Fonte:" /> Em biografia, VanZant relata ter sofrido estupro coletivo | Sexto Round
 

Em biografia, VanZant relata
ter sofrido estupro coletivo

10/04/2018 às 14:14

Fonte: MMA Fighting
Texto: AG. Fight

Uma das atletas mais famosas entre o plantel feminino do UFC, Paige VanZant fez fama ao chegar Ultimate com apenas 19 anos de idade e rapidamente engatar uma sequência de três vitórias.

Pouco tempo depois, a lutadora já fazia participações em programas de televisão de grande sucesso nos EUA, como o ‘Dancing With The Stars’.

Agora, quatro anos depois, a atleta lança sua autobiografia em que revive lembranças nada agradáveis. Em certa passagem do livro, ’12 Gauge’ detalhou um episódio de estupro sofrido quando ainda estava no colégio.

Intitulado ‘Rise: Surviving The Fight of My Life’ (Ascenda: Sobrevivendo à luta da minha vida), o livro será lançado nesta terça-feira (10) nos EUA.

“Eles vão me passando. Eles me mudam de posição. Eu falho toda vez que tento resistir. Meus braços são como cimento fresco no meu corpo. Meu cérebro é uma neblina espessa. Estou acordada e consciente, mas meu corpo parece morto. Eu sei o que está acontecendo, mas não posso fazer nada para impedir. Eu não tenho voz ou escolha. Só posso me render e rezar para que acabe logo”.

Após o episódio, Paige narra em entrevista que foi vítima de bullying por muitos alunos de sua escola. O abuso verbal e psicológico teria sido tão traumático que VanZant – nascida com o sobrenome Sletten – se viu obrigada a trocar de nome por causa de trocadilhos com a gíria ‘slut’ (‘vagabunda’ em inglês).

Para a atleta, a publicação do livro também é um meio de combater este tipo de violência.

“Uma grande razão para eu publicar o livro é porque eu quero ser uma porta-voz da luta contra o bullying. Esse é o principal movimento que eu quero começar a partir disso. A coisa mais difícil para mim foram os bullies. Eles me deixaram tão para baixo que ninguém poderia me ajudar”, relatou.

Após ter reunido coragem de publicar uma parte tão delicada do seu passado, a lutadora declara que existe um motivo para tudo acontecer e espera poder ajudar outras vítimas de violência sexual ou psicológica com sua própria história.

“Quase faz eu me sentir como se tudo tivesse valido a pena. Como se eu tivesse passado por tudo aquilo por uma razão. Quando livro sair, se ele mudar a vida de alguma pessoa, então o que tive de atravessar não será em vão. Não será algo terrível, não será uma tragédia. Foi algo lindo e vai ser bom para ajudar as pessoas”, disse a americana.

  • William Oliveira

    Surreal ter gente por aí que consegue seguir a vida numa boa após ter feito esse tipo de coisa, absurdo.
    Não consigo ter empatia ou compaixão nenhuma para com esse tipo de ser. Submeteria a um paredão de fuzilamento ou, pelo menos, à castração química sem pensar 2 vezes.
    São monstros incapazes e até indignos de conviver em sociedade.

    • Carlos Montalvao

      Alinhar eles amarrados e a Paige com bandagem estilo Tong Po (com caco de vidro)

    • Rodrigo Pereira

      Esses monstros me dão nojo! Com a divulgação do livro, esses fdp”s vão se cagar! Tinha pegar esses caras e jogar num cage com os parceiros de treino da Page, depois jogar na prisão para que eles pudessem receber as boas vindas dos outros condenados.

    • Rogério Brum Hermany

      Castração química é temporária. Tinha que ser castração de fato.

  • Mauro

    Estupro é um crime imperdoável, quando se trata de um estupro violento- mais que a própria violência que já é um estupro- e coletivo, é um crime mais que imperdoável, justificável, ou reparável. Pena de morte é a pena mais branda ao estupro.

  • João Mário

    Mds, como a galera (que fez bullying com ela) ainda consegue fazer piada com isso? É um caso sério, a menina necessitando de ajuda pra superar o trauma e a galera zoando com isso… Esse tipo de gente é tão monstro ou mais que os estupradores também! Pesado, tomara que ela consiga ajudar uma galera que sofreu disso também

    • Davi Lara

      Pois é, deram até nome pra isso: cultura de estupro. A vítima é sempre culpabilizada.

  • Flavio Rezende

    Paige sempre deu palesreas e fez questão de deixar bem claro sua luta contra o bullying . Mas nunca passou pela minha cabeça que algo tão horrível lhe aconteceu , admiro sua força de superar isso e dar a volta por cima ( além de ser muito corajosa em expor essa parte ruim da sua vida para ajudar outras pessoas) já admirava a Paige como lutadora ( sempre lutou até o fim sem nunca ter se entregado) e a admiro como pessoa . Sem dúvidas ela venceu a luta mais difícil da sua vida

  • Julio Varoni

    Um passado lamentável, mas as suas coragem e superação são inspiradoras

    • Papi Tchulo

      Passado lamentável?

      • William Oliveira

        Lamentável no sentido de sofrível, de doloroso etc
        Pelo menos entendi assim

  • Leonardo José Consoni

    Como se não tivesse agravante o suficiente, imagina quantos anos ela tinha quando fizeram isso

    • Diogo Barbosa

      12 =
      Foda véi .

      • Carlos Montalvao

        Não era 14?

        • Diogo Barbosa

          14 sim, pensei um digitei o outro.
          O pior é que é relativamente recente se for parar pra pensar, 10 anos apenas

  • Carlos Montalvao

    PVZ é guerreiraça, pode não ser sensacional como atleta, mas tem nervos de aço tanto no cage, quanto na vida, pra ter superado isso. Acho uma demência sem tamanho fazer piada com esse tipo de coisa, como alguns gringos estão fazendo e falando que é mentira, pra chamar atenção, já que tá “encostada da luta”.

    Falando em autobiografia, alguém sabe se esse tipo de livro chega no Brasil? Queria muito ler da Ronda e da Joanna, além dessa da Paige, mas não queria em inglês (ou pior, em polonês)

    • William Oliveira

      Essa história aí mexeu comigo, eu fui ler os comentários agora que vcs comentaram sobre uns babacas fazendo piadinha e.. veio, eu achei que “cultura do estupro” era só mais uma bobagem feminazi (diferente de feminista, pra deixar claro), mas pelo visto é algo real. Muito real.

      Quanto babaca e nego sem noção tentando terceirizar a culpa, querendo jogar na coitada da vítima.. Lamentável, esse mundo tá lotado de merda.

      • Rodrigo Pereira

        Não sei como é nos USA, mas aqui no Brasil se vc parar qualquer cara, e anonimamente, sem vínculo com entrevistas, perguntar o que merece um estuprador….todos vão mandar matar, capar, espancar, jogar na prisão para sofrer e sentir o que a vítima passou ou seja, tem a cultura da impunidade, não de estupro. Aqui no Brasil não existem leis que de fato coibam esse crime, até porq, se um menor de 15 anos estupra 3,4,5 mulheres ele vai cumprir no máximo 3 anos de internação…isso é cultura de estupro? Não, é cultura de impunidade.

        • João Mário

          Isso que eu falo também, não é cultura do estupro, essa cultura do estupro existe na arábia (a mulher não pode se vestir do jeito que quer, pq corre o risco de ser estuprada), aqui no Brasil alguns babacas apontam culpa da vítima no caso do estupro, mas uma boa parcela repudia sim…

          • Rogério Brum Hermany

            Mas isso aí é a cultura do estupro.

            “Também, o que ela foi fazer andando sozinha na rua tão tarde?”
            “Andando com aquele shorts colado, não me admira ter sido estuprada”

            Comentários assim acontecem no Brasil.

            A ideia de que a mulher não pode fazer isso ou aquilo porque corre o risco de ser violentada é o cerne da cultura do estupro.

        • William Oliveira

          Concordo, são realmente realidades diferentes, mas lá geralmente a impunidade é bem menor, por isso acho que “cultura do estupro” se encaixa pra eles.

      • Rodrigo Pereira

        E sim, tem muito babaca e sem noção por aí, é lamentável os caras fazerem chacota com isso.

  • Lucas Venagas

    Mais uma mulher da midia que misteriosamente foi abusada e nao denunciou nada na epoca para poder anos mais tarde contar tudo em um livro ou programa de tv
    Sem contar o relato poetizado,quase novelesco
    Ao fim ela parece mais preocupada e traumatizada com o bullying e as piadinhas com seu nome do que o seu suposto estupro

    • João Mário

      Velhor, ela foi alvo de bullying, piadinhas com o nome dela justamente por ter sido vítima de estupro!!!! Mds, quanta falta de sensibilidade com algo desse naipe… Sim, ela ficou traumatizada pelo acontecimento e tambem por causa que a galera fez como vc, ignorou o crime acontecido e colocou a culpa nela!

      Leia: “Eles vão me passando. Eles me mudam de posição. Eu falho toda vez que tento resistir. Meus braços são como cimento fresco no meu corpo. Meu cérebro é uma neblina espessa. Estou acordada e consciente, mas meu corpo parece morto. Eu sei o que está acontecendo, mas não posso fazer nada para impedir. Eu não tenho voz ou escolha. Só posso me render e rezar para que acabe logo”

      Já é um trauma pesado por si só, agora imagine isso acontecer com vc é ainda ser alvo de PIADAS por um motivo que não é culpa sua, aposto que vai guardar esse sofrimento pra vc! E há dez anos atrás, assédios, estupros, não eram tratados abertamente como hoje!!! Se atualmente ainda fazem piadas, quem dirá há 10 anos…

      • Lucas Venagas

        Exato,olha bem esse relato poetizado,a menina tem talento e nao deixa ser surreal ela ficar pior pelas piadas do que pelo ato

        • João Mário

          Ela “poetizou” ao fazer uma metáfora de como se sentiu… E não é surreal ficar mal por piadinhas, pode refletir de quando vc errou e alguém zoou vc, só que o que aconteceu com ela foi inumerávelmente pior

        • William Oliveira

          Já é desagradável e difícil de ler assim, suavizado, imagina ela descrevendo de forma mais objetiva..
          Nada de anormal. Vc tá querendo achar pelo em ovo cara.

          • Lucas Venagas

            Normal sim,ou vc acha que se ela falasse a verdade e que foi pra uma festinha e encheu a cara isso nao se encaixaria mto bem com sua poesia não é mesmo? “me embebedaram” se encaixa melhor

          • William Oliveira

            Trabalhemos com a hipótese então.
            Ainda sim, ela ter ido pra uma festinha e ter enchido a cara não justifica. Nem perto. Fato é que ela sofreu um crime nojento e desumano. Crime este que somente sociopatas animalescos seriam capazes. Esse é o cerne da questão.

          • Lucas Venagas

            nao amigao,pois a verdade ja teria sido distorcida aqui em uma parte,que garantia temos que o resto nao foi distorcido tbm?
            Nao denunciou na epoca e agora ta ai como noticia mais chamativa de seu livro…estranho

          • João Mário

            Cara, como eu falei, há 10 anos, assim como hoje, esses casos são minimizados, pq simplesmente dizem “foi culpa da vítima”!

          • Lucas Venagas

            e nao denunciando na hora qdo pode existir prova e testemunha e deixando para contar ou publicar em um momento que seja conveniente financeiramente ou midiaticamente vai continuar sendo

          • Henrique Berto

            Cara, ela tinha 14 anos, era uma criança. Tu acha mesmo que ela teria capacidade de pensar nisso tudo, ainda mais depois de um trauma tão grande quanto esse?

            Provavelmente hoje ela deve ter meio que “superado” alguma parte disso, por isso ela está se abrindo. Levou 10 anos, poderia ter levado 20, 40 etc. Tenho certeza que o motivo pelo qual ela decidiu escrever isso no livro é pra tentar ajudar outras meninas na mesma situação.

            Ela já é talentosa, famosa e tem grana. E tem só 24 anos, vai crescer muito mais. Desculpe a ofensa, mas tem que ser muito louco pra achar que ela precise inventar algo nesse nível para pra ter algum boost financeiro e midiático.

          • Vinicius Maia

            Eu ia comentar isso mas fiquei com preguiça de argumentar. 14 anos, criança e já é rica e muito famosa. Qual seria a vantagem de se vincular com uma mancha dessas se for mentira???

        • Diogo Barbosa

          Não seja cabaço, ela não escreve porra nenhuma. Lutador nenhum escreve, eles relatam e um escritor profissional edita da maneira que mais vende.”cimento fresco” e etc. vem do escritor, não dela. Ela fez o relato como viu e ELE poetizou.

    • Diogo Barbosa

      Mais um perito em estupro da internet, que ou participou ou levou muito ferro pra conhecer de longe.

      • Lucas Venagas

        sou especialista em mulheres

        • I’M THE JUGGERNAUT, BITCH!!!

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk especialista em molieres kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk nossa senhora ai é mito

    • Papi Tchulo

      Lucas, por que não ficar quietinho? Que posição mais merda.

      • Lucas Venagas

        de a sua visao,abrilhante a discussao com sua sabedoria e poste sua opiniao sobre o caso da menina estuprada que escreveu uma autobiografia aos 24 anos

        • Diogo Barbosa

          Não seja cabaço, ela não escreve porra nenhuma. Lutador nenhum escreve, eles relatam e um escritor profissional edita da maneira que mais vende.

          • I’M THE JUGGERNAUT, BITCH!!!

            né isso, como se ela tivesse contado com essas palavras…
            e é super fácil contar algo desse tipo pra alguem, imagina por num livro.

    • Victor Martins

      Deve ser eleitor do Bolsonaro.

      Paro por aí.

      • William Oliveira

        Eu também sou mas não tenho essa posição nem de longe, por favor seja racional e não misture as coisas.

    • Carlos Montalvao

      Ela tinha 14 anos, acha que uma menina nessa idade, naquela época, tinha cabeça influenciada pelo novo empoderamento feminino e maturidade pra denunciar alguma coisa, sem medo da retaliação dos caras que pegaram ela a força? Ainda mais, segundo estão dizendo, tendo bebido com 7 anos abaixo do limite mínimo legal dos EUA para comprar álcool?

    • Davi Lara

      Talvez se vc esperasse um pouco você conseguiria pensar melhor antes de falar, fera.

  • Paulo Magalhaes

    Pior é que a internet da voz a babacas anônimos que tratam esses temas com superficialidade e desrespeito.

  • Marcelo Custódio

    Nessas festinhas que os jovens tem frequentado, regadas a muita droga e bebida, tem rolado muita coisa mesmo nos EUA… As estatísticas mostram que, em geral, tais abusos, apesar de as moças omitirem isso, rolam em tais ambientes… Lamentável. É um ambiente temerário para jovens indefesas.

    • Rodrigo Pereira

      Todo filme é a mesma coisa, esses diretores de hollywood parece que cultuam esse estilo desregrado, e quase não tem punição para esse tipo de situação nos filmes, nos de comédia então, parei de ver.

      • Carlos Montalvao

        Nos de comédia rola muita bebida, baixaria, a anarquia na terra, mas nenhum tem estupro e 99% evita o lance das drogas. Punição pra bagunça com música alta, garrafa quebrada, sexo consentido e eventualmente vexame de bêbado? Aí você tá exagerando, além de muitas festas nesses filmes de comédia acabarem com a Policia mandando todos embora e quando rola uma situação de assédio geralmente a mulher consegue se livrar do sujeito e ele fica com cara de idiota. Aquele Projeto não sei o quê é um filme mais sério e que envolve muita droga, mas os personagens são todos presos por baderna, mesmo que momentaneamente, pois ainda tem um quê de comédia onde eles tem que sair por cima. De qualquer forma, todos mostram uma consequência ruim dessas festas, ainda que bestas num roteiro bosta.

        • Rodrigo Pereira

          Acho que vc está confundindo, esses filmes de comédia puxam muita sardinha pras drogas sim, é só procurar num netflix da vida que tá lotado deles. Falei dos diretores de hollywood e do estilo porra-loka que eles passam nas comédias. E falei em resposta ao comentário de outro amigo no post que escreveu “As estatísticas mostram que, em geral, tais abusos, apesar de as moças omitirem isso, rolam em tais ambientes… “. Abs

  • Lucas Venagas

    ESQUERDA valente