Mark Hunt vai morrer lutando?
#jornaleiroresponde

Renato Rebelo | 21/09/2017 às 22:13

Pessoal, no #jornaleiroresponde dessa semana analisei as últimos – e duras – declarações do Super Samoan Mark Hunt.

Será que o peso-pesado de 43 anos – e está há décadas recebendo golpes traumáticos na cabeça – está mesmo disposto a morrer lutando? Tem algo que pode ser feito para evitar que lutadores como ele não tenham sequelas no longo prazo?

Espero que curtam a resenha!

  • Paulo Magalhaes

    Fico imaginando um cara tipo Justin Gaethje com 28 anos e aquele estilo de luta ensandecido.

    • Renato Rebelo

      Esse é um dos que preocupam. Thominhas e Lando Vannata, por exemplo, também.

      • Igor Martins

        thominhas aos poucos parece estar se resguardando mais no seu gameplan..lando vannata muito talentoso mas desse jeito não deve ir longe,,,isso em carreira e consequências dos traumas na cabeça…

      • Paulo Magalhaes

        Com certeza Renato, também lembrei do nosso saudoso natural born killer Carlos Condit.

    • William Oliveira

      Ele disse não ligar pra isso, estar preparado. Espero que não se arrependa mais tarde.

      • Paulo Magalhaes

        Loucura William, mas com certeza muito bom de assistir haha.

  • Lorenzo Fertitta

    Tema forte, desanimador e que, confesso, prefiro ignorar muitas vezes.
    Mas a análise é perfeita e o triste é ver que passam anos e até décadas e não há interesse em uma ampliação e maior divulgação de estudos acerca de traumas causados por esportes de contato: como boxe, MMA e futebol americano (retratado pelo interessante filme Concussion, com Will Smith).
    Ali, Goodridge, Slice, Wand, Hunt e tantos outros foram e serão apenas cobaias de algo que, muito possivelmente, não veremos solução a curto-médio prazo.
    Creio que a maior mudança que nossa geração notará no MMA, em um futuro próximo, será o fato de que lutadores de alto nível terão carreiras cada vez mais curtas, sempre visando a manutenção da saúde mental.

    • Renato Rebelo

      É por isso que digo q é necessário enxugar gelo com o antidoping no MMA. Por efeitos como esse e pelo crescimento do esporte (ng vai botar sua marca no short se houver hipótese de óbito). Como ainda não há muito dinheiro no esporte (tirando meia dúvida de lutadores), e o doping é caro, os efeitos da USADA pra mentalidade coletiva (maioria) são positivos.

      • Lorenzo Fertitta

        Sem dúvida. Diferentemente de esportes coletivos como futebol, vôlei, basquete, ou até mesmo individuais como tênis e atletismo, o MMA é um esporte de alto risco, portanto deve sempre caminhar ao lado de uma organização “classe-A” de controle anti-dopagem, como a parceria UFC-USADA.
        Por mais que alguns ainda vejam essa parceria como algo paliativo, “pra inglês ver”, e como algo que não vai diminuir os casos de doping, eu julgo tal parceria como sendo de suma importância no momento em que o MMA se encontra.
        Seja para tornar o MMA algo realmente próximo de um esporte, melhor orientar seus atletas, inibir o uso de substâncias ilícitas, identificar – em caso de óbito, por exemplo – se foi fatalidade ou houve vantagem biológica e até para facilitar a vinculação de sua marca (no caso o UFC) a patrocinadores (no caso a Reebok) que ajudem a propagar a mensagem de um esporte mais limpo.
        Só não creio que nossa geração verá estudos, pesquisas e divulgação de dados relevantes acerca de sequelas e demais problemas oriundos da prática de MMA, de alto rendimento. Afinal, por motivo$ óbvio$, é consenso (dentre investidores e grandes marcas) que tais informações atrapalhariam o show.

  • Thiago_NCO

    Lembro que quando comecei a acompanhar MMA, nos idos de 2009/10, existia uma lenda urbana muito forte que dizia:
    “MMA causa menos lesões que o boxe, pois você tem o corpo inteiro pra bater e o grappling, logo a cabeça não é um alvo prioritário”

    Ledo engano, hein? Corpo todo, sim… luta agarrada, também… porém, GnP, cotoveladas, luvas de 4 onças, tudo isso cobra um preço alto…
    Por essas e outras razões, sou a favor de algo que muita gente discorda: abolição das cotoveladas. Trata-se de um golpe EXCESSIVAMENTE traumático, capaz de mudar, por si só, o rumo de uma luta (Lyoto vencia JJ até o momento da fatídica cotovelada na testa, que gerou uma cicatriz que o cara carregará pra sempre).

    • William Oliveira

      Ainda acho que causa menos danos. Sobre as luvas, a questão é que com a de 4 onças vc é nocauteado mais rápido e sim vc não fica lá 12 rounds apanhando na cabeça sem parar, os nocautes vem de uma vez só causando menos dano ao cérebro, vi um artigo sobre isso mas não vou me lembrar onde, era bem interessante, menos onças não significa exatamente menor dano pro atingido, só pro cara que tá batendo, embora o senso comum seja diferente.

  • Marcio Eiki Tacaki

    Ótimas análises Renato, até agora não discordei de nenhuma, estou esperando o quadro “jornaleiro pergunta” com algum convidado do meio do MMA, parabéns e um grande abraço.

    • Renato Rebelo

      Mto obrigado, Marcio. E esteve sempre à vontade pra discordar. No futuro, teremos, com certeza = )

      • Marcio Eiki Tacaki

        Opa, quando eu discordar de algum vou vir aqui tentar te convencer a mudar de opinião hahhaha, abraço

Tags: ,