Cain Velasquez: entre a cruz
e a espada com Cormier

Leo Salles | 30/01/2018 às 14:59

Moçada do Sexto Round,

Cain não luta desde julho de 2016

Para quem não achava que haveria  lutas entre campeões no UFC em 2018, a organização logo tratou de confirmar o grande duelo entre Stipe Miocic e Daniel Cormier, no UFC 226, em julho, além de os oficializarem como técnicos do TUF 27.

Como vimos há 10 dias, ambos venceram de forma convincente Francis Ngannou e Volkan Oezdemir, respectivamente, no UFC 220 e confesso que estou empolgado com este embate, entre dois campeões exemplares.

Porém, quem não deve estar nada contente é Cain Velasquez, ex-campeão dos pesados e um dos tops da divisão, amigo e parceiro de treinos de ”DC” na American Kickboxing Academy.

Como o descendente de mexicanos é um enigma facialmente (nunca dá para saber se está feliz ou triste), então ficou mais complicado de compreender o que quis dizer em seu Twitter :

Como sempre, estarei na academia para ajudar meu irmão Daniel Cormier a se tornar o próximo campeão peso-pesado do UFC.  Caso ele vença, as coisas podem ficar interessantes”, afirmou Velasquez, cuja uma das hashtags era ”vou pegar meu cinturão de volta”.

A frase dele, a meu ver, dá a entender que enfrentaria Cormier. Lógico que muita coisa vai rolar até julho, com a promoção do combate, mas que embaraço será ”DC” com o cinturão que era de Velasquez, que, em meio à tantas lesões (sua última luta foi no UFC 220 em julho de 2016), quer o recuperar.

Mas, em entrevista ao ”The MMA Hour” nesta segunda-feira (29), Velasquez deu outra versão e ainda deixou em aberto sobre trocar de divisão com o amigo:

As coisas podem ficar interessadas! Daniel é peso-pesado, eu também… Eu poderia descer? Não sei, talvez… Mas as coisas ficam interessantes. Ele não vai precisar cortar o peso, eu estava fazendo isso com ele na última luta, e isso é muito difícil, eu não corto peso desde o ensino médio (…) se eu precisasse (descer para 93kg), eu conseguiria. Seria difícil, mas depende da vontade da pessoa. Se eu quiser mesmo fazer algo, eu posso”, relatou Velásquez.

Talvez as declarações do ex-campeão até 120kg tenham sido ao mesmo tempo polidas e desafiadoras por ”DC” ter descumprido uma promessa: que não disputaria o cinturão dos pesados enquanto seu amigo estivesse competindo lá.

E esse foi o motivo que fez o dono do cinturão dos meio-pesados se mudar para os 93kg em 2014. Mas esta foi sua declaração na coletiva de imprensa pós-UFC 220:

É difícil falar sobre isso (luta entre Miocic e Velasquez) porque o Cain voltou agora a treinar. Ele está tentando voltar a fazer o que sabe. Se ele está preparado para recuperar o cinturão dele, então não tenho nada fazer na categoria dos pesados. Isso nunca vai mudar”, disse Cormier.

E mudou. O fato de lutar na semana da Independência americana, onde o UFC faz a famosa International Fight Week em Las Vegas, a compensação financeira, vendas de pay-per-view, o mote ”luta entre campeões” e técnico da próxima edição do TUF pesaram bastante para quem quer se aposentar no começo de 2019, já quase chegando aos 40 anos.

Dança das cadeiras na AKA?

Então, acredito que Velasquez está entre a cruz e a espada: ajudar seu amigo a ser campeão simultaneamente de duas divisões e fazer história, aceitar a situação e ficar por isso mesmo.

Ou lutar pelo título, mesmo que Cormier seja o campeão, se sentir incomodado com esta hipótese nada agradável ou se mudar para os meios-pesados, a mais improvável das opções.

Pode ser que não se adapte em fazer corte de peso, algo que nunca fez como profissional do esporte.

Outro fator determinante para esta luta acontecer é que tanto a categoria dos meios-pesados como a dos pesados padecem de nomes convincentes a serem desafiantes no atual momento.

Nos 93kg, ”DC” poderia enfrentar ou Alexander Gustaffson, que vive às turras com lesões, ou Glover Teixeira, que vem vitória sobre Misha Cirkunov. Porém, ambos não fariam frente contra Cormier.

Já nos 120kg, Miocic pegaria ou Fabricio Werdum, que vem de dois triunfos seguidos contra adversários medianos, ou o próprio Velasquez, que só lutou duas vezes nos últimos três anos.

Então, o momento é propício para casarem Miocic contra Cormier. Para quem não lembra, ”DC” foi campeão do GP dos pesados do Strikeforce e está invicto com 13 vitórias na divisão, incluindo vitórias sobre Roy Nelson, Frank Mir, Josh Barnett e Antonio Pezão. Portanto, não será um combate desigual, pelo campeão dos meios-pesados ser oriundo dos 120kg.

Será que o campeão volta?

Contudo, caso Cormier leve o cinturão dos pesados, pode ser que depois abdique deste título. Até porque quer aposentar em 2019 e não está no pique para defender duas cintas ao mesmo tempo.

Para que a amizade entre ele e Velasquez não fique abalada, acho esta hipótese bem provável, a qual é uma situação que todos podem sair ganhando.

Explico: Velasquez pode esperar até o fim do ano para enfrentar o vencedor ou medir forças contra Werdum novamente, por exemplo. Pelo que deve ter ocorrido nos bastidores desta negociação, o ex-campeão dos pesados deve aguardar o que vai se definir no UFC 226.

O bombeirão de Cleveland, maior defensor de titulos da categoria, caso perca para Cormier e o próprio largar o cinturão para beneficiar o amigo,  receberi nova chance e enfrentaria Velasquez. E em vitória, também o mexicano-americano seria seu próximo adversário, para o consagrar como o maior pesado.

E Cormier, ganhando ou perdendo de Miocic, voltaria para os meios-pesados para continuar reinando e ter uma despedida digna.

Ambos já conversaram sobre o assunto e se resolveram internamente, para não dar fogo na lenha. Mas, e se Cormier mudar de ideia? Como diria Nicolau Maquiavel: ”Dê o poder ao homem, e descobrirá quem ele realmente é”.

Veremos como ‘DC” se comportará se tiver dois cinturões nas mãos. E, então, Velasquez voltará a ficar entre a cruz e a espada, cujo cenário vive agora.

Amigos, acham que Daniel Cormier contra Cain Velasquez possa acontecer?

Vamos bater um papo nos comentários!

Abraços!

  • Italo de leon

    DC ganha a disputa com Miocic e aposenta. Acho impossível haver uma disputa entre DC e Cain. Cormier aposentaria como um dos maiores nomes da história do MMA (sairia da sombra de Jones tbm, já que sabemos que Jon é o maior da história dos meio pesados e real campeão da categoria se não fizesse tanta merda fora do cage). Seria um final de carreira digno de um grande campeão como DC, guerreiro e batalhador, além de ótimo lutador. Heyy

    • Shotokan Karate

      Tirando a parte que o aspirador de pó é o maior dos LHW está show de bola teu comentário.

      • Malk Suruhito

        A parte do aspirador está certa. Se ele fez aquilo tudo cagando para disciplina de atleta, imagina se fosse um GSP da vida?

        • Shotokan Karate

          A questão é que sem pó e bomba ele seria a mesma coisa…A última luta contra o gordinho bom de briga Daniel Cormier deixou bem claro o quanto ele trapaceou… Se fosse uma única vez que tivesse caído no antidoping mas foi um festival de reincidências que sim põem em dúvida até onde ele tinha talento e até onde era bomba.

          • Malk Suruhito

            Cara, eu lembro de alguns comentários seus, principalmente sobre Lyoto, ao que vc sempre mostrou uma visão técnica de praticante de arte marcial, por isso acho que vc no momento comentou com mais raiva nublando suas memórias do que qualquer coisa, pois acho que vc tem nivel para diferenciar técnica (e em alguns casos, até genialidade) do que simplesmente trapaça via dopping. Lembrando que ele nunca foi pego em dopping por anabólicos em exames surpresa (só recreativas) e que todas as disputas de cinturão tem exame antidopping (antes e depois) entre os envolvidos, e estúpidamente, ele foi pego justamente em um exame que ele sabia teria que se submeter.
            Tô querendo dizer com isso que o Jones é um Gênio injustiçado e inocente? Não. Nada injustiçado, menos ainda inocente (além de um FdP fora do 8 e péssimo exemplo de ética atlética), mas também não consigo conceber que tudo que ele nos ofereceu até hoje foi apenas por conta do uso de anabólicos, e falo com a experiência de ter visto tanto o UFC quanto o PRIDE na época que carne de cavalo comia a solta e ninguém fazia perto do que o Jones fazia, salvo talvez o Shogun.

          • Shotokan Karate

            Malk ok que bomba não ensina o cara a lutar mas dá uma baita de uma ajuda. Não lembro quem foi o colega que comentou mas ele explicou que “o segredo do doping é te dar condição fisica pra repetir exaustivamente movimentos que normalmente tu não teria e que tais repetições são vitais pra tu desenvolver e aprimorar técnicas de luta” são essas questões que põem a carreira do cara em xeque. Minha opinião em particular, apesar de as vezes parecer eu NÃO levo as coisas pro lado pessoal. Eu tinha o AS por exemplo como maior referência de lutador juntamente com o Lyoto só que no instante que o AS caiu mais uma vez no doping (a primeira vez até não podemos desconsiderar a chance de ser resquicios de seu tratamento da perna fraturada mas a segunda é inexplicável) toda a referência que tinha nele foi por terra. Te sugiro incluir o Fedor na lista. Ninguém fica 10 anos invicto enfrentando caras 3x maiores e sendo gordo.

          • Malk Suruhito

            O Fedor, ok, só que ficou em um torneio que todo mundo comia carne de cavalo, então o handicap na minha visão é nulo. Sim o dopping sim ajuda a recuperação muscular mais rápida (inclusive é assim que se formam os músculos) e faz com que o sujeito tenha “mais tempo” que o adversário para aprender novas coisas, mas neste ponto não vejo como negativo (afinal, não casam lutas tendo a experiência de cada lutador como critério de corte já que isso é um fator absoluto) e sim, vejo trapaça na parte da resistência física e explosão muscular (imagine o Ngannou passando os 4 rounds seguintes como o primeiro. Por mais que o Miocic fosse superior tecnicamente, o cansaço iria matar ele e ai o Ngannou fecharia a fatura). E, posso estar enganado, mas não recorde de nenhuma vitória do Jones em que o que fez a diferença realmente foi explosão (força inclusa) muscular e resistência. Inclusive, o que fez ele virar a luta contra o Gustaffson foi o fator de urgência e ter tirado da cartola um golpe que virou a luta. Idem contra o Cormier na última em que este tinha conseguido controlar a luta.
            E novamente ao Jones, ele nunca foi pego em exame surpresa e sabíamos que se tem algo que ele não fazia com o tempo livre (ou extra) dele era treinar a mais. Ao contrário.

          • Shotokan Karate

            Malk eu vejo como negativo sim pq qq esporte (luta principalmente) prega o principio da “igualdade de condições pra todos” e se alguém foge pra algum subterfúgio pra obter ajuda extra passa a não ter a mesma igualdade que seu adversário. Por esse lado então que se libere a TRT e todos vimoso que a TRT estava provocando. Aquela luta do Gustafsson pra mim foi um dos maiores roubos que já vi no MMA. O aspirador de pó apanhou durante 4 rounds (inclusive vi vitória do Gustafsson bem como o maior número de pessoas que conheço que assistiram aquela luta no 4 round onde teve a tal cotovelada). Luta são 5 rounds não só o último.

    • Tairon de Oliveira

      DC é um puta lutador, o maior problema dele é que ele sempre estará à sombra do Jones, não importa o que ele faça.

    • Acho o mais improvável disso tudo é o Cain descer para os meios-pesados.De resto nada mais me surpreende.

      • Italo de leon

        Verdade. O histórico de problemas físicos e a preocupação em bater peso não o favorecem para que aconteça isso. Se Cormier for esperto, ganha do Miocic e se despede como um grande pesado, (invicto aliás) tira a aura de freguês do Jon Jones nos meio pesados e sai de cena como um dos melhores da história. PS: Queria ver uma trilogia com JJ, mas que o DC vencesse, pelo grande campeão que é, merecia uma vitória em cima da lenda JJ.

        • Shotokan Karate

          A questão é se o aspirador de pó não iria se chapar… Por questão de justiça essa treta teria que ser nos HW. P.S.: Freguesia contestável, na 1 luta o aspirador mais correu do que lutou só deram pra ele por causa do peso do titulo e na 2 ele trapaceou logo foi merecidamente anulada.

  • Paul Kersey

    Cormier poderá se tornar bicampeão simultâneo, mas logo teria que abdicar de uma das cintas. Ele já não tem um ritmo tão razoável sendo defensor de um. Além disso, tem o papo da aposentadoria e é quase provável que, em caso de vitória, Cormier decida se aposentar.

    • é o que deve acontecer mesmo. Também não o vejo defendendo dois cinturões, já que o próprio Cormier disse que vai se aposentar em 2019.

  • Julio Varoni

    Discordo apenas de “Glover Teixeira, que vem em boa sequência de vitórias”. Ele só vem de uma vitória e mesmo assim foi tenso no início.

    • Verdade Julio. Lapso meu. Um abraço!

      • Baixista Loko

        E tbm acho que Gustafsson faz frente a ele hein… Decisão dividia apertada a ultima…

  • Lorenzo Fertitta

    Bons apontamentos Leo, levantou questões interessantes.
    Não creio que Velasquez desça para a HW (a possibilidade é a mesma do Khabib descer para os penas), tampouco que o Cormier com a cinta dos pesados atrapalhe o caminho do Cain, afinal DC deve se aposentar em seguida, mas é inegável que essa “manobra” dos parças da AKA está deixando muitos lutadores indecisos. Afinal, com certeza alguns lutadores estão apenas esperando o DC se aposentar para mudar a postura: Shogun (vai lutar com mais frequência), Rumble (vai voltar da aposentadoria) e Weidman e Rockhold (vão subir).

    • William Oliveira

      Rumble se voltar deve aparecer de peso pesado, o cara tá gigante..

      • Lorenzo Fertitta

        Vi o shape atual dele e também fiquei em dúvida sobre qual categoria ele retornaria, mas em caso de aposentadoria do DC acho que ele se sacrifica para retornar a LHW, onde ele já nocauteou todos os outros tops. Pode ter interesse em duelar com o JJ para decidir quem é o “verdadeiro campeão” pós DC.

        • William Oliveira

          Cara, é mt provável que o JJ só em 2019 ou 2021, n sei pq tão contando com isso.

          • Lorenzo Fertitta

            Pensei exatamente nessa possibilidade: Jones retornando em meados de 2019. Coincidirá com a recém aposentadoria do DC e, creio eu, com o retorno do Rumble.
            Repito, não acho que o Anthony Johnson irá retornar em 2018, e acho que vai fazer um esforço para tentar voltar para a categoria em que (excetuando o Cormier) ele amedronta todo mundo. Logo, teria tempo suficiente para retornar aos 93Kg.

            p.s.: Levantei o assunto Jon Jones apenas porque o Rumble já demonstrou interesse em enfrentá-lo, mas sei que tudo o que envolve JJ é muito entediante para se conjecturar nesse momento.

  • Gabriel Camargo

    Se o Cormier ganha a luta, tenho quase certeza que ele se aposenta. E seria a melhor opção mesmo.

  • Daniel Piva

    Com quantos quilos o Cain costuma lutar? Duvido que isso aconteça, mas que gera curiosidade ele nos meio-pesados, ah, isso gera…

    • Henrique

      Contra o Browne ele bateu 242 lbs, mais ou menos 109 kgs.

  • Gabriel Quintanilha

    Cormier vence…larga um dos dois cintos…defende um deles la pra dezembro ou janeiro de 2019 e se aposenta

  • William Oliveira

    “Nos 93kg, ”DC” poderia enfrentar ou Alexander Gustaffson, que vive às turras com lesões, ou Glover Teixeira, que vem vitória sobre Misha Cirkunov. Porém, ambos NÃO FARIAM FRENTE contra Cormier.”

    LOL, Cormier ganhou do Gustafsson por decisão dividida numa luta super apertada, de onde vcs tiram esses absurdos? Eu acho q o Gustafsson inclusive venceria na revanche.

    De resto, duvido que DC e Velasquez lutariam, o próprio Velasquez já disse que não. E tbm sugerir que o Velasquez tá tão perto do titleshot assim é absurdo, é simplesmente errado, o Dana White já falou que não e o cara vem de vitória sobre Travis Browne, um cara com umas 5 derrotas seguidas, Werdum tá definitivamente na frente.

Tags: , , ,
Instagram