Afinal, fãs de MMA são virgens assistindo pornô?

Felipe Paranhos | 20/01/2015 às 21:40

Volta e meia, vemos um lutador rebater críticas com o implacável argumento “fulano nunca levou um soco na cara e tá aí falando besteira”.

É o tipo de resposta que encerra qualquer discussão: como você, gordinho comedor de batata frita, pode criticar a atuação de um profissional que respira MMA?

Desta vez, quem usou a cartada foi Cody McKenzie – aquele cujo fígado, segundo Chael Sonnen, tem cerca de 20 anos a mais do que o resto do corpo.

E a metáfora foi impagável: segundo ele, aqueles que o analisam lutas são como virgens vendo filmes pornô.

Essas pessoas que falam de lutas são como um milhão de virgens assistindo a um pornô. Enquanto você não está numa luta, você não faz idéia de como é. Esse é o ponto fundamental. É como sexo. Até que você faça, você não tem noção de como é”, disse o ex-UFC.

2012020718032619937

Cody pagando de galanteador

A frase tem impacto, é verdade. Mas sinto discordar de McKenzie. Alguém imagina a presidenta da República dizer “ora, como você ousa criticar minhas medidas econômicas se nunca foi presidente de um banco central?”

E Washington Olivetto saindo de seus cuidados pra falar “você não pode achar a propaganda da minha agência infeliz, porque nunca ganhou um leão de ouro”, alguém imagina?

Pois bem: a lógica é direta: há pessoas que podem ver MMA 24h por dia e ainda assim não serão bons analistas. E isso serve para lutadores e técnicos também.

Se isso não fosse verdade, não veríamos tantas instruções completamente tresloucadas dadas por treinadores em intervalos de lutas.

Se não fosse verdade, não ouviríamos tantas vezes corners dizendo, no intervalo do segundo pro terceiro round, que seus lutadores estão ganhando, quando deveriam passar senso de urgência diante da derrota iminente.

É claro que haverá detalhes do jogo que o ex-lutador avaliará melhor.

Mas a ausência de envolvimento, característica de quem vê um combate sem torcida (caso, supõe-se, dos bons jornalistas especializados), dá os recursos de análise que a torcida por um dos lados não dá.

Mas a questão é profunda e discutível.

Tyron Woodley usou o Twitter está semana para atacar os fãs que repetem o chatíssimo bordão “não deixe a luta nas mãos dos juízes” – que, aliás, serve mais para legitimar erros crassos de jurados e menos para incentivar lutadores a encerrar lutas antes do fim regulamentar.

Que lutador não quer nocautear ou finalizar, afinal?

Parem de falar ‘não deixem nas mãos dos juízes’. Este é o comentário mais idiota que existe. Nenhum lutador pensa ‘Ah, vou deixar para os juízes decidirem’. Nenhum lutador quer ser finalizado. Quanto mais alto é o nível de competição, mais apertada é a disputa. Parem de ser papagaios que repetem tudo o que Joe Silva ou Dana White dizem”, falou “O Escolhido”.

Ele tem razão.

Mas não coloquemos todos no mesmo balaio. É evidente que é preciso conhecer a fundo o esporte – ou grande parte de seus elementos- para analisá-lo.

E, em primeiro lugar, não é necessário ter praticado a modalidade a sério pra isso. Não faltam exemplos de grandes treinadores de futebol ou basquete, pra ficarmos só em dois outros esportes, que nunca foram profissionais.

Nem outros milhares de casos de lendas do esporte que, fora dos campos, das quadras ou dos octógonos, só falam besteira.

Neste assunto, ser radical por um dos lados só empobrece a discussão.

  • E ele falou alguma mentira? Falar é bem fácil mesmo.

  • Nathan Oliveira

    Tipo Pelé

  • Val Carnaval

    Concordo que é preciso conhecer a fundo, sem necessariamente ter levado o esporte a sério.
    Porém é fácil identificar o “virgem” comentando. E estes sim precisam criar vergonha na cara e procurar conhecer antes de abrir a boca pra falar merda, seja qual for o assunto/esporte.
    Infelizmente, devido a popularização do MMA, o número de virgens são muito maiores, por isso entendo entendo a revolta dos atletas que lêem comentários/críticas bastante impertinentes.

    • Nelson Junior Ticaum

      Tem “virgens” pra qualquer tipo de assunto…. Um exemplo foram as análises políticas nas eleições. Ou os novos porém experts em NFL no último fds. Tem pra todos os gostos.

    • Felipe Paranhos

      É verdade, mas eu também vejo muito fã novo falando coisas com sentido e muito “Eu-fui-pro-IVC1” falando besteira.

    • Danyel P Lorenzo

      …devido a popularização do MMA, o número de virgens são muito maiores…
      rs rs rs MITOU

  • Deivis Chiodini

    O “virgem” comentando geralmente é extremo “Fulano destruiu ciclano”, quando a luta foi equilibrada, tendencioso (torcedor) ” Fulano vai atropelar ciclano” ó pq é o lutador de sua torcida. Geralmente tem memória curta e joga a carreira de um lutador no lixo por uma derrota, ou memória extremamente longa e não aceita críticas ao seu ídolo que não vive um bom momento, sempre argumentado com “cala boca, ele já ganhou de fulano, é um herói”.
    Também gosta de fazer casamentos de lutas esdrúxulos, acha que o juiz só deve parar a luta com o lutador quase morto, chama o esporte de “UFC”. Só se interessa por luta que tem brasileiro, acha qualquer luta que não tem trocação desenfreada chata, chama o GSP de amarrão, e por ai vai.
    Mas cabe ao lutadores, que leem as bobagens, também usarem o filtro do bom senso e simplesmente ignorarem.

  • Lucas Rezende

    Essa política do “Faz melhor” é típica de quem não consegue aguentar uma crítica. Que é bem a cara de um lutador medíocre feito o Cody.

    • William Amaral

      Que isso, cara. O Rei da guilhotina, pow…(Renato mode on)

    • Leo Ferreira

      A unica coisa que eu me lembro do Cody é dele lutando com um shorts da nike que ele deveria ter acabado de comprar numa loja e não teve nem a decência de tirar a etiqueta pra subir no cage

    • Filipe

      Exato…

  • Felipe Silva

    A verdade é que a maioria dos lutadores e do fã hardcore de MMA são preconceituosos. É normal alguém dar uma opinião que não seja a mais coerente para tal e quando isso acontece, os “senhores da razão” já atacam com 7 pedras na mão. Então, acho q tem q haver uma aceitação maior com esse novo público que estão começando a conhecer o esporte.

    • Afinal, todo mundo foi “leigo” algum dia.

      • Val Carnaval

        Uma coisa é ser leigo, outra é ser estúpido.
        Uma coisa é criticar -ainda que sem muito conhecimento, outra é ofender e escraxar só porque o lutador não fez o que o fulano gostaria de ter visto.
        Aquele que vê o Cigano perder e diz que ele é um lixo e deveria se aposentar, é o mesmo virgem que vai ver um filme da Gretchen e dizer que ela é melhor atriz pornô do mundo.

        • Felipe Silva

          Mas será que a maioria são estupidos pra haver toda essa revolta? Acho que tem que haver um pouco mais de humildade

          • Val Carnaval

            Certamente maioria. Dê uma olhada em sites como Sportv, por exemplo. E não é revolta, tampouco falta de humildade. Apenas estou expondo uma opinião que é diferente da sua. 😉

          • Carlos Montalvão

            Realmente é foda ler 80% dos comentários em páginas de Tatame, Combate, UFC, Esporte Interativo e Sportvs da vida, só coisa sem sentindo, teorias de conspiração, xingamentos e baboseiras. Estupidez total. Ainda bem que existem sites tipo o Sexto Round onde o pessoal é sensato.

          • Felipe Paranhos

            Os comentários no site do Combate/SporTV não são de caras que acompanham o esporte, compram PPV, essas coisas. Em geral, são de leitores comuns do globoesporte.com que caem por lá. E aí eu nem levo a sério, é necrochorume puro.

          • Rafa FriAll

            Não dá pra levar a sério comentários do Sportv, eles não são parâmetros.

        • Olha, trolls de internet estão em todos os meios, em todas as caixas de comentários, sobre praticamente qualquer tema, futebol, política, cinema, religião, enfim, o que te faz pensar que o MMA é um assunto canonizado para não ser alvo desse tipo de fã? É o “preço que se paga” pela popularização, eu, sinceramente não dou a mínima para esse tipo de comentário, assim como não estou nem aí para aquele fã mais antigo, estereotipado claro, que vê “UFC desde os tempos do VHS”, achando que o tem o rei na barriga por isso e por ter um conhecimento maior, tem espaço pra todo mundo, é só saber onde pisar.

    • Felipe Paranhos

      É só entrar em qualquer fórum, qualquer seção de comentários de site especializado. Existe uma rejeição quase ignorante em relação ao fã novo, sempre com epítetos pouco gentis, como “geração Globo” e coisas do tipo.

    • Marcelo

      O problema não é o cara ser novo no esporte, o problema é ele ser leviano e falar coisas sem saber, mas acho que isso é meio inevitável e as pessoas tinham que ter mais maturidade mesmo e lidar com essas coisas.
      Nego também força a barra. Você escuta umas pérolas aí que é difícil não tirar uma com o cara e aí o negócio é que todo mundo tinha que levar as coisas na boa.
      O cara que fala que o Mirko “Procópio” era um grande lutador na época que o “UFC era no Japão”, coisas que eu já ouvi mais de uma vez, está sendo leviano, falando sem saber, falando á toa, mas o cara que chega dando carrinho no cara que falou isso também tá errado, mas também não dá pra ficar sem brincar com o cara que fala essas coisas hehe… Ambos tem que levar a coisa na esportiva, o cara que falou besteira tem que admitir que ele tá sendo leviano e o outro cara pode brincar com a bobagem que ouviu, mas não pode agir com arrogância e prepotência.

      • Felipe Paranhos

        Uma vez, um comentarista falou uma luta inteira sobre “esse Filipovic” sem saber que era o Cro Cop…

        • Isaac Carvalho

          KKKK Lembro desse “comentarista”, aliás o que precisa para ser comentarista, ter uma voz legal ou entender de MMA?

  • Felipe Soares

    Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Claro que o lutador quer sempre encerrar a luta por desistência ou nocaute, ocorre que o dono do evento quer estimular uma trocacao desenfreada para dar mais emoção às lutas, e não ver lutador com estratégia de segurar último round acreditando que venceu por pontos, como fez, recentemente, J Hendricks.

    Agora, ainda que o lutador jogue com regulamento debaixo do braço, os erros dos árbitros laterais chegam a ser dantescos.

    Quanto a Cody, é um lutador fraco, mas um cara engraçado fora do octógono, entra no pitoresco do MMA.

  • Otimo, Felipe.

    Me lembrou muito um outro texto daqui do 6R só que de uma ótica do comentarista, coincidentemente (ou nao) o texto também é seu. Vale a leitura:

    http://sextoround.com.br/12628-sobre-jose-aldo-e-as-criticas-ao-canal-combate/

  • joao neto

    Eu falo com toda sinceridade,antes de conhecer este Blog era leigo em alguns assuntos,principalmente mais tecnicos sobre (mma),tentava comentar e perguntar dar opiniao em alguns foruns,mas como era leigo em certos assuntos, nao me tratavam muito bem..ai eu desistia…o legal de vcs todos do sexto round e a paciencia com o leitor, tanto com o leigo,(como eu) quanto o mais articulado…aqui aprendo todo dia com vcs, colunistas fantasticos,com os amigos nos comentarios…varias vezes nao entendo um comentario e vou no, (copiar,colar,pesquisar..rs)..Por isso sempre indico esse Blog para amigos!! Parabens a todos!! Abraço!!

    • Felipe Paranhos

      Valeu, João! O processo é contínuo. A gente também aprende com as conversas com vocês.

    • Renato Rebelo

      Muitíssimo obrigado pelo apoio, João!

    • Fernando

      Realmente, o trabalho mostrado aqui pelo Renato e cia é muito bom. Fora toda atenção dispendida por todos pra galera que prestigia!! Isso faz toda a diferença !!

    • bimbocas

      fato!!!! me sinto representado neste comentário

  • Vitor Torre De Avila

    Acho salutar tomar um soco na cara antes de comentar certas coisas sobre MMA….
    Por exemplo, ja vi muito fã, e até mesmo pessoas da midia especializada, criticarem o preparo fisico do lutador X, sendo que ele tá lento ou com a guarda mais baixa porque já levou 500 bordoadas na face ou no corpo…

    Não sou radical, pode-se compreender muito do esporte acompanhando na TV, mas é dificil entender o que se passa no corpo de um atleta sem que se passe por uma experiencia pelo menos parecida…não precisa ser profissional, mas sem nunca ter levada ou dado um soco ou chute ou queda ou finalização fica dificil falar a respeito dos mesmos…

    • Nelson Junior Ticaum

      Não precisa nem tomar soco… Imagina o desgaste muscular de tentar se desvencilhar de um Cain te botando na grade por 5 minutos. É absurdo! !! E eu venho batendo nessa tecla a tempos. O diferencial do Cain não é só a parte aeróbica e sim a resistência muscular. O cara faz força por 25 minutos. É surreal!!!

    • Felipe Paranhos

      Cara, não acho. Se o cara diz que o lutador X não tem preparo físico, sendo que o sujeito foi maltratado em face e corpo pelo adversário, o cara é ignorante. E ignorância se resolve com conhecimento, não com prática.

      • Vitor Torre De Avila

        Felipe, eu concordo, ele precisa de conhecimento.

        Fica a pergunta: Como obter esse conhecimento? Do meu ponto de vista, certas coisas só se aprendem na pratica, certas sensações, etc…Acredito que vivenciar uma experiencia ao menos similar seja interessante para conhecer certos aspectos…

        Veja o Joe Rogan que sim, é um comediante, mas também é um artista marcial, já competiu extensivamente no TaeKwonDo e é faixa preta de Jiu Jitsu…isso dá a ele uma bagagem para falar sobre certas coisas que ele vivenciou…

        Experimentar a situação a uma certa extensão, pra mim, é iportante para se obter conhecimento…

  • Rei Jaffe Joffer

    Eu entendo quando um lutador/treinador uma um argumento desse. Fico bolado quando alguém vem opinar sobre o meu trabalho sem o conhecimento sobre o mesmo, mas eu acredito que existem tipos diferentes de fãs.

    Eu tiro isso pro mim mesmo: Quando comecei a acompanhar MMA, lá por 2011, assistia tudo que passava na frente sobre o esporte fui atrás de ler e entender algumas coisas antes de dar meus pitacos. Perturbei os comentaristas e donos de sites especializados (inclusive os desse site, hehehe). Só depois de tudo isso resolvi falar minhas abobrinhas no Twitter. E até hoje eu acabo falando besteiras.

    Por outro lado tenho amigos que só veem luta de brasileiro, reclamam quando a luta vai pro chão, ficam dizendo que o UFC desprestigia brasileiro e blá, blá, blá…

    Resumindo: Gente pra falar besteira sempre vai existir. Seja no MMA, futebol, vólei etc. Acredito que os profissionais do esporte tem que levar em consideração essa diferença entre o comportamento dos fãs.

    Abraço a todos

  • Gabriel Castelani

    O fan easy e medio é o que fez o esporte evoluir em todos os aspectos! Portanto resta a gratidão e paciencia aos profissionais! Afinal todos fomos virgens um dia! Contudo, o pior comentarista e é aquele ele faixa azul ou roxa que acha que finalizaria um DC da vida so porque eles nunca de de pano!

    • Felipe Paranhos

      hahahahaha, gostei da metáfora

  • Rodrigo Tannuri

    Primeiro de tudo, Cody McKenzie foi e sempre será um dos maiores freaks que o UFC já abrigou. Nem perco meu tempo com algo que venha dele como lutador ou como pessoa. Pior que ele não é o único. Existem vários atletas que, fora do octógono, não devem ser considerados. Muitos de alto nível até.

    Não existe isso de “Você não pratica o esporte? Então não pode opinar.” Cara, isso é tão retrógrado, agressivo e cansativo. É óbvio que há de se ter um filtro em relação a críticas, mas tanto especialistas quanto leigos continuarão aí. Querer censurar os fãs do esporte só pode ser brincadeira!

    Sobre o caso Woodley, esse bordão, realmente, está bem chato de se ouvir. Concordo com o Felipe, quando ele diz que este ditado serve pra livrar os árbitros, que, por sinal, pioram a cada evento.

    • Felipe Paranhos

      Perfeito, Rodrigo. É isso.

  • Carlos Montalvão

    Da minha parte concordo em partes e discordo em outras

    Do ponto de vista de entusiasta do esporte, acho que todos tem o direito de expressar sua opinião sobre o combate ou evento, porque MMA não é só a profissão dos caras, também é entretenimento como qualquer outro esporte, as pessoas que assistem o procuram pra se divertir e quando uma luta não é boa, é mais do que natural às pessoas reclamarem e criticarem. Os próprios atletas fazem isso.

    Mas do ponto de vista de praticante de artes-marciais, acho que o Woodley, McKenzie e Mark Hunt (“FUCKIN’ PUTOS!”) também tem sua parte de razão, no caso deles é a carreira em jogo, a comida na mesa, o dinheiro pra pagar as contas e ninguém quer perder e colocar isso em perigo. Eu tive a oportunidade de fazer minha primeira luta amadora de Muay Thai ano passado (num evento interno de exibição, e sequer valia vitória. Por regra, seria tudo empate, mas obviamente a intenção de todos era deixar o adversário estirado no chão mesmo usando equipamento de proteção) e foi nesse dia que eu entendi (mesmo que de leve) o que se passa na hora que o bicho pega pra valer quando tem só você, o adversário e o juíz lá dentro do ringue/cage e o negócio é pra valer, todo o nervosismo, toda a adrenalina, a tensão e aquele sentimento de que cada minuto de luta parece que demora 1h pra passar. É difícil raciocinar da forma correta e reagir no tempo certo, dar ouvidos ao corner, usar a noção de espaço pra não ficar preso, lidar com a pressão, o calor e o cansaço. Realmente é um feeling que só quem já passou pelo que as duas pessoas saindo na mão ali estão passando, entende. É errado dizer que SÓ quem é lutador tem o direito de palpitar porque quem tá de fora, atleta ou não, pensa melhor e tem uma visão mais aberta do que tá acontecendo ali, mas é aquela coisa, a pessoa não tá na pele do competidor, não sabe o que se passa na cabeça e corpo dele e muita gente acaba falando absurdos achando que a parada é simplesmente chegar lá, meter um porradão estilo Daniel Ludwig e deixar o cara babando nocauteado na lona com 6 segundos de combate (vejo muito isso em eventos regionais, com parentes e amigos dos atletas). É muito mais complicado que isso, por isso vale o puxão de orelha que esses atletas deram, mas não dá pra proibir as pessoas de comentar, elogiar ou xingar. Não quer ouvir crítica, luta numa academia à portas fechadas só com uma galera composta por 2 stich man, 2 córners, 1 árbitro, 3 juízes e 1 adversário.

  • Carlos Montalvão

    De que ano é essa foto do Cody, Felipe? Como assim essas duas sorrindo e felizes perto uma da outra? Ou essa foto é MUITO antiga ou esse cara fez mágica pra criar uma good vibe ali hahaha

    • Felipe Paranhos

      Renato que lançou essa foto, sei não. Ele deve ter conseguido unir as duas na imagem por meio de seu CARISMA EXUBERANTE. haha

    • Rodrigo Tannuri

      Pior, está preparado pro que vou lhe contar agora? De acordo com a imprensa rosa, McNojo e Ronda Rousey tiveram um trelelê. Isso mesmo 🙁

  • will

    Analisar um tema, seja ele qual for, demanda bom senso e conhecimento sobre o tema. Eu não tenho bom senso e não sei nem o que é Kimura!

    • Renato Rebelo

      Hahaha pelo menos vc reconhece, Will!

      • Rafa FriAll

        Por esse comentário dá pra saber o pq de vários outros que ele as vezes dá, hahahaaha.

    • hahahaha

    • Luis Felipe Fabricio

      O melhor comentário até agora, ahahhahahaha

      • will

        Ah bom! Isso que é Kimura? Parece dolorido.

        • Luis Felipe Fabricio

          o sr. nogueira precisou de uns pinos no braço depois dessa hahahahah

    • Felipe Paranhos

      Boa, Will! hahahaha

  • Luiz De Marco Freitas

    eu aceitaria uma luta de kickboxing tranquilamente com o cody mckenzie, rs

  • Jonas Angelo

    Adorei a temática e o texto, Carrano.

    “Nem outros milhares de casos de lendas do esporte que, fora dos campos, das quadras ou dos octógonos, só falam besteira.” Pelé, é você? haha.

    Radicalismo, extremismo e determinismo sempre empobrecem qualquer situação ou discussão. A frase do Cody é o típico comentário extremista e que não contribui em absolutamente nada, só gera audiência vazia, muito parecido com alguns poucos leitores aqui do 6º, inclusive. Por outro lado, o do Woodley foi excelente, foi o oposto, nos fazendo analisar também que muitas vezes o lutador não leva para decisão por que deseja ou por que não se esforçou tudo que poderia. Jornalistas como Nico Anfarri são ícones dessa modalidade que não contribui.

    Se fosse preciso passar pelas experiências para se ter conhecimento sobre as mesmas, praticamente não existiriam médicos, cientistas, psicólogos, etc.

    • Felipe Paranhos

      Pois é, Jonas! (O Carrano é mais talentoso do que eu, mas fui eu quem escreveu o texto, haha.)

      • Jonas Angelo

        Sorry irmão, haha. Pague um mico legal agora, mil desculpas.

    • Vitor Torre De Avila

      Jonas, eu discordo do seu argumento final….falando de cientistas, por exemplo, a experimentação é a base da ciência! Qualquer desses profissões que você citou, a pessoa estuda na teoria, passa por diversas praticas, de um ponto mais controlado para um mais livre até que ele possa exercer a profissão sozinho…

      Eu penso em atores, por exemplo…diversos adotam a pratica do “laboratório”, onde eles tentam viver um pouco da experiencia que seu personagem passaria…o cara que vai interpretar um drogado não precisa fumar crack, mas conviver e interagir com um usuário o ajudaria muito a compreender certas situações…

      • Jonas Angelo

        Queridão, acho que você entendeu errado. A experimentação é a base da ciência, sem dúvida. Fiz apenas uma analogia com o que o tal do Cody disse, me referindo ao fato de o cientista (ou qualquer outro profissional) não precisar sentir a situação na pele, para aprender com ela. Sou Psicólogo, e um dos argumentos que mais ouvimos no senso comum é: “Você não passou pelo que eu passei, não viveu o quanto eu vivi, então não tem propriedade para dizer que conhece algo sobre mim”. Não desmerecendo as experiências das pessoas, que são muito válidas, mas há muito mais além, muitas outras formas de se conhecer, como a empatia por exemplo.

        • Vitor Torre De Avila

          Acho que concordamos então….é preciso se aproximar da situação de alguma maneira…

  • Tiago Nicolau de Melo

    Ótima análise. Vim pronto pra discordar, achando que tu ia abraçar a idéia do Cody.,. hehe. Partindo da idéia dele, quem não for negro não pode ser contra o racismo, se não for homossexual não pode ser contra homofobia, etc. Curto muito (sério) curling e jamais tive a oportunidade nem sequer de encostar em qualquer um dos acessórios. Claro que me informo das regras e sei que países são melhores e tal. O mesmo vale pra tênis ,surfe, skate (já usei como meio de transporte). Mas, o Cody deixaria eu falar de MMA, pq muay thai eu faço. =]

  • Rafa FriAll

    É engraçado essa parada de que para criticar precisa ser entendido do negócio. Não tem sentido algum, geral que comenta aqui tem empregos que não envolvem nenhum aspecto do MMA e por isso não podemos criticar se fulano com 3 minutos morre no gás? Ou beltrano parte pra cima igual um louco todo aberto e toma um nocaute? Qual o sentido disso?
    Entendo que pessoas que trabalham com o esporte, principalmente comentando e analisando lutas devem ter uma vivencia pratica minima, agora quem é somente reporter não é o caso.

    • Vitor Torre De Avila

      Rafa, acontece que em uma luta muita coisa tá envolvida, é dificil entender tudo sem estar lá…claro que o fã não precisa ser o maior entendido, apenas não aja como se fosse!!

      O cara ta sem gas em 3 min…bem, talvez aquele golpe que ele levou no corpo e vc achou que não foi nada pode ter tirado o gas dele…Ele pode ter feito muita força pra fechar um mata leão que parecia encaixado e o gas foi embora(né Erick Silva…)…é dificil entender quanto certos aspectos da luta são desgastantes…e outras coisas, Jet lag, nervosismo e adrenalina, lado psicológico, corte de peso…um monte de coisas pode influenciar algo aparentemente simples…

      Tá sem gas no primeiro round, precisa treinar mais…nem sempre

      Do meu ponto de vista, claro que eu posso criticar, só deveria ser um pouco mais cuidadoso se eu não entendo tanto assim…

      • Rafa FriAll

        Não discordo do que você disse, mas eu falo do geral, sem separatismo. Independente de ser entendido ou não eu não vejo problemas em ver alguem criticando. Claro que você ao ler essas criticas já nota se a pessoa está falando com certo conhecimento ou não.

        E sabe por que existem algumas criticas infundadas? Por que o esporte envolve paixão, e paixão prejudica a emoção. Não dá pra esperar 100% de comentários totalmente coerentes e com um grande nivel de conhecimento.

        A critica é sempre valida, vindo de um entendido ou não, se ela for totalmente sem nexo, que se eduque. Assim como nós um dia fomos leigos e lendo, ouvindo e acompanhando pessoas do meio (que tem obrigação de entender do esporte), essas pessoas também pode ter um crescimento de conhecimento. O que não pode haver é criticas ofensivas e mal educadas. Ai só resta ignorar.

  • Malk Suruhito

    A frase não é totalmente mentirosa. Tem quem assista (ao menos o diz) lutas desde o UFC 1, passando pelo PRIDE e o UFC atual e larga uma bobagem atrás da outra e ainda quer usar isto como argumento para defender o seu ponto de vista. Eu assisto desde o começo, mas não assisti todas as edições, e mesmo as que eu assisti, só fui ter certeza do que eu vi após ver análises e opiniões de uns e outros.
    Visão técnica e estratégica é algo que poucos, mesmo os que estão no meio tem.

  • Carlos Felix

    É o tipo de argumento pobre e apelativo para impor uma opinião.

    “você não sabe nada sobre o assunto, portanto não pode opinar”’, uma variante da falácia ad hominem.

    Greg Jackson e Ricardo Libório, dois treinadores respeitados mundialmente também nunca fizeram uma luta profissional de mma. Alguém diria que esses caras não sabem de MMA??

    • Renato Rebelo

      Como se pacientes de câncer só aceitassem serem tratados por médicos que já tiveram câncer…

  • Juan

    Pobre McKenzie, já até “aposentou” e ainda não aprendeu quem paga a conta dos lutadores.

  • Gabriel Guimarães Calefi

    Acho isso, de dizer que “pra saber tem que ter levado um soco na cara” (querendo dizer que a pessoa tem que ter lutado) uma grande de uma idiotice. Então estudar não adianta de nada para comentar, tem que praticar, participar? Então quer dizer que tudo o que eu sei sobre a 2º Guerra Mundial foi para o ralo, porque afinal, só saberia mesmo se tivesse participado dela? É extremamente sem lógica isso. Na ESPN tem jornalistas excelentes que falam sobre futebol, sem ter sido jogadores profissionais. Pra mim isso é coisa de ignorante que não sabe argumentar.

    • Rafa FriAll

      Disse tudo brother, a galera viaja com esse comentário. Futebol é o esporte mais assistido e praticado do Brasil, então só por isso todos seriam PVCs da vida?

  • Malk Suruhito

    E como citado implicitamente no texto do Felipe, sempre que lembram do “precisa tomar soco na cara para poder opinar” eu lembro do Murilo Ninja sendo córner do Shogun (principalmente na 1ª luta contra o Lyoto).
    :v

  • Cristiano

    Esse discussão me faz lembrar um cartaz que colaram no xerox da faculdade: “contrata-se homem-bomba com experiência.”

  • Danyel P Lorenzo

    Liberdade de expressão está bem em riste esses tempos. Mas a melhor sugestão é: Não ler os comentários.

    Sempre vão haver os críticos de sofá, que o maior argumento é “morreu no gás” “tem q se aposentar” “tá voando” “queixo de vidro” mas mal sabe a quantidade de variáveis q um lutador pode sofrer em uma luta. E eis q liberdade de expressão tá ai. E um comentário mais técnico não cabe a um critico de sofá e sim a quem tem a vivência com lutas. Por isso qndo ouço tal absurdo, sempre faço o convite de fazer um treino, experimentar um dia de no tatame, no ringue ou mesmo no octagon.

  • Bruno Conde

    Pode crê. Algo parecido com comentarista de futebol falando que tal time empata demais. Como se fosse melhor perder umas para equilibrar, ou como se os caras não preferissem ganhar.

  • bimbocas

    sempre deixo claro em meus comentários que sou apenas fã do esporte, mas me sinto incentivado por vcs leitores e colunistas do sextoround a expor minhas opnioes, mas este tipo de declarçao do mckensie nao agrega novos fãs, uma vez que a maioria absoluta de quem compra lê e acompanha o esporte jamais entrou ou entrara num ring ou octógno!!!!

  • Felipe Soares

    Claro que, por vezes, podemos ser rigorosos (todos nós) demais com alguns lutadores, que vivem uma vida infernal. Mas é aquilo: uma pessoa equilibrada e minimamente inteligente, sabe a dificuldade da vida desses caras, o que não nos retira a possibilidade de criticar, elogiar, por para fora o que pensamos, com o respeito e dentro da legalidade.
    Afinal, só servimos para comprar e engolir calados tudo que nos empurram goela abaixo? Até entalar?
    Perder 15 kg ou mais como alguns e sair na mão em alto nível 24 horas depois é para gente da selva. Sabemos disso.
    Agora, a imprensa de MMA tem um nível diferenciado, respeita esses caras porque amam o esporte e tem coragem de expor suas opiniões antes das contendas, inclusive dando pitacos sobre os resultados, o que deve irritar os lutadores.
    Natural, o cara está se matando e se automotivando para uma guerra no 8, não quer ouvir que vai ser quedado e sofrer um ground and pound brutal até perder os sentidos.
    Claro que Cigano (lutador de altíssimo calibre e único capaz de baixar o orgulho moreno) fica chateado quando escuta que se ele lutar 20 vezes com Cain, ele ganha uma, aquela do título. Mas vamos ficar calados e dizer que Cain não é tudo isso? Obvio que não .
    Chorôrô natural! Sigamos, pois, que a discussão tá boa!

Tags: ,