Burt: quando os berros se calam nos bastidores

Lucas Rezende | 04/03/2015 às 15:02

Por 14 anos, lutadores, jornalistas, fãs e funcionários do UFC estiveram acostumados a ouvir gritos roucos ecoando pelos bastidores de todos os eventos.

Frases de efeito, motivacionais, verdadeiros bordões carimbados na memória de todos que amam o esporte.

Após 14 anos incríveis, decidi sair de cena. Obrigado Dana White, Lorenzo Fertitta e Donna Marcolini“, publicou, sucintamente, em seu Twitter.

Animando as pesagens

Animando as pesagens

“We rolling!”, “This is what we do!” são apenas algumas das marcas registradas de Burt Watson, um dos maiores ícones do UFC que, após tanto tempo de dedicação, decidiu aquietar sua voz.

É um tanto engraçado. Conhecemos Burt por sua energia incansável e enorme carisma, porém muitas vezes nos esquecemos que essa figura também representa um dos pilares mais importantes onde essa empresa bilionária se sustenta.

Gerente de produção, Burt era o maestro anônimo, regendo todos os arranjos necessários para que os lutadores não tivessem de se preocupar com mais nada a não ser lutar e bater o peso.

Logística, horários, reservas em hotéis, transporte, materiais, vestiários e muito mais. Não é à toa que Joe Rogan o apelidou de “Babá das Estrelas”.

E todos sabemos como é árduo tomar conta dos outros. Ainda mais numa escala como essas.

Energizando o World MMA Awards

Energizando o World MMA Awards

Apesar da incerteza de sua repentina aposentadoria – especulada tanto por ter sido causada por um desentendimento com superior durante o UFC 184 quanto pela saúde frágil de sua esposa– é impossível encontrar alguém que tenha algo de negativo para dizer sobre o tiozão que foi empresário do lendário Joe Frazier (ex-pugilista campeão mundial dos pesos-pesados).

Respeito e saudades foram as temáticas principais abordadas pelos membros ilustres do universo do MMA quando souberam que Watson havia deixado o esporte de uma vez por todas.

E isso é uma unanimidade difícil (pra não dizer impossível) de alcançar nessa esfera.

Respeito todos os lutadores, todos os camps, respeito suas profissões e como eles se preparam para fazer isso. Mas, ao mesmo tempo, eles tem de me respeitar. Eu peso tudo isso com a cabeça e o coração para me dar a motivação e a sabedoria para trabalhar com esses caras”, explicou Burt ao Sexto Round em Jaraguá do Sul.

Personalidade.

Vai ser um dia muito triste quando Burt não for aquele que estará gritando para me dizer que chegou a minha vez”, profetizou Frank Mir ao Sportsnet, em 2012.

No mercado do show businness, ser querido e amigável pode levar a patamares inimagináveis. Exemplos que comprovam esta tese não faltam por aí. E não preciso nem fugir do assunto para comprovar a teoria.

Sua falta será profundamente sentida. Obrigado por tudo que você fez e por fazer eu me sentir como se cada uma das minhas lutas fosse especial”, disse Kenny Florian, no Twitter.

Palestrando no vestiário

Palestrando no vestiário

Imaginem o dia em que Bruce Buffer se aposentar, sendo substituído por Joe Martinez. Ou quando Dave Sholler tomar o lugar de Dana White.

MMA também é entretenimento, nunca podemos deixar de bater nessa tecla.

Acima de tudo, Burt Watson fazia parte do show, ainda que nos fundos. Sua fama se agigantou juntamente com o crescimento exponencial do UFC, ao longo dos anos.

Sua face antes pouco evidenciada, começou a pipocar em vlogs, countdowns, no Instagram e por aí vai. Seus berros ganharam valor além do motivacional.

Os fãs querem tirar foto, repetem seus bordões e assim mais um ídolo é construído – mesmo do lado menos comum das câmeras – alimentando a indústria do mesmo jeito que um Chael Sonnen ou Conor McGregor.

É por isso que tantos se referem à partida de Burt Watson em tom de velório.

Pois embora ainda esteja bem vivo, como sua energia nunca deixou de nos mostrar, a ausência da sua intensidade será sempre sentida e marcada – tanto no sentimental quanto no financeiro – como o fim de mais uma era para o UFC.

E vai ser difícil encontrar um substituto à altura, hein?

  • Renato Rebelo

    O cara tinha um “feeling” impressionante. Sabia a hora de ser barulhento e a hora de falar manso. Um das poucas (talvez única) unanimidade que conheci no meio. Era uma atração à parte. Essa foto foi em SP e a entrevista que fiz com ele, em Jaraguá do Sul.
    http://sextoround.com.br/6723-burt-watson-faz-pedido-inusitado-a-fas-brasileiros/
    http://sextoround.com.br/11194-o-que-faz-burt-watson-ser-querido-pelos-lutadores/

  • Felipe Lemes

    O Liminha ou Roque do UFC

    insubstituível.

    • Matheus

      hauhauhau foi exatamente isdo q pensei. Burt é um grande animador de plateia/artista

    • Ou Russo da globo..rs

      • Rodrigo Tannuri

        Boa, David! Ele é Injustiçado até. Um grande mito da televisão brasileira.

        • mazzaropi

          O Dedé do Didi… ops!

          (risos)

  • Carlos Montalvão

    O fã mais assíduo que acompanha entrevistas, countdowns, bastidores, Road to the Octagon e Embedded com certeza conhece esse figura. A saída do Burt é uma pena, uma grande perda, pois o cara é um ícone, como foi discutido no podcast.

    Se para alguns fãs o “WE ROLLIIIIIIIIIIING!!” e o “let’s do it baby!” já é marcante, imagino pro pessoal da staff e para os lutadores.

    Podem encontrar algum cara pra substituir ele, como fariam quando o Bruce Buffer se aposentar, escolhendo um Joe Martinez ou um Jimmy L. Junior, ambos ótimos, mas que nunca vão ter uma carisma tão grande quanto à do Buffer, assim como dificilmente vão arrumar outro tiozão igual ou melhor que o Burt Watson.

    • Renato Rebelo

      Pois é, Carlos. Outro cara para desempenhar o trabalho dele é mole achar. A personalidade que adrenaliza e o jeito que cativante que são individuais e intransferíveis.

    • Lucas Rezende

      Te falar que eu até gosto bastante do Joe Martinez, mas reconheço a significância do Bruce Buffer.

  • neylon

    Caramba véi! Se eu estou triste, imagina os lutadores!

    • Lucas Rezende

      Burt era minha figura preferida do UFC, entre os não-lutadores.

  • Rodrigo Tannuri

    Confesso que tinha ficado surpreso e até entendo a reação da. O Burt parece ser um cara show de bola, é um profissional exemplar, tinha muita importância no meio mas, sinceramente, eu não curtia a gritaria dele. Sério, achava o “We Rollin” a coisa mais chata e repetitiva do mundo. Tirando isso, o cara é uma figura querida.

    • Renato Rebelo

      Acho que o único lutador que já disse em entrevista que não curtia mt esse jeitão era o Nick Diaz hehe

      • Rodrigo Tannuri

        Droga, então terei que mudar de opinião kkkkk

      • Gus Hansen

        O Nick Diaz mandou uma mensagem bacana pro Burt no twitter, até falou mais que a maioria.

        https://twitter.com/nickdiaz209/status/572946231414169601

        • Renato Rebelo

          Gus, o Nick, então, mudou ligeiramente de opinião. Tem em vídeo ele dizendo que não curte mt o estilo do Burt, mas que, com o tempo, acabou se acostumando.

          • Gus Hansen

            Nice. Dá até pra imaginar o marrento reclamando dos berros do tiozão, mas depois se rendendo: “o Burt é firmeza.”

  • Ramon Reis

    Se o Bruce Buffer se aposentar eu cancelo minha assinatura do combate.

    • Lucas Rezende

      Dê uma chance aos outros, rapaz.

    • Filipe C.

      Eu gosto daquele cara que narra os UFC na Europa, principalmente na inglaterra.. não lembro o nome dele, mas ele é bem energetico.

      • Lucas Rezende

        Você tá falando do Andy Friedlander, Filipão. O cara é bom, também.

        • Filipe C.

          Ele mesmo Lucas, queria que fosse ele o substituto do Bruce, não gosto muito do Martines não, acho a narração dele muito… comportada,elegante =P ..

  • Ramon Reis

    Rezende diga ao Buffer para se aposentar depois que eu aprender a viver sem o Wand… Quase chorei quando vi esse video na internet.

    https://www.youtube.com/watch?v=Wm__QCbKkLQ

    WAND VOLTA PRA MIM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Gabriel

    Galera sei que esse não é o lugar certo para perguntar mas vocês não acham que Conor McGregor se sairia melhor nos pesos leves por conta do menor numero de lutadores que investem muito na luta agarrada (Frankie Edgar, Ricardo Lamas, Chad Mendes, etc) e em uma luta contra Anthony Pettis que com certeza seria fantástica quem iria ser o favorito?

    • Renato Rebelo

      Gabriel, é pro “Colunistas Respondem”? Se sim, abrimos um tópico na nossa fanpage do Facebook toda quarta-feira à noite. É só postar lá.

  • Filipe C.

    Quem é esse Dave Sholler ? como é a personalidade dele comparada ao grana white ? ele será uma pessoa melhor e mais justa que o Dana Branco?

    • Renato Rebelo

      Sholler é o vice-presidente de relações públicas do UFC, Felipe. Ele é aquele baixinho que ficou entre o Jones e o Cormier e foi arremessado do palco hehe. Ele, geralmente, leva as coletivas de imprensa quando o Dana não está disponível. Acho ele um bom comunicador, mas, claro, a diferença é grande. Muito se fala em, um dia, ele substituir o Dana como o relações públicas número um da empresa… O que é difícil, a meu ver – e como vc sugeriu- é ele ter o mesmo poder de decisão. Além de presidente, o Dana é sócio (minoritário) da empresa, portanto, deixar de apitar vai ser difícil…

      • Filipe C.

        Espero que pelo menos ele consiga ser mais “Justo” de um modo que não altere (ou melhore) o Marketing e o PPV dos eventos futuros, quando (se) assumir a presidencia.

  • marco antonio

    Esse é um figuraça,tão requisitado para fotos quanto os lutadores,nos dias de evento,eu tive a sorte de “cruzar” com ele no hotel no dia do Aldo vs Mendez 2..
    Me desculpa o plagio ai Renato,mas não podia deixar passar em branco.

    • Renato Rebelo

      Hahaha irado, Marcão! Valeu pelo registro!

  • Lucas Andrade

    Pra bater o Bruce Buffer só mesmo o Galvão Bueno Mito das transmissões!

  • Gefferson Nesta

    Burt Watson É o nosso”LIMINHA, ROQUE, RUSSO” do MMA sentiremos saudades.

Tags: