Rivalidade entre Cyborg e Amanda
é ótima para o MMA brasileiro

João Vitor Xavier | 21/03/2018 às 13:52

Desde que Amanda Nunes deu o primeiro passo rumo a uma superluta contra a compatriota Cris Cyborg, a campeã peso galo do UFC foi acusada de falta de patriotismo, além de querer crescer para cima do nome da agora rival, que após não querer saber do duelo, passou a fazer campanha para que ele aconteça.

Neste período, Cyborg conseguiu mais uma tranquila defesa do seu cinturão peso pena diante de Yana Kunistkaya e Amanda já tem sua próxima luta marcada, contra Raquel Pennington, no UFC 224, que ocorre em maio no Rio de Janeiro.

Cris também tem feito questão de alfinetar a Leoa a todo momento, declarando que chamaria Valentina Shevchenko para seu camp, além de também oferecer treinos a Ketlen Vieira, possível desafiante de Amanda em breve.

Porém, os holofotes estão mesmo voltados para a troca de farpas entre as duas, que estão conseguindo cada vez mais destaque e, no cenário pós-Ronda Rousey, estão mantendo o MMA feminino em alta.

Uma vez que as duas são as únicas campeãs brasileiras atualmente no Ultimate, a rivalidade de ambas é ótima também para o MMA brasileiro.

Isso porque as duas representam duas escolas de pensamento diferentes e que, eventualmente, farão o esporte no Brasil refletir sobre os méritos de cada approach.

Por um lado, temos Cyborg, com sua mentalidade mais nacionalista, old school, colocando seu país acima de tudo e evitando confrontos contra compatriotas.

Já a Leoa tem um pensamento diferente e não vê problemas em enfrentar atletas brasileiras ou amigas pessoais (como é o caso de Pennington), já que o MMA, no fim das contas, é um esporte individual.

É uma luta interessante por causa da amizade que temos. Vai ser bom ver a reação dos fãs, porque não vou falar mal dela, e nem ela de mim. Vamos mostrar nosso trabalho, o que estamos aqui para fazer. Vou subir no cage, dar o meu melhor e sair com a vitória. É claro que só uma sai com ela (risos). Vai ser diferente, os fãs ainda não viram isso. Estou empolgada, sei que a luta vai ser muito boa. A Rocky já fez parte do TUF, é fácil para ela lutar com amigas. Eu já lutei com amigas, com atletas com quem tenho certa amizade, como a Miesha Tate. Fui na “after party” dela quando venceu a Holly Holm. É bem natural, bem profissional”, comentou Amanda na coletiva do UFC 224, em declarações reproduzidas no Combate.com

Recentemente, a visão de Amanda ficou perto de lhe custar uma amizade, já que a Leoa admitiu torcida para a amiga e ex-companheiro de treinos Tecia Torres contra Jéssica Bate-Estaca.

A brasileira achou que sua compatriota deveria torcer por ela, simplesmente por serem do mesmo país e terem relação amistosa, não gostou dos incetivos de Nunes para a adversária e a criticou.

Ainda que ambas já tenham colocado panos quentes na briga, fica claro que a visão da campeã peso galo do UFC encontra resistência dentro do MMA brasileiro. Mas, diante de Cyborg, além de fazer história, Amanda terá a oportunidade de expor sua visão de um esporte cada vez mais globalizado.

  • Yosvani bolt

    Bem…. As duas são brasileiras, e espero uma rivalidade amigável, vamos só respeitar a decisão da Amanda Nunes de querer enfrentar a Cris Cyborg, mesmo que seja por fama e dinheiro, nos meus olhos será umas das maiores lutas da história do MMA femenino, entrará na lista de lutas como Joanna vs Rose, Ronda vs Holly e Cris Cyborg vs Holly.

  • Ricardo Cortez Lopes

    Mas eu acho que para reeditar Spider x Belfort precisaria que alguma delas participasse de programas de televisão populares, por exemplo.

    • Thiago_NCO

      Mas o AS se tornou popular na TV após a luta com o Belfa, não antes. Ou seja: foi consequência, e não causa.

      • Ricardo Cortez Lopes

        Mas o Belfort era super famoso na época. Tinha feito casa dos artistas, era figura tarimbada no faustão, etc. O Spider até foi depois, mas o Belfort já tava nessa estrada hehe

  • Igor Barbosa

    Pode até ter um efeito semelhante a Anderson Silva x Belfort no sentido de chamar a atenção dos brasileiros pro MMA num momento onde grandes ídolos estão em baixa, e os resultados recentes não tem sido tão bons. Vai ser bom pra todo mundo, menos pra Cyborg. Se ela passar por cima da Amanda, o que é bem provável, vão continuar dizendo que ela bateu alguém da categoria de baixo. Entendi a relutancia inicial da Cyba, acho que ela aceitou mais por estar de saco cheio de pegarem no pé dela por qualquer motivo. Poderiam ao menos fazer um TUF com as duas, só com lutadoras peso pena, colocando a vencedora do programa como a próxima desafiante de Cyborg x Nunes. E de quebra, “inauguraria” de vez a categoria peso pena feminino.

  • Alisson Passos

    Não me importo de ver brasileiros lutando entre si, o esporte é individual,. logo isto acontece… A torcida fica a cargo de cada um!
    Esta luta em especial eu gostaria de ver, já que a Cris não possui oponentes que fazem frente a ela. Não entenda mal, para mim a Amanda não tem chances neste duelo, apenas gosto de ver a maior lutadora de todos os tempos demolir uma a uma suas oponentes… Nunes representa nada mais que uma vitória no cartel da curitibana!
    O único casamento entre brasileiros que eu não gostei muito, e isto apenas pelo momento em que ambos lutadores estão, é a luta entre Vitor vs Lyoto… Gostaria que a luta tivesse acontecido antes, com ambos no auge, mas nem tudo é um mar de rosas então antes tarde do que nunca!
    Se o Vitor tivesse aceitado aquela disputa de cinturão interino um ou outro poderia ter feito história…

    • Paul Kersey

      Pra mim, a luta definitiva pra Cyba é a Megan Anderson pelo frame da australiana (peso-pena legítima e mais alta). Enquanto essa luta não rolar, será desperdício de tempo qualquer outro match-up que inventarem pra curitibana.

  • Leo Corrêa

    Diante dos acontecimentos e declarações de uma semana pra cá, talvez essa luta nem aconteça mais. Amanda não quer lutar no prazo determinado pela Cris (até 07 de julho). Cris disse que Amanda está apenas usando o nome dela (da Cris…) para ganhar exposição e que não vai dar outra chance pelo cinturão se passar o prazo. No caso, segundo a Cris, se Amanda voltasse com conversinha pra fazer superluta lá pro ano que vem, ela que suba de categoria e faça outra luta para se credenciar ao TS.

    Enquanto isso, Amanda dá declarações em que se mostra interessada em um duelo contra Ketlen Vieira, mesmo antes de enfrentar Raquel Penington. Ou seja, aparentemente Cris está fora de um futuro próximo projetado por Amanda.

  • Ton lima

    Amanda é uma versão inferior da Cris tecnicamente, e mesmo sendo mais leve tem um condicionamento fisico bem inferior, duvido que a cyba vá respeitar a mão da Amanda como a Valentina e permitir que ela se preserve ao longo da luta, não vejo muitas chances pra ela não…
    Mas tenho que admitir, gosto dessa atitude “Amigos, amigos, negócios à parte”, não limita a imaginação dos fãns com futuros bons casamentos de combates. Agora se for puro trash-talk dela como a cris vem dizendo sem real intenção de lutar, fica feio pra ela.

  • Thiago_NCO

    Esse mimimi de “não luto contra brasileiro” talvez seja a maior boçalidade que assola grande parte dos nossos lutadores.

    Será que a F1 teria sido a mesma no Brasil sem a rivalidade Senna x Piquet?

    • Paul Kersey

      Eu acho que nem é tanto essa coisa de brasileiro x brasileiro, mas as circunstâncias de representatividade do Brasil no UFC que estão bastante delicadas. Não temos mais campeões masculinos (nem mesmo como desafiantes), e as únicas campeãs que temos estão prestes a colidirem e uma tentar tirar o título da outra.
      Ou seja: nem é o fato do confronto entre compatriotas, mas a motivação ligada as circunstâncias. Se a Amanda ganhar, o quadro de campeões nacionais se tornará ainda mais escasso e as chances de terminarmos sem grande representatividade na maior organização de MMA do mundo aumentam consideravelmente.

      • Thiago_NCO

        Eu até entendo esse ponto de vista, mas mesmo quando tínhamos várias cintas a gente ouvia esse papo. Lembro do AS justificando a péssima luta contra o Thales Leites justamente em razão do cara ser brazuca e a vontade dele contra brazucas não era a mesma (ele disse algo assim, não me recordo exatamente).
        Infelizmente, meu caro Paul, creio que este seja um pensamento arraigado em grande parte dos lutadores, tenhamos nenhuma ou todas as cintas :/

        • Paul Kersey

          No caso do Anderson eu tomo partido de seu desagrado realmente, até por uma questão de bom senso mesmo, pois nacionalidade não deve ser critério para definir desafiantes numa mesma categoria. Tomo como exemplo a Ketlen Vieira vindo aí e, se a Amanda permanecer campeã, eu não gostaria de vê-la se evadindo do produto da NU.
          Contudo, no caso de Amanda x Cyborg, além das questões de representatividade, ficamos com a sensação de que a Amanda tá de “olho grande” no cinturão da Cyborg e fazer história independente do quão impopular seja a sua repercussão.
          No tocante ao arraigamento desse mindset, acho que isso não é somente oriundo daquele bairrismo que haviam entre as academias aqui no Brasil nos primórdios, como tb são reminiscências daquele sentimento que temos por termos sido os principais mentores dessa modalidade através dos Gracies no VT. Por termos sido os mentores, além dessa cultura da fidelidade a academia, seus companheiros de treino e mestres, há dificuldade em aceitarmos match-ups entre atletas que partilham de algo similar a uma origem (o que pode ser tanto a academia quanto o próprio país), e tb de aceitarmos que estamos sendo ultrapassados em nossa própria criação.

          • Thiago_NCO

            Eu acho muito legal a ambição da Amanda. É bem nítido pra mim que ela quer pegar onda na Cyba, sua história, seu nome e seus feitos. Mas eu, particularmente, não vejo mal nisso. Eu vejo duas profissionais se enfrentando com base em regras claras e sendo pagas pra isso. Vejo uma campeã menos talentosa, com menos história, uma zebra completa, tentando a sorte, contra todas as possibilidades. Mas, se as duas assinam e batem o peso, qual o mal?
            Ai você tocou num ponto bem interessante: rivalidade. Entre academias, entre equipes, entre países. Infelizmente, ainda vamos levar um bom tempo para percebermos que o MMA é um esporte individual, fulano A versus beltrano B, simples assim.
            Volto a bater naquele argumento cansadíssimo mas, nem por isso, menos verdadeiro: o grande boom do MMA no Brasil foi, justamente, um puta nocaute envolvendo… DOIS BRASILEIROS! rs Precisamos estimular as rivalidades caseiras. Isso só faz o esporte crescer. Se você perguntar a um corinthiano qual clássico é maior, ele não irá dizer contra o Flamengo, Cruzeiro ou Grêmio. O clássico maior é sempre caseiro: Palmeiras e São Paulo, sem dúvidas.
            Ah, puta sono, acabei escrevendo um monte de merda sem nexo, só pra, no fim, dizer que eu adoro lutas entre brasileiros e rivalidade também.

          • thai verdadeira

            Cara, lembro-me quando Cyborg era do invicta e fazia promoção da luta entre ela e Ronda , atiçava a rivalidade entre elas, dizia que Ronda estava fugindo (uma campeã dominante na crista da onda , pegando atletas do mesmo nível físico, vai subir de categoria pra pegar Cyborg, onde ela tem ampla vantagem na categoria de cima ?) Cyborg chegou até a falar de conor McGregor , que ele estava fazendo um nem para o esporte abrindo espaço para super lutas, já que ela também tinha interesse nisso, na época Cyborg não falava da sua categoria no UFC e etc, ela queria a Ronda, em peso casado ou no peso pena…agora, já como campea, no início , cybigr pós mil dificuldades , disse que não lutaria com Amanda por patriotismo, depois falou que não faria super luta , por que bater Amanda não adicionaria nada no seu cartel (evinger , kunityskaia ,e Holm vindo de uma vitória em 4 lutas adicionam ) eu tento entender, mas Cyborg está fazendo algo que vivia reclamando

          • Paul Kersey

            1) muito antes da Cyborg se manifestar a respeito, sempre que a Ronda era questionada sobre a curitibana ela fez questão de lançar todo o seu cinismo corrosivo com ataques pessoais do mais péssimo gosto à la Dana White e Joe Rogan.

            2) além desse ser um bom motivo para a Cyborg chamar pra chincha, tb havia o fato de muita rondete encher a boca e falar que a brasileira seria só mais um braço levado pela Ronda. Mas quando a Cyba chamava pro tira-teima:

            https://pics.astrologymemes.com/Facebook-Fan-submitted-249ed9.png

            3) sobre ela evitar uma luta contra a Amanda eu já expus as razões que não remetem somente a questão do patriotismo. Agora sobre Evinger, Kunitskaia e Holm:

            3.1) Evinger entrou de última hora pq duas atletas (a própria Randamie e Megan) não quiseram tomar a frente.
            3.2) Holm foi forçação de barra do UFC para que tivessem uma esperança de ocorrer uma nova zebra e aí tentarem promover a categoria e um ranking sem a brasileira na jogada.
            3.3) Kunitskaya entrou assim como a Evinger. Se a Amanda é tão pica, pq ela não entrou de sopetão enquanto que a Cyborg se prontificou de salvar um evento com apenas 3 semanas de antecedência na condição de campeã? Qual campeão atual do UFC mostra tal prontidão?

            4) ainda sobre a posição dela em relação a Amanda, o objetivo real dela no UFC é solidificar a sua categoria. Não ficar fazendo lutas num esquema “Categoria Cyborg” onde todas as lutas da categoria são contra ela ao invés de diversas atletas que poderiam maturar entre si essa faixa de peso.

          • thai verdadeira

            Quer dizer então que pra Amanda lutar contra Cyborg, tem que ser encima do laço rsrrsrs, ninguém aqui tá falando que Amanda é pica, por que realmente tem que ter muita coragem pra uma campeã aceitar uma luta contra uma atleta da categoria de baixo , como se cybigr fosse uma miocic da vida e já tivesse um grande legado a perde em uma luta , campeã de uma categoria que nem ranking tem, você citou cada lutadora e os motivos para Cyborg ter aceitado lutar com cada uma ? Cyborg não tem culpa de só terem essas frangas, mas é pra se orgulhar disso? Ganhar de atletas sem camp , despreparadas ? Foram as palavras da Cyborg cara, “não vou enfrentar a Amanda por que ela não vai adiocinar nada no meu cartel, um pouco contraditorio ,vendo as adversárias horríveis e sem camp que ela pegou sem pestanejar , e agora você fala que Cyborg tem o objetivo real de solidificar sua categoria , isso eu entendo, mas por que não quis aceitar Amanda em uma luta na sua própria categoria ?
            1) não enfrento Amanda por que é brasileira

            2) não enfrento Amanda por que quero solidificar minha categoria , e não fazer super lutas

            3) Amanda sobe de categoria e luta nos penas

            4) não luto com a amanda por que ela não soma nada no meu cartel , mesmo tendo aceitado kunityskaia, evinger e Holm …é no mínimo estranho

          • Paul Kersey

            1) Cyborg já tem um legado sui generis, independente de categoria ou não. Pode botar a melhor peso-galo que vc conceber que ela é azarona no papel e é bem capaz de tomar uma coça. Sem contar que tá há mais tempo invicta do que qualquer outro lutador. #AceitaQueDóiMenos

            2) o argumento sobre Amanda não adicionar nada ao cartel da Cyba só faria o sentido reverso que vc tanto busca se ela dissesse que Evinger, Kunitskaya ou qualquer outra baranga que ela enfrentou acrescentasse. Portanto, dentro do REAL sentido da assertiva da Cyborg, Amanda será só mais uma estatística perante as demais, já que, assim como as demais desde que entrou no UFC, NÃO É UMA PESO-PENA (E A CYBORG ALMEJA UMA PESO-PENA).

            3) a Cyborg tem a predileção dele em não enfrentar a Amanda visto como está escassa a representatividade de campeões brasileiros na organização. Amanda tá pensando apenas na carreira dela. A Cyba pensa em coisas acima da própria carreira (uma categoria bem fundamentada, atletas da casa defendendo seus cinturões e dando alguma representatividade nacional no UFC, etc), visto que ela já tem um nome consolidado, diferente da Amanda que ainda sofre para se consolidar midiaticamente.

            4) se Cyborg quisesse somente adversárias fáceis, não estaria chamando a Megan há tempos. Sem contar o histórico de que meio mundo do peso-galo vivia falando de enfrentá-la, mas na hora de assinar o contrato sumia.

            5) o termo “super luta” há tempos que vem sendo vulgarizado, sendo que a real definição vem de dois campeões significativamente dominantes em suas categorias. Era o que se esperava, por exemplo, de um Jones x Spider (ou Miocic x Cormier, como haverá no meio do ano). Entretanto, tivemos uma coisa como “Alvarez x McGregor” promovido a “superluta” sendo que um nunca defendeu o cinturão e o outro logo na primeira defesa tombou (show, ein?).
            Agora me explica que “super luta” é essa onde uma das campeãs já é vista como cordeiro sacrificial da outra? 🙂

            Enfim, eis as respostas para suas colocações capciosas como sempre.

          • thai verdadeira

            Kkkkkkkkkk aceita que dói menos ? Fanboy, não precisa de todo esse sarcasmo, Cyborg tá muito tempo invicta , tem história, é uma atleta acima da média , contra Amanda seria favorita, ninguem tá falando ao contrário , só que estamos falando de Cyborg no UFC, é no UFC ela está bem longe de alguns campeoes no quesito legado, não é atoa que ela quer solidificar sua categoria, basta querer entender isso, e não ficar achando que qualquer um que vá contra a Cyborg , está indo contra a sua carreira, é sempre assim, se alguém fala que Aldo tá mal, vem um e diz : maior peso pena da história e bla blá blá, como se não tivesse argumentos para o fato presente, e tentasse justificar tudo com a carreira vitoriosa do atleta…Agora isso : ” o argumento sobre Amanda não adicionar nada ao cartel da Cyba só faria o sentido reverso que vc tanto busca se ela dissesse que Evinger, Kunitskaya ou qualquer outra baranga que ela enfrentou acrescentasse” kkkkkkk isso foi o fim kkkk fazer sentido reverso ? Sentido que eu tanto busco ? Foram as palavras dela, ela diz que lutar contra Amanda não adiciona nada no cartel (Amanda sendo uma campeã ) , mas aceita lutar contra atletas de menos expressão , inferiores tecnicamente que amanda e até vindo com cartel parcial negativo (holm 3L 1W) ou seja, para Cyborg , ter uma vitória sobre kunityskaia no cartel vale mais que ter uma vitória sobre Amanda ?, basta QUERER entender o que ela falou, foi simples e claro…AMANDA NAO ADICIONA NADA EM MEU CARTEL, ainda tenho que buscar sentido reverso nisso kkkkkkkkkkkkkkkk

          • Paul Kersey

            1) o legado da Cyborg transcende a trajetória dela no UFC (ou vai se ignorar de que ela tá invicta desde 2005?).

            2) Cyborg vai muito bem, obrigado. Portanto, a sua analogia com o Aldo sobre saudosismo é contextualmente equivocada. 🙂

            3) o sentido reverso que vc alcançou, mas sequer deu conta disso por incapacidade de interpretar o que vc próprio diz, é de imputar a Cyborg uma contradição no pedido de “superluta” e ela ver a Amanda como só mais uma. É só mais uma sim. Mais uma peso-galo que o UFC insiste em jogar ao invés de uma peso-pena legítima. A única diferença é um cinturão.
            Inclusive, se um cinturão fosse “O GRANDE” diferencial, tanto a Tonya quanto a Kunitskaya tb detiveram cinturões. Isso sem contar a Holm.
            E aí? Ainda há um diferencial tão grande na Amanda, mais outra PESO-GALO com um CINTURÃO? Se for pra pegar uma detentora de cinturão, que pelo menos seja a Megan, uma PESO-PENA legítima. Não uma PESO-GALO em off que é considerada por uma boa parcela a derrotada moral perante uma peso-mosca em off. =D

            4) eu sou um fanboy? E tu que é mais um na grande onda da tônica “haterismo é imparcialidade”? Patético, champs. *GARGALHANDO ALTO AQUI* xD

          • Yosvani bolt

            Pelo seus comentários você está certo, e tudo isso só está aconteçendo por causa do UFC, as duas lutadoras ficam se perguntando porquê que essa superluta não acontesse, isso só provoca polêmica, drama, rivalidades armagas, as pessoas começam a julgar( a Cyborg está com medo, a Amanda arregou e blá, blá, blá) é isso que o UFC, só estão preocupados com o dinheiro, e maioria dos fãs casuais aceitam esse tipo de brincadeira

          • Yosvani bolt

            É isso que o UFC quer*

        • Wellington Fonseca

          Infelizmente o AS é um fanfarrão no que diz respeito a dar entrevistas. Então quer dizer que o Demian Maia não é brasileiro e ele fez aquele papelão por isso?

  • Douglas Karpinski

    Amanada me lembra o Belfort, e acho que o cinturão não fica muito tempo com ela, tecnicamente se essa luta virar, amanda vai pra vala, nem tem o que fazer, contra a shevchenko me surpreendeu seu gás durar tanto assim, mais o nivel da cyba é outro…. talvez a Megan Anderson pela envergadura possa dar um desafio….

    • Baixista Loko

      E ela e a Shevchenko lutaram? Pra mim foi 25 min se encarando , numa luta como a primeira delas mais disputada e com a Valentina menos receosa acho que o gás n tinha durado.

Tags: , ,
Instagram