Machismo no MMA: por que não falar sobre?

Alexandre Matos | 14/04/2015 às 22:13
herrig-van-zant-fox-15 (1)

Um dos destaques deste sábado

Parece até que assuntos espinhosos me perseguem, mas pra falar a verdade, eu gosto deles. Gosto muito.

Estimula o debate e nos faz pensar, eu daqui, vocês daí, todo mundo ali embaixo na caixinha de comentários. Todo mundo cresce assim.

O tema dessa semana surgiu durante a gravação do podcast, quando falamos sobre mais um concurso de ring girl no TUF Brasil, sobre o posicionamento de Paige VanZant vs Felice Herrig, sobre o contrato de VanZant com a Reebok.

Vamos falar sobre o machismo no MMA?

Antes de mais nada, esclareço minha postura em relação ao machismo: é surreal, bizarro, inacreditável.

No Dicionário Caldas Aulete, machismo é a “opinião ou procedimento discriminatórios que negam à mulher as mesmas condições sociais e direitos do homem”.

Na Wikipédia, “é o conceito que supervaloriza as características físicas e culturais associadas com o sexo masculino em denegação às características associadas ao sexo feminino, com forte senso de orgulho masculino”.

VanZant já de Reebok

VanZant já de Reebok

O machismo está tão naturalmente entranhado na nossa sociedade que muitas vezes nem sabemos que estamos sendo machistas.

Quer um exemplo? Ronda Rousey é tão boa que parece um homem.

Tem coisa mais cretina que isso? Por que é preciso comparar uma mulher ao sexo oposto para julgar competência?

A própria Ronda já respondeu isso num comercial do canal Combate: “Você acha que eu luto tão bem quanto um homem? Pois tenho orgulho de dizer que foi minha mãe quem me ensinou”.

Falando em cretinice, e o grande mito lendário suprassumo Fedor Emelianenko? Perguntado sobre o MMA feminino, o maior peso pesado de todos os tempos disparou:

Mulheres não deveriam competir no MMA porque este é um esporte para homens. Existem muitos esportes onde mulheres parecem mulheres – como ginástica, esportes aquáticos, talvez alguns do atletismo.”

No ano passado, o Último Imperador já tinha largado outra:

Uma mulher deve ser uma deusa doméstica, criar seus filhos e ser feminina. Existem vários esportes que as ajudam nisso, mas o MMA não é um deles.”

Como diria Romário, Fedor calado é um poeta.

Ainda pior do que os comentários do russo é saber que muita gente pensa como ele.

Como se uma mulher não pudesse ter a mesma vontade de subir num ringue ou cage e sair na porrada com outra de seu porte físico. Como se isso as diminuísse.

Brittney Palmer em sua ronda

Brittney Palmer em sua ronda

E competição de ring girls no TUF Brasil? Tem algo mais dispensável que isso? Aliás, qual a serventia de ring girl além da objetificação da mulher?

Seja sincero: no lugar da Arianny, da Camila, da Vanessa, como você se sentiria se o UFC colocasse um Luke Rockhold, um Josh Thomson ou Elias Theodorou de sunga, sem camisa, rodando o octógono com uma placa na mão?

Eu acharia tosco. Em minha defesa, acho igualmente tosco as meninas fazendo isso, embora ache a Camila e a Jhenny duas gatas e muito gente boas (pena que não conheço a Luciana pessoalmente, ainda).

Você precisa de alguém para te avisar qual round vai começar? Aliás, você olha para a placa que elas carregam?

Por favor, não me venha justificar ring girl com tradição, porque poucas coisas são mais tacanhas que isso.

Há lugares que ainda hoje é tradição apedrejar mulheres que saem sozinhas na rua. Tradição de c* é r***, já dizia o meu sábio avô.

Há eventos no Brasil que pagam mais por uma ring girl do que para um lutador do card, mesmo o da luta principal.

O motivo é o mesmo que fez uma foto da esposa do jogador Lucas de biquíni ser a matéria mais lida da editoria de ESPORTES da Globo.com.

Na verdade, este cenário não é exclusivo do MMA nacional.

Eu acho que eles (os promotores) deveriam pagar mais aos lutadores que às ring girls. E eu não acho que as ring girls ganham muito ou que os lutadores ganham pouco. Mas os lutadores fazem mais que elas. Então eu acho que é algo injusto”, espinafrou Ronda Rousey.

Ronda posando

Ronda posando

A quantidade de fãs mulheres hetero e homens homossexuais é pequena no MMA? Eu acho que não. E por que os eventos parecem que são feitos apenas para o macho alfa?

Aliás, vocês já repararam que até o Invicta FC, organização que promove apenas lutas femininas, que tem uma mulher como presidente, usa ring girls?

Então, as Phoenix Girls, como são conhecidas as ring girls da organização chefiada por Shannon Knapp, usavam calças.

Agora, até o Invicta cedeu para os biquínis.

No próximo sábado, as meninas estarão em ação numa das quatro lutas do UFC On FOX 15, ao vivo para a maior plataforma de exibição do UFC em seu mercado mais forte.

O encontro entre Felice Herrig e Paige VanZant é, se não me falha a memória, o segundo em um card na FOX. Antes, Miesha Tate venceu Liz Carmouche.

Que legal, o MMA feminino já faz lutas principais (até de pay-per-view) e ocupa vagas na FOX.

Mas por que Herrig-VanZant está aí e quando Claudinha Gadelha enfrentou Joanna Jedrzejczyk foi numa preliminar de um mesmo UFC On FOX?

Claudinha, Joanna, Felice e Paige igualmente tinham/têm 1-0 no UFC na ocasião de suas lutas. Gadelha- Jedrzejczyk era uma eliminatória para o título muito mais clara do que é Herrig-VanZant.

Felice-1

Felice…

Por que não Tecia Torres? Ela tem o mesmo retrospecto de 1-0 no UFC, está invicta na categoria, venceu Herrig e VanZant (e Rose Namajunas) antes do TUF, no Invicta.

Experimente procurar por “Felice Herrig”, “Paige VanZant” e “Tecia Torres” no Google Imagens e talvez você tenha uma noção da resposta para a pergunta acima.

O MMA feminino já faz lutas principais e ocupa vagas na FOX ou quem faz isso são especificamente Ronda Rousey, Miesha Tate, Felice Herrig e Paige VanZant?

Aos 21 anos, com apenas 4-1 no cartel e zero vitórias relevantes, VanZant é uma das seis pessoas que assinaram contratos separados com a Reebok.

Além dela, apenas Ronda Rousey, Jon Jones, Johny Hendricks, Anthony Pettis e Conor McGregor possuem tais acordos.

Tá com moral, a gatinha.

Miesha...

Miesha…

Dana White tinha a mesma visão de Fedor sobre o MMA feminino. Mudou de ideia quando percebeu quanto dinheiro poderia fazer com Ronda Rousey.

Abriu divisões femininas, promoveu lutas históricas, mas segue com o dedo machista em cima de cat fights como Herrig-VanZant ou VanZant-Curran.

Isso quer dizer que, se uma lutadora for mais bonita/gostosa/sexy que a outra, terá mais chance de disputar o cinturão?

Aí também é exagero, né? Não, pera. Qual foi o critério adotado para substituir Cat Zingano no TUF 18 e na disputa de cinturão do UFC 168?

Colocaram uma lutadora com 0-1 no UFC e que já havia perdido tanto de Zingano quanto de Rousey. Quem era? Miesha Tate.

Ah, sim.

PS: enquanto escrevia essas maltraçadas linhas, o UFC On FOX 16 tinha seu card principal divulgado. Tem uma luta feminina no meio. Ronda só luta em pay-per-view, Herrig e VanZant lutam sábado agora. Sobrou quem? Pois é.

  • Gabriel Carvalho II

    Carmouche vs Jessica tb foi main card

    Ótimo texto

    • Sean Shelby deve ter tomado até esporro.

      • Carlos Montalvão

        Hahaha, que iiiiiisso Alexandre!! Liz Carmouche, a irmã do Urijah Faber, tinha acabado de vir de uma disputa de cinturão, quase finalizou a campeã… kkkk É que antes teve Kedzie x De Randamie no preliminar do mesmo evento

  • Rodrigo Tannuri

    O que? Ring Boys? kkkkk
    Pior que conheço mulheres que assistem só pra apreciar alguns bonitões mesmo.

    • Carlos Montalvão

      O que iria ter de mulher assistindo a luta desse sábado só por causa da aparência dos caras na luta principal…ainda bem que não é PPV e não vai passar na Globo, imagina os comentários nas redes sociais haha. Não consigo ver um cara que não gosta de luta fazendo isso, ligar lá só pra ver as “gostosas se pegando na porrada”, o cara que não curte MMA não vai gostar de ver gente se machucando ainda mais se for mulher bonita, vai procurar outro esporte com mulher em outro canal. O cara que aprecia a beleza das lutadoras na hora da luta é porque já tava assistindo ao evento, o fato delas serem bonita é apenas um bônus (quando elas são bonitas né), acho que Liz Carmouche e Lauren Murphy não tem NADA de atraente, mas já queria assistir esse combate (e mesmo se não quisesse, assistiria porque a luta tava lá) coisa que esse tipo de mulher não faria (duvido que criariam expectativa pra Pezão x Hunt ou Joe Lauzon x Tony Ferguson por exemplo) kkkkkk

      • Um cara não gostar de ver mulher gata se machucando, mas gostar de ver homem se machucando não seria machismo? Não é o mesmo discurso do Fedor que eu coloquei no texto?

        O cara que curte luta de verdade, no matter what, é minoria. Vai por mim.

        Outra coisa que eu posso te garantir: teria mais gente saindo pra mijar ou pra pegar cerveja num Carmouche-Murphy do que num Herrig-VanZant.

        • Carlos Montalvão

          Se o cara curte apenas Mma masculino e é contra o feminino seria machismo sim, mas o que eu quis dizer é que se o cara gosta MESMO de Mma, ele não liga se é homem ou mulher lutando ou pra aparência deles (as) em primeiro plano, não sei se tô conseguindo me expressar direito… Mas é o oposto da mulher que liga só pra ver o Rockhold de shortinho colado porque o cara é bonitão. Isso no meu ponto de vista, descontando o pessoal que só vê luta principal na Globo em dia de brasileiro disputando cinturão 2x por ano.

          Acho que depende da naipe da luta ali, Alexandre, as vezes Carmouche-Murphy pode ser uma pancadaria sanguinária igual Kaufman-Davis 2 (óbvio que isso nunca iria acontecer, mas dando um exemplo) e Felice-PVZ um Bonnar-Ortiz no Bellator, eu duvido que mais gente deixaria o sofá pra dar um mijão num lutaço com 14 minutos de trocação + 1 de ground n pound do que num festival sonolento de 15 minutos de empurrão na grade

          • Você tá falando sob uma ótica de uma minoria, que são os fãs hardcore, aqueles que assistem às lutas seja lá quem estiver envolvido.

        • Thiago Marques

          O Alexandre faz uns comentários que só podem ser de zoeira!

          Ele bem sabe que é próprio da beleza apetecer, que a beleza prende a atenção, então nem deveria fazer essa comparação da Carmouche com a VanZant no sentido de querer explicar tudo em função do machismo.

      • Rodrigo Tannuri

        O próprio Rhoodys brinca com essa luta do Lyoto com o Rockhold, chamando os caras de galãs. Fala que a Kyra estará bem atenta ao combate kkkkk

    • Fulano de Tal

      Mulheres não gostariam de ver Ring Boys, quem gostaria seriam os gays.

      • Thiago Marques

        Kkkk…, tens razão! O comportamento feminino em publico tende a ser mais contido que o do homem, mas isso deve ser machismo também, eu nem sabia que a minha avo era machista pra caralho ao exigir que as meninas usassem sempre blusas para ocultar o corpo do olhar de eventuais pedófilos!

  • Carlos Portela

    Boa, Alexandre. E essa estratégia do Dana White de cat fight é tão descarado que olha o post no instragam dele de divulgação da luta da VanZant:
    https://instagram.com/p/0tel2wPA7P/?taken-by=danawhiteufc

    • Carlos Montalvão

      Juro que se eu estivesse em Cracóvia no Q&A eu perguntaria pra Jedrzejczyk: “você é a mais nova campeã do UFC, Invicta com 9 vitórias, mais de 80 lutas de Muay Thai, uma atleta completa e carismática (mais que a PVZ por sinal), já perguntou pro Dana White quando seu contrato com a Reebok vai sair? Ou será que vai ter que virar loira igual a Esparza pra conseguir atenção deles?”. Os olhos e pele claros ela já tem, só falta tomar whey pra aumentar a bunda e pintar o cabelo pra virar uma das Barbies que é o que eles querem, pelo visto hehe

      • hahahaha exatamente isso.

      • Fulano de Tal

        Dana White não é executivo da Reebok e Whey para aumentar bunda é de lascar.

        • Carlos Montalvão

          Foi uma brincadeira fera, com o estereótipo das duas lutadoras patrocinadas pela marca e com a declaração da Carla Esparza antes dela perder pra Joanna, não uma crítica real 😉

          • Leandro Chiaratti Ayres

            Galera leva tudo ao pé da letra. É osso.

    • Isso vai atrair muito mais gente do que um pôster com a Carmouche ou a Bate-Estaca fazendo cara de má.

  • Thiago Kuhl

    Genial. Seus textos normalmente são muito bons, mas você se superou, parabéns MESMO.
    Apenas repentindo, pois é uma GRANDE VERDADE que todo mundo tem que ler 1000x: “O machismo está tão naturalmente entranhado na nossa sociedade que muitas vezes nem sabemos que estamos sendo machistas.”

  • Victor Augusto

    Alexandre, o jornalismo brasileiro precisa de mais gente como você. Belo texto, como sempre.

    • Obrigado, fera!

    • Lucas Andrade

      Cm certeza. É triste o caminho que muitos jornalistas vêm tomando. Parabéns Alexandre!

      • Teve um rapaz aí que disse que não ouve os podcasts que eu participo, que acha que meus textos são sensacionalistas e que eu manipulo informação pra defender meus pontos.

        • Lucas Andrade

          Defender seu ponto de vista vai te render mais desafetos do que seguidores. Mas e sua consciência? Siga seus princípios(clichê mas é válido). Não mude seu posicionamento pra agradar ninguém.

          • Felizmente, pelo menos por aqui, tem mais gente apoiando o texto do que criticando. E sim, eu jamais vou mudar um pensamento pra agradar ninguém. Não sou tosco, daqueles que se prendem a uma velha opinião formada sobre tudo. Sou aberto a procurar entender pontos de vistas diferentes. Um dia eu já fui machista (até por ter sido criado num ambiente assim). Tive minha mente aberta por alguns relacionamentos, aprendi um monte de coisa e mudei. Mudei por mim, não pelos outros.

          • Lucas Andrade

            Parabéns então.. Tens meu respeito!

        • Zeca Bezerra

          Mais facil responder as questões que botei que fazer mimimi, ultimo yfc no BR teve mulher no card principal, o UFC é instituição de caridade? Os eventos nacionais tem mais visibilidade contratando ex-bbb do que um cara sinistro 20-0 voce acha que eles preferem ter menos visibilidade, o criterio utilizado foi jma rivalidade que já havia entre Tate e Rousey, sobre o invicta, se é uma organização totalmente feminina
          Você muito embora ache fraco, é jornalista de um grande portal de mma, deveria arcar melhor com as críticas e não fica de mimimi falando mal de quem te criticou dessa forma e sem responder as pessoas

          • Você quer que eu te responda? Então vamos lá.

            – Antes de mais nada, você precisa melhorar sua leitura, sua interpretação de texto. Está muito claro na matéria que eu falei sobre o MMA feminino fazer lutas principais e ocupar vagas em cards na FOX. Não falei sobre lutas femininas estarem em cards principais.

            – O UFC não é instituição de caridade e visa o lucro, ninguém jamais disse nada ao contrário. O UFC é uma organização que promove lutas baseado no que os fãs preferem. E os fãs são machistas até mesmo sem saber que são.

            – Os eventos nacionais têm mais visibilidade contratando ex-BBB? Pois é exatamente este um dos pontos do meu texto, rapaz. E é lamentável que seja assim. É lamentável que a foto da mulher do Lucas de biquíni seja a matéria mais lida da editoria de esportes de um grande portal. Isso é sinal da sociedade machista, que foi o foco principal do meu texto (a sociedade machista afetando o MMA), o que, me parece, você também não entendeu muito bem. O texto não é uma crítica ao UFC.

            – Comparar os comentários sobre o público homossexual do MMA com o público ocidental do PRIDE é, isso sim, malicioso. Primeiro que eu falei do público homossexual masculino E DO heterossexual feminino (este, um contingente grande). Segundo, eu jamais disse que o PRIDE não tinha fãs ocidentais, apenas disse que OS AMERICANOS E CANADENSES, que são os mercados mais fortes do UFC, eram mais preocupados com o UFC do que com o PRIDE.

            – Enfim, sabe porque eu não faço mimimi? Porque sua opinião é válida, merece respeito, mas, felizmente, é minoria. Tem mais gente que sente a minha falta do que gente que não ouve o podcast porque eu estou no lineup. Tem mais gente que respeita a qualidade do meu trabalho do que gente que me acha fraco. Ninguém jamais vai ser uma unanimidade em nada e eu não tenho o menor intuito de me tornar, mas fico feliz de ter um trabalho de anos consolidado e respeitado, não só entre os colegas de imprensa no Brasil e lá fora, mas, principalmente, entre os leitores, que são a parte fundamental do meu trabalho.

            Forte abraço.

          • Zeca Bezerra

            – Quanto a info da FOX eu me passei, desculpe

            – A questão das lutas que os fãs querem ver, inclui o público homosexual e feminino que você disse que não é pequeno, talvez a “luta de musas”, sirva pra desmistificar a imagem da mulher bonita enquanto objeto e atrelar à elas a imagem de guerreiras, pode não ser o objetivo principal mas é algo a ser considerado.

            – Independente da sociedade que vivemos, na matéria que fala sobre ela, mostra uma menina aparentemente instruída, estudante de medicina e parece que não se incomodou com notícia nem com a exposição, se ela for machista também? vai ser julgada por isso? não só o público do mma é machista por isso a notícia soou sensacionalista porque foram atrelados machismos cotidianos ao mma, se a sociedade não fosse o esporte também não seria.

            – Uma observação antes do tópico seguinte, você respondeu a alguém aqui dizendo que o mma feminino não era tão evoluído quanto o masculino pelo tempo que é praticado, outros esportes (acho que tirando o vôlei, todos) mesmo após mais tempo de prática as mulheres não atingiram o mesmo nível técnico dos homens, ussar o nível geral englobando o físico seria escroto da minha parte.

            – Desconsiderei o Público heterosexual feminino porque a maioria apenas assiste lutas com seus cônjuges, falando do universo que conheço de amigos e os cadastrados ativos do PVT e atualmente BJJ fórum, e mesmo as que gostam muito, o conteúdo consumido de mma é infinitamente menor.

            – Na verdade falou que os públicos eram muito pequenos sim, ao comentar a luta Shogun X Minotouro num dos podcasts, não lembro a forma exata que falou mas no grosso, isto que foi dito.

            – Já que o assunto é mma, dele vou tirar meu exemplo, Phill Davis hoje assinou com o Bellator, UFC não ofereceu a ele um contrato satisfatório na opinião dele pois não é um cara que consegue colocar bundas na cadeira por sí só, o show vale muito mais, seu texto queira ou não, não lembro de outro que tenha repercutido tanto aqui no site, polêmicas dão audiência, tal qual o machismo no mma rs, sobre as críticas, não acho que muita gente tenha coragem de o fazer via disqus, principalmente nesta época de internet serious business, além de outras pessoas que não gostaram mas não se sentiram incomodadas com o texto.

            – será que a questão é mesmo o machismo? Lyoto e Davis seria um title eliminator, graças ao estilo de luta do Mr. Wonderful não foi, por que TS da Paige é por causa da beleza dela e não pela puta luta que ela fez na estréia?
            abs

          • Opa, brother! Nesses termos que você usou agora, com respeito, é um prazer imenso trocar ideias contigo, mesmo se houver discordâncias (o que eu gosto muito, já que não existem donos da verdade). Do jeito que você chegou antes, nem rola.

            Vamos lá.

            Tomara mesmo que a “luta das musas” sirva pra mostrá-las como guerreiras (que são mesmo, especialmente a Herrig, que é um tanque de guerra).

            Como eu disse antes, o machismo não é um mal exclusivo de homens, ele também afeta mulheres instruídas e estudantes de medicina, que cresceram num ambiente conservador, patriarcal e machista. É comum no Brasil, é comum nos Estados Unidos e é errado. E como eu também disse, o machismo é tão entranhado na sociedade que muita gente nem sente que o é.

            Sobre o título ter parecido sensacionalista, há uma limitação de caracteres no layout do site. Entenda o título como: “O machismo, um mal da sociedade, afetando o MMA: por que não falar sobre?” Fica mais claro, né? Essa foi a intenção (obs.: a ideia do título sequer foi minha).

            Não concordo com a parte que você diz que mulheres jogam abaixo do nível dos homens nos demais esportes. Posso te dar uma lista imensa de mulheres que não devem nada aos maiores atletas masculinos (sem falar do vôlei, que o machismo preconceituoso tacha de “esporte de viado e de mulher”): Steffi Graff, Martina Navratilova, Billie Jean King, Saori Yoshida, Hortência, Magic Paula, Lisa Leslie, Cheryl Miller (irmã do Reggie Miller), Marta (futebol), Jackie Joyner-Kersee, Florence Griffith-Joyner (apesar das suspeitas de doping), Janet Evans, Kristin Otto (apesar das suspeitas de doping)… poderia ficar até amanhã lembrando.

            O Twitter do meu site tem mais de 25 mil seguidores e eu recebo muita interação de mulheres. E o que você falou sobre isso se encaixa no machismo que as pessoas não percebem. Eu mesmo namorei duas que assistem a lutas de MMA e boxe sozinhas em casa.

            Sobre o público do PRIDE nos EUA, eu disse que ele era bem menor do que o público do UFC nos EUA. Isso pode ser comprovado com o fato de que nenhuma das grandes estrelas do PRIDE foi recebida com pompas de Randy Couture ou Chuck Liddell quando rolou a migração. Os fãs hardcore (que são minoria) ficaram em polvorosa achando que finalmente os melhores se enfrentariam. O grosso, a galera que passou a acompanhar por causa do TUF 1 e salvou o UFC da falência, mal sabiam quem eram os caras do PRIDE.

            O show vale muito e meu texto não entrou nesse mérito em momento absolutamente algum. Meu texto entrou no mérito que uma lutadora não deveria ter privilégios por ser bonita. E em momento algum eu “culpei” o UFC, deixei claro que eles fazem o que o público quer. Nesse caso, a minha crítica é direcionada ao público machista.

            Paige fez uma “puta luta” contra outra estreante tão irrelevante (profissionalmente) quanto ela.

          • Zeca Bezerra

            – Mas aí no caso pra o público leigo (maioria) a Técia é tão irrelevante quanto ela, pesa muito na hora de promover a luta por exemplo, a Paige venceu por tko, a Felice submissão, há nos EUA bastante preconceito com o nível tecnico delas e há meio que um movimento por parte do UFC pra mostrar que as mulheres conseguem terminar suas lutas, tem um bom nível e que suas lutas não são massantes.

            – Sobre as mulheres acompanharem, não sei se entra no contexto do machismo porque foi uma constatação que tirei do universo que vivo.

            – Existem fenômenos em todas as áreas e de todos os sexos, falei na questão da proporcionalidade nos esportes.

            – Sobre o título do texto entendi o que você quis dizer, é evidente que há machismo dentro do esporte mas não concordei com tudo, como ficou claro antes hahaha.

            – Acho que vai servir sim pra passar a imagem de guerreiras, vi muito isso acontecendo com a Ronda, o tipo de admiração da massa por ela mudou, foi de física pra forma como ela luta.

            – E quanto ao PRIDE, não vi nenhum newcomer chegar no UFC com pompas assim, só o Lesnar e acho que isso vem da megalomania do Dana, dizendo que o UFC sempre foi o maior, que eles são a NFL…

          • Gilbert Melendez chegou com tanta moral que foi direto disputar o cinturão.

        • Adecir Soares Camargo

          MiMiMi esquerdopata.

  • Nathan Oliveira

    Excelente!

  • Leonardo José

    Alexandre, concordo com tudo, e é muito bom que alguém formador de opinião toque nesses assuntos dessa forma.

    Não sei se estou sendo injusto, se existe algum tipo de pressão velada para que tudo se mantenha assim, mas acho que uma das coisas que mais falta para corrigir esse problema (além da conscientização do público), é a própria iniciativa das lutadoras. A Ronda já criticou a valorização desnecessária da aparência das lutadoras, mas a mesma se sujeita à venda da sua imagem de forma sexualizada (assim como as outras que você citou), o que colabora para a inércia da situação. Eu condeno mais esse tipo de postura que a do Fedor, que apesar de preconceituosa não reforça a objetificação da mulher.

    • O caso da Ronda especificamente é diferente (não que seja certo ou errado). Ela explora a imagem dela porque provavelmente vai seguir carreira de atriz depois que se aposentar. A reputação dela como lutadora tem ajuda pelo fato de ser bonita, sem dúvida, mas é impulsionada pelo que ela faz no octógono.

      • Leonardo José

        Ao meu ver, isso agrava ainda mais o caso. Pela popularidade e competência no octógono, ela é de longe a que mais teria moral de dizer “não” para ensaios e afins sem perder muito (na popularidade e no prestígio) com isso. Não tem outra lutadora com mais visibilidade para levantar a bandeira pelo fim do machismo no MMA.

        • Thiago Marques

          A liberdade de auto-determinação individual da Ronda que se exploda? Stalin curtiu o seu comentário!

          • Kellen

            Moço, o q ele está tentando dizer é q ele tem nas mãos uma ótima chance de mudar esse cenário e não que ela é OBRIGADA a isso. Ele está apenas falando do POTENCIAL que ela teria de mudar essa situação por ser quem é.

    • Carlos Montalvão

      O Alexandre aliviou para o Imperador, se não me engano ele ainda mandou um “DEVE ficar em casa e cozinhar para o marido” ou coisa assim rs

      • hahahaha aí eu não sei, porque a tradução do russo pro inglês foi feita em mais de um portal e eu fiz a do inglês (de uma delas) pro português (meu russo não é lá essas coisas).

  • marco antonio

    Bahhhh
    Cheguei do trabalho agora e acabei de ver que Dillashaw vs Barão 2,foi remarcada para uma semana antes do UFC 190 no rio.Fiquei puto,porque estava esperando que essa luta viesse pro rio pra elevar o nível do evento.Vim correndo pro site,pra ver se estavam falando sobre esse assunto,pra eu poder esbravejar e descarregar um pouco da minha frustração pelo único Pay per view do ano no brasil ser protagonizado por duas mulheres,e que a minha ultima esperança agora seja a remota chance de ter Dos anjos vs Nurmagomedov no rio para elevar o nível técnico e de testosterona no UFC 190.E me deparo com você abordando esse assunto!Não que eu pense que luta feminina de main event seja fraco e que o nível técnico das mulheres é bem ruim,e que só assisto a ronda porque ela é bonitinha.Que isso!jamais Alexandre !.E a propósito,esse negócio de machismo no MMA não existe não cara,não sei da onde tirasse essa idéia.Nós homens,adoramos ver duas mulheres se atracando com shorts curtos e apertados em cima de um cage,principalmente quando são duas loirinhas lindas,iguais
    as…
    as…
    as….
    Como é que é mesmo o nome delas? Assssss,como é que é ?
    Ahhh,não importa o nome,todo mundo sabe que é aquelas duas loirinhas gostosinhas,que são parecidas com aquela outra que é campeão da divisão DOS GALOS feminina.
    Sem preconceito ta..
    hahaha

    • Já pensou se a categoria fosse “peso galinha”?

      • marco antonio

        Hahaha…
        Que maldade a sua.

    • Kellen

      Hahahaha! Muito bom!

  • Carolina Braga

    Parabéns pelo texto! Mas vamos convir que muitas mulheres se ”aproveitam” do ”machismo” para se dar bem na vida, então, acho que não está tão ruim assim para elas. Detalhe: a Paige VanZant é sempre mencionada como ”Star Paige VanZant” em todos os notíciários.

    • Sim, muitas mulheres se aproveitam do machismo, sem dúvida. A Paige VanZant é um exemplo.

  • Fulano de Tal

    Olha o Alexandre fazendo inveja pra gente: “Camila e a Jhenny duas gatas e muito gente boas (pena que não conheço a Luciana pessoalmente, ainda).”

  • Marcelo Silveira

    Baita texto, sempre fugindo do lugar comum, parabéns!! Concordo com tudo, só acho q no caso do TUF foi principalmente a rivalidade entre as duas que pesou. Agora elas explorarem a beleza pra ganhar mais grana tranquilo . O CR7 no futebol faz um monte de anúncio baseado na aparência e o futebol é bem machista também. Agora o comentário “machsta” final é” se elas lutam bem e ainda são bonitas eu agradeço, hehe. []’s

    • Explorar a beleza pra ganhar dinheiro, ok. Explorar a beleza pra ganhar title shot, não. Sacou meu ponto?

  • Thiago Marques

    Machismo no MMA é c* de r*!

    Quando as mulheres forem a maioria das espectadoras do UFC o Dana White vai colocar o Luke de sunga e/ou latex pra alegria do Alexandre! 😀

    Há mil e uma justificativas para que as lutas masculinas sejam as mais demandadas: maior potencial de nocautes, qualidade técnica superior etc.

    O machismo é sinal de burrice, mas pior que ele é o politicamente correto que macaqueia a realidade em prol duma falsa igualdade.

    • Fulano de Tal

      Meu caro, você tirou as palavras da minha boca.

      Frase para retwitar: “O machismo é sinal de burrice, mas pior que ele é o politicamente correto que macaqueia a realidade em prol duma falsa igualdade.”

      • Ou seja, mais um que não entendeu o texto. Leia o comentário acima, que eu respondi pro Thiago, que tirou as palavras da sua boca.

        • Fulano de Tal

          Li, sim. E entendi o que você quis só não concordo, posso?

          • Leandro Chiaratti Ayres

            Entender e não concordar é ser machista. Não entender até dá pra perdoar, mas entender e discordar é osso. Não é maquiar a realidade, é agir em direção a mudar a mesma, que está errada cara. Esqueceu que escravidão já foi um hábito cultural e os escravocratas diziam exatamente isso: “ah, mas a realidade tá aí, sem os escravos não vai dar, é bonito na teoria mas não funciona na prática, quem vai trabalhar e blábláblá?”

          • Fulano de Tal

            Tá viajando, brother?!

          • Leandro Chiaratti Ayres

            To em casa, brother!

          • Thiago Marques

            Nate Diaz é você?

          • Thiago Marques

            Entendemos e discordamos, mas talvez seja coisa rara alguém discordar do Alexandre, inclusive quanto a assuntos onde a humanidade inteira discorda entre si! 😀

          • Fulano de Tal

            O pessoal bajula em busca aceitação ou talvez acreditando que um dia será chamado para o podcast. rsrs Carência é humana é coisa séria.

          • Thiago Marques

            O pior que não, o pessoal foi adestrado pra odiar o homem branco, heterossexual e cristão, se for judeu então…

      • Thiago Marques

        As pessoas aderem ao conteúdo da propaganda partidária de partidos revolucionários sem a devida analise critica do seu conteúdo e, principalmente, das conclusões de tal aceitação. E o fazem para serem aceitas como progressistas pelo homem-massa descrito por Ortega y Gasset, que é aquele sujeito que cospe nos frutos da civilização ocidental judaico-cristã justamente por ter sido tal sociedade que permitiu ao mesmo o acesso aos meios sem os quais ele sequer poderia fazer tal critica.

        • Fulano de Tal

          Não só aderem ao conteúdo, mas a alguns costumes. Um deles é de acreditarem que suas ideias são tão superiores que não devem ser discutidas mesmo que não tenham argumentos ou lógica retórica.

    • Mas eu tinha certeza ABSOLUTA que ia aparecer alguém com um comentário assim, inclusive insinuando que eu sou homossexual. Muito previsível.

      É óbvio que as lutas masculinas são mais demandadas. O MMA masculino é mais desenvolvido tecnicamente que o feminino e assim o é porque existe há mais tempo.

      A questão é que você entendeu pouco ou nada do que o texto falou. A questão não é que lutas femininas sejam tão valorizadas quanto as masculinas. Isso vai demorar a acontecer, as lutadoras de MMA têm um longo caminho pela frente. O que você não entendeu no texto é que a comparação é entre lutas femininas, entre elas mesmas, uma maior promoção sobre VanZant-Herrig do que sobre Torres-Hill, por exemplo. A Tecia Torres ganhou da VanZant E da Herrig.

      • Fulano de Tal

        A ordem e destaque das lutas é definido por vários fatores e não é por que fulano venceu ciclano, ise fosse assim imagina as aberrações, Joe Duff faria a luta principal no UFC 189.
        Técia Torres venceu Vanzant há mais de dois e Herrig a mais de ano. De lá para cá as duas evoluíram e Vanzant estreou no evento fazendo luta da noite, Técia não. Creditar a aparência e esquecer outros fatores, isso sim é machismo.

        • Ah, então eu não sei quais são os critérios pra ordenar e destacar lutas. Tô aqui a passeio hahaha

          • Fulano de Tal

            Belo argumento: Eu sou o manjador hardcore, se vocês descordarem de mim vou responder com ironia e não com argumentos.

          • Você tá esbanjando preconceito e machismo pelos comentários, cara.

          • Felipe Paranhos

            Tá mesmo. O que o Fulano de Tal não percebe (ou finge não perceber) é que, no caso das mulheres, entre os “vários fatores” que determinam a ordem das lutas, está exatamente o machismo.

          • Thiago Marques

            É melhor ver isso que ser cego!

            A beleza certamente é um dos fatores, inclusive nas lutas masculinas, mas jamais o único e sequer o mais importante, nem de longe, todavia tal participação é um pouco maior entre as meninas, mas não por machismo e sim pela maioria esmagadora do publico do MMA ser masculina.

            É muito achismo e pouco machismo! 😀

          • ADevilNeverCry .

            “Tá mesmo. O que o Fulano de Tal não percebe (ou finge não perceber) é
            que, no caso das mulheres, entre os “vários fatores” que determinam a
            ordem das lutas, está exatamente o machismo.”

            !? Han seu cara de cu deslavado’ Isto não passa de uma afirmação sem qualquer tipo de evidencia, baseada em nada amais do que a narrativa que estás a tentar puxar. Isto é uma afirmação, infundada, e tu ainda tens o descaradamente de a usar como de se um fato se tratasse.

            Vou afirmar algo, portanto é verdade – Retardado

            O Fulano de tal DESTRUIU completamente o escroto que escreveu esta merda, e a resposta dele não passou de um comentário passivo-agressivo sem qualquer tipo de refutação, pois não havia refutação possível. Ele não defendeu a sua posição, nem contrariou o argumento do outro leitor. Ele perdeu por defeito.

          • Fulano de Tal

            Diga onde eu fui preconceituoso e/ou machista?

          • Fulano de Tal

            Então esse é seu argumento: Me ofender? Diga onde fui machista e preconceituoso por que esta características eu vejo claramente em você.

          • Thiago Marques

            Kkkk…

      • Malk Suruhito

        Só para relativizar: Futebol tem mais de 100 anos, somo o “país do futebol” e as nossas meninas futebolistas, por quantas andam né?

        • Thiago Marques

          A culpa é do machismo, nada tem a ver com a diferença técnica, atlética etc. #TáSerto

          • Malk Suruhito

            Haveria muito mais qualidade técnica se futebol se futebol não fosse considerado “jogo de homem”, Thiago. Ou vai dizer que não é algo recorrente aqui?

          • Thiago Marques

            É sim, assim como balé é tido como coisa de mulher ou de homossexual, por exemplo. E, contudo, anda em qualquer escola hoje em dia que tu vai ver um número significativo de meninas jogando futebol. E, por fim, a condição física influencia na técnica e é como que um pré-requisito para que tal possa ser exercida de forma eficiente no alto nível de competição. Eu não sou um tolo pra negar que haja machismo residual, só não sou acho que tal defeito de julgamento esteja disseminado por toda a sociedade com uns aqui acham.

          • Malk Suruhito

            Sinceramente, quando você cita “técnica”, parece que a maioria dos times de futebol aqui jogam como o Barcelona da última década, e não fazendo falta a torto a direito e errando passes de 3 metros. Aptidão física influi neste quesito muito mas no jogo trucado do que no técnico. Assista qualquer jogo de futebol feminino e verá que elas tem um toque de bola mais refinado que a maioria dos jogos de qualquer estadual.

          • Thiago Marques

            kkk…, sem mais!

          • Thiago Marques

            Compare qualquer clube de futebol que mantenha equipes de ambos os gêneros, sob o aspecto técnico e físico de ambos os times, veras então que a diferença observada é mais biológica que sociológica, ou seja, querer explicar tal diferença apelando ao machismo da sociedade é mais uma posição ideológica do que qualquer outra coisa.

          • Malk Suruhito

            Me aponte um que tenha ambos times e dê a mesma estrutura para ambos que eu posso fazer esta comparação.

          • Thiago Marques

            Kkk…, você é um gozador! A explicação para isso está nos sistema de preços, lucros e recompensas, tal explica igualmente bem a diferença de salários entre jogadores do mesmo gênero filhote! Você pensa como um ideólogo? O choro é livre!

          • Malk Suruhito

            Ideólogo? Não. Nem militante. Só to rebatendo o seu argumento furado de técnica. Coloque o time do Barcelona com a camisa do Mogi Mirim e a do Ibis com a Corinthians, faça jogos separados e veja qual terá mais público.
            EUA atualmente está com mais média de público que o Brasil, mesmo sem terem mais técnica e lá FUTEBOL (Soccer) é que é jogo de meninas.
            Se o povo amasse técnica, assistiria Futebol de Salão.
            No MMA, se o povo amasse técnica, assistira as categorias leves, principalmente a dos moscas.
            Se vc quer dizer que mulheres tem menos público por conta da questão física, ok, é válido. Mas não diga que é por que elas tem MENOS técnica, que o gozador se torna você!

          • Thiago Marques

            Elas tem menos técnica sim, fato que nem vou mais dicutir, mas só o tempo poderá equilibrar nesse aspecto, vide outros esportes individuais onde a técnica se sobressai ao vigor físico, em tais as mulheres já tem o seu espaço. De tempo ao tempo!

      • Thiago Marques

        A piada que fiz supõe a sua heterossexualidade, se você não apreendeu isto é melhor reavaliar a sua capacidade de interpretar texto, não a dos outros.

        Certeza absoluta? Só pode ser uma hipérbole, afinal a certeza é um estado psicológico que não admite duvida, é uma adesão firme a alguma proposição por acreditar na verdade da mesma. Você pode ter certeza sobre algo, mas estar redondamente errado.

        O conteúdo do seu texto é cheio de lugares comuns, não condizem com a realidade, mas que talvez tenham sido melhor desvelado pelos seus comentários feitos em resposta aos seus leitores, dos quais sou um e inclsuive ouvinte assíduo do podcast do MMA Brasil, onde faz um trabalho excelente.

        O termo machismo em nossa sociedade é muito mal empregado, diria inclusive que a apalavra perdeu seu significado original após ser utilizada de forma propagandistica por movimentos revolucionários de massa, a exemplo do feminismo.

        É cômico que as pessoas rotulem de machismo qualquer hierarquia de valores, inclusive a cristã, tão somente por negarem uma irreal igualdade material e não de direitos entre homens e mulheres, exemplo: a divisão entre MMA e WMMA dar-se não por machismo, que seria um tipo de discriminação, mas pela constatação obvia da superioridade física do sexo masculino, ou seja, senso de justiça.

        E, por fim, o UFC não é olimpiada, quer dizer, a dimensão esportiva não é a única a dar as cartas, coisa que você sabe muito bem, e por isto o UFC busca satisfazer a maioria dos desejos individuais de modo a maximizar os seus ganhos e, sinceramente, vincular isso a machismo é querer pular um abismo com o auxilio dum bogobol.

        • Ah, então meu texto tá cheio de mentiras?

          • Thiago Marques

            Não, cheio de imprecisões. Eu não diria que você é um mentiroso, eu diria que você está enganado.

    • Leandro Chiaratti Ayres

      Não é maquiar, po! É agir em prol da mudança, e manter essa cultura é seguir oprimindo mulheres, cara. “A realidade é uma merda, então vou continuar falando merda e pérpetuando a merda!?”

      • Thiago Marques

        Que as mulheres não tivessem direito a voto era uma discriminação de cunho machista, certamente, na medida em que tal fato baseava-se na falsa suposição que a mulher não teria condição intelectual pra votar, todavia, a suposição verdadeira de que o corpo feminino era menos adequado as condições dos campos de batalha fez com que o alistamento militar fosse obrigatório somente aos homens, privando as mulheres em grande medida dos horrores da guerra, mas isto boce acha que é machismo! Você acha que a sua avó ou bisavó se acanhava oprimida? A questão que realmente importa é se as pessoas são livre para correrem atras dos seus objetivos, o que não pode é que os “bem intencionados” queiram impor a sua “tolerância” a todos os demais que, ironicamente, seriam os “intolerantes machistas” etc.

        • Leandro Chiaratti Ayres

          “privando as mulheres em grande medida dos horrores da guerra” O inocente acha que quem cuidou dos filhos dos mortos!? QUem cuidou dos inválidos que voltaram!? Quem fabricou as munições?! Quando os homens estavam em Guerra!? E outra, Israel tá aí pra provar que mulheres podem ser soldados tão bons quanto homens. Não se achar oprimido não siginfica não sê-lo. Nunca leu o “mito da Caverna” de platão!? Cabe nessa situação!

          Todo esse seu exercício de retórica no final só serve pra mostrar que vc não quer abrir mão da sua comoda vida machista em prol de mais direitos femininos.

          • Thiago Marques

            Meu Deus!

            O mito da caverna em Platão descreve a condição gnosiologica do homem, não uma eventual luta de classes!

            Os homens fiam pra guerra, as mulheres, crianças e velhos ficavam nos lares, os vivos retornavam pra casa e tu queria que eles depois de tudo ainda fossem cuidados pelas famílias? Você fala coisas sem pensar nas consequências, sugiro que seja mais prudente pra evitar de falar coisas sem nexo.

            A sua comparação com o Israel atual é cômica, afinal a tecnologia permite que mulheres participem em condição de maior igualde num confronto armado, coisa que não era muito viável antigamente, tente imaginar uma mulher de armadura carregando uma lança anti-cavalaria! Se você acha que tal proteção dos homens para com as mulheres era machismo, então acho que só a paternidade pode fazer você rever tal posição, talvez. E, ainda, por isso que defendo o porte irrestrito de armas, com elas qualquer mulher se defende de qualquer vagabundo!

            Eu não sou machista, eu sou um cavalheiro! Chore a vontade! 😀

          • Leandro Chiaratti Ayres

            Chapa, não vou precisar de nenhuma palavra rebuscada pra responder, ok!?

            – Sexo é gênero, não classe. São conceitos diferentes para coisas diferentes.

            – O mito fala sobre alguém que está atado à uma determinada “realidade”, e que por conta dessa amarra, é incapaz de perceber que na verdade, há algo além dessa mesma “realidade”, há um todo maior que ele não identifica. Portanto para ele, pode simplesmente não existir, mas para alguém que perceba as amarras, sim, ele está sendo OPRIMIDO e PRIVADO da totalidade da existência, ainda que não saiba, portanto minha mãe e minha avó podem sim ter sido oprimidas sem identificar essa opressão, ou ainda terem sido ensinadas a suportá-las caladas por uma sociedade sabidamente machista! Assim como meu pai e meu avô podem ter tido milhares de comportamentos machistas sem nem mesmo identificar o machismo existente neles por conta da aura de normalidade que a cultura machista trás. Lembre-se que até mesmo coisas repulsivas a nós podem se tornar hábitos culturais, assim como o racismo e a escravidão já foram hábitos culturais da civilização ocidental até recentemente. (Apartheid!?)

            – “Eu não sou machista, eu sou um cavalheiro!” Você realmente não entendeu o conceito de machismo, não percebe o seu machismo e nem percebe também que cavalheirismo e machismo não são excludentes. Exemplo: Alguém que abre a porta do carro, trata como uma dama, leva aos melhores locais, sustenta e etc. também pode divulgar um vídeo intimo da mulher na internet e ser cavalheiro e machista ao mesmo tempo. E não te conheço, tu não serve de exemplo nessa discussão.

            Paro por aqui, até porque não estou recebendo nada pela aula e essa é minha profissão. Abraço.

          • Thiago Marques

            Citei luta de classes em sentido amplo, que na sua forma moderna inclui a politização das causas raciais e de gênero, dentre outras.

            Eu percebi o sentido que tu quis aplicar ao mito da caverna, não precisa explicar, apenas intervi pra esclarecer que o mito é uma descrição da condição gnosiologica do ser humano e nada tem a ver com essa baboseira de auto-vitimização.

            Aula? Pela sua interpretação do mito platônico percebo que tu deve ser professor de qualquer coisa, menos de filosofia!

            Faz um favor, guarda tuas aulas pros alunos do Paulo Freire, porque esses coitados vão precisar.

            😀

        • Willian Oliveira

          O fato é que o povo sofreu uma lavagem cerebral feita pelo feminismo, através das escolas e da grande mídia. As pessoas simplesmente aceitam o que o feminismo incuti em suas cabeças, não questionam e não querem saber de buscar a verdade.

          Sobre o voto, o voto censitário foi estabelecido pela constituição de 1824, esteve em vigor durante todo o período monárquico brasileiro. Segundo o censo de 1872, o único de período, 13% da população brasileira votava, a população votante era submissa às autoridades locais. As eleições eram violentas e cheias de fraudes. O voto era um ato de obediência. Em 1886, votaram nas eleições parlamentares pouco mais de 100 mil eleitores, ou 0,8% da população total.” (CARVALHO, 2007, p.39). A Revolução de 1930 tornava-se o símbolo da modernização em contraposição a uma República atrasada e dominada pelas oligarquias (grupo restrito de pessoas). As eleições até então eram consideradas nada mais do que mera legitimação, por meio de artifícios fraudulentos e até mesmo do uso da violência, do poder de elites tradicionais. Em 1932 as mulheres passaram a votar; mas desde que o voto foi criado até esta data, os votos dos homens não possuiam poder algum, eles eram simplesmente usados pela oligarquia. Mas o feminismo debate isso? Claro que não, a única coisa que elas gritam aos quatro cantos é que mulheres não podiam votar… mulheres não podiam votar. Os homens não possuíam voz alguma nas eleições, eles eram usados; as mulheres não podiam votar, mas também não eram mandadas às guerras.

          Fonte: http://www.tse.jus.br/hotSites/CatalogoPublicacoes/pdf/eleicoes-no-brasil-uma-historia-de-500-anos-2014.pdf

  • Fulano de Tal

    Pessoas bonitas sempre se destacam, independente do sexo. Exemplo David Backham ganhou muito mais dinheiro do que jogadores melhores que ele, conseguiu contratos inacessíveis a outros jogadores, mercados não explorados, e eu não vejo ninguém dizendo que isso é feminismo.

    • Thiago Marques

      Segundo a lógica utilizada isso deve ser “feminismo”! 😀

    • Bruno Goes

      Isso é sim feminismo. Palavra que não significa privilégio ás mulheres, e sim direitos iguais a ambos os sexos. O problema não é o favorecimento de alguns atletas pelo fator beleza, nesse caso já teríamos que entrar em outra discussão. O problema é o fato de apenas corpos femininos serem explorados, com claro objetivo de satisfazer apenas homens. Como o Alexandre falou, se colocassem ring girls, e ring “boys”, continuaria sendo uma coisa estúpida, mas deixaria de ser machista, já que visaria agradar ambos os gêneros. Quanto ao caso do Beckham ter feito mais dinheiro que outros, creio que esse dinheiro veio com campanha publicitária, e não com maior salário pelo fato de ser bonito. O que o texto aborda é o fato da beleza feminina falar mais alto que o desempenho, dentro do esporte. E isto é um absurdo que só acontece nas categorias femininas.

      • Fulano de Tal

        A beleza feminina não fala mais alto em relação ao desempenho. Nenhuma lutadora foi contratada por este motivo ou tem bolsa maior por isto.

        Na MLS quebraram o teto salarial da liga para poderem contratar o Beckham por um salário maior do que todos ou demais, isso foi até chamado de Lei Beckham.

        • É bem claro pra mim que lutadoras são contratadas também por serem bonitas. VanZant entrou no UFC sem ter feito nada de relevante na carreira e ainda perdeu a única luta relevante que disputou antes. Foi contratada com cartel de 3-1.

          Procura aí um homem com cartel de 3-1 contratado pelo UFC.

          • Fulano de Tal

            Eu posso citar um com cartel de 0-0, mas acho que não precisa.

            Isso é uma falésia.
            Primeiro – O MMA feminino é novidade e as lutadores tem menos espaço por isso os carteis são menores.
            Segundo – Angela tem 2-0, ela também foi contratado por ser bonita?

          • Ah, então você quer comparar a reputação e popularidade de James Toney e CM Punk com a Paige VanZant? É sério isso?

          • Fulano de Tal

            Não estou dizendo isso, alias não citei nenhum nome, esta claro no texto, você não entendeu, mas vou explicar de novo por que estou com insonia.

            A quantidade de lutas do cartel não é decisivo para contratar um lutador, o UFC pode contratar uma lutadora com 2-0 por que a categoria feminina tem menos lutas e por isso as lutadoras tem cartel menor.

          • O UFC pode contratar alguém com 2-0, mas esse alguém dificilmente vai assinar com a Reebok ou estar num title eliminator de cara.

          • Fulano de Tal

            E dai? Cada caso é um caso, você não afirmar que VanZant esta nesta situação por que é bonita, quando há outros fatores isso é machismo e desrespeito com a atleta.

          • Onde está a Angela com 2-0, disputando title eliminator, com contrato com a Reebok?

          • Fulano de Tal

            A Angela ganhou bonus de luta da noite? A Reebok tem agora que patrocinar todas as lutadoras do UFC.

          • Carlos Montalvão

            Angela Hill entrou lá porque foi uma das poucas selecionadas do Tryout (?) para o programa, já que 10 ou 11 das participantes vieram do Invicta. Não ganhou bônus da noite porque teve muita luta boa e desempenho acima da média (Do Bronx, Randa, Jessica, Clark, Torres), mas se tivesse bônus de MASSACRE da noite ela levaria, porque a forma que ela surrou a Kagan foi absurda, foi a maior disparidade do evento

          • Fulano de Tal

            E?! VanZant não participou do TUF por causa da pouca idade.

      • Perfeito, cara. Beckham nunca teve favorecimento por ser bonito. Ninguém o convocou pra seleção inglesa porque era bonito. O Manchester não o levou por causa disso. O maluco jogava bola.

      • Thiago Marques

        O Real Madrid contratou o David por caus aço futebol dele, não por causa do oceano de fãs femininas que ele tinha na Ásia? Favor, sejamos honestos e não omitamos os fatos públicos e da ciência de todos.

    • Leandro Chiaratti Ayres

      Ele ganhou dinheiro trabalhando como modelo publicitário. O salário do Gaúcho era maior que o dele quando o trabalho era jogar bola.

      • Fulano de Tal

        Exatamente. Agora cite uma lutadora que ganha salário maior por ser bonita?

        • Carlos Montalvão

          Saberemos quando sair o valor básico das bolsas do próximo evento semana que vem hehe, se não me engalo a Paige ganhou 16 mil da última vez (8 por lutar e 8 por ganhar, fora os 50k de POTN)

          • Fulano de Tal

            Não saberemos, para afirmar uma coisa dessa tem que haver uma amostragem. Isso é básico.

          • Carlos Montalvão

            Se a VanZant ganhar MUITO mais vai ser por causa da posição no ranking? História dela na categoria? História dela no MMA? Cartel? Não, vai ser porque a imagem dela vende muito pro UFC, ela não merece ganhar mais que ninguém que participou do TUF e botou a carreira/saúde em risco tendo que cortar peso e lutar a cada duas semanas e lutar de até 3x no programa e mais a finale pra ser considerada lutadora do UFC. Não com o cartel que ela tem.

          • Fulano de Tal

            Deixa explicar, querido?

            O Mccregor desde antes do TS já ganhava mais que os demais que os demais lutadores da categoria. Nem pode-se dizer que os irlandeses ganham mais, ELE É UMA EXCEÇÃO

            Para afirmar que as lutadoras bonitas ganham mais que as feias teria que pegar a bolsa de todas as bonitas e comparar com as feias, ai você vai ter um padrão, se for o caso de uma lutadora ganhar mais se chama EXCEÇÃO.

          • Carlos Montalvão

            Ninguém falou que não era exceção. E ela é a exceção justamente por ser a garotinha propaganda da categoria, pelo UFC investir na sua imagem loirinha linda, novinha, talentosa e futura promessa. Ela virou a aposta dos caras (não deveria), que podiam investir em lutadoras mais bonitas como Nina Ansaroff, Izabela Badurek ou Alex Chambers por exemplo, mas nenhuma faz o já citado estereótipo que UFC tá utilizando.

          • Fulano de Tal

            Você não sabe nem do que esta escrevendo. No seu comentário você confirmou o meu ponto e aparentemente nem notou.

          • Carlos Montalvão

            Meu camarada, você é que não está entendendo o que todo mundo tá tentando de dizer, você tá com a visão fechada de que o UFC tá fazendo a coisa certa.

          • Fulano de Tal

            Repito o seu comentário confirmou o meu, você não percebeu isso ainda?!

          • Thiago Marques

            E ainda precisa averiguar se as diferenças de medias são estatisticamente significantes! O pessoal só quer palpitar mesmo!

        • Leandro Chiaratti Ayres

          Paige?

        • Leandro Chiaratti Ayres

          Paigen VanZant?

          • Fulano de Tal

            Tá sabendo legal heim

    • Thiago Marques

      É a ditadura dos medíocres sendo imposta, quem já se viu você fazer uso da sua beleza, charme, elegância e inteligência ora se dar bem na vida? 😀

  • Lucas Natan

    Querido Alexandre, achei que nunca fosse ler um texto com esse posicionamento por aqui, que bonito. Não sabe o sorriso que abri ao ler o título.

    Muito legal vc dar a cara a tapa, sei o quão difícil é tocar nesses assuntos sem que nos olhem torto, ou que nos chamem de chato, de “politicamente correto” (pq parece que falar de coisas que prejudicam é algo negativo) ou que digam que queremos “tirar a graça” das coisas etc.

    Vc resumiu tudo muito bem, tocou numa ferida importante e que vai dar muito pano pra manga. Torço pra que o pessoal entenda a situação e não jogue pedras.

    No mais, um abração. Cada vez mais fã!

    • Valeu, meu camarada! Sempre vai aparecer algum tosco, até já apareceu nego insinuando que eu sou homossexual (daqui a pouco eu peço pras minhas ex-namoradas virem aqui comentar hahaha).

      • Carlos Montalvão

        “Esse deve votar no Jean Wyllis”, DO FACEBOOK, Sujeito. 2015 hahaha

        • hahahaha ri muito com esse aí. E respondi que, não, eu não votei nele.

  • Carlos Montalvão

    Excelente texto, mas estranhei a fato de não ter citado as Ring Girls do XFC, ali assim é sexualmente forçado hehe (pra mim tá bom, mas dentro do contexto da mulher-objeto não tem como ficar mais explorado que isso, a não ser de biquini fio-dental ou botar as modelos nuas)

    Quanto ao fato de Herrig x PVZ no card principal e Gadelha/outras não, vejam por esse lado: A Gadelha lutou contra uma finlandesa que eu sendo fã de MMA feminino nunca tinha ouvido falar, era a estreia da divisão, a Claudia era uma promessa mas pra quem já acompanhava o Invicta ou pra quem já conhecia ela no Brasil, mas mesmo assim, nenhuma das duas era realmente conhecida. Já entre as loiras, a Herrig já tinha uma popularidade maior e ainda foi trabalhada melhor por ter feito parte do TUF, alcançando melhor o público, depois finalizando na final do TUF e a Paige estreou fazendo a luta da noite, estando no card preliminar, enquanto a Gadelha fez duas lutas bem marromenos.

    Claro que isso jamais deve ter passado pela cabeça do Dana White, como sabemos. Infelizmente o machismo é uma coisa que nunca vai acabar no MMA porque as lutadoras bonitas/atraentes que lutam demais, chamam atenção, aí o que acontece, vão duas lutadoras que não são do padrão de beleza da galera mas que lutam pra caralho, igual ou melhor que as bonitas porradeiras, qual o tipo de comentário? “ui parece homem”, e toma um foda-se pra luta. Infelizmente a imagem ainda conta muito pro público (em sua maioria masculino) comum que consome o MMA então algumas lutadoras ainda vão passar por cima das outras sem o menor sentido simplesmente pela estética. Pra minoria, que é fã mais fanático por MMA no geral ou admirador das categorias femininas é menos “ah vou ver porque essa é gostosa” e mais “vou ver porque gosto do esporte, independente de ser homem ou mulher batendo no outro até um desistir”

    Quanto ao TUF18, a Zingano se estourou, mas quem era a lutadora mais conhecida até então e que já tinha lutado no UFC? A Miesha Tate, ali foi mais pra poderem criar uma storyline melhor pra vender mais, devido elas terem se enfrentado 1 ano antes pelo cinturão, a Ronda tendo tomado o cinturão da Miesha e etc etc. Não acho que tenha sido por causa da aparência da Cupcake. Tate x Zingano foi a segunda luta feminina do UFC, depois teve McMann x Gaff e Davis x Sexton, mas teria menos sentido ainda colocarem a Sara ou a Alexis na jogada. A Kaufman poderia fazer uma revanche sendo coach, mas ela ainda tava no Invicta FC

    • Fulano de Tal

      Comecei ler seu comentário e nem li tudo, quando “estranhei a fato de não ter citado as Ring Girls do XFC” já dei uma googleda.

      Obrigado!

    • XFC é TV brasileira canal aberto, né? Aí é estilo panicat, legendete. Americano é diferente, as X-girls do XFC lá fora não são assim. É tudo objetificação, mas TV aberta brasileira é outro nível de parada hahaha

    • Gadelha lutou contra uma finlandesa que você nunca tinha ouvido falar. Você tinha ouvido falar da Kailin Curran antes de lutar com a Paige VanZant?

      • Carlos Montalvão

        Só conhecia do Twitter, mas não tinha visto lutar hahaha (pelo menos conhecia hehe, já a Lahdemaki…)

        • Então, você conhecia no Twitter. Posso praticamente te garantir que já tinha visto no Twitter algo relacionado a ela ser bonita.

          • Carlos Montalvão

            Na verdade eu tinha seguido só por seguir, só fui descobri que era bonita na época da estreia no UFC haha

    • Seu terceiro parágrafo resumiu a parada.

    • Sobre a Miesha, foi ela porque era a mais conhecida, porque tinha storyline e etc, tudo o que vc falou. Acontece que isso tudo só aconteceu porque ela é bonita. A Sarah Kaufman também tinha storyline, também tinha enfrentado a Ronda. Por que não foi ela? Kaufman fechou com o UFC em fevereiro de 2013, muito antes do TUF. Miesha lutou com a Zingano em abril, o TUF foi gravado em maio, foi ao ar em setembro, Ronda lutou com a Miesha no fim de dezembro de 2013. A Kaufman já tava lá há muito tempo.

      • Carlos Montalvão

        Pois é, a Kaufman assinou em fevereiro, poderia ter sido ela? Poderia, MAS ela tava lá e mesmo assim ainda teve que lutar em abril pelo Invicta contra a dona florinda. Apesar dela ter uma história com a Rousey, incluindo aquele vídeo da Ronda dando armlock num aspirador zoando a Sarah, eu não lembro de uma ter xingado a outra, falando que mostrava a bunda pra aparecer, só ganhou o title shot porque não calava a boca e toda aquela treta que ela teve com a Miesha. Teve thrash-talk mas não foi tão pesado, sem contar que os caras não jogariam a canadense direto no TUF sem ela fazer uma luta ao menos no UFC. Eu acredito que o circo já tava armado pra Rousey x Tate no programa, tudo foi por água abaixo com a vitória da Cat, os caras falaram “putz, fudeu” e quando ela estourou o joelho mandaram um “obrigado senhor!!!” e seguiram com a ideia principal.

        • Então, a Kaufman lutou no Invicta antes da Zingano lutar com a Tate.

          • Carlos Montalvão

            Mas foi no mesmo mês, o UFC iria adiar a gravação do TUF pra botar a Sarah lutando antes na organização (tendo em vista que ela tomou um knockdown com um chute na cara, levaria um tempo pra se recuperar) pra massa conhecer ela ou iria jogar ela de paraquedas dentro do reality?

          • A Miesha saiu da luta com a Zingano com a cara quebrada. Se o UFC quisesse, a Kaufman não precisava ter lutado em abril no Invicta, já poderia ter lutado no UFC. Mas o UFC preferiu apostar que a Miesha ganharia da Zingano.

          • Carlos Montalvão

            Sim, a Miesha era a aposta principal do UFC e como eu disse, era uma opção melhor pra audiência que a branquela porradeira canadense, mas volto a bater na tecla de que a aparência dela foi o menor dos fatores nessa história.

  • Bruno Goes

    Concordo que o MMA é machista, mas não apenas ele, e sim toda a sociedade. O MMA acaba sendo apenas um reflexo. Não é a toa termos cheerleaders em vários esportes, que só servem para isso mesmo, serem objetificadas. E isso não se limita só no esporte, ligue a televisão e perceberá que o total alvo são apenas nós homens heterossexuais. Seja em programas que lotam o palco de “dançarinas” de biquíni, até comerciais de cerveja, que são a mais pura definição de machismo. Infelizmente o UFC apenas segue uma tendência mundial.

    • O MMA é machista porque a sociedade é machista, sem dúvida alguma. Você citou ótimos exemplos.

      • Thiago Marques

        O Brasil é machista, por isso elegemos um homem pra presidente! 😀

        • Willian Oliveira

          por isso que foi aprovada a lei mais sexista que já fizeram: lei do feminicídio. Por isso que nunca vimos uma reportagem televisiva que conteste o feminismo. Por isso que mais de 80% dos moradores de rua são do sexo masculino… dentre tantas outras coisas que a sociedade machista é horrenda para as mulheres, ah, mas começaram a dizer que o machismo também é ruim para o homem, até a pouco tempo atrás era somente algo horrendo para as mulheres; mas espertos como são os feministas, mudam o seu discurso conforme necessário e esse termo é maravilhoso para eles, sempre vai ser usado e modificado quando necessário.

          • Thiago Marques

            Assino em baixo.

    • Willian Oliveira

      Quando há mulheres bonitas e gostosas com trajes provocantes na TV é machismo, mas quando você sai na rua e vê mulheres bonitas e gostosas usando trajes colados, curtos e provocantes aí é um direito da mulher de se vestir da maneira que quiser, paradoxo feminista.

      • Bruno Goes

        O problema não é o fato de terem mulheres de bíquini na tv, e sim o fato de terem APENAS mulheres. Me diga como você se sentiria, se em todo programa, em todo comercial, em todo evento esportivo, tivesse homens de sunga? E apenas homens, nem uma mulher sequer? Não seria nem um pouco bacana né? A ideia de pessoas semi nuas, apenas exibindo seus corpos, sem serventia nenhuma, é estúpida por si só. Mas se é para usar, que atenda ambos os gêneros. Não vou ser hipócrita de falar que não gosto de olhar para mulher bonita, mas também penso no outro lado.

        Quanto ao fato do que as mulheres usam na rua, sinceramente espero que você tenha apenas se expressado errado. Não vale nem a discussão sobre os trajes “colados, curtos e provocantes”.

      • Thiago Marques

        William, o pior cego é o que não quer ver! Esse pessoal se contradiz a cada linha e nem percebe.

    • Thiago Marques

      Gostar de ver mulher bonita agora é machismo? O politicamente correto derrete o cérebro das pessoas.

  • Mikeias Filipe

    Cara, seguinte. Discordo amplamente de qualquer seguimento que tenha como finalidade provar a ”superioridade” de um sexo sobre outro. Nisso seja machismo ou feminismo. Dito isto, penso que o MMA é sim um esporte de contato físico extremo e que nos seus primórdios foram os homens que o basicamente construiram. Mas os tempos mudaram e as mulheres hoje são sim tão importantes para o esporte quanto os homens. Até porque, a no meu ver, disparada maior estrela do MMA é uma mulher. E não só em termos mercadológicos, tecnicamente sabemos que o MMA Feminino precisa evoluir bastante, mas nomes como Rousey, Zingano, Cyborg, Tate, Carmouche, entre outros, me atraem pra frente da telinha para ver suas lutas. Quanto a questão do Fedor, não concordo com sua afirmação, nem tenho o Russo como um ídolo incontestável, sim o considero um ex- atleta fenomenal, e sim o vejo entre os melhores de todos os tempos (Entra num debate com um ou outro nome). Mas o ponto é, a Rússia é um país conservador, (lembram da lei anti-gay do Putim? Que por sinal foi bem aceita no país inteiro.) e o Fedor a exemplo de grande parte da população russa é um Cristão Ortodoxo. Ou seja, o cara foi criado assim, é difícil ele ter uma linha de raciocínio diferente. E aposto com qualquer um que o Emelianenko tem essa visão tradicional e vulgo machista, em todas as áreas de sua vida. Seria como achar cara criado dentro do islamismo que achasse comum andar de sunga na praia. Ou uma brasileira que ande por aí escondendo seus cabelos. É cultura, certo ou errado, é cultura.

    • Perfeitamente.

    • Felipe Paranhos

      A propósito, feminismo não tem nada a ver com “demonstrar superioridade” do sexo feminino pelo masculino. Nada.

      • Exatamente.

      • Mikeias Filipe

        Se você for buscar o conceito de feminismo em um dicionário por exemplo, realmente, não tem nada a ver em demonstrar superioridade para com os de se sexo masculino. Na prática meu amigo, o buraco é mais embaixo. Essa ilusão da busca por direitos igualitários e independência dos homens, é apenas uma capa politicamente correta e hipócrita. No fundo, as mulheres que aderem o movimento feminista só querem provar sua superioridade quando comparadas aos homens. Se uma mulher quer provar ter direitos iguais e independência, trabalhe, lute! Não precisa aderir a essa balela de feminismo.

      • Thiago Marques

        Paranhos, você troca as atitudes concretas das feministas por um conceito abstrato e dicionarizado e, o que é pior, nem percebe a imensa contradição entre ambos? É o mesmo caso dos que afirmam que o Partido Nacional Socialista Alemão era de direita, quer dizer, o mesmo que dizer que o PSOL também o é! Desculpe, mas como diria Cazuza: “suas palavras não correspondem aos fatos”!

    • Thiago Marques

      O esporte é tão machista que a maior estrela é uma mulher? As pessoas abandonaram a razão, não crêem nos próprios olhos, mas dão ouvidos ao que meia dúzia de ideólogos bocós cagam contra a civilização ocidental. Vamos rir … Kkkk!

  • bedotRJ

    As mulheres se impuseram no mundo do MMA de boa, sem bandeiras sexistas. A questão era avaliar se suas lutas eram economicamente viáveis e palatáveis ao grande público. Aos poucos vêm se tornando, ainda muito em função da Ronda, admita-se. O caminho está sendo trilhado.

    Por outro lado, me incomoda a patrulha prá cima de pessoas que não gostam das lutas femininas. É uma opinião tão legítima quanto qualquer outra. Querer tachar alguém de machista por opinião contrária ao MMA feminino é autoritário. Uma desqualificação prévia do interlocutor, algo que não combina com a democracia. Muitas mulheres também não gostam de MMA feminino, assim como há homens que não gostam de MMA nenhum. Eles têm direito a essa opinião. Se as tiverem baseadas em argumentos cretinos, que se combatam esses argumentos, sem apelar para qualificações negativas do interlocutor.

    P.S.: no atual momento, o feminismo é um problema muito mais sério e mais grave do que o machismo, algo cada vez mais residual.

    • Vamos estabelecer uma diferença importantíssima: não gostar de luta feminina é um direito inalienável de qualquer pessoa. Achar que mulher não devia lutar, que devia ser a deusa do lar, é machismo. Ou seja, não há patrulha alguma, tampouco ataque à democracia, pelo menos por minha parte. Eu reclamo da segunda colocação, não da primeira.

      E cara, feminismo não é sequer um problema, muito menos mais sério que machismo. Eu queria conhecer o mundo que você vive, onde o machismo é cada vez mais residual. Você tá confundindo o legítimo movimento feminista com o comportamento das chamadas feminazi, as radicais.

      • bedotRJ

        Sim, eu falo das feminazis, que não podem ser dissociadas do feminismo “puro” ou “genuíno”, uma vez que este deixou de existir como bandeira independente (se é que existiu um dia). A estridência delas e o fato de estarem associadas a correntes ideológicas fortes, hegemônicas e com muita voz as transformam em um problema mais efetivo nesse momento.

        De fato, desconheço homens que advoguem pelo machismo “clássico”, aquele que defende uma subserviência absoluta das mulheres. Este é residual. Comum é a banalização do termo, sacado contra qualquer pessoa que defenda um modelo mais tradicional / conservador de configuração familiar. Tachar de machista, por exemplo, a opinião de que mulher não deveria lutar profissionalmente me parece até mais do que uma banalização do termo: é um artifício retórico desqualificador, que resvala na desonestidade intelectual. Como pode ser machista uma mera opinião que não coloca as mulheres em posição de inferioridade social e econômica? Trata-se somente de uma choque de valores que, nem de longe, interdita a discussão. Imagine um grupo de mulheres defendendo que homens não devem se depilar: isso é machismo? É feminismo? Ou é apenas uma opinião?

        Eu não era a favor das mulheres no MMA. Agora sou. Mudei de opinião, convencido pelos fatos. Mas não gosto de tachar quem é contra de machista sem ouvir os argumentos. Dizer que é contra porque acha que a violência do esporte não combina com a delicadeza das mulheres, prá mim, é válido. Desde que isso não redunde em ações coercitivas visando proibir o direito de escolha, trata-se de legítima opinião. Já dizer que as mulheres não devem praticar MMA porque o lugar delas é dentro de casa servindo ao seu senhor, aí sim será machismo. Como se vê, há uma distância perceptível entre os argumentos de pessoas que concordem em pontos essenciais. Cabe aos demais perceber essas diferenças, evitando apelar a adjetivações que desqualificam e que são injustas.

        • Thiago Marques

          A mentalidade esquerdista do brasileiro foi introjetada pela mídia e professores, ambos engajados na militância política, especialmente desce a década de 70, quando a hegemonia cultural dos arautos da inveja foi plantada nas universidades, especialmente nos cursos da área de humanas. O discurso politicamente correto nasce com o propósito oculto de remodelar o comportamento humano, isto sim é abjeto: o querer impor aos demais indivíduos a sua formar pensar, na verdade os seus sentimentos. A esperança é que esse discurso é oco filosoficamente, espiritualmente e existencialmente.

        • Thiago Marques

          Essa conversa de sociedade machista só vai acabar quando tivermos uma mulher na presidência de republica. Não, espera! 😀

    • Thiago Marques

      Se o Royce é o pai do MMA, a Ronde é a mãe adotiva.

  • Marcio Rodrigues

    Concordo que o machismo é realmente inaceitável quando a intenção é desvalorizar o talento ou competência de uma mulher.
    Mas esses casos em que a mulher é colocada como objeto, aí já acho menos importante, ate pq as mulheres mesmo se colocaram nessa posição.
    As próprias lutadoras (Ronda inclusive) usam e abusam do apelo sexual pra se promoverem. Ou seja, o machismo é tao generalizado que inclui até as mulheres.
    Outra coisa, posso estar enganado mas o publico homo e feminino ainda é minimo no MMA sim. Não que precise encher de mulher pelada por conta disso (eu não presto a minima antencao nas ring girls) mas da pra entender o lado do UFC e outras promoções. Negocio é negocio.
    Pra mim, o importante como disse no começo, é não desvalorizar quem merece. Que o cinturão seja sempre da melhor lutadora e não da mais gostosa.

    • Mas você tocou nos mesmos pontos que eu penso: sim, o machismo não é exclusividade de homens; o machismo não pode desvalorizar quem merece; e o cinturão tem (ou tinha) que ser disputado pela melhor lutadora, não pela mais gostosa.

      • Marcio Rodrigues

        Acho que nesses casos que envolvem apelo sexual o termo machismo não cabe pois sempre dá a impressão que as mulheres são vítimas da opressão masculina, quando na verdade são cúmplices. Se tem homem pra ver bunda de fora na TV, é porque tem mulher pra mostrar (e ganhando mto bem pra isso).
        No MMA, só vou me preocupar se conseguirem garfar o cinturão da polonesa contra uma VanZant da vida.

        • Elas são cúmplices porque foram criadas em sociedade machista. E o machismo é tão entranhado que muita gente sequer percebe isso.

          Machismo não necessariamente tem a ver com agressão, violência.

          • Marcio Rodrigues

            Mas aí não seria machismo subestimar a inteligência feminina? Será que elas são tão frágeis e influenciáveis?
            Eu, na verdade, acho muito inteligente se aproveitar do fato dos homens pensarem mais com a cabeça de baixo pra conseguir uma vantagem como um comain evento por exemplo.

          • Tem mulher machista, tem mulher que se aproveita do machismo, tem mulher (e homem também) que não percebe que determinada coisa é machismo.

            Machismo não é exclusividade de homens.

          • Bruno P.

            “Machismo não é exclusividade de homens.”

            Não só concordo, como até acho que as mulheres são mais machistas que os homens. Tanto que vivo falando pra minha mulher que o cavalheirismo é o machismo que convém.
            Ela não gosta muito não, hehehehe..

            Brincadeiras a parte, para um fã hardcore como todos aqui, é inadmissível ver este tipo de coisa, principalmente o patrocinio da Reebok. Isso me deixou bem puto.

          • “Cavalheirismo é o machismo que convém”. Rapaz, essa frase merece ser pensada. Há situações que são mesmo, há outras que não são. Enfim, vale a reflexão.

          • Thiago Marques

            Se um ladrão adentrar a sua casa no meio da noite você, por ser mais forte, rápido e resistente, por hipótese, é quem deve proteger em primeiro lugar a sua família, eis a nobreza do cavalheirismo genuíno. Se incomodar com o patrocínio da rebook só poder ser muita vontade de querer mandar no dinheiro dos outros. Calma, filho!

  • Maxsupremo

    Alexandre, Não adianta se esconder! quando você vai dar ao Pro Wrestling o reconhecimento que esse esporte merece?!

    Ps: Brincadeira,discordo de alguns pontos, e concordo com alguns, Bom texto.

  • Isabella Kida

    Alexandre, muito bom acompanhar O Sexto Round e ver textos como esse! Vivemos num mundo ainda machista, triste… As mulheres sim, conquistaram um pequeno espaço no MMA, pode ser que muita gente não goste de assistir essas lutas, ache o nível tecnico menor, mas deveriam pelo menos respeitar. Pq gastar tempo e energia criticando e odiando se é uma coisa que pouco importa? É muito odiar, ridicularizar, criticar mas é difícil chegar e ver o caminho que algumas dessas atletas trilhou pra chegar onde estão (tirando algumas excessões como ditas no texto acima), mesmo essas garanto que já ouviram diversas piadinhas e foram diminuidas por sua condição “mulher”. Os eventos estão errados em favorecer as lutadoras belas? Sim e não.
    Pelo ponto de vista que falo acima sim, sem dúvidas. Mas pensando como empresa, o que hoje dá dinheiro? O que vende melhor? O que a grande maioria quer ver?
    É um ponto que duvido que mude tão cedo, a sociedade precisa mudar primeiro, o que infelizmente ainda demora a acontecer!
    O MMA feminino indiscutivelmente tem suas qualidades e méritos, mas não caminha lado a lado, vai ter que correr a passos largos para chegar um dia onde deve estar: Junto.

    • Isabella, essa questão de “oferecer o que o povo quer ver”, por exemplo, tá matando o jornalismo. Isso faz namorada de jogador posando de biquíni virar a notícia mais lida da editoria de esportes. Faz uma advogada gostosa ter mais repercussão do que a CPI que ela participou. Faz qualquer selfie de mulher bonita virar matéria.

      É pra oferecer o que o povo quer ver? É. Isso tem que ter algum tipo de limite? Pra mim, tem.

      PS: eu acho a enorme maioria das lutas femininas no UFC muito empolgantes, embora nem todas sejam disputadas no mais alto grau técnico. Mas tem muita luta estilo pelada masculina também, né?

      • Isabella Kida

        Alexandre, super concordo! Precisa mesmo ter limites, o foco tem que ser o esporte, o talento, e não a aparência física. Se os grandes eventos impusessem este tipo de limite, quem sabe não teriam um outro ganho a longo prazo? A mudança precisa começar em algum lugar, precisa partir de algum deles essa iniciativa, mas com certeza quem comanda essas entidades não tem este pensamento por enquanto.
        Acompanho alguns sites de esportes e outro dia comentava com uns amigos meus a quantidade de matérias sem pé nem cabeça desse tipo que eram postadas nas redes sociais – um milhão de curtidas a mulher do fulano de biquini … mas pq esses veículos de comunicação com tanta credibilidade fazem esse tipo de coisa? Estão misturando as coisas da maneira errada.
        Eu adoro as lutas femininas também, mas vejo que agrando maioria dos homens não tem o mesmo interesse por esses motivos já citados. Tomara que isso mude logo, é importante para o esporte. Acho até válido para ajudar a desmistificar a visão que muitos ainda tem de um esporte somente violento. bis

  • Iasmin

    Infelizmente é uma realidade triste no MMA mundial. Não existe mais a questão do “sexo frágil”, a mulher tem sua autonomia e quando almeja algo vai atrás com toda sua garra e fé!

  • Iasmin Borges

    Infelizmente uma triste realidade no MMA mundial. Fico feliz de ver esse tipo de reportagem pois quase ninguém dedica atenção à um tema tão próximo do MMA feminino. A mulher nas últimas décadas deixou de ser o “Sexo frágil” para o “Sexo forte”, ótimo! Mas ainda não existe o devido respeito, até das próprias mulheres também, pois tem muitas mulheres que se rotulam “fracas” que não podem fazer o mesmo serviço que um homem. Esse tipo de atitude que enfraquece ainda mais o nosso poder igualitário. Meus parabéns Alexandre, admiro muito seu trabalho obrigado!

    • Thiago Marques

      Há vários trabalhos inadequados para a esturra física feminina, nestes as mulheres são exceções.

  • Zeca Bezerra

    A Paige ter estreado com luta da noite enquanto a Técia não aprentemente não interessa ao sensacionalismo do texto, outra coisa que o Prório Renato fala em todo podcast é que o UFC não é instituição de caridade, não tem porque escolher a opção que dê menos lucro, ja tinha percebido que o Alexandre utiliza informações vagas afim de manipula-las a favor do seu discurso (um dos motivos que me fizeram parar de ouvir os programas de àudio que ele participa, uma pena pois o podcast do sexto round não devia nada aos gringos) mas dizer dizer que o públcio homosexual do UFC não é pequeno enquanto diz que o pride tinha público ocidental insignificante soa, no mínimo, malicioso.

  • Heitor Pants

    o bom desses textos é ler os comentários do tipo: “Não sou machista, masss…”

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk galera se passa, chegará o momento que o nível técnico das lutas femininas no MMA estarão de igual, pois como o Alexandre falou é questão de tempo, o MMA masculino tem mais tempo, o feminino tem menos, essa é a única diferença, mas o potencial de ambos é o mesmo.

    • Exatamente. E esse “masssss” é o foda. Não sou machista, mas vou largar um machismo aqui. Não sou racista, mas vou largar um racismo aqui. O “mas” é tipo um salvo-conduto pra nego falar bobagem hahaha

  • Ivan

    Parabéns pelo texto! Expressou muito bem o que vinha me incomodando há tempos, mais ainda com esse novo peso palha.
    Se o UFC realmente passar a casar lutas por beleza em vez de mérito, buscando mais dinheiro, ele acaba como esporte.

    • O pior é que a popularidade do UFC vai aumentar muito se casar cat fights direto.

  • Raphael Pinheiro

    Fantástico texto. E todas as respostas do Alexandre aos contra argumentos toscos foram esclarecedores e não deixaram dúvidas sobre como temos de combater o machismo, no MMA e na sociedade. Parabéns pela iniciativa de escrever sobre um tema atual e relevante de forma proativa, e que continuemos tratando o assunto por aqui – com civilidade e cabeça aberta, pois pelo jeito ainda tem muita gente que prefere sua zona de conforto. Se sempre foi assim, é porque está certo? Não mesmo. Valeu!

    • Conte comigo, Raphael. Não só aqui, como em qualquer frente. É muito fácil pros homens héteros como eu aceitar o machismo. É cômodo. Mas pra mim não é, me incomoda, mesmo sabendo que não me afeta diretamente.

  • Jonas Angelo

    Alexandre Mitus, já disse e repito: Não canso de pagar pau pra ti, Tu é o cara, meu bom! Matou a pau!!!

    Adorei a agenda política. Sabia que tu era diferenciado, mas não sabia que era tanto. Machismo no MMA, no Futebol, na sociedade, são pragas que temos que combater diariamente, e te apoio firmemente nessa causa. Além de textos como esses, precisamos também ter uma frente efetiva nas piadas, nos comentários, e em tudo mais que envolver essa (e outras) forma de preconceito.

    E o que me deixa ainda mais contente: o pessoal nos comentários (em sua ESMAGADORA MAIORIA) matando a pau também! Vocês são demais!!!

    6º Round The Best, sem mais.

    • Obrigado pelas palavras, Jonas. Me sinto muito honrado em ler isso. Você sempre faz comentários excelentes, mesmo quando não concorda comigo. Receber um elogio desse de um cara como você é muito maneiro.

      Eu também fiquei muito feliz de ver que a maioria dos comentários é contra o machismo. E, dentre os que criticam o texto, acho que a maioria deles entra no trecho que eu disse na matéria: o machismo é tão encravado na sociedade que muita gente sequer se dá conta que tá sendo machista.

      Mas é isso, o Sexto Round é um site de colaboradores inteligentes, que escrevem matérias inteligentes e, por isso, atraem leitores inteligentes, com as mais diversas opiniões. Eu tento fazer isso no MMA Brasil, o Renato tenta fazer no Sexto Round e é por isso que tenho tanto orgulho de me sentir em casa aqui também.

  • Diego Parente

    O UFC é uma empresa e, como tal, busca lucros. Estranho seria se perdessem dinheiro em busca de aumentar e/ou diminuir o machismo. Mais prático e viável, seria a lutadora demonstrar sua capacidade e fazer dinheiro tão somente com ela, independente de ser homem ou mulher, como é o caso de Cyborg que, em uma eventual luta contra Rousey, bateria recordes de PPV.

    O ser humano sempre terá preferências, infelizmente, algumas vezes machistas. A respeito das tais preferências, podemos citar o caso de Lesnar, um atleta de WWE que batia recordes de PPV quando estava no UFC, simplesmente porque era um cara grande, enquanto outros lutadores ralavam duro e não chegavam nem perto de seus números.

    Porque não citarmos o “preconceito” que Aldo enfrenta, por ser de uma categoria mais leve? Talvez criticar o fato de Beckham ganhar muito dinheiro fora dos gramados, pelo fato de encaixar-se melhor nos padrões de beleza, em detrimento dos demais jogadores?

    A própria Ronda, era vendida somente como um rosto bonitinho. Hoje, como imbatível, porque provou ser mais do que uma “modelo”.

    Faça a diferença e você sempre terá destaque, independente do que faça.

    • Diego Parente

      Quanto ao “Ronda Rousey é tão boa que parece um homem.”, sinceramente, não consigo enxergar preconceito. Explico:

      Os homens sempre lutaram (lembra do Coliseu?). Já as mulheres, oficialmente, não, logo, a chance de um homem se dar melhor em uma luta (além da questão hormonal), é bem maior, então, é bem plausível tal comentário, inclusive.

      Coloque um homem para lutar com uma mulher, ambos com o mesmo peso e forma física. Provavelmente o homem vencerá. Não é preconceito, mas fato, logo, vejo isso tão somente como um elogio.

      Seria até mais óbvio que dizer que “Fulano é melhor que uma mulher na cozinha”, já que atuar na cozinha exige tão somente prática, ao passo que arte marcial envolve também a questão hormonal, tendo em vista que a testosterona dá força ao atleta.

      • Jonas Angelo

        Biologismo para explicar o social? Fraco.

        1º Cara, por elogio entendo “comparar alguém à alguém melhor, e dizer que está semelhante à esse outro melhor”, logo dizer que Rousey parece um homem lutando, é dizer que o homem luta melhor que ela (o que nem de longe é verídico) e que ela está no nível de um homem, e isso pra mim não soa como elogio, e sim menosprezo não somente à ela, mas à todas as mulheres, pois se trata de gênero e não de categoria profissional.

        2º “Fulano é melhor que uma mulher na cozinha”? Cara, aqui você deixou de maquiar o machismo e já praticou ele, sem mais.

        • Diego Parente

          Jonas, a sua resposta foi basicamente a mesma do Alexandre, então, vou colar o texto que escrevi a ele. Espero que não entenda como arrogância pois, de fato, não é. Apenas creio que o texto abranja sua réplica.

          “Alexandre, há profissões que são mais ligadas aos homens, outras, às mulheres.

          Os homens sempre foram ligados à força, já as mulheres, aos afazeres domésticos, tendo em vista que, antigamente, os homens guerreavam, enquanto as mulheres cuidavam da casa e das crianças. Depois dessa época, os homens trabalhavam e as mulheres continuavam a cuidar das crianças.

          Não significa que um seja melhor que outro em ato A ou B, mas que um, por geralmente fazer algo ligado a isto desde a infância, possui mais prática.

          No caso da cozinha, a chance disso diminuir é grande, pois antes, só o homem trabalhava, já hoje, a mulher também trabalha, logo, a tendência é dividirem os afazeres ou comparem alimentação pronta.

          Já no caso de artes marciais, o homem sempre levará vantagem em virtude da testosterona. Se uma mulher se dedica como Rousey, a vantagem some, mas cito pessoas em condições equivalentes de aprendizado e no mesmo peso. Facilmente um homem levaria vantagem, devido a força.

          Essa questão do tal machismo eu vejo mais como um pré-conceito, tanto é que já há mulheres ganhando mais do que homens, tornando-se CEOs etc. Como as mulheres estão a menos tempo atuando no mercado, a tendência é achar que os homens são melhores. A partir do momento em que ela prova ser tão boa ou até mais do que homem X ou Y, terá sua recompensa.

          Seria o mesmo que eu chegar em uma loja de artigos femininos buscando uma vaga para vendedor. Teoricamente, eu não saberia de nada, já que nem mulher eu sou, então não possuo experiência alguma com os atuais artigos, mas no dia a dia, posso provar que, apesar de não utilizar os itens, consigo vender melhor do que uma mulher, seja porque analisei o produto, ou por causa de cursos de vendas, mas a priori, tanto o lojista quanto a cliente, me olharão torto, rs.

          A vida é feita de pré-conceito, na verdade. Eu, por ser nordestino, posso ser muitas vezes visto como alguém com menor conhecimento do que um indivíduo do Sudeste, por exemplo, mas tenho o benefício do tempo para provar que posso ser tão bom ou melhor do que indivíduo X ou Y.

          Essa pré-avaliação existe em todas as áreas, nos mais diversos aspectos. No caso das lutas, por mais que as mulheres evoluam no octagon (questão de tempo, pois mais e mais mulheres passarão a lutar, aumentando a concorrência e, consequentemente, o nível ), as pessoas passarão a encarar a luta com mais normalidade, pois será algo comum, mas sempre teremos a diferença hormonal.”

      • “Fulano é melhor que uma mulher na cozinha” também é de um machismo abjeto, porque parte do pressuposto que lugar de mulher é na cozinha e do homem, na rua provendo o sustento financeiro da casa. Isso é abjeto.

        • Diego Parente

          Alexandre, há profissões que são mais ligadas aos homens, outras, às mulheres.

          Os homens sempre foram ligados à força, já as mulheres, aos afazeres domésticos, tendo em vista que, antigamente, os homens guerreavam, enquanto as mulheres cuidavam da casa e das crianças. Depois dessa época, os homens trabalhavam e as mulheres continuavam a cuidar das crianças.

          Não significa que um seja melhor que outro em ato A ou B, mas que um, por geralmente fazer algo ligado a isto desde a infância, possui mais prática.

          No caso da cozinha, a chance disso diminuir é grande, pois antes, só o homem trabalhava, já hoje, a mulher também trabalha, logo, a tendência é dividirem os afazeres ou comparem alimentação pronta.

          Já no caso de artes marciais, o homem sempre levará vantagem em virtude da testosterona. Se uma mulher se dedica como Rousey, a vantagem some, mas cito pessoas em condições equivalentes de aprendizado e no mesmo peso. Facilmente um homem levaria vantagem, devido a força.

          Essa questão do tal machismo eu vejo mais como um pré-conceito, tanto é que já há mulheres ganhando mais do que homens, tornando-se CEOs etc. Como as mulheres estão a menos tempo atuando no mercado, a tendência é achar que os homens são melhores. A partir do momento em que ela prova ser tão boa ou até mais do que homem X ou Y, terá sua recompensa.

          Seria o mesmo que eu chegar em uma loja de artigos femininos buscando uma vaga para vendedor. Teoricamente, eu não saberia de nada, já que nem mulher eu sou, então não possuo experiência alguma com os atuais artigos, mas no dia a dia, posso provar que, apesar de não utilizar os itens, consigo vender melhor do que uma mulher, seja porque analisei o produto, ou por causa de cursos de vendas, mas a priori, tanto o lojista quanto a cliente, me olharão torto, rs.

          A vida é feita de pré-conceito, na verdade. Eu, por ser nordestino, posso ser muitas vezes visto como alguém com menor conhecimento do que um indivíduo do Sudeste, por exemplo, mas tenho o benefício do tempo para provar que posso ser tão bom ou melhor do que indivíduo X ou Y.

          Essa pré-avaliação existe em todas as áreas, nos mais diversos aspectos. No caso das lutas, por mais que as mulheres evoluam no octagon (questão de tempo, pois mais e mais mulheres passarão a lutar, aumentando a concorrência e, consequentemente, o nível ), as pessoas passarão a encarar a luta com mais normalidade, pois será algo comum, mas sempre teremos a diferença hormonal.

    • Jonas Angelo

      Comparar Lesnar e Aldo como o machismo enquanto “preferências” é maquiar a profundidade do negócio e torná-lo raso. Exemplos bem desconexos.

      • Diego Parente

        Eu prefiro ver lutas de trocação entre homens do que entre mulheres, embora goste das lutas de Rousey, talvez justamente porque suas técnicas são mais ligadas à luta de chão. Não consigo me sentir bem vendo uma mulher apanhando.

        Isso é machismo? Vejo como uma preferência minha e, por mais que você insista em dizer que isto é machismo, o UFC continua a não ter obrigação alguma de gastar seu dinheiro com isso.

  • Paulo Melo

    Acho muito difícil acabar com o machismo ( porém o mesmo pode ser minimizado ) , pq ele parte dos 2 lados , tanto do homem quanto da mulher , no caso do machismo no MMA , isso vale também .
    Acredito que ainda o UFC não está fazendo nenhum absurdo no casamento das lutas femininas e/ou colocação das mesmas em Main Card , a ponto se ser taxado de machista , visto que presenciamos algumas lutas péssimas e/ou de atletas sem tanta expressão em Main Cards de UFC numerados .
    A categoria palha feminina não possuiu tantas opções para desafiantes , assim como o mosca masculino , obviamente pra a campeã Joanna Jehvgilgblcxcb não ficar parada , alguma lutadora sem grande sequência de vitórias vai ser escalada para enfrentá-la …
    Concordo que os méritos tem que ser esportivos e não físicos , porém não acho que o UFC está levando tanto por esse lado , claro que tem uma tendência ( assim como lutador “linguarudo” furar fila de cinturão e tudo mais ) mas nada muito exagerado .
    O UFC visa seus lucros e se beleza/carisma/trash-talking/fama render lucros , ele vão explorar
    Como eu digo , as pessoas não gostam de esporte e sim de “contextos” , “o que fala mal do Brasil vai lutar” , “as loiras lindas vão lutar” isso dá audiência…
    O machismo existe , deve ser combatido claro ! Porém não creio que no UFC estamos lidando com um caso extremo disso .

    • Jonas Angelo

      Paulo, se extremo ou não, o mais importante disso é a reflexão, não jogar pra debaixo do tapete, essa é a fita.

      • Paulo Melo

        Concordo com a reflexão sim , mas do jeito que o texto foi escrito me passou essa sensação de que “a coisa tá feia” em relação ao machismo , o que não concordo , mas como dizem , opiniões diferente formam o debate hehe

        • Jonas Angelo

          Entendo. Mas pra mim a coisa está feia sim. Já esteve pior, pois ver um cara num site de MMA escrever à respeito e outros tantos debater sobre já é um puta avanço. Abçs.

          • Paulo Melo

            Acho normal , é um tema polêmico , por ser assim claro que seria falado em um site de MMA .
            Acharia que “a coisa tá feia” caso houvesse algum garfo monstruoso num resultado de uma luta ou uma pulada de fila grande numa disputa de cinturão devido à beleza das atletas (sabemos que atletas pularam fila de title shot na base doo trash talking ), por isso defendo minha opinião de ainda não enfrentamos casos extremos, porém concordo com vc que vale a reflexão , só que mais pelo lado preventivo para que isso não aconteça

          • Se a Tecia ganhar da Angela Hill e a vencedora de Herrig-VanZant disputar o cinturão, não estaria configurada uma furada de fila?

          • Paulo Melo

            Pra mim não …
            A Joanna campeã lutou em março , as duas loiras lutam agora em abril e a Tecia só em Junho …
            O “timing” favorece a disputa de cinta da campeã com a vencedora de sábado … claro que entendo quem pensa diferente , mas não acho que houve machismo ai
            Sei que não tem muito a ver , mas cito pra exemplificar :
            Achei o Ttitle Shot pro Melendez injusto contra o Pettis , ele perdeu pro Bendo ( uns dizem que garfado ) e depois voltou a disputar a cinta …
            Citei o exemplo pra explicar que apenas acho que nos 2 casos a questão pode ser vista como critério e não machismo e/ou outro motivo , mas que num desempate de critérios, o UFC vê o que vende mais

          • Cara, Melendez era um campeão dominante no Strikeforce, o mais dominante da história da organização. Era um cara tido por muita gente como #1 do peso no mundo antes da fusão. Era natural que ele tivesse alguma moral.

            Herrig e VanZant não fizeram nada ainda no MMA. Não tem como comparar, infelizmente.

          • Paulo Melo

            A comparação foi de situação , não “quem merece mais” , foi só pra dizer que não acho que está acontecendo algum protecionismo …
            A Categoria é recente , não tem como muitas atletas terem feito algo relevante no MMA

          • A categoria é recente, não tem como muitas atletas terem feito algo relevante, mas a Tecia está invicta e venceu a Herrig e a VanZant.

          • Paulo Melo

            Sim claro , mas mesmo assim faz 2 anos e em outro evento e numa categoria recente 2 anos é muito tempo …
            Entendo seu ponto de vista quanto ao Title Shot , mas não acho injusto ele não ir pra a Tecia ( por enquanto ) , e , acredito que a Tecia será a próxima da fila caso vença

          • Carlos Montalvão

            Tecia Torres tem uma bela bagagem tendo vencido Rose Namajunas, Paige VanZant, Felice Herrig, Bec Rawlings e Angela Magana (isso deve ser 1/4 da divisão já haha)

            Mas o que pesa contra é ela ter vencido TODAS essas lutas por decisão…

          • Carlos Montalvão

            Sugeri isso no podcast

            Joanna Jedrzejczyk x Marina Moroz

            Jessica Penne x Felice Herrig/Paige VanZant pelo próximo title shot (Juliana Lima NUNCA venceria a Penne do jeito que vem lutando no UFC)

            “Ahh mas a Marina só lutou uma vez”, TODAVIA, chegou chegando, finalizou a potencial contender ao TS e ainda intimou a campeã tirando ela pra loke (veja bem, a Aleksandra mencionou o TS mas disse que queria fazer mais uma ou duas lutas antes, já a Moroz chegou na voadora com os dois pés). Eu acho que o timing favorece ela por que a PVZ é bem mais crua Herrig e muito mais que a ucraniana. Pelo menos essa luta empolgaria mais a Joanna do que uma luta contra a Felice (mesmo essa última vendendo mais pela imagem do que pela história)

          • Paulo Melo

            Legal tb essas idéias que vc deu !
            Joanna e Maryna são européias seria interessante

          • Carlos Montalvão

            E já rolou a intimada de forma McGregor hehe

        • A coisa tá feia sim, cara. Eu sou homem heterossexual, então o machismo não me afeta (na teoria). Mas o lado prejudicado na história não é o meu. É como um branco dizer que não há racismo no Brasil (eu já vi um monte, inclusive amigos meus, dizendo).

      • Isso, a parada é refletir. Dei minha opinião sobre o assunto e cada um tá dando a sua, concordando ou não. Mas não é um assunto pra se varrer pra baixo do tapete porque o negócio é sério.

    • O machismo acontece mesmo dos dois lados (entre homens e mulheres). A sociedade é machista e as pessoas (homens e mulheres) são criadas sob essa ótica. O negócio é tão entranhado que muita gente fala bobagens e não tem ideia de quão machista está sendo.

      O caso da Tecia Torres é muito representativo. Ela ganhou da Herrig e da VanZant, está invicta oficialmente, mas provavelmente vai ver o title shot ir pra vencedora do duelo das gatas.

      • Paulo Melo

        Mas se a PVZ vencer terá 2 vitórias seguidas no UFC ( assim como se a Felice vencer terá 2 ), a Tecia bateu as 2 no Invicta , a “justificativa” do UFC seria muito fácil de ser dada caso rolasse title shot pra uma das 2 ( sequência de 2 vitórias no evento ) …
        E a PVZ fez luta da noite …
        Por isso não acho esse absurdo a Tecia ficar sem o Title Shot

        • Se a Tecia ganhar da Angela Hill (no mês seguinte), também terá 2-0 no UFC. E aí?

          • Carlos Montalvão

            Vai ter que botar a campeã de férias estendidas então haha, porque logo vai ser todo mundo 2-0/0-2/1-1/2-1(olha alguma coisa a favor da Gadelha e Ju Thai, Esparza nem vale citar porque foi massacrada)1-2, isso se não rolar No Contests e empates rs

          • Gadelha tem a favor dela o fato de a derrota pra Joanna ter sido controversa.

  • Jubiru

    Mais ou menos.
    O bonito da mulher é o seu lado feminino, mas o que deveriam fazer ou não é escolha delas. Cada um tem uma opinião e tem o direito de ser respeitado independente da sua escolha.
    Minha opinião: Fisicamente somos diferentes e isto é um fato! Continuo achando que o MMA deveria ser só pra homens, pois não gosto de ver uma mulher apanhando. Fui criado assim: “Em mulher não se bate nem com uma flor.”

    • Fisicamente somos diferentes, isso é um fato. Por isso que mulher não deve lutar contra homem.

      Também acho que um homem não deve bater numa mulher sob nenhuma hipótese. Porém, um esporte profissional, onde mulheres disputam contra mulheres de peso semelhante, isso não cabe.

  • Gefferson Nesta

    Cara, eu DA CATEGORIA Macho Alpha, Mostro, Ogro não vejo graça nenhuma nas ring girls estrangeiras, definitivamente não se encaixam no meu gosto. Já as do XFC são gostosas demais! As Ring Girls brasileiras é do tipo eu pego e não cobro nada!!! hehehehheheheh… No MMA masculino a beleza e substimada, mas todos sabemos que tem seu valor, ou seja quantas perguntas não foram feitas e refeitas ao Machida e ao Luke a respeito de ser um duelo e galãs? Se um lutador unir talento e beleza certamente terá uma vantagem sobre outros lutadores, pois além de talento os patrocinadores buscam atletas que possam ser garotos propagandas de suas marcar e cá entre nos a Beleza conta e Muito.

    • Paulo Melo

      Falaram tanto das Ring Girls do XFC , fui fussar lá …
      OMG !!!! Aiiiii sim !

      • Olha a página X-Girls no Facebook. Negócio ali é sério hahaha

        • Paulo Melo

          Que isso Alexandre ? kkkkkkkkkk

          • São as ring girls do XFC.

          • Paulo Melo

            I know … I know … rs

          • Pra deixar claro: eu sou heterossexual, adoro mulher e acho as X-Girls gostosas pra caralho. Dito isso, não mudo uma letra do texto.

          • Paulo Melo

            Gosto é gosto … e eu concordo 100 % com vc hehe

          • Gefferson Nesta

            Paulo e Alexandre, ali eu não cobro nada! Hehhehehe

    • Thiago Marques

      A beleza faz parte da estrutura da realidade, exerce forte atracão sobre a sensibilidade humana, por isso qualquer evento de entretenimento se puder fará uso e abuso da mesma. Alguém aqui acredita que beleza vence luta de MMA? A beleza ajuda na promoção, mas quando a porta do octógono se fecha é a lei da selva!

      • Gefferson Nesta

        Concordo!

  • Thiago Rocha

    Alexandre, seu ponto de vista é bastante interessante.
    Mas, fazendo o papel do advogado do diabo, lanço apenas a questão de que a pitbull foi escalada para desafiar a Ronda.
    A Bethe, ao meu ver, não é a competidora mais bonita do UFC, mas conseguiu vender seu peixe Baseada numa conjuntura que se mostrou bastante favorável.
    Primeiro, pelo fato da Ronda poder lutar em um mercado de grande importância ao evento, o Brasil, e onde ela não é tão hostilizada quanto foi nos EUA depois da má impressão que ela deixou quando capitaneou o TUF com a Tate.

    Muitos acreditam que a pitbul não merecesse esta chance (eu também, pelo menos ainda não – analizo ela ainda muito crua para a tarefa), mas o potencial de retorno em $$ pesou mais do que o apelo estético da contender.
    De bobo, o Dana não tem nada, e ele sempre vai enveredar pro caminho que for potencialmente mais lucrativo ao evento

    • Thiagão, além de ter uma galera grande que acha a Bethe gata/gostosa, ela vai lutar com a maior musa do esporte atual.

      Em momento algum eu disse que apenas as lutadoras bonitas terão chance, é bom deixar isso claro. A Bethe é uma prova disso. Ela conseguiu muito por um caminho parecido com o do Conor McGregor (provoca, mexe com o campeão, mas faz seu papel ganhando suas lutas).

    • Carlos Montalvão

      Eu discordo que ela não mereça mas concordo que tá crua, só que simplesmente não existe mais ninguém pra disputar a cinta, olha o cartel atual das minas ali no UFC, tirando a Tate com 3 vitórias seguidas (se tudo der certo, 4, em Julho), o resto vem de 1 vitória só ou derrota, só a Bethe emplacou uma sequencia além da Tate (que ainda tá cedo pra fazer a parte 3 contra a Ronda). Zingano-derrota, Davis-Derrota, McMann-Derrota, Kaufman-1 vitória, Eye-1 vitória, Holm-1 vitória, Nunes-1 vitória, Carmouche 1-vitória. Marion Reneau vem de 2 e poderia ser a segundo opção já que tá sem luta marcada, caso a Bethe se lesione. Mas só. Não tem pra onde correr, tá igual o peso-mosca/pena

  • Felipe Justo

    Caro Alexandre é a primeira vez que comento aqui (dada a polêmica do texto, fiquei com vontade).

    Concordo com você, mas o único adendo (ou crítica, não sei bem como encaixar) que faço é que não podemos ver o caso como “machismo no MMA”. O machismo é enraizado na sociedade, então ele aparecerá no futebol, no MMA, no valor do salário, nos cargos de chefia menos ocupados por mulheres, etc… Então o “machismo no MMA” nada mais é que um reflexo do real problema, machismo na sociedade. Só poderiamos falar de machismo no MMA se este fosse o único (ou pontual) local da sociedade onde há machismo, o que não é o caso, dada a generalidade do problema.

    Mal comparando, de igual forma tratam a violência nos estádios de futebol: não são os estádios que são violentos, toda a sociedade está violenta, ruas, favelas, bailes, etc… Então o problema é a sociedade violenta em si… O futebol e sua violência é um reflexo dela.

    Porém, ressalvo que a beleza sempre será um plus, uma qualidade para um profissional que trabalha com público, seja lutadora, lutador, apresentador, secretária, etc, então não podemos ser radicais ao extremo e falar que não deve haver um peso pela boa aparência (o que não se confunde com machismo, dai meu apoio a sua posição)

    Forte abraço

    • Seu adendo só aconteceu por falta de espaço no layout do site pro título. Entenda o título como “O machismo, um mal da sociedade, afetando o MMA”

      • Felipe Justo

        Haha então fala com o webmaster pra consertar isso 😉

  • Chico Guazzelli

    Parabéns Alexandre pela iniciativa do texto, próprio texto e da discussão que proporciona. E claro ao Sexto Round e o Renato por incentivar e proporcionar essa discussão. Gostei muito de ler tanto como jornalista esportivo e fã de mma. Abração

    • Valeu, Chico. Acho que o debate serviu pra esclarecer alguns pontos.

  • Maxsupremo

    Concordo com algumas coisas do texto e discordo de algumas: tipo vitimizar essas garotas que usam sua beleza para se promover, As Ring Girls não são vítimas de uma sociedade machista e chauvinistas, não estão sendo exploradas e estão ali porque querem, e tem muitas,muitas outras que dariam tudo para estarem ali.

    As lutadoras bonitas e sensuais não causam efeitos só no público masculino,Mas no feminino também, por exemplo: quem nunca viu uma amiga/colega de trabalho/familiar falar mal das lutadoras,dizer que são feias/masculinizadas/brutamontes e etc? Esses ensaios sensuais mostram para algumas mulheres que é possível ser bonita/feminina mesmo lutando, Pois é,quando mostro uma foto ou video da Rousey escuto de algumas mulheres coisa como: “ela é bonita né”? em um “ar de surpresa”.

    Por outro lado reconheço que faltam mais lutas femininas nos cards principais,Você praticamente não tem lutas femininas de Main Event sem ser disputa de cinturão, Pra mim Tecia Torres vs Angela Hill é uma luta bem foda que poderia ser co main ou main event de algum card sem ppv.

    • O texto não disse que as ring girls estão sendo exploradas ou não estão ali por livre arbítrio. Não há vitimização. Elas estão se beneficiando de uma sociedade machista.

      As lutadoras bonitas/sensuais podem fazer esse trabalho, sim. Sem problema. O problema é ganhar title shot por causa disso.

      • Maxsupremo

        Mas então… quem até agora ganhou TS só por ser bonita? Até a Miesha teve mérito, pois apesar de ter perdido pra Zingano, era Ex-Champ do Strikeforce e fazia sentido uma revanche (talvez não naquele momento) mas fazia sentido, Não acho que a Van Zant vai ganhar ts se vencer,seria bem esdrúxulo isso, sendo que tem Gadelha e Jessica Penne na frente.

      • Thiago Marques

        Agora apreciar a beleza feminina também é machismo? Uauauauaua…, vou dormir com essa!

    • Thiago Marques

      O Raleck disse que as lutas femininas não atraem o publico, por isso o baixo número delas no Metamoris.

  • Welington Silva

    Cara, esse texto é a cara do Sexto Round e a demonstra muito bem o seu compromisso ético e profissional Alexandre. Meus parabéns pela palavras! Acho importante que além de comprarmos PPV, acompanharmos eventos e material relacionado, apenas debatendo através de veículos sérios e engajados como o sexto round é que poderemos, mesmo que aos poucos, transformar a realidade do esporte que tanto gostamos. Novamente: mil vezes parabéns!

    PS: tenho várias reflexões sobre o estado técnico do MMA feminino e acho que tu aponta através da tua análise algumas das grandes barreiras para que o mesmo tenho uma progressão real no aspecto técnico e não apenas no aspecto bisness!

    • Eu sou um grande fã de lutas femininas. Não tem tempo ruim, são lutas disputadas num nível muito forte.

  • Willian Oliveira

    O feminismo fez um excelente trabalho com sua lavagem cerebral, hoje em dia tudo é machismo. Claro, o homem sentir orgulho de suas características biológicas ou social faz dele machista, já a mulher se orgulhar de suas características biológicas ou social é algo lindo e maravilhoso. Entendam, a sociedade evoluiu de acordo com as características biológicas de cada um, homens e mulheres sempre foram diferentes dos pés a cabeça; cada um desempenhou o seu papel o qual nos fez chegar até aqui. Ao que parece, o povo analisa a sociedade como se ela sempre fosse exatamente nessas condições que nos encontramos: com todo o conhecimento e tecnologia avançada que possuímos.

    Se alguma parcela das mulheres querem praticar algo que o homem inventou e batalhou para que desse certo, ótimo, mas aí querer que seja considerado tão bom quanto o masculino no caso do mma é ridículo; a capacidade física de ambos: força, explosão, velocidade, é completamente diferente, a das mulheres é sim bem inferior, isso não é machismo é a REALIDADE. É muito difícil eu ver alguma mulher striker que me agrade, elas são boas na luta agarrada. Não que a luta agarrada seja ruim, mas para grande parte do público é o que é de mais chato de se assistir. Um outro fato, as mulheres SEMPRE foram protegidas na sociedade: “mulheres e crianças primeiro”, e sempre se destacaram por conta de sua beleza, muitos homens comem nas suas mãos por conta de sua beleza, ao contrário da mulher que se interessa mais pelo status que o homem possui. Agora quer que de uma hora pra outra isso mude? E por que isso tem que mudar? Por que é que elas têm que ser iguais aos homens? Eu concordo que cada um segue o que bem entender, mas é preciso tomar cuidado com essa de “igualdade” entre os sexos sendo que não fomos e não somos iguais. É por conta dessa diferença que tratamos mulheres de maneira menos ríspida do que tratamos outro homem, ou pelo fato de não socarmos a cara de alguma mulher que nos ofende e nos tira do sério (não que eu saia socando a cara dos outros por qualquer motivo, mas é uma possibilidade se aquele que ofende é um homem).

    Eu não gosto do mma feminino, elas são sim inferiores fisicamente, isso é realidade, pare com esse politicamente correto feminista e admita logo de uma vez isso. Mas também não vejo problema para quem quiser acompanhar. Uma outra opinião minha que não tem relação com o fato de eu não gostar do mma feminino, é que as lutadoras de mma possuem um físico masculinizado, eu acho isso horrível, gosto de mulheres femininas e não masculinas, essa é uma opinião realista e não machista; mas volto a afirmar que não é o principal motivo por eu não gostar do mma feminino, já mencionei mais de uma vez o motivo: capacidade física.

    • Thiago Marques

      Machista e louco era Froid, segundo o qual a mulher tinha inveja do pênis! Kkkk…

  • Willian Oliveira

    Para aqueles que acham que a sociedade é machista, e adora usar desse termo: “é machismo isso machismo aquilo”. Deem uma olhada nesse site que desmantela todos os “argumentos” feministas: http://br.avoiceformen.com/

    • A Voice For Men, cara? Sério?

      • Willian Oliveira

        E por que não? Se você possui argumentos que vão de encontro com aquilo que eles postam, é só expo-los por lá. O fato é que poucos sabem o que eles abordam. O movimento feminista é sexista e vive de falácias e manipulação; está na grande mídia, está instalado no governo, recebe muito dinheiro de fundações como a Ford, atinge as escolas; você nunca viu uma matéria televisiva que conteste o movimento feminista. Ao menos leia o que eles falam, se você possui provas contra aquilo que eles dizem, beleza, mas não aceitar e dizer simplesmente que são machistas sem nada verdadeiro que sustente isso, é pura canalhice sua.

        • Melhor não. Passo longe de sites como esse. Ainda assim, obrigado pelo convite.

          • Thiago Marques

            Olha a discriminação aí! Kkkk…

          • Eu não preciso ver o ponto de vista do opressor. Não preciso de A Voice For Men, Orgulho de Ser Hétero, 100% Branco ou coisa do tipo.

          • Thiago Marques

            O homem moderno é o vulgo barriga branca, a mulher manda e desmanda! 😀

          • Willian Oliveira

            Esse Alexandre não busca a verdade, ele simplesmente segue cegamente o que o movimento feminista propaga, caso contrário, não teria medo de ler o que vai de encontro ao que ele acredita, pois se ele tem tanta certeza de que o que ele acredita é incontestável e que não há fatos que provem o contrário, buscaria ler o site que indiquei sem problemas. Mas ele representa bem o alienado feminista da sociedade atual.

          • Thiago Marques

            O Alexandre, na versão sociólogo, calado é um poeta! Agora, o cara é fera quando o assunto é MMA. Cada macaco [sem racismo!] no seu galho! 😀

          • Vlw flws

          • Baixa a bola aí, fera. Quem disse que a sua visão é a verdade? Ela é a verdade dentro do que você acredita ser.

          • Willian Oliveira

            “Baixar a bola”, rsrsrs. Eu não disse que a minha visão é a verdade máxima, “fera”. Não sabe interpretar texto? Lamentável, pois não vou explicar o que está nítido no meu comentário.

          • Thiago Marques

            “Um terceiro método de prevenir a discussão é a tática da “classificação”. O falante se evade do ponto em questão, afirmando que a argumentação do seu opositor pode ser classificada como resultado duma posição definida – seja de natureza política, religiosa ou teorética. E uma vez que uma argumentação tenha sido classificada como relacionada a uma posição, pode ser considerada como demolida, já que a posição atribuída a ela sempre é selecionada com um intento pejorativo.” – Eric Voegelin, Anamnese, pág. 386.

          • Thiago Marques

            Freud diria que “opressor é o meu pênis”! 😀

          • Talvez um pouco de educação seja legal. Só talvez.

          • Thiago Marques

            Desculpe a grosseria, mas segue abaixo algo mais apetecível.

            “Um terceiro método de prevenir a discussão é a tática da “classificação”. O falante se evade do ponto em questão, afirmando que a argumentação do seu opositor pode ser classificada como resultado duma posição definida – seja de natureza política, religiosa ou teorética. E uma vez que uma argumentação tenha sido classificada como relacionada a uma posição, pode ser considerada como demolida, já que a posição atribuída a ela sempre é selecionada com um intento pejorativo.” – Eric Voegelin, Anamnese, pág. 386.

  • Daniel Felipe

    Ótimo Texto Alexandre, Gosto muito do MMA feminino tá evoluindo bastante! Chama atenção tanto pela expectativa dá luta quanto pelas belas moças, tenho sempre asiedade de assistir pq a cada evento elas estão sempre melhorando a técnica!!
    Parabéns pelo Texto faça mais desse tipo!!! Abrass.

  • Lero

    Acho a beleza como fator para escolher Title shot algo tosco, mas também acredito que é igual de tosco dar um TS para o Conor antes do Frankie Edgar ou a Nick Diaz contra GSP ou Chael Sonnen contra JJ depois de derrotas. Convenhamos que Nick, Conor e Chael fazem um papel parecido a musas no MMA. Acho também hipócrita da ronda falar contra as ring girls e depois aparecer na SI pelada.
    Agora, Não vejo nada de ruim em ter ring girls, eu gosto das lutas mas também gosto de olhar a bunda da Camila e a bundinha da Arianny. Mas se não tivesse as garotas essas andando pelo octógono eu assistiria também. É um Plus interessante para mim como consumidor. Pode me chamar de machista.
    Se tivesse o Rockhold ou o Thomson ou até Roy Nelson desfilando de sunga eu até acharia engraçado. Não tenho nada contra, e se fosse algo que atraísse mais mulheres ou homens homo-bissexuais e ajude o crescimento da popularização do MMA, eles deveriam fazer.

    • Sim, title shot pra trash talk é tosco também. Mas os dois casos (machismo e provocação) movimentam comercialmente a parada.

  • LucasHawk

    Bom, primeiramente ótimo texto Alexandre, padrão “Sexto Round” de qualidade.

    Porém discordo com praticamente tudo. Lembro da declaração do Fedor e não mudaria uma vírgula no que a lenda disse. Não pelo fato de ser o russo, sim por representar bem minha opinião. Lembro que quando ele falou isso alguns amigos meus também concordaram.

    Que a Ronda é uma excelente lutadora é algo indiscutível, mas eu não acho que o MMA, Boxe e até mesmo o Jiu Jitsu sejam esportes femininos.

    Se uma mulher quiser praticar um Muay Thai pra manter a forma beleza, mas a nível competitivo EU não acho legal. Opinião pessoal.

    Agora questões como a ring girl receber mais que um lutador concordo que é algo absurdo, uma lutadora não deveria receber uma luta pq é bonita e essas coisas. Nessa parte concordo com o texto.

    Abrass

    • Thiago Marques

      Lucas, salário é um preço como qualquer outro e como tal sua determinação é subjetiva, ou seja, se uma ring girl ganha mais acredite que ela merece, o motivo é o mesmo pelo qual um jogador de futebol ganha mais que um juiz e que ambos ganham menos que um CEO duma multinacional como a Apple.

    • É porque você é machista também, fera. Muita gente é sem sequer se dar conta disso. Não sei se você é machista e não se dá conta ou se tem noção que é machista, mas o fato é que você é, pelo menos em relação a esse comentário.

      Abraço!

      • LucasHawk

        Então, eu já ouvi que eu sou machista mas não gosto de ser classificado por essa palavra que tem uma conotação negativa.

        Eu tenho alguns pensamentos retógrados como essa mesmo de que mulheres não devem lutar. Porém nunca deixei de respeitar, não vejo mulheres como objetos e nem dou cantadas escrotas tipo pedreiros numa obra. Ás vezes vejo esse tipo de comportamento com machista.

        Interessante depois de ler o seu texto foi acompanhar os comentários mais curtidos na fotos do UFC sobre a “cat figths”. Todos com duplo sentido.

        Abrass

        • Você tem alguns pensamentos machistas, apesar de ser respeitador. Cantada na rua e objetificação são coisas bizarras, ainda bem que você não faz. Mas achar que mulher não deve lutar é machismo também. Mulher faz o que ela acha que deve fazer, saca?

  • Junior

    Ótimo texto, mas ainda prefiro ver as ring girls e o dia que colocarem homens no intervalo de lutas, vou primeiro vomitar e segundo mudar de canal, e não critico se as mulheres façam isso com as ring girls, e Camila e a Jhenny são lindas. abraço

  • Bem, eu não sei se estou certo nesse texto, mas pelo menos estou em ótima companhia, como a do Ben Fowlkes:

    http://mmajunkie.com/2015/04/fellow-fighters-ufcs-paige-vanzant-is-clearly-marketable-up-to-a-point

    “In short, while VanZant may very well turn out to be a fantastic fighter deserving of big endorsement deals and network TV exposure, she hasn’t made that case yet.

    This is not lost on her peers. Other female fighters, especially ones who have been at this for a while? They see the two pretty blonde girls on the UFC on FOX 15 poster and they know what the score is.

    “I think it’s pretty obvious what’s going on,” Invicta FC bantamweight Tonya Evinger (14-6) told MMAjunkie. “They’re selling sex”.”

  • Kellen Sobral

    Alexandre, o que fazer além de agradecer por vc ter escrito isso ? O mundo precisa de mais gente lúcida como vc. Muito obrigada.

  • carlos eduardo

    sabe qual é o problema????? os benditos hormonios, mas a discussao em altissimo nível neste site. Repensar posicoes, mudar de idéia que isso irmao, estamos a Suiça!!??? Parabéns Alexandre e confesso que comecei a ler só por causa da foto da ROusei!!!!

  • Zaqueu Lobato Sepulveda

    Nada a ver essa de dizerem por aí que as mulheres não devem participar das lutas, pois são as mulheres que fazem o MMA valer a pena, só vejo lutas de mulheres, que graça tem ver dois homens se agarrando em um Ring? A não ser que você goste, não tenho nada contra né, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…

    Z.L.S.

  • Bernardo Oliveira
Tags: , , , ,
Instagram