Flashback: a ascensão de
Dos Anjos ao título mundial

Lucas Carrano | 14/12/2017 às 20:08

Amigos do Sexto Round,

Neste fim de semana, Rafael dos Anjos enfrenta Robbie Lawler em um combate que pode render-lhe um title shot na categoria até 77 kg.

Quando Rafael subiu de categoria, especialmente diante de sua desvantagem de tamanho para os meio-médios, esse cenário parecia extremamente improvável.

Saga de RDA ao título foi improvável – e brilhante

O que nem todo mundo se lembra, no entanto, é que a própria chegada de RDA ao cinturão dos pesos leves foi tão improvável quanto – basta lembrar que ele esteve a beira de ser demitido.

Em abril de 2014, Rafael vinha de uma boa sequência,  batendo Kamal Shalorus, Anthony NjokuaniMark BocekEvan Dunham e culminando na primeiro vitória sobre Donald Cerrone.

Sua prova de fogo, então, veio diante de Khabib Nurmagomedov. O brasileiro acabou sucumbindo diante do wrestling the elite do russo e parecia que ele havia chegado ao seu limite na divisão.

Ledo engano. Pois o ano de 2014 terminaria com Rafael como desafiante número um da divisão até 70,3 kg.

Menos de dois meses depois da derrota para Khabib, o brasileiro enfrentou Jason High no card principal do UFC Fight Night Albuquerque. Um cruzado de esquerda certeiro no segundo assalto, botou High pra baixo (com o perdão do infame trocadilho) e a vitória veio por nocaute técnico diante de um ground and pound devastador.

Recuperado do revés e de volta ao caminho da vitória, a sexta em sete lutas, Rafael não quis saber de descanso e, novamente, com menos de dois meses de intervalo, lá estava ele de volta ao octógono.

Rafael abriu caminho para o TKO com uma joelhada

O adversário da vez? O ex-campeão Ben Henderson, que inclusive havia feito o main event do card em que Dos Anjos lutara anteriormente, em duelo que marcou a luta principal do card de retorno do Ultimate à cidade de TulsaOklahoma (que anteriormente havia sediado o UFC 4).

O brasileiro era o azarão para o duelo, chegando a aparecer com +448 nas casas de apostas – o que quer dizer que as apostas em RDA pagavam 4.48 vezes mais do que o valor investido (leia-se: alguém ficou rico nessa luta).

Por outro lado, o favoritismo de Bendo, que vinha de nove vitórias em dez lutas, era absurdo. O americano aparecia com -700 nas casas de apostas na noite anterior ao duelo – retornando somente cerca de 14% do investimento aos apostadores (contra 448% do brasileiro).

A luta não só não refletiu o que as odds, como Rafael teve uma das vitórias mais maiúsculas de sua carreira naquela noite.

Com o muay thai extremamente afiado pelas mãos de Rafael Cordeiro na Kings MMA, RDA partiu para a blitz e encaixou uma joelhada com pouco mais de dois minutos de luta. Atordoado, Henderson até tentou se recuperar, mas foi pego com um cruzado e voltou à lona.

Não tenho palavras para agradecer. Eu estava treinando para tudo. Trabalhei minha cabeça para a trocação, porque sabia que poderia vencer ali. O plano era ser paciente. Sei que não era favorito, mas queria agradecer e provei que sou capaz. Ben é o ex-campeão, eu o respeito muito, mas essa é a minha hora”, disse Dos Anjos, que ainda levou um bônus de performance pelo nocaute, em entrevista após o duelo.

A próxima luta de Rafael foi o seu title eliminator. O oponente escolhido foi Nate Diaz, que havia disputado o cinturão dos leves duas lutas antes, e vinha de vitória sobre Gray Maynard.

Chutes baixos foram a receita para superar Diaz

Diaz acabou não batendo o peso, o que lhe custou 20% de sua bolsa, e a luta tornou-se ainda mais unidimensional, especialmente no que diz respeito às ambições dos atletas envolvidos. Para Rafael, no entanto, nada daquilo importava, Nate era seu último obstáculo em direção ao título – além, é claro, de Khabib Nurmagomedov, que hoje sabemos, por problemas físicos, jamais chegaria ao cinturão.

Não foi uma atuação tão exuberante como a última diante de Bendo, mas não dá pra dizer que Dos Anjos não deixou uma mensagem clara para a categoria: a de que estava pronto para disputar o título.

Com chutes baixos devastadores e um ground and pound que destruiu o rosto do rival, o brasileiro controlou de forma incontestável Diaz, com direito a 10-8 na opinião de dois jurados – e lembrem-se, estamos falando de uma época em que qualquer coisa diferente de 10-9 era uma raridade e tanto.

Pettis era favorito absoluto para o duelo no UFC 185

O ano terminou com Rafael dos Anjos subindo duas posições no ranking dos pesos leves e terminando empatado com o russo na primeira posição. Como dito anteriormente, Khabib não teve sequer condições físicas de se apresentar como uma opção como desafiante, o que fez de RDA a opção lógica.

O duelo contra o campeão Anthony Pettis foi marcado para março de 2015, na luta principal do UFC 185, em Dallas. Mais uma vez, o favoritismo não estava a favor do pupilo de Roberto Gordo. O hype em torno de Pettis era absurdo e isso se reverteu nas odds, +409 para RDA e -769 para Showtime na véspera do confronto.

O primeiro round e Rafael já mostrou que o mar não estava pra peixe, para o campeão é claro. Muita pressão, movimentação constante para frente e uma variedade de golpes impressionante, deixaram Pettis acuado e sem reação.

A tônica se repetiu nos três assaltos iniciais. Dos Anjos controlando o centro do cage e ditando o ritmo, enquanto Pettis resumia suas ações a contra-ataques e investidas partindo da guarda quando estavam no chão.

RDA aguardando pelo gongo do título

Nos chamados championship rounds, já ficava claro que não daria mais por pontos e Showtime teve que se arriscar um pouco mais. A situação só piorou. Precisando recorrer à golpes contundentes para liquidar a fatura de vez, o então campeão se abriu ainda mais e foi quedado a revelia por Dos Anjos.

 

A 30 segundos do fim, Pettis tentou raspar Rafael, que estava na meia-guarda, e acabou cedendo as costas. Sem a necessidade de tentar a finalização, o brasileiro apenas fechou o cadeado e esperou o cinturão.

Rafael dos Anjos fazia história e com a maior atuação de sua carreira, novamente lhe rendendo um bônus de 50 mil dólares, se tornava o primeiro brasileiro a conquistar o cinturão peso leve do UFC.

No próximo sábado, diante do ex-campeão Robbie Lawler, a história se repetirá?

Veremos.

  • Saulo Henrique

    The show is over, fera!

  • Mauro

    Rafael Dos Anjos é um lutador completo, bom em todas as áreas. Não o considero espetacular em nenhuma área, mas é muito bom em todas. No entanto, para mim, seu caso é o mesmo que o Cerrone, que também chegou ao top 5 dos meio médio, mas sem pegar gente de nível, e quando pegou Masvidal, sucumbiu.
    Não creio, apesar de sua qualidade técnica, que Dos Anjos faça frente aos verdadeiros tops dessa categoria. Suas vitórias foram muito boas sim, e até me surpreendi em sua última vitória, mas creio que o Top 5 é o ponto alto dele nessa categoria.

  • Jonas Greco

    Acho que já cheguei a compartilhar isso em algum fórum do site, pode parecer estranho, mas a vitória do Rafael na luta contra o Pettis mudou a minha vida. Estava totalmente frustrado na minha faculdade, em um péssimo emprego e estava certo que era o máximo que eu conseguiria alcançar mesmo. O fato de vê-lo surrar um cara mais talentoso que ele naquela noite daquela forma me incentivou a mudar totalmente a minha rotina. Hoje, estou feliz demais em todas as categorias citadas e o Rafael dos Anjos é o meu lutador favorito, de longe. Quem sabe um dia ele luta aqui na minha cidade, Fortaleza, ou eu posso assistir algum evento com ele e talvez ter a chance de agradecê-lo pessoalmente.

    • Irado, cara! O RdA realmente é exemplo demais de trabalho e superação! O cara é um dos meus favoritos também!

    • Paulo Magalhaes

      Show Jonas.

    • Ricardo

      Dos brasileiros ele é o meu favorito também.

      Sou totalmente incapaz de apostar contra ele. Se Lawer tivesse bolsa de +500, eu não apostaria…

  • Victor Martins

    A vitória na luta com Pettis foi sensacional, lembro de ter vibrado a cada queda que o RDA dava nele.
    RDA é foda

  • Mauro

    Um dos confrontos que mais aguardei, e que nunca verei, era Frankie Edgar x Anthony Pettis, no auge do segundo. Pois Pettis era totalmente badalado, dado como potencialmente aquele que reinaria em absoluto nos leves. Era o “Showman”, ou melhor, “Showtime”. No entanto, poderia ter sido um casamento bastante tenso pro Show Time, pois queria ver quantos chutes o mesmo daria até ser pego, ser jogado na grade, ser jogado no solo, algo parecido com que Dos Anjos fez com seu wrestling, e olha que Wrestling é sua terceira força, atrás do Jiu Jitsu e Muay Thai.

  • Ricardo Cortez Lopes

    Eu vou confessar que, antes da luta começar, eu tava torcendo para o Pettis. Foi começar a luta e eu comecei a torcer para o Rafael, ele simplesmente tava transmitindo uma garra inexplicável! Depois até escrevi no meu facebook: “Vocês não tem ideia do que o Rafael dos Anjos fez, ele simplesmente botou o Pettis no bolso!”. Quase nenhum contato entendeu hehe mas sério, foi um exemplo de superação que também teve reflexos em mim

  • felipe

    Realmente uma das mais impressionantes ascensões. Um misto de Cerrone, para aceitar lutas e sangue no “zóio”. Pra mim o Rafael ganhou do Pettis na encarada da pesagem. Na luta quase vomitei meu coração de ansiedade, cada round que eu assistia na disputa de cinturão parecia que não tinha fim. Lembro que tinha botado 500 pilas no Rafael e ganhei cerca de 1200 merreis

  • thai verdadeira

    Menos , bem menos, lendo esse texto inspirador , parece que RDA chegou próximo ao TS vencendo os tops contenders da divisão , porém, por trás dessa história toda ai, a verdade é que o brasileiro venceu duas ínguas , saffedini , que vinha de 2 derrotas seguidas, 3 derrotas nas últimas 4 lutas, e ganhou também , do mediano Magny, que já provou que não passa de um rapaz irregular na divisão, agora que RDA irá pegar um lutador top da categoria, sempre bom lembrar da volta por cima que RDA deu no peso leve , foi incrível, mas vamos ser sinceros, RDA chegou “próximo” do ts, passando por atletas medianos pra baixo, e enfeitaram o pavão, a diferença entre lawler e saffedini/Magny é gigantesca , já estou esperando o texto ,explicando o por que RDA perdeu: amigos do sexto round, confesso que as as duas vitórias sobre saffedini e Magny , deixou a sensação de que era possível RDA se cravar como top contender da divisão dos meio médios, porém a diferença de nível de lawler , fez a diferença …..

    • William Oliveira

      RDA pegou 2 atletas rankeados, é óbvio que não foram os tops da divisão uma vez que ele estava estreando no peso meio-médio, o que vc queria? Que ele chegasse na luta pelo titleshot vencendo o 3º e 4º? Ninguém faz mais isso. Rose ganhou o titleshot sem ser nem top 4. Volkan também não tinha uma vitória dentro do top 5 quando pegou o Manuwa, agora tá aí lutando contra o DC. Ngannou? Antes do Overeem, sua melhor vitória era o Curtis Blaydes ou o ancião Arlovski..

      Enfim, se RDA perder, é pq o Lawler foi melhor na noite da luta, mas o RDA merece sim essa oportunidade e fez por onde, Saffiedine e Magny não são freaks, olha pra quem eles vem perdendo, de 2015 pra cá Magny só parou no Larkinz e Demian, Saffiedine perdeu uma luta controversa e apertada pro DHK e fora isso perdeu pro Rory e Story, 2 rankeados tbm.

      • Mauro

        Discordo muito. O “Safadinho” vinha de três derrotas, era top 10 se não me engano, e Dos Anjos fez uma luta chata com o mesmo, ao meu ver, não serve de parâmetro.
        A vitória sobre Magny, no entanto, foi sim surpreendente, ótima, por sinal. No entanto, pra você foi realmente mais surpreendente que o Gente Boa acabar, surrar, espancar o Gunnar Nelson, campeão mundial de Jiu Jitsu e mestre em Karatê?

        • William Oliveira

          Bom, eu não achei a luta chata, ela foi competitiva e movimentada, só que o Saffiedine tem queixo pra caralho e é outro bom striker, difícil de ser parado, só o Rory conseguiu isso msm. Além disso, lembro mt bem que na real o Saffiedine tomou uma baita garfada contra o DHK, era pra ele ter ganho essa luta aí. Antes disso, teve uma derrota pro Rick Story e uma vitória sobre o Ellenberger. Não vinha de 3 derrotas seguidas.

          E a questão é que o Magny era melhor rankeado que o Gunnar, óbvio que a vitória vale mais, e não só isso, mas Gunnar foi o único adversário no top 15 que o Ponzi ganhou e ainda teve aqueles eye pokes bem impactantes. Sem falar é claro q o Ponzi foi parado pelo LaFlare e Larkinz, não tá invicto na categoria como o RDA.

          • Mauro

            Não tá invicto na categoria porquê o RDA lutou somente duas vezes, já tá na boca do TS, mesmo Gente Boa tendo 5 vitórias seguidas, sendo um atropelo contra Gunnar Nelson, que é uma casca grossa, completíssimo, na minha opinião, melhor que Dos Anjos em pé e no solo. Creio que Gente Boa mereceria muito mais essa oportunidade que Dos Anjos, que chegou agora, venceu alguém que tem 4 derrotas em cinco lutas, que era o “safadinho”. Se foi garfado, tá, aí são outros quinhentos, Edgar foi garfado contra o Benson, e nem por isso é bicampeão dos leves, faz parte. O que tô dizendo é que, se Dos Anjos tem essa pedreira que é o Lawler pela frente, então Gente Boa deveria ter ao menos o Condit ou Maia pela frente. O mesmo vale para o Kamaru nigeriano.

          • William Oliveira

            RDA venceu o 6º e o 14º do ranking pra ter essa oportunidade. Ponzinibbio só venceu o 8º de lutadores rankeados e repito que foi uma baita vitória controversa. Não merecia mais de jeito nenhum na minha opinião, concordemos em discordar..
            Agora que ele deveria estar lutando com alguém também rankeado, e de preferência acima dele, é fato.

            Rankeamentos correspondentes a época das lutas, claro.

          • Dow Jones

            Ainda, RdA é ex-campeão, libera uns caminhos.

          • Mauro

            Sim, isso é verdade, Dow, ser ex campeão é o mérito muito maior que ter acertado os cambitos dos Magny.

          • Mauro

            Por qual razão considera aquela vitória controversa?

          • William Oliveira

            “mas Gunnar foi o único adversário no top 15 que o Ponzi ganhou e ainda teve aqueles eye pokes bem impactantes.”

            Foram 2 ainda..

            https://www.youtube.com/watch?v=qctf-P7awH4

          • Mauro

            Isso é coisa que ocorre na luta, no momento de movimentação, e não intencionalmente, como por exemplo, Jones fazia em outrora. Não vejo polêmica nisso.

          • William Oliveira

            Como assim vc não vê polêmica? Um lutador de karate depende do controle de distância, sem conseguir medir distância por causa de um eye poke a desvantagem é absurda lutando com esse estilo, sabe-se lá o que teria ocorrido sem esses golpes ILEGAIS (não deveriam acontecer na luta, não faz parte), até pq o Nelson começou melhor, conectando mais e apresentando um footwork mais inteligente.

          • Mauro

            São golpes ilegais, e se o juiz tivesse enxergado poderia ter feito algo, no entanto, não viu, tampouco foi intencional, foram atos na hora de defender-se. Não creio que Gunnar perdeu devido a isso, não mais do que duas porradas que tomou na face que caiu de olhos virados. Com certeza esses detalhes não foram mais decisivos em suas derrotas que os socos.
            Não deve fazer parte da luta, mas faz. Ontem, por exemplo, assisti a luta do Frankie x Benson, e percebi que Benson deu dois chutes na coquilha, e não teve pontos descontado. Foi sem intenção, mas não faz parte, e é ilegal, mas acontece.
            O fato é que Gente Boa engoliu o Gunnar em pouco tempo de luta.

          • William Oliveira

            A questão é que o estilo do Gunnar consiste em tocar e não ser tocado, repito que o controle de distância é fundamental pra seu gameplan e estar com a visão debilitada é certamente um pesadelo pra alguém como ele, é muito possível que essas duas “porradas” não teriam conectado o Gunnar se ele estivesse OK, uma vez que já não estaria mais lá ao ver o Ponzinibbio encurtando.

            Não é certo que Ponzinibbio não ganharia caso isso não tivesse acontecido, mas por outro lado vc pode perceber que antes dos eye pokes essa estratégia estava funcionando mt bem. Não invalida a vitória, mas um asterisco moral certamente está ali no seu cartel.

          • Mauro

            Claro que isso afeta a performance de qualquer lutador, no entanto, não creio que isso manche a performance do argentino, que atropelou o cara. A luta mal tinha começado, então acho que é precipitado dizer que este ou aquele estava melhor. Creio que o Argentino é mais perigoso em pé, e a chance do Gunnar seria levar pro chão, ficou em pé e foi atropelado.

      • thai verdadeira

        RDA lutou com quem tinha que lutar, o que eu friso aqui, é o fato dele ter pego esses dois atletas e acharem que com essas duas vitórias , RDA provou alguma coisa… Pow blz , dos anjos ganhou do saffedini e Magny, agora sim, mostrou que nos meios medios faz frente com qualquer um , é isso ?

        • William Oliveira

          Entendo, tens razão, ele ainda não provou estar na elite do meio-médio, mas acho que fez por merecer uma chance para tal, hoje será o real teste.

  • Douglas Karpinski

    Tem muita garra, e o melhor de tudo, ele entra como azarão vai la e surpreende, então se lawler entrar relaxado vai toma um “the show is over fera!”

Tags: , , , , , ,