De olho no vice: os pontos
altos do Bellator 184

Leo Salles | 07/10/2017 às 01:56

Fala moçada do Sexto Round!

Em um card principal dominado por brasileiros, o Bellator realizou sua edição 184 nesta sexta-feira (06) em Thackerville, Oklahoma, no Winstar World Casino, com bons e intensos duelos e uma disputa de cinturão em jogo.

Eduardo Dantas teve uma atuação abaixo do esperado, além do jogo sólido de chão de Darrion Caldwell, e perdeu o título dos galos.

Uma nova estrela dos penas vêm surgindo no meio das grandes estrelas da categoria: Emmanuel Sanchez, que derrubou o ex-campeão Daniel Straus.

Em duelo parelho, o ex-campeão dos penas Pat Curran levou a melhor sobre John Macapá.

Leandro Higo fez batalha movimentada e equilibrada contra Joe Taimanglo, mas desta vez saiu com a vitória.

Para quem acompanha a segunda maior organização de MMA do mundo, não tem do que reclamar do que tem assistido nos últimos eventos, pela qualidade e intensidade das lutas. Cortando o embromation, vamos aos destaques do evento:

Eduardo Dantas x Darrion Caldwell

Como esperado, o campeão procurou medir a distância para soltar os golpes, mas logo o desafiante fez a sua especialidade,o wrestling, entrar em jogo.

Levou logo Dudu para grade e buscou as costas, conseguindo um belo suplex. Amarrou tão bem que boa parte do primeiro round passou rápido.

Parecia replay no segundo round: Caldwell foi logo buscando a queda e botando mais pressão no brasileiro. O americano esteve mais paciente para contra-atacar, frustrando o atleta da Nova União em alguns momentos.

Tanto que conseguiu um knockdown inesperado e Dudu pareceu meio pasmo com a atuação inicial do oponente. O brasileiro tentava achar ainda a distância no terceiro round e o americano pressionava na grade quando via brecha. Dudu conseguia evitar que Caldwell botasse para baixo, mas o tempo que ficou de costas na grade dava vantagem ao desafiante.

O campeão, enfim, achou um bom momento no fim do round para derrubar e ficar por cima, o que pode ter lhe dado a vitória no round.

Nos championship rounds,  algo inédito para Caldwell, o desafiante parecia mais ofegante e usou da experiência nas derrubadas de wrestling para quedar e pontuar. Porém, Dudu reverteu a situação, pegou as costas e fechou o cadeado.

Mesmo assim, Caldwell desmontou a tentativa de finalização do brasileiro, ficou por cima e aplicou severas cotoveladas que abriram um corte no rosto do campeão. Round mais equilibrado de todos, mas o desafiante acertou mais golpes.

No último e derradeiro assalto, que, na minha visão, Dudu levava desvantagem na pontuação, Caldwell dosou mais a energia, esperando mais ação do campeão.

O desafiante alegou uma dedada no olho faltando menos de dois minutos para o fim, mas o árbitro Jason Herzog deixou passar, o que fez o brasileiro ser mais agressivo. Porém, Caldwell aproveitou para conseguir mais uma queda.

No fim, a decisão ficou para os jurados, que deram, com razão, a vitória para o desafiante Darrion Caldwell, o novo campeão dos galos do Bellator (48×47 2x, 50-45). Fico mais com o jurado que deu 50-45 do que os que deram 48×47, pela dominância no chão e até nos golpes mais bem encaixados durante 25 minutos.

Dudu sofreu com o jogo de grade do adversário e da pressão com o bom wrestling que Caldwell possui, da mesma forma como foram os embates contra Joe Warren.

Daniel Straus x Emmanuel Sanchez

Após a quarta luta contra Patricio Pitbull, Daniel Straus recomeçaria seu caminho novamente nos penas. E contra um garoto que não mede as consequências de uma porradaria, Emmanuel Sanchez.

Por isso, desde o inicio do combate, Straus foi para cima buscando a queda e trabalhando o ground and pound. Sanchez quase surpreendeu num vacilo do ex-duas vezes campeão dos penas com uma chave de perna.

Mas ficou nisso. Straus logo dominou as ações por cima novamente, batendo bastante com cotoveladas, já abrindo um corte na testa do adversário.

Porém, Sanchez reverteu a situação e pegou as costas de Straus, com o cadeado fechado e faltou pouco para finalizar, no melhor round do evento.

O segundo assalto começou do mesmo jeito: Straus botando para baixo e tentando passar a guarda. O americano-mexicano novamente saiu da situação ruim e ficou por cima. Conseguiu montar e aplicar cotoveladas, dando um sufoco no ex-campeão com diversos socos na cabeça e um 10×8 para Sanchez não seria injusto.

A intensidade de ambos no embate permaneceu no último assalto. Sanchez errou uma joelhada, Straus botou para baixo. Sanchez, por baixo, achou um triângulo, conseguiu um encaixe e teve paciência para apertar e fazer o ex-campeão dar os tapinhas.

Um grande combate, movimentado, que coloca Sanchez na linha de frente da categoria após derrubar um dos três alicerces da divisão (Patricio Pitbull, Daniel Straus e Pat Curran).

Um belo de sangue novo no caminho do título que vai aguardar Pitbull defender o cinturão contra Daniel Weichel. E Straus… e agora?

Pat Curran x John Macapá

O fato de lutar pouco nos últimos anos deve ter deixado Pat Curran mais cauteloso do que em outros grandes combates que fez no Bellator.  Porém, mais lúcido, escolheu melhor os ataques contra o bem preparado John Macapá, que mostrou bom repertório na trocação e foi mais agressivo do que contra Daniel Weichel.

O combate começou com ambos procurando acertar a distância, com o brasileiro tomando as ações e Curran buscando os contra-ataques. O duas vezes ex-campeão dos penas tomou algumas combinações  e esperou mais do que o habitual para golpear.

Embora Macapá cercasse e procurasse chutes baixos com socos, Curran vez ou outra acertava um golpe. Em um desses, um soco na cabeça explodiu e o atleta da Nova União teve que se conter mais no final, num bom primeiro round.

O segundo iniciou-se da mesma forma: Macapá pressionando para combinar golpes e ”Paddy Mike”com socos certeiros. Vendo o risco que corria, o brasileiro pôs a luta para baixo pela primeira vez.

A luta seguiu em pé boa parte do assalto, com Macapá explorando mais os chutes baixos (dava para ver a perna esquerda do Curran ganhando uma outra coloração). No final do round, Curran arriscou na queda, porém o brasileiro logo se safou da enrascada.

Curran e Macapá partiram para a trocação franca no inicio do último round, mas uma combinação e um uppercut do americano deram vantagem para ele. ”Paddy Mike” ainda botou para baixo para cansar o brasileiro e, com a luta de volta para cima, tentava achar uma brecha para soltar overhands.

A luta permaneceu equilibrada até o fim, mas a experiência de Curran falou mais alto para ganhar o assalto, na minha visão. Saiu com a vitória por decisão unânime (29-28, 30×27, 30×26, esse último resultado um exagero a meu ver).

Joe Taimanglo x Leandro Higo

Depois de não bater o peso na disputa do título dos galos e mesmo assim ter dado muito trabalho ao campeão Dudu Dantas, Leandro Higo logrou seu primeiro triunfo na nova casa.

O experiente Joe Taimanglo logo foi para o clinch no começo do embate, levando o brasileiro para a grade. Higo conseguiu sair da situação após um estudo inicial e o combate ficou mais agressivo, com mais ações do nativo de Guam. ”Pitbull” ainda derrubou o adversário no final do round, que não lhe deu vantagem na pontuação, a meu ver, apesar do equilíbrio.

No segundo round, Higo começou mais veloz, soltando mais golpes, incluindo até uma joelhada voadora. Taimanglo acalmou os ânimos e foi controlando o centro do cage, tentando achar um erro do brasileiro.

O discípulo dos irmãos Pitbull foi soltando os melhores golpes do meio para o final do assalto e aplicou uma bela queda, conseguindo inclusive deter as tentativas de derrubada do adversário.

No último round, ambos preferiram trocar mais golpes em pé, esperando os minutos derradeiros para pontuar. Higo acertou mais golpes na cabeça e chutes baixos, frustrando Taimanglo nas tentativas de queda.

Porém, nos minutos finais conseguiu pegar as costas do brasileiro, que fez uma bela defesa jogando o corpo para baixo. Ainda, Higo encaixou uma bela guilhotina, que quase fez o adversário bater, salvo pelo gongo, literalmente.

No fim, Higo venceu por decisão unânime (30×27 2x, 29-28) e foi um resultado justo, apesar de ter sido equilibrado durante 15 minutos. Enfim, veio a vitória para o brasileiro, que fica mais sossegado para retomar o caminho do title-shot.

Menção honrosa:

  • No card preliminar, em duelo de invictos, Carrington Banks foi dominante por 15 minutos para bater Steve Kozola. O atleta da Blackzilians mostrou um grande ímpeto para derrubar, graças a sua técnica apurada do wrestling e permaneceu por cima, buscando a finalização, durante o combate. Kozola não fez absolutamente nada a não ser se defender o tempo todo. Certamente Banks será um dos bons nomes dos leves que o Bellator trabalhará.

Outros resultados:

Manny Muro derrotou Emmanuel Rivera por decisão unânime
Sean Holder derrotou Shakir McKillip por nocaute técnico no segundo round
Chance Rencountre derrotou Justin Patterson por finalização no primeiro round
Teagan Dooley derrotou Marcus Simmons por finalização no segundo round
Westin  Wilson derrotou  LJ Hermreck por finalização no segundo round
Kendall Carnahan derrotou Daniel Carey por decisão unânime

  • Camilo Junior

    Achei a atuação do Dudu abaixo do esperado, mesmo quando em desvantagem, ficou esperando o erro do Caldwell. Só acelerou o ritmo quando faltavam 2 min para o fim do ultimo round.
    Méritos ao americano também, veio com o gameplan correto para neutralizar o brasileiro e, mesmo no momento em que o gás foi embora, manteve a calma e fez os ajustes necessarios.

    • O gameplan do Caldwell foi reamente para abafar o Dudu e não deixá-lo golpear. Foi bem nas quedas e deu para perceber que sentiu o gás após muita pressão nos 3 primeiros rounds. Como trabalha numa excelente academia (Alliance MMA), deve vir mais cascudo no cardio na primeira defesa.

  • William Oliveira

    Dudu realmente lutou muito mal, mas ele recentemente tem feito o mínimo possível pra vencer, lamentável, mais um que quando chegou no topo parece que se conformou e começou a jogar de modo receoso e inovação que é bom, nada.

    Boa performance do Caldwell mas o seu cardio, trocação e BJJ em nada me impressionaram, ele tem muitas falhas a serem exploradas. Se cansar rápido assim diante de um trocador experiente e matador como o McDonald (agora no Bellator), o “lobo” vai virar presa.

    Supondo que “Mayday” tenha um retorno ao cage de forma triunfal e similar ao de seu xará McDonald (Rory), o jovem porém experiente striker tem tudo ser uma ameaça ao campeão. Como não curto muito esses wrestlers do estilo do Warren, terá toda minha torcida. Ter ido pro Bellator pode ter sido uma boa ideia pra ele, no final das contas. Só espero que não façam Caldwell VS Higo na próxima rodada, que esperem pra ver o que rola na estreia do Mayday.

    Sanchez VS Curran II deve ser a próxima luta pelo titleshot nos penas, Macapá é raçudo mas ficou claro a diferença técnica entre eles, Curran mesmo voltando agora mostrou muito mais versatilidade, lutou inteligente e evitou qualquer risco desnecessário.

    Sanchez surpreendeu positivamente e parece ser o cara que mais rápido melhora nessa divisão, muito solto e criativo no chão, não enrola, parte pro abate a todo instante.

    • Estou contigo quanto ao próximo adversário do Caldwell. Melhor esperar a estreia do Mayday e ver o que acontece. E Sanchez e Curran 2 também é uma boa pedida e bem capaz de ser casada.

      E o Dudu foi mal mesmo, caiu no mesmo jogo que o Warren fez com ele.

  • Daniel Piva

    Na luta principal, também marquei 50×45 para o Caldwell. Só ele lutou. Dudu foi muito mal.

    Quanto aos pesos penas, embora o Curran tenha vencido, eu concederia o title shot imediatamente ao Sanchez. Além de ter realizado uma grande luta contra o ex-campeão, o tempo ajuda, já que a luta entre Patrício vs Weichel será agora em novembro.

    • Também daria o TS para ele. Mas um combate dele com o Curran não seria de tanto ruim também, como o William falou abaixo.

    • William Oliveira

      A questão é que o Curran venceu o Sanchez quando eles se enfrentaram, fica meio foda justificar o titleshot pro Sanchez, ainda mais se o Weichel ganhar do Pitbull, uma vez que o Weichel também venceu o Sanchez e não faz tanto tempo.

      Se o brasileiro ganhar, beleza, teremos um match up inédito, aí seria super justo o Sanchez disputar a cinta direto.

  • KRS Porlaneff

    Dudu Dantas perder o cinturão é uma notícia que anima meu sábado de manhã trabalhando e com tempo de chuva.

    Já tava na hora de tomar um pouco de chá de realidade e perceber que não era/é invencível, porque parece que não aprendeu nada com Joe Warren e Tyson Nam,

    • Não aprendeu, na minha visão, principalmente nas lutas contra o Warren. O Sabia que o Caldwell usaria o wrestling e foi pressionado sem grandes dificuldades.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Essa atuação do Emmanuel Sanchez foi excelente, desde o primeiro round até o final, foi só ritmo frenético no chão, o cara mostrou que realmente queria vencer a luta e aproveitou a fraqueza defensiva no chão do Straus.

Tags: , , , , , , , ,