorno financeiro, em marketing e sob diversas formas sobre ele.

  • Sergio Araujo

    Vou levantar um ponto q acho q ninguém levantou. Acho q ter bastante dinheiro intimida as pessoas. Dinheiro está muito relacionado a poder. Dessa forma, acredito q ostentar eh apenas mais uma forma de tentar intimidar seus adversários. Todos sabemos o poder q o jogo psicológico tem no mma

  • Lorenzo Fertitta

    $ 60,000 pós luta contra o Kim. É, não dá pra negar que são muitos zeros na conta bancária mesmo, o problema é a falta de algarismos a frente de todos esses zeros…

  • Pedro C

    Eu acho que compensa. Eu mesmo só acompanho estes vídeos porque sei que Renato Rebelo é o comentarista esportivo mais bem pago da história.

Tags: , ,