Impressões das explosivas preliminares do Rio

Renato Rebelo | 13/10/2012 às 23:02

Rony Jason x Sam Sicilia

Finalmente vimos o que Minotauro vinha frisando há meses e Edelson Silva, um dos treinadores de boxe da Team Nogueira, ratificava. Rony Jason tem mão de pedra. Ótima exibição do vencedor do TUF Brasil, que apagou a contestada atuação do UFC 147. Sicilia balançou mais que galho em vendaval e pediu as contas no segundo round.

Massaranduba x Gleison Tibau

O tamanho e o grappling de Gleison Tibau são barreiras quase intransponíveis para um striker. Com o regulamento de baixo do braço, o atleta da ATT teve dois rouds tranquilos – derrubando e dominando no chão. Só que, no segundo, a mão do Massara entrou quando Tibau estava naquele processo de simulação de troca pré-queda. Por muito pouco, não vimos o final mais improvável possível: uma finalização do piauiense. Tibau sobreviveu e levou a decisão. Lutaça.

Diego Brandão x Joey Gambino

Exibição muito sólida do Ceará. Quedas plásticas, três knockdowns aplicados e domínio total sobre o atleta da Trystar Gym. E o melhor: não cansou no terceiro round. Sua agressividade incomum e todos os atributos citados acima, pelo menos para mim, evidenciam uma estrela em potencial. War, mini Wanderlei!

Serginho Moraes x Renée Forte

Até o terceiro round, ambos deixavam a desejar. Nada contundente em pé e, no chão, o único êxito era de Renée – que levantava rápido quando Serginho o derrubava. No terceiro, até por perda de vigor, o representante da Team Nogueira não conseguiu evitar uma pegada de costas e, em seguida, o mata-leão. Como sou franco com vocês, confesso que esperava um Renée mais evoluído e um Serginho mais confiante na trocação.

Chris Camozzi x Luiz “Banha”

Fisicamente, Banha parece ter encontrado sua categoria. Tecnicamente, parece mudado. Hesitante, não lembra o cara agressivo que surgiu no UFC 85. Será que ele respeitou muito o muay thai perigoso do Camozzi? Pode ser. Mas, no fim das contas, os muitos jabs do gringo que vazaram a guarda do paulista lhe renderam a decisão.

Cristiano Marcelo x Reza Madadi                    

O UFC Rio III já começa com uma candidata a luta da noite. Em um remake de Bonnar x Griffin da final do TUF 1, CM e Madadi desfiguraram o rosto do outro em três rounds de muita força de vontade e pouca estratégia. Decisão dividida contestável. Agora, um jurado marcar 30 a 27 pro brasileiro é, no mínimo, puxado…

Tags: