Colunistas Respondem: 84kg em foco / Silva / antidoping

admin | 13/02/2015 às 13:49

Nessa edição de “Colunistas Respondem”, tentaremos sanar as dúvidas dos leitores Lucas Saboia, Everton Santana, Felipe Lemes, Ivan Simas, Felipe Castilho e Vítor Câmara sobre os tópicos “Cenário até 84kg”, “Doping do Anderson”, “Medidas antidoping″, “Wrestling no Brasil” e “Manhoef x Shlemenko” – respectivamente.

Vamos lá:

CARRANO

Lucas Carrano: E aí, xará (mais um?!), tudo bem? Bom, sobre sua pergunta, eu concordo que Jacaré e Rockhold parecem à frente dos seus respectivos adversários na corrida pelo title shot. Se ambos vencerem, meu palpite é que o norte-americano fica com a chance. Independentemente de quem seja o próximo a lutar pelo cinturão, como as duas lutas acontecem no mesmo dia e o timing é bom, possivelmente o duelo contra o vencedor de Weidman x Belfort pode rolar já no fim deste ano. Sobre fazer um novo title eliminator ou um “mini-torneio”, como já falamos algumas vezes até aqui mesmo no 6R, o momento da categoria dos médios é bom, mas particularmente não gosto de ficar queimando contenders com lutas simultâneas. É claro que é sempre bom testar um futuro desafiante contra um top da divisão, até para credenciá-lo de fato à luta pelo título, mas muitos duelos deste tipo simultaneamente acabam fechando o leque de possibilidades – especialmente em um cenário tão instável quanto o dos últimos anos, no qual os planos têm mudado sistematicamente por causa de imprevistos. Por fim, sobre Romero e Lyoto não merecerem disputar os títulos, acho que isso depende muito. O Romero é o #3 nessa corrida, mas pode se beneficiar dos tropeços dos rivais (um, aliás, ele pode provocar). Com a famosa “combinação de resultados”, ele pode chegar sim ao cinturão e não acho que seria uma luta inexpressiva, apesar dele estar fazendo sua primeira luta contra um nome de expressão no UFC. Já o Lyoto tem essa barreira de ter disputado o cinturão recentemente, mas jamais o descarto. Claramente não agora, mas, como é um atleta que sempre se posiciona entre os principais nomes de sua divisão, independentemente de estar em sua melhor fase ou não, Machida é um nome forte pensando a médio prazo e uma revanche contra Weidman em 2016 ou mesmo um duelo contra um hipotético novo campeão fariam bastante sentido. Grande abraço.

PARANHOS_1
PARANHOS_2

Felipe Paranhos: Everton, Felipe, acho que os dois estão com as premissas certas. Um doping de uma grande estrela do esporte sempre traz boas e más consequências. Explico: é evidente que a descoberta de que um ídolo luta/corre/nada ‘sujo’ é ruim pra modalidade em questão. Mancha, inclusive, a imagem de outros grandes atletas, porque grande parte do público generaliza a questão e depreende que quase todos se dopam — o que, em muitos casos, é verdade. Por outro lado, é uma espécie de ponto crucial da história do esporte. Se o MMA tem, num espaço de tempo de menos de um mês, dois de seus maiores lutadores pegos em exames antidoping, é muito claro que algo precisa ser feito. A tática da cortina de fumaça, muito usada pelo UFC, pode até acalmar as coisas, mas não cura os danos profundos sequer nos fãs, imagina nos espectadores menos fiéis. É necessária uma ação ostensiva contra o doping, fortalecendo o ritmo dos exames surpresa, como forma de amedrontar os que querem se dopar. Do ponto de vista exclusivamente esportivo, a categoria dos médios ganha com a saída de Anderson — que, na minha opinião, não merece uma terceira luta com Chris Weidman, até porque teria ainda menos chance de vencê-lo. Assim, voltamos ao momento anterior à tresloucada (e motivada exclusivamente pelo dinheiro) decisão de dar o title shot ao Spider com a vitória sobre Nick Diaz. De certa forma, o doping reinstaurou a justiça na divisão. Ronaldo Jacaré, Luke Rockhold, Lyoto Machida e Yoel Romero têm muito a oferecer à categoria.

RENATO_2

Renato Rebelo: Ivan, banir de cara acho extremo demais, afinal, o cara pode ser pego no antidoping por dar mole com um analgésico ou até com remédio pra dor de cabeça. E mais: baniríamos alguém por drogas recreativas – que não melhoram a performance? Todas as soluções envolvem mais dinheiro – tem que estudar a viabilidade econônica- e/ou lobby – uma vez que quem aplica os ganchos são as comissões e não o UFC. De olho na eficácia, acho que, além da urina pós-luta (o famoso “pega trouxa”), aqueles que forem fazer lutas principais (são 42 UFCs por ano) deveria ser testados fora de competição. E mais: que tal exames sanguínios surpresas para outra luta do card principal e uma do preliminar (ambas escolhidas por sorteio)? Acho que, dessa forma, ninguém estaria 100% seguro para ciclar. Dobrar as suspensões para esteroides anabolizantes (atualmente, o gancho varia de nove meses a um ano – período que muitos lutadores já ficam sem lutar naturalmente) também me parece uma boa. Como disse, para isso, as leis da NAC, que é um órgão governamental, precisariam de alterações. Pra terminar, só quero deixar um ponto claro. A implacável lei de oferta e demanda faz com que a guerra contra as drogas seja absolutamente impossível de ser vencida. É um total desperdício de dinheiro, vida humana, etc. Então, por que defendo enxugar o gelo logo no MMA – sabendo que qualquer medida tomada não extinguirá o problema? Não estou sendo hipócrita? Pessoal, toda e qualquer grande decisão precisa ser encarada com pragmatismo (o que é menos pior?) e se liberarmos geral no MMA, um esporte que era/ainda é marginalizado mundo afora e nego lutar encavalado com 20, 30 vezes a quantidade de testosterona de um ser humano normal, teremos uma hemorragia cerebral ao vivo para 100 milhões de pessoas e será o fim do esporte como conhecemos. Aposentadorias cada vez mais precoces, gerações de ex-atletas abobalhados com 40, 50 anos de idade, etc. Encaremos a realidade: não acertamos bolas com tacos, fazemos cestas e corremos 100 metros rasos!

CAPPELLI

Fernando Cappelli: Fala, Filipe, tudo certo? Todo e qualquer trabalho com artes marciais e esportes de combate tem de ser algo pensado a longo prazo. No primeiro ‘boom’ do UFC, os norte-americanos eram fracos no jiu-jitsu, mas não sossegaram até aprender todas as artimanhas da luta de solo adaptada para o vale-tudo/MMA. É uma questão de mentalidade. Essa importação – e o mais importante, a manutenção – maior de treinadores de wrestling seria providencial para melhorar a defasagem técnica mais gritante até hoje no estilo brasileiro. Por ser uma modalidade de transição e controle entre o striking e o solo, o nível acentuado no wrestling permite que os lutadores moldem o combate com mais propriedade. Mas isso sempre depende das características de cada um. Por enquanto – por comodismo ou mesmo falta de visão – não vejo muito como o cenário mudar aqui no país em breve, e a maioria dos atletas ainda têm de ir para fora para melhorar na arte das quedas e clinches.

REZENDE_1

Lucas Rezende: Como você mesmo já indicou, Vitor, as chances de Manhoef resumem-se a um golpe derradeiro, como resume-se toda sua carreira, aliás. No entanto, ultimamente sua capacidade de absorção tem se mostrado inversamente proporcional à potência dos seus golpes. Shlemenko tem boxe o bastante para se arriscar contra o holandês, mas também tem seus títulos mundiais no sambô para levar essa vitória sem maiores dificuldades. No fim das contas, tudo depende de como o russo encará a contenda. Se for esperto, vejo ele forçando Manhoef a dar os três tapinhas nos primeiros 10 minutos.

  • Marcio Rodrigues

    Rockhold a frente de Jacaré? Nunca!!!

    • Jarrão

      O Jacaré caso vença,seria invicto no ufc e ainda por cima com duas vitórias sobre dois q estão no top 10 da categoria…o Rockhold caso vença,sim,venceu o Lyoto,mas já tem uma derrota pro vitor..sinceramente eu colocaria o invicto,mas nesse caso,acho q falaria mais alto quem tem mais nome,provavelmente vão falar “ah,mas o rockhold venceu o jacaré,é ex campeão do strikeforce,ele merece mais” pode ser q por isso o Rockhold seja o próximo… eu não concordo,pra mim o invicto no ufc q teria q ter a chance…E putz,o lyoto foi vencido em pé poucas vezes na carreira,shogun(que estava perdendo a luta até então).. e o Weidman(q é de outro planeta)…Lembrando que o Rockhold passou um apertinho em pé com o Jacaré.

      • Marcio Rodrigues

        Desde que Rockhold e Jacaré chegaram ao UFC, o brasileiro está a frente. O americano foi malandro pedindo a luta contra o Lyoto, mas seu tiro vai sair pela culatra. Pode ter certeza.

  • Felipe Lemes

    acho que uma boa estratégia do UFC, tentar recuperar a imagem do esporte no Brasil, e principalmente no “povão”, é fazendo outros eventos grandes, estilo UFC RIO 1, talvez com nomes internacionais, como Ronda, Jones, Weidman…com isso até a imprensa iria fazer um belo marketing.

    Outra opção, Não sei…com saída de Anderson, UFC vai ter quer promover muito as lutas de Brasileiros nas lutas principais, Dos Anjos, Werdum, Belfort….e quem sabe com Aldo x McGregor não chegou numa hora certa!
    Acho que quem tem esse papel, se chama “REDE GLOBO”.

    • Gus Hansen

      acho que depois deste baque o UFC vai ter mesmo que dar uma “bombada” nos eventos, colocar as estrelas em evidência e produzir grandes lutas… Algo que traga novamente o foco pra dentro do octógono.
      Não sei se a Globo faria este papel. Eles gostam de pegar a coisa no auge, não ajudar a fomentar. Se tem 1 milhão eles ajudam a transformar em 10, mas não trabalham pra fazer o primeiro milhão, seja de fãs, dólares ou estrelas do esporte.
      Acho que o UFC e o MMA como um todo deve se preocupar com a sua base de fãs e praticantes. Eles são os que sustentam a casa e enchem academias. Com escândalos de doping pipocando, acredito ser possível que muitos pais vão pensar 2x antes de deixar o filho treinar alguma luta.

      • Felipe Lemes

        concordo com o que voce disse.
        fico com medo da perca do Anderson ser igual a perca de Senna… Não houver ninguem para suprir o posto de ídolo para a grande massa .

        e meu outro medo é do público hardcore começar a por pé no freio, caso as coisas fujam do controle…

  • Rodrigo Tannuri

    Só queria dizer que a alcunha Pepita Dentinho foi qualquer coisa de sensacional! kkkkk

    Bom, gostaria muito que o Dana White não pronunciasse tal frase: “Vai depender de como será a vitória.” O cartola disse isso quando Lyoto e Shogun lutavam contra Bader e Vera, respectivamente, de olho na revanche com o Jones. Essa luta de contenders dos médios no mesmo evento é bem parecida com a que rolou nos meio-pesados.

    Sobre o doping do Anderson, concordo com o Felipe. A justiça está sendo feita pros caras que realmente batalharam (Jacaré, Romero, Lyoto e Rockhold). Uma furada de fila do Anderson sobre essa galera seria algo inadmissível e feio.

  • Matheus

    Tb sou contra esse lance de legalizar td. Sobre o peso medio, queria o Jacaré no próximo title shot, mas tb to achando q o Rockhold vencendo o Lyoto (ex-campeão e ex-desafiante numero um da categoria) leva

    • Renato Rebelo

      Sobre o Jacaré, infelizmente, acho que vc tá certo. A pneumonia e a lesão do Weidman foram terríveis pra ele. Se Weidman x Belfort fossem lutar agora em fevereiro e ele vencesse o Romero no msm card, teríamos um cenário bem mais favorável pro Jaca

      • Nkr

        O impressionante sobre doping é que o Wanderlei Silva, fugiu do doping(mas nunca foi pego) e mesmo sendo primário, foi BANIDO, repito B A N I D O do “esporte” e ninguém diz absolutamente nada!

  • Vitor Torre De Avila

    Falando sobre o Wrestling, sinto que a importação não seja tão necessária assim, temos bons nomes e atletas tecnicos no Brasil em quantidade suficiente para nuntrir as principais equipes nacionais, vide Nova União, por exemplo, a exceção entre as equipes nacionais nesse quesito…É obvio que o nível de competição de wrestling no Brasil é muito mais baixo que fora, devido ao pequeno numero de praticantes, mas MMA não é wrestling, sendo assim, creio que atletas nacionais são o bastante para suprir nossa demanda. No caso de importação, eu passaria por cima dos americanos e iria buscar atletas no Leste Europeu, nos países da Ex URSS ou no Irã, dá pra conseguir ótimos atletas por um “custo” baixo, desde que se encontre uma maneira e superar a barreira do idioma…

    Por outro lado, acredito que exista um espaço inexplorado para se aproveitar o Judo como modalidade de transição…vejo que os poucos atletas que o utilizam tem bons resultados….sinto que com a adaptação adequada ele pode ser muito eficiente no MMA e creio que a absorção de seus principios seria mais fácil para os atletas brasileiros, em sua grande maioria com base no Jiu Jitsu, a arte irmã do Judo….Precisamos levar em conta que o Brasil é uma das potencias mundiais nessa arte marcial (Top 10, possivelmente Top 5…), com um numero gigantesco de atletas e tecnicos de elite.

    • Filipe. C

      Concordo com tudo, Vitor. As equipes poderiam trazer algum Iraniano para treinar Wrestling ou buscar algum atleta/professor olimpico no país mesmo.

      E quanto ao Judo. Sim, realmente, também no meu ponto de vista é um esporte pouco usado no MMA, e acredito que com uma boa adaptação dele para o MMA, poderia passar a ser o mesmo divisor de luta em pé ou chão que os americanos usam através do Wrestling.

  • Yuri David

    Não acho que seja comodismo e falta de visão o principal fator do brasileiros não trazerem gringos para ficarem aqui ensinando wrestling.

    É sabido que o padrão de vida, salário é muito melhor nos EUA do que por aqui. Por que um cara sairia de seu país natal pra vir pra um lugar desconhecido ter uma vida pior?

    A saída era desenvolver os lutadores brasileiros desde a base.

    • Dan Mendes

      O cara que respondeu que é “por comodismo ou mesmo falta de visão” viajou nesta.

    • Lero

      Acaso os EUA sao o único pais forte no wrestling?
      Poderiam levar cubanos, russos, iranianos, búlgaros para o Brasil… Quase todos países com igual ou maior nível de wrestling do que os EU. Se tem tanto médico cubano chegando no Brasil, os Castro bem que poderiam mandar também alguns judocas, wrestlers e até pugilistas…

  • Tiago Nicolau de Melo

    Desviando do assunto, mas mantendo dentro da categoria até 84kg: não fosse a bendita “brincadeira” do Anderson na primeira luta com o Chris, vcs acham que ele ainda estaria com a cinta? Cara, só de imaginar que se ele não levasse aquele soco iria socar o Weidman de maneira semelhante ao que fez com o Forrest “Run” Griffin, dá pra imaginar uma tonelada de cenários pra divisão.

    • Dan Mendes

      Não. Se AS lutasse com Chris 10 vezes venceria uma ou duas.

    • William Amaral

      Cara, eu ainda acho que Anderson venceria as duas. Tomou atraso nos primeiros rounds de ambas? Sim, mas também levou atraso do Sonnen e venceu. Weidman é melhor que Sonnen, mas o condicionamento físico não é o seu forte, como vimos contra o Lyoto, que o encurralou e só não o nocauteou pq tbm estava desgastado. Acho que Anderson teria a frieza de matá-lo no momento certo.

  • Andy

    Levando em conta que em Romero/Jaca tem mais chances de acabar em KO(ambos tem mãos pesadas e queixos não muito confiaveis)..acho que o desafiante a cinta sai daí..mas como MMA não é ciência exata, não da pra ter certeza de nada..pq é perfeitamente possível Machida nocautear Rockhold tambem..e se Romero/Jacaré terminar em SD por exemplo, aí o dragão ganha outra chance ao titulo, creio eu.
    A questão é o vencedor de uma luta dessas pega o campeão, e o outro vencedor pega o perdedor da disputa de cinta(seja Vitor ou Weidman), pra valer o TS posterior a esse

Tags: , , , , , ,