Colunistas Respondem: UFC na Globo / Aldo / T. Silva

admin | 16/01/2015 às 14:17

Nessa edição de “Colunistas Respondem”, tentaremos sanar as dúvidas dos leitores Betinho MoscosoJuan Felipe, Lucas Saboia, Paullo Ricardo, Lucas Natan e Pedro Duarte sobre os tópicos “Thiago Silva”, “MMA na Rede Globo”, “Novas divisões de peso″, “Campeões dominantes” e “O futuro de José Aldo” – respectivamente.

Vamos lá:

CAPPELLI
CAPPELLI_2

Fernando Cappelli: Lucas e Pedro, as perguntas de vocês se complementam, então vai em uma tacada só. Se o McGregor for derrotado, não vejo muito por onde o funil dos penas se alargar. Com a vitória, o Siver ganha moral, claro, mas não sei se dariam a chance imediata de título. Para o Aldo, a revanche contra o Frankie Edgar e a subida para os leves seriam os caminhos mais condizentes. Mas em uma visão mais otimista, esse lance de ‘limpar categoria’ pode ser subjetivo, já que os desafios e lutadores vivem se reciclando, e aí vale até o clichezaço do ‘tudo pode acontecer’. Por ora, não vejo muitas possibilidades bombásticas sem ser essas que coloquei. Sobre Aldo x Pettis, acho que tem tudo para ser o grande divisor de águas na história das divisões mais leves do UFC. É uma baita sinuca de bico tentar vislumbrar favoritismos, ainda mais se levarmos em conta as grandes atuações mais recentes que ambos tiveram. Como o combate tende a acontecer até 70kg, pode ter aí um cisco de handicap para o Pettis… vai saber.

RENATO_1

Renato Rebelo: Betinho, muito obrigado pela pergunta. Primeiro, permita-me dar o serviço pra quem está por fora da novidade. Pessoal, o querido Rei da Marra assinou com o WSOF e estreará no dia 28 de março em torneio com quatro homens para definir o campeão inaugural da categoria até 93kg. Seu primeiro adversário será o também brasileiro (e também ex-UFC) Ronny Markes. Se passar pelo produto da Kimura/Nova União, Thiago pega (em outra data) o vencedor de Matt Hamill x Fulano a ser anunciado (vale lembrar que o paulista dominou Hamill no primeiro UFC Fight Night que rolou em Barueri). Bom, entrando no cerne da questão, não é novidade que o WSOF adota postura extremamente amigável para com o UFC – não só abriga demitidos como fornece destaques sem muito papo. Há meses, Dana White chegou a, inclusive, sugerir que Ben Askren assinasse com o WSOF para seguir se provando… Saliento, também, que Thiago é uma figura polarizadora, extremamente comercial e, caso não fossem dois vacilos (que viraram no contests), estaria 18-3 numa das divisões mais parelhas do MMA. Acho sim que Thiago pode voltar ao UFC para movimentar um cada vez mais raso peso-meio-pesado, mas esse salto dependerá única e exclusivamente dele. Primeiro, precisa se afastar de qualquer tipo de polêmica. Segundo, precisa vencer. Não será uma readmissão a curto prazo, mas a prova que ele ainda tem espaço é o fato de, mesmo sendo preso com a SWAT invadindo sua casa, o UFC o trouxe de volta assim que soube que sua ex-esposa retirou todas as queixas (o dispensou apenas quando vídeos em que ele aparecia armado e supostamente quimicamente alterado pipocaram).

CARRANO

Lucas Carrano: Fala, xará, tudo bem? Olha, posso estar sendo injusto ou mesmo pecando pela falta de memória, mas acredito que sua pergunta seja uma das mais criativas e originais que pintaram por aqui – você não acredita o quanto me pus a pensar depois de lê-la e relê-la. Mas, após muito ponderar, eu diria que, apesar disso, seria algo inviável na minha opinião. Eu explico. Apesar de parecer tentador à primeira vista, a ideia de produzir um novo campeão e uma nova categoria traz na esteira a demanda por outras dezenas de atletas (os quais não há como garantir que não deixariam a categoria rasa de início e, portanto, pouco interessante). Além disso, há o fator financeiro, pois é preciso ponderar o tamanho do investimento para se abrir uma nova categoria – e se a previsão de retorno o justifica. Por fim, apresento meu ponto chave para esta questão: atualmente, o UFC vive um grande dilema por possuir um elenco inchado (e que, consequentemente, puxa para baixo a “média global” do nível dos lutadores) e uma superoferta de eventos, principalmente de qualidade duvidosa. Assim sendo, a criação de uma nova categoria masculina, e especialmente mais pesada, a meu ver iria na direção oposta da solução desta questão. Grande abraço!

REZENDE

Lucas Rezende: Bom, Paullo, para ser bem direto, eu gosto quando um campeão dominante comanda a divisão, como José Aldo, Jon Jones e Georges St-Pierre. Acredito que isso motiva o restante dos lutadores a melhorar,treinar mais duro para desbancar esse manda-chuva. E quando esse cara cair, todo mundo fica chocado, tem toda aquela comoção. Acho divertido. A imprevisibilidade de um cinturão com alta rotatividade também nos deixa mais entretidos, mas eu prefiro o primor técnico de um campeão no auge do seu talento, até que ser substituído pelo próximo.

RENATO_2

Renato Rebelo: Juan, fera, a Globo resolveu cair dentro do MMA em 2011, quando o UFC Sem Limites, na Rede TV, começou a incomodar na audiência de sábado à noite. Sei, por exemplo, que a intenção inicial era simplesmente assinar com o Ultimate e engavetar o produto – apenas para tirá-lo da mão da concorrência (a Band entrou pesado na disputa). Acontece que o estrondo causado por Anderson Silva x Vitor Belfort e a rivalidade entre Silva e Chael Sonnen na sequência fizeram cabeças pensantes optarem por números ao invés de preconceitos (não digo sempre que dinheiro não leva desaforo?). Eu mesmo trabalhei três anos e meio nas Organizações Globo (entre Globoesporte.com e SporTV) e posso atestar o quão marginalizado era o MMA. Nesse período, a coleção de “nãos” que levei foi vastíssima. Acho que o melhor que pude fazer foi levar o lateral esquerdo Júlio Cesar (à época, eleito o melhor do Campeonato Brasileiro e recém contratado pelo Fluminense) na Team Nogueira. Pra você ter uma ideia, essa matéria, bem produzida, com vídeo bacana, etc, sequer foi chamada na capa do site. De todo modo, considero bom o trabalho de educação das massas (ir implementando o esporte de pouquinho em pouquinho – sem muito chocar) que os caras vêm fazendo. Apesar de ainda haver uma ala conservadora que tenta diminuir esse espaço dentro da empresa, a tendência é que a demanda force a produção de mais e mais conteúdo sobre. Bons TUFs por aqui e, principalmente, mais campeões, certamente, ajudariam…

  • mazzaropi

    1º a comentar… kkk!

    1. Aldo tem que subir.

    2. Thiago Silva no UFC é o melhor pros dois…

    3. Lucas Saboia gênio! Farei um comentário especial para sua pergunta intrigante…

    4. Paulo Rricarrdo responda: livre arbítrio ou destino? Como vivemos?

    5. A globo é uma empresa que surfa em novidades. A RedeTV foi a primeira a acreditar potencialmente no MMA e agora a Globo colhe os frutos…

  • Rodrigo Tannuri

    – Muito legal saber desta experiência do Renato. Ainda bem que o esporte passou a ser visto com outros olhos, mesmo que a duras penas.

    – A criação de novas categorias sempre foi discutida mesmo. Me lembro que a ideia inicial era criar o peso palha masculino ou a divisão super pesada. Eu sou contra esses dois extremos. Acho que estamos bem com 10 divisões.

    – Vou arriscar um palpite agora. Numa superluta entre Aldo e Pettis, apostaria no americano.

    – Vibrei muito com a nova chance que o Thiago “Bad Boy do bem” Silva está tendo. O cara é muito carismático. Foi horrível o que aconteceu. Ele tem tudo pr eu não gostar dele, mas, sei lá, torço muito. Acho que esse estilão é maneiro, sem contar que o cara é ele mesmo nas entrevistas. Tomara que consiga ir bem no WSOF. Sempre quis vê-lo contra o Rampage.

    • Filipe

      Seria o louco se Thiago Silva tivesse ido pro One FC! Evento muito bom apesar de eu ser contra os tiro de meta, a propaganda por cima de seus campeões são de tirar o folego!

      • Rodrigo Tannuri

        Boa pedida! A visibilidade ainda não é tão grande, mas a tendência é que a organização cresça. O Thiagão faria bastante uso dos tiros de meta kkkkk Imagina ele fazendo isso com o Pezão kkkkk

  • Gabriel Carvalho II

    Só corrigindo o Renato: WSOF 19 com Silva vs Markes será no dia 28 de março, e não maio.
    Essa sessão é uma das melhores do site, parabéns pelo trabalho.

    • Renato Rebelo

      Corrigido!

  • Thiago Arruda

    Sobre a pergunta do Lucas Saboia

    Especialmente no ano passado, tiveram poucas disputas de cinturão (16 disputas entre 10 categorias), mais por causa de lesões do que por ter poucas categorias de peso. Eu acho q o limite dos pesados deveria sim abaixar, forçando os atletas a perderem peso e consequentemente se condicionarem melhor

    Tbm acho q a “popularização do esporte” que o ufc tá tentando fazer pode sair pela culatra. O UFC quer se parecer mais com NFL, mas eu acho isso errado, a meta de expansão do UFC deveria ser mais com se parecer com a Formula 1. Na minha opinião todo card deveria ter disputa de cinta, e seu co-main-event deveria ser a disputa de qual seria o próximo desafiante de uma categoria qualquer.

    • Lucas Natan

      Mas, contando a frequência com que os cinturões são disputados – como vc mesmo apontou – não teríamos pouquíssimos cards por ano?

      • Thiago Arruda

        Eu acho, que um título de campeão devia ser disputado umas 3 vezes por ano. Portanto tu pega 3 disputas e multiplica pelas 10 categorias de peso q existem no UFC. 30 disputas de cinturão por ano. Contando lesões e/ou outros imprevistos, uns 24 cards por ano. Acho q esse número devia ser o ideal

  • Lucas Natan

    Que legal, encontrei o site há pouquíssimo tempo, mandei minha primeira pergunta e já responderam, além de baterem papo com a gente aqui nos comentários.
    Gosto da fórmula de vcs! Pra gente como eu que assiste há pouco tempo e que quer saber mais sobre o esporte, o site é muito bom.

    Enfim, perguntei pq queria ouvir que o Aldo teria uma chancezinha maior, rsrsrs, mas já esperava essa resposta. O curioso é que lendo sobre essa luta eu reparei que a maioria dos gringos acha que o Pettis não aguentaria o Aldo, ele não é popular por lá ou é simplesmente pq tão olhando superficialmente?

    • Renato Rebelo

      Muitíssimo obrigado pela participação, meu amigo! Sobre o que os gringos acham, de onde vem essa sua referência – os q conheço pensam ao contrário? Acho que o papo depende um pouco da categoria na qual eles lutarão (pelo visto, será 70kg…).

      • Lucas Natan

        Eu que agradeço, em especial ao Fernando Cappelli pq foi lendo no casca grossa que fiquei sabendo do site. Já tinha achado um ótimo sobre futebol, com gente tranquila comentando e sem aquela chatice e falta de diálogo dos lugares mais frequentados, só faltava um de MMA.

        A opinião dos gringos que colhi foi navegando em comentários mesmo, não foi de especialistas.

        Ah, vcs vão falar sobre a vitória do Pittbull?

        abraço.

  • Arthur Guimarães Campos

    A respeito do Toninho Fúria, será que não é a hora de ele ter uma chance no UFC? O cara destruiu aqui no Brasil, no TITAN FC se lesionou no primeiro Round e mesmo assim banhou a luta, ele tá meio que soberano na categoria (como Aldo, Anderson, Jones).

    • Renato Rebelo

      Gleristone é fera! Ele precisa, de repente, é ser representado por alguém que tenha uma penetração maior no UFC. 27-4 com 26 anos e vindo de sequência 9 vitórias já era pra estar lá. Se eu fosse ele, tb, tentava me manter bem ativo em 2015.

      • Filipe

        no Bellator, ele teria alguma chance de ganhar a cinta ?

        • Renato Rebelo

          Rapaz, é difícil dizer pq por mais que ele seja talentoso, o nivel de concorrencia que ele pegou até hoje é outro. Tinha chance de entrar no bolo

  • William Amaral

    Tu que levou o Júlio lá.. hahaha.. Meu camarada desde que eu era moleque. Ele se amarra no jogo do UFC, acho que a matéria ajudou no vício.. haha

  • abner albuquerque

    Cara esses textos sensacionais só encontro aqui no sr.favor continuar assim.

    • Renato Rebelo

      Já sim, Abner. Quando tivermos recursos, essa é uma das prioridades = )

  • Jonas Angelo

    Eu fico com Max Holloway e Dí Maria em segundo lugar. Meu primeiro lugar de “mais parecido” vai para Jon Jones e Usain Bolt.

  • Malk Suruhito

    Complementando a resposta do Lucas ao seu xará, por mais inchado que o UFC esteja não tem material humano para fazer um peso cruzador uma categoria disputada e intermediária como são é a dos Leves entre Pena e Meio Médio. A configuração de campeões entre estas 3 categorias (LHW, CW, HW) provavelmente seria: Jon Jones, Cormier, Cigano e Cain e a distância de sempre entre os 4 e outros adversários (isso claro, pelo que temos atualmente disponível).

    • Lero

      Eu acharía maneiro uma categoria cruzador com Jon Jones, Glover, Gustafsson subindo, Cain, Werdum, Cigano, Overeem e Miocic descendo. (gostou da ideia de todos eles lutando entre eles?) E libera o limite de peso dos pesados, deixa o Lesnar, o Mark Hunto e o Pezão lutando com 150kg, traz o Zuluzinho, o Chris Barnett e o coreano aquele gigante para o ufc, Coloca o Travis Browne e o Stefan Struve a malhar na academia ate virar uns trogloditas de 150kg e coloca todos eles juntos… Galera gosta de freakshow e nego de físico de ogro, isso é para PPV de um milhão cada mes com esses casamentos.
      De nada irmaos Fertitta. Podem me dar uma parte dos pacotes vendidos pela ideia.

      • Malk Suruhito

        E ainda “desaposenta” o Sylvia!! Hahahah

      • Viraria o Pride. Só faltava a Lenne Hardt falando: “PRRRRRIDE HEAVYWEIGHT MAIN EVENT…”

  • Jônatas Freitas

    Ver o Thiago Silva de volta no UFC esse ano ia ser demais, tomara que ele atropele geral no WSOF! O cara é “sangue no zói”

Tags: , ,