Vale assistir? A leitura
dinâmica do UFC Charlotte

Thiago Sampaio | 25/01/2018 às 01:36

O ano já está voando, ainda não tivemos nenhum cinturão mudando de dono e nem brasileiro vencendo em 2018!

Bom, se este fim de semana não teremos título em jogo, pelo menos existe a possibilidade do segundo cenário mudar.

O “UFC on Fox 27: Jacaré vs. Brunson 2” acontece a partir das 18h30 (horário de Brasília) deste sábado (27), na Spectrum Center, em Charlotte, North Carolina.

Na luta principal, Ronaldo Jacaré retorna após nove meses desde a última apresentação, contra Derek Brunson.

No co-main event, Dennis Bermudez e Andre Fili se enfrentam num duelo de atletas talentosos, porém, bem irregulares.

E o card conta com um dos maiores ícones do MMA contemporâneo, direto de Fortaleza, Ceará, para a consagração mundial: GoDeusfredo Pepey!

Contra quem? Não importa! Mas vamos lá aos destaques!

Chega de papo de jacaré!

“Ronaldo Jacaré (24-5-0-1, 7-2 UFC) já merecia há muito tempo disputar o cinturão”. “O Jacaré é o melhor desta categoria, ganha de qualquer um”. Esse era um discurso de muitos fãs médios de MMA no Brasil.

Mas depois que o brasileiro foi derrotado para Robert Whittaker, em abril do ano passado, o hype diminuiu. Agora, ele retorna contra Derek Brunson (18-5, 9-3 UFC), com pés no chão e um cenário favorável para o sonhado title-shot num futuro nem tão distante.

Acontece que nas vitórias que conseguiu sobre Chris Camozzi, Yushin Okami, Francis Carmont, Gegard Mousasi, e mesmo na derrota contestável para Yoel Romero, Jacaré passou para alguns a impressão de ter se tornado um lutador completo!

Dono de um dos melhores jiu-jítsu no MMA, o brasileiro vinha aperfeiçoando a trocação. Porém, ele próprio acreditava ter se tornado um striker implacável, até cair para Whittaker, onde exibiu inúmeras brechas.

Afastado desde então, fez cirurgia para corrigir uma ruptura no músculo peitoral e buscou novos ares. Finalmente deixou a zona de conforto na XGym e foi treinar na Fusion X-Cel, na Flórida, para aperfeiçoar boxe e o wrestling.

Brunson, que chegou a engrenar cinco vitórias seguidas quando chegou ao UFC, perdeu para Whittaker e Anderson Silva (garfinho!), e vem de dois bons nocautes no primeiro round, sobre Dan Kelly e Lyoto Machida.

O duelo é uma revanche da luta que fizeram em 2012 pelo Strikeforce, quando Jacaré venceu por nocaute em apenas 41 segundos. Mas a possibilidade desse resultado se repetir é quase a mesma de Roy Nelson lutar pelo peso mosca.

É de se imaginar que, nesta busca por renovação, o brasileiro faça um jogo inteligente ao invés de tentar se provar e sair na mão. Usar o jiu-jítsu, onde é anos-luz superior, é o caminho natural.

Mas derrubar um wrestler da segunda divisão do NCAA como Brunson não é tarefa fácil. Para partir para a queda, vai ser necessário se movimentar, usar a trocação para se aproximar e levar para o solo.

E movimentar a cabeça, algo que Jacaré parecia desconhecer!

Mas aí existe um grande risco, pois o americano já mostrou que tem mãos pesadas. E quando não parte para cima feito um louco como fez com Whittaker, ou trava pela buzina paralisadora do Chapolin Colorado como fez com o Spider, oferece perigo.

Com o campeão Robert Whittaker sem previsão de retorno, Luke Rockhold e Yoel Romero disputando o cinturão interino, não é de duvidar que o vencedor deste duelo esteja a mais uma vitória da disputa pelo título dos médios.

Dois irregulares buscando regularidade

Dennis Bermudez (16-7, 9-5 UFC) e Andre Fili (17-5, 5-4 UFC) são dois atletas que, quando depositamos muita esperança neles, eles não falham em falhar. Mas, segundo a Matemática, menos e menos é mais, então, esse embate até que promete um saldo positivo.

O The Menace, que não é o Michael Johnson, mas sim Bermudez, já chegou a engrenar uma sequência de sete vitórias entre 2012 e 2014, inclusive sobre o atual campeão dos penas, Max Holloway.

Apesar de ser razoável em todos os setores, o Q.I. de luta é comparável ao de uma ameba. Geralmente costuma trocar quando deveria derrubar e derruba quando deveria tentar resolver em pé mesmo.

A fase não é das melhores, vindo de dois reveses, por nocaute para Chan Sung Jung e decisão dividida para Darren Elkins. Mesmo assim, se encontra em 11º no ranking da categoria.

Fili surgiu como uma grande promessa da Team Alpha Male, mas, nunca engrenou uma sequência de vitórias no UFC. Literalmente! Desde a estreia, quando venceu Jeremy Larsen, em 2013, ele perde a luta seguinte e, em seguida, vence.

Na última apresentação, não fez mais do que a obrigação ao vencer o apadrinhado de Conor McGregor, o fraquíssimo Artem Lobov, com uma atuação estratégica e, de certa forma, convincente.

O pupilo de Fábio Pateta e Urijah Faber é mais habilidoso na trocação, conta com golpes plásticos e um certo poder de nocaute. Usa o wrestling como ferramenta complementar, apesar de não ser um especialista no solo.

Mais experiente, Bermudez tem um leve favoritismo. Apesar de ter um estilo menos vistoso, é mais preciso nos golpes. Se não for estúpido como de costume, deve usar o wreslting agressivo que tem para levar vantagem.

Mas não confie muito em nenhum deles. Pode apostar em empate ou no-contest?

De olho nessa fera

Sabe quando Fausto Silva grita “olha essa fera aí, bicho!”? Bom, ele pode até não ser comentarista do UFC, mas o chamado para prestar atenção é bem válido para Gregor Gillespie (10-0, 3-0 UFC), que não à toa está no card principal.

Invicto, ex-campeão do peso leve do Ring of Combat, o The Gift estreou no UFC vencendo Glaico França por decisão unânime. Depois, nocauteou Andrew Holbrook em apenas 21 segundos e, na última luta, finalizou Jason Gonzalez.

Trata-se de um wrestler de primeira linha, campeão da Divisão I da NCAA nada menos que quatro vezes. Tem um estilo ofensivo que aplica quedas com facilidade e maltrata no ground and pound de maneira violenta.

O adversário parece na medida para o prospecto continuar em evolução. Jordan Rinaldi (13-5, 1-1 UFC) estreou com derrota para Abel Trujillo e, depois, finalizou Alvaro Herrera.

Antes de chegar à maior organização do mundo, Rinaldi já venceu Dennis Bermudez por finalização em 2010. Também por outros eventos, perdeu para nomes conhecidos como Brian Ortega e James Moontasri.

O All Day conta com uma trocação apenas mediana e tem o jiu-jítsu como especialidade. Tem oito das 13 vitórias por finalização. Conta com repertório variado, que inclui chave de braço, triângulo invertido e Von Flue Choke.

Mas para a infelicidade de Rinaldi, Gregor Gillespie tem mostrado evolução em todos os setores. É agressivo em pé, como mostrou na luta contra Gonzalez, e também tem um jiu-jitsu de respeito, tendo como especialidade o katagatame.

Se não tivermos um duelo de alto nível técnico no solo, pelo menos vamos ver uma brutalidade divertida em pé.

Sujou de vez para o GoDeusFredo?

O Brasil ainda não sabe o que é vencer em 2018? Seus problemas acabaram! Godofredo Pepey (13-5, 5-5 UFC) vai entrar no octógono para garantir o show! Mas no mundo real, Mirsad Bektić (11-1, 4-1 UFC) é, talvez, a maior pedreira da carreira do cearense.

Apesar do folclore em torno de si, é inegável que Pepey evoluiu muito desde o TUF Brasil 1 sob o comando de André Dida na Evolução Thai, em Curitiba.

Se a trocação antes mais parecia um ventilador ligado, agora está mais justa e até acerta algumas joelhadas voadoras.

Mas o jiu-jítsu ainda é a principal arma, conseguindo finalizações pouco usuais, como o triângulo em pé em Andre Fili.

Porém, quando pegou adversários mais tarimbados, casos de Darren Elkins e Shane Burgos, foi totalmente anulado.

E Bektić certamente não vai aliviar! No UFC, venceu de maneira apertada Chas Skelly e, depois, passou sem dificuldade por Paul Redmond, Lucas Mineiro e Russell Doane.

Até então, estava invicto com 11 vitórias, até enfrentar Darren Elkins e sofrer uma reviravolta que beirou o inacreditável. Estava dominando o combate, aplicando uma surra homérica, até ser nocauteado no terceiro round!

Se não sofrer com a síndrome da perda da invencibilidade, o bósnio tem ferramentas para vencer até com certa folga. Conta com background no karate, cinco vitórias por nocaute. Além da boa trocação, tem wrestling eficiente.

Conhecendo o instinto “sangue nos olhos” de Pepey, é bem provável que no início eles travem uma pancadaria, onde Bektić tem ampla vantagem. Em algum momento o cearense deve tentar a queda, porém, vai precisar engolir golpes até conseguir (e se conseguir!).

Rapadura é doce, mas não é mole não. Mas o adversário do querido Godofredo também não é nada mole e, se ele não tirar uma finalização da cartola, o cenário é bem favorável para o lado europeu.

Card completo

Ronaldo Jacaré x Derek Brunson
Dennis Bermudez x Andre Fili
Jordan Rinaldi x Gregor Gillespie
Drew Dober x Frank Camacho
Bobby Green x Erik Koch
Mirsad Bektić x Godofredo Pepey
Katlyn Chookagian x Mara Romero Borella
Randa Markos x Juliana Lima
Justine Kish x Ji Yeon Kim
Vinc Pichel x Joaquim Silva
Niko Price x George Sullivan
Austin Arnett x Cory Sandhagen

Vale assistir?

Os cards do UFC na Fox são conhecidos por serem mais encorpados do que os Figh Nights. Este, carece de nomes de maior impacto além da promissora luta principal, que poderia perfeitamente encabeçar um evento no Brasil.

A saída da luta entre Ovince St-Preux e Ilir Latifi, que fariam o co-evento principal (o duelo foi adiado para o UFC On Fox 28, dia 24 de fevereiro), deu uma enfraquecida maior ainda.

À esta altura você está lendo e pensando “ah, lá vem o chato do Thiago negativar mais um evento. Mala!”.

Até poderia! Mas uma das vantagens desses eventos da Fox é que costumam propositalmente casar atletas com estilos empolgantes e este não é diferente. Logo na segunda luta, teremos uma briga de foice entre Niko Price e George Sullivan!

O brasileiro Joaquim Silva, o Netto BJJ, que de jiu-jítsu só tem o apelido, vem embalado por três vitórias  e deve promover uma divertida briga em pé com o bom e nocauteador Vinc Pichel.

E a brasileira Juliana Lima, a Ju Thai, que de muay thai só tem o apelido, deve fazer um duelo truncado, porém, parelho na luta agarrada contra a eficiente wrestler Randa Markos.

Na categoria peso mosca feminino, Katlyn Chookagian e Mara Romero Borella buscam a segunda vitória consecutiva, em que a vencedora ficará mais próxima de uma disputa do cinturão, atualmente com Nico Montano (que está só segurando para Valentina Shevchenko).

Bobby Green e Erik Koch podem estar amargando péssima fase, mas é um casamento que faz sentido no cenário atual e promete ser agitado.

Por que raios Drew Dober x Frank Camacho foi promovido ao card princial, mesmo com tantas lutas violentas? Pergunta para o mesmo nonsense que jogou Gian Villante x Francimar Bodão no card principal do UFC 220.

Então, dá uma chance! Aproveita a tarde de sábado para assistir a um bom filme com a sua companhia, para ficar bem na fita. Tem “The Post – A Guerra Secreta”, com direção de Steven Spielberg, Tom Hanks e Meryl Streep no elenco!

Mas sua companhia quer ficar em casa e assistir algo mais cult? Coloca no Netflix o seriado “La Casa de Papel” sob a desculpa de que é uma produção espanhola. De fato, é, mas se trata de uma trama de assalto pra lá de eletrizante!

Aproveita que a adrenalina vai estar nas alturas e confere o UFC. E não, não vou mais fazer trocadilhos com o Godofredo GSPepey!

  • MWFoschera

    Até desmarquei o encontro com a pitanguinha, pois não é todo evento que temos GodeusFredo Pepey.

  • Nathan Dreak

    Não gostei do fraquíssimo Artem Lobov. Apesar dele ter evolução um pouco mais lenta que o previsto, já possui 3 cinturões em sua mira, e até 2022 só restará Erick Silva como nome para competir como maior de todos os tempos.

    No restante o texto faz um resumo bem legal.

    • Thiago Sampaio

      Que susto, cara. Quando comecei a ler achei que estava falando sério.

      Tenho que aprender com minhas próprias ironias! haha

  • Douglas Karpinski

    Descordo quando falou sobre o garfo contra o Spider, o mesmo fez parecer facil a luta, parecia que Brunson tava cagado, mas a verdade é que não esta no mesmo nivel, ou não estava sei la, por mais que o aranha fale bosta uma coisa ele é, um puta lutador, é só relembrar um pouco….

  • Raphael Pinheiro

    Enquanto o evento anterior foi negativado, mesmo com duas disputas de cinturão, esse ganhou um joinha. Seus critérios são freestyle mesmo hein? Hehehehe

    • William Oliveira

      Evento numerado tem q ser mais criterioso msm kk
      Já com FNs/cards da FOX dá pra ser menos exigente

      • Thiago Sampaio

        Exato. Os motivos estão bem especificados ao final.

        O do UFC 220, por exemplo, a razão foi preservar o amor próprio ao não recomendar um evento numerado com Villante x Bodão no card principal! kkkk

        • Raphael Pinheiro

          Tô ligado, mano! Era a desculpa perfeita para ir à geladeira, ao banheiro, etc… kkkk

  • Vinicius Maia

    Miocic x Ngannou , Cormier x Volkov não merecem ser assistidos. Jaca x Brunson merece kkk. O UFC 220 teve, Rob Front x Thominhas ( que prometia muito), Pantoja x Dustin, Burgos x Kattar, Tibau x Makhachev.
    Ta certo kkkkk

    • Wanderson Oliveira

      GoDeusFredo Pepey fez a diferença (brinks)

      Mas concordo com vc, acho que os 2 eventos estão no mesmo nível de casamentos, acho que os 2 mereceriam o polegar pra cima

    • Thiago Sampaio

      Não é que não mereçam ser assistidos, mas para um evento numerado, o UFC 220 estava, em geral, abaixo da média em comparação aos demais card numerados. E tinha Villante x Bodão no card principal…

      • Lucas Natan

        Mas o nome da coluna é literalmente “vale assistir?”, rsrs.

        • Thiago Sampaio

          Não precisa levar tudo de maneira literal, até porque uma das características do Sexto Round é a descontração.

          Se for por isso temos uma coluna chamada “Atacando de Joe Silva”, e Joe Silva nem é mais matchmaker do UFC. E outra chamada “E Se” em que confabulamos sobre eventos que nem aconteceram…kkkk

          Quanto mais eventos, seja lá de qual organização, o leitor assistir para se aprofundar mais no assunto, melhor para o esporte e nós apoiamos plenamente.

          E como somos mídia independente, não trabalhamos para nenhuma organização específica, nos preocupamos acima de tudo em trazer informação, mas com liberdade criativa e espaço para o humor.

          Abração!

  • Lorenzo Fertitta

    Homepage do site com a chamada “Vale Assistir” e a foto do Pepey?
    Certeza de encontrar o polegar levantado ao fim da matéria. Baita spoiler, hein Thiago!

    • Thiago Sampaio

      Droga, descobriu o meu segredo!

  • William Oliveira

    “Por que raios Drew Dober x Frank Camacho foi promovido ao card princial, mesmo com tantas lutas violentas? ”

    – Só assistir a última luta do Camacho haha o cara é massa de ver, nas duas modestas aparições no octógono recebeu o bônus de luta da noite.

    “E a brasileira Juliana Lima, a Ju Thai, que de muay thai só tem o apelido, deve fazer um duelo truncado, porém, parelho na luta agarrada contra a eficiente wrestler Randa Markos.”

    – Isso soa empolgante que vou te contar..

  • magnuseverest

    Mara Romero tem talento,pode ficar com a cinta ainda.

    • Thiago Sampaio

      Até pode, mas acho que a Valentina é favoritíssima a ser campeã dessa categoria.

Tags: , , , , , , , , , , ,