Pensando Alto: A
Análise Informal do UFC Austin

Lucas Rezende | 19/02/2018 às 03:18

Dizem que no Texas tudo é maior.

Não sei exatamente o que o ditado quer dizer, mas não pode ter feito mal aos lutadores assinalados para estrelar o UFC Fight Night 126, na capital, Austin.

Dos 12 combates programados, oito não chegaram aos seus finais premeditados. Uma folga necessária para os juízes, que ainda conseguiram escorregar nos poucos combates que lhes foram deixados para decidir.

No mais, creio que os espetáculos promovidos por Donald Cerrone, Curtis Millender, Derrick Lewis e muitos mais foram o bastante para satisfazer qualquer texano presente.

Ou será que não? Me acompanhem.

Donald Cerrone vs. Yancy Medeiros

Me identifico com Donald Cerrone. Não pelo estilo de vida catastrófico, tampouco pelas habilidades em artes marciais ou por um apreço em comum pela vida de boiadeiro, mas pelo simples fato de que ambos possuímos o péssimo hábito de acordar tarde.

O que já me custou diversos compromissos pelo turno da manhã, também já custou um combate ao Cowboy, em algumas ocasiões. Isto é, Donald pode precisar de um round ou meio até se sentir à vontade em combate e contra oponentes que impõem pressão desde o início, o vaqueiro pode ser finalizado antes mesmo de começar.

Foi assim com Rafael dos Anjos, Anthony Pettis e Darren Till, e por pouco, Yancy Medeiros não se juntou à tríade.

Apesar de alguns sustos singulares de Cerrone, o havaiano controlou melhor a distância e aterrissou mais golpes, obrigando Donald a inclusive perseguir alguns double legs atabalhoados.

Mas Cerrone não é recordista de bônus à toa e antes que a buzina pudesse soar, ele laçou mais uma vítima a dois segundos do encerramento. Não foi por acaso que o homem conquistou o mesmo de vitórias por interrupção que Anderson Silva e Vitor Belfort, mas na metade do tempo.

E aos 34 anos, ainda há tempo de alcançar as marcas Michael Bisping e Georges St-Pierre, por número de triunfos.

Derrick Lewis vs. Marcin Tybura

Num equivalente a um hipotético combate entre gorilas embriagados, Derrick Lewis e Marcin Tybura bambearam de lá para cá pelo octógono se esbofeteando, desabando um por cima do outro e se desgastando pelo caminho. Uma exibição clássica do que é o lado de lá do peso-pesado.

Opa, mas Derrick Lewis é o número seis do mundo? Que tristeza, hein?

Mesmo amassado por todo o segundo round, o incapaz Marcin Tybura, que supostamente amarra uma faixa marrom de jiu-jitsu na cintura, não conseguiu arrancar os três tapinhas do adversário.

Tampouco lembrou de primeiramente fixar os ganchos antes de tentar espalhar o frango, para tentar um mata-leão. Pois bem.

Em uma lamentável reviravolta, pudemos outra vez testemunhar a tamanha potência que a Besta Negra transporta nos punhos, ao nocautear Tybura, completamente exaurido, em meados do terceiro assalto.

Assim, Lewis assinala sua maior característica e vantagem, que é a de ser um combatente  que atua nos pesos pesados.

James Vick vs. Francisco Massaranduba

Um duelo cheio de movimentação, ameaças de finalização, golpes e transições foi protagonizado pelos leves James Vick e Francisco Massaranduba. Até mais ou menos a metade do segundo assalto.

Afinal de contas, todo o esforço dos minutos anteriores não viria sem um preço.

Passado o início e de bicos escancarados, Vick e Massaranduba encenaram uma pequena demonstração de boxe amador, ensinando, na aula do dia, como não penetrar um adversário de envergadura superior.

Obedecendo as ordens de André Dida, o brasileiro optou pelos consecutivos pombos-sem-asa para combater os socos em linha reta do adversário, além de receber com muita boa vontade, os esporádicos pontapés no coco e no tronco, desferidos por Vick.

Com mais durabilidade e garra do que técnica e preparo físico, o homem que nasceu para bater em outro homem teve de se contentar com uma derrota por decisão unânime, que pode também ser creditada à Dida, responsável pela evolução e instantânea estagnação de outros strikers renomados: Serginho Moraes e Godofredo Pepey. Preciso de mais algum exemplo?

Curtis Millender vs. Thiago Pitbull

Discípulo de Viscardi Andrade e Rousimar Palhares, na escola de comemorar vitória sem ter vencido, Curtis Millender cedeu de bom grado sobrevivência ao primeiro round para o já combalido Thiago Pitbull, em Austin, após uma sequência de knockdowns.

Como exemplo da hospitalidade nordestina, o cearense retornou o favor, permitindo com que Millender continuasse a lhe partir a face, sem buscar clinch ou tentativas de queda, certo de que o estreante possuía totais chances de nocauteá-lo, se tivesse oportunidade. Ele estava certo.

Após uma joelhada certeira, Millender, já afiado em definir o combate antes do árbitro, encerrou o duelo ao momento em que o desnorteado Pitbull atingiu o solo.

Como Curtis já estava fora do octógono e chamando um Uber para a boate mais próxima, no instante do baque, o juiz não teve outra escolha a não ser interromper oficialmente a luta.

Menções Honrosas

  • O veterano Josh Burkman enfim alcançou a suada demissão, com a quinta derrota consecutiva, ao ser guilhotinado no primeiro assalto, pelo jovem Alex Morono, que precisou de um total de dois chutes baixos para desestabilizar o barbudo e finalizar o combate pouco depois. Mais um ato benevolente de Burkman, sempre impulsionando as carreiras dos atletas mais novos.
  • Pela primeira vez nos Estados Unidos, o polonês Oskar Piechota, saudoso de casa e ansioso para regressar o quanto antes, nocauteou Tim Williams em um minuto e segue invicto no longo vôo de volta para a terrinha.
  • Gabriel Quintanilha

    pelo amor de Deus…

    • Felipe Couto

      Hã?

      • Gabriel Quintanilha

        putz mano foi o sono só pode…foi uma confusâo mto louca no meu cel…tava com varias abas abertas…ia comentar numa parada ai acabei mandando esse comentario sem noçao aqui na pagina errada e ficou sem nexo nenhum o que falei…ignora isso ai kkkkk

  • Calili dos Santos Silva Santos

    E teve KOzasso de Diego Ferreira tbm depois de 2 anos de limbo.

    • Lucas Rezende

      Bem lembrado!

  • Felipe Couto

    Rezende caprichou hoje, quase um ensaísta.

    Lewis ainda faturou Performance da Noite, pqp.

    • Lucas Rezende

      É o número 6 do mundo, mais respeito!

  • Rezende, não entendi a atribuição de culpa compartilhada ao Dida. Foi pela falta de orientação para buscar o grappling?

    Por que ele até tentou consertar o modo “pombo-sem-asa” do Massara, pedindo para dar sequência e deixar o golpe forte de esquerda como terceiro movimento. Pediu também para ele angular para golpear, observou que o Vick estava entrando repetidas vezes com socos em linha reta e pediu pra o Massa sair para o lado e golpear por cima dos diretos… Enfim, acho que Massara não fez nada disso, por que deixou tudo no 1R, mas que ele pediu, pediu.

    Agora, se foi pela falta de orientação dele, como head coach, para o Massara buscar as quedas, aí sim, entendo a culpa compartilhada.

    • Lucas Rezende

      Ele orientou, ainda no primeiro intervalo, para que o Massara insistisse no que estava fazendo, que eram os golpes em ângulo, já que o Vick apenas golpeava em linha reta. Achei um conselho ruim, pois já estava dando errado no primeiro round e ele não instruiu o Massara a se adaptar.

      Também faltou orientar para que buscasse mais as quedas, embora o Massaranduba estivesse fazendo isso por conta própria.

      • Mauricio

        Faz um tempo que o pessoal da Evolução parou de evoluir, digo isso pelo fato que nas ultimas lutas todo mundo fica dando esses mata cobra a luta toda e me parecem sem game plan…

      • Thiago Sampaio

        Melhor orientação do Dida: “Ele venceu os dois rounds mas está só pontuando. Ele não tem perigo nenhum. O perigoso aqui é você. Vai lá!”

  • Moscoso

    A famosa cura para a insônia!

  • Paul Kersey

    Pra Lewis x Tybura, a encomenda veio muito melhor que o prometido. Não me recordo de ver dois pesados freak de meio de tabela exibindo tanto gás, velocidade e reviravoltas. Parece que Lewis quis fazer inveja ao Ngannou sobre como lutar 3 rounds sem ficar parecendo um zumbi.
    Além disso, não podemos culpar o Tybura por não conseguir finalizar. Lewis é nulo de grappling, mas o cara é um gorila pra manter pregado no chão. Incrível como ele raspa com tanta facilidade. Ele tem uma força estúpida pra compensar a falta de técnica no chão.

  • Mauricio
    • Idonaldo Gomes Assis Filho

      É o tiozão lá atrás também haha

Tags: , ,