Jon Jones: o melhor de todos os tempos

Lucas Carrano | 05/01/2015 às 18:35
Quedando o wrestler olímpico

Quedando um wrestler olímpico

Caro amigo, presumo que, motivado pela leitura do título deste texto, você tenha chegado até aqui:

A) ou na esperança de encontrar suporte para um pensamento que você, mesmo que de maneira incipiente, já tinha.
B) ou na ânsia por detonar quem quer que seja que tenha sido capaz de escrever um absurdo destes.

Por isso, independentemente de como venha, eu lhe faço um convite: dispa-se das paixões e vamos juntos percorrer este caminho de reflexões.

No fim, incentivo que você amplie os horizontes desta análise com suas próprias ponderações.

Pois bem, para iniciar a discussão é preciso estabelecer as bases e definir o que é, afinal de contas, ser “o melhor de todos os tempos”.

Tal noção se trata, sob minha concepção, de uma pegadinha discursiva, porque sugere um caráter absoluto que simplesmente não contempla.

Por quê? Ora, simplesmente porque não existe definição universal quando se trata de “o melhor”.

Por mais que se tente buscar critérios e métodos objetivos para determinar a questão, no fim das contas será um recorte particular.

Finalizando um faixa-preta de Carlson Gracie

Finalizando um faixa-preta de Carlson Gracie

Ainda que existam diversas estatísticas e hoje em dia qualquer prática esportiva seja completamente esquadrinhada em números, quais dados são definitivos nessa disputa e quem define isso?

Grosso modo, a resposta sempre significará “a subjetividade”.

Apesar disso, existe uma linha invisível, uma espécie de “nota de corte” da opinião pública, que faz com que, no caso dos esportes, um atleta possa ser considerado o melhor da história, ou pelo menos entre nessa conversa.

É essa noção coletiva que não faz com que Travis Fulton, a despeito de seu impressionante cartel com 251 vitórias profissionais, não seja o maior que já existiu.

UFC 128: Shogun vs. Jones

Nocauteando um chuteboxer

Por isso, vamos entender por qual razão Jon Jones deixou a marca supracitada para trás, entra tranquilamente na discussão pelo posto de GOAT (“Greatest of all time”, ou “O melhor de todos os tempos”) e em minha opinião já ocupa tal lugar.

Jonathan Dwight Jones tem só 27 anos de idade, mas já faz frente a nomes lendários em suas marcas.

O atleta mais jovem a ostentar um cinturão do UFC tem nada menos que 21 vitórias e oito defesas de cinturão consecutivas – isso tudo com bem menos tempo como campeão que os líderes no quesito Anderson Silva (10) e Georges St. Pierre (9).

É verdade que o cartel de Jones não é perfeito, mas a única derrota nele presente é tão ridícula que é como se fosse.

Sem me alongar muito no tema, digo que se o revés de Anderson Silva para Yushin Okami foi tão diminuído, não resta nada além de descrédito para Jones x Matt Hamill – e Steve Mazzagatti.

Para além dos impressionantes números, é preciso analisar a forma como eles foram obtidos. E neste ponto, Jon Jones é imbatível.

Domando as emoções contra um amigo

Domando as emoções contra um amigo

O que se viu diante de Daniel Cormier no UFC 182, embora aparentemente tenha sido a expressão máxima deste cenário (talvez motivada pela briga no ano passado e rivalidade intensa), nada mais é do que a repetição exaustiva da máxima de Jones como campeão.

Aparece um desafiante legítimo, ele pisa no octógono cercado de expectativas sobre ser o homem capaz de destronar Bones, a luta finalmente começa e ele é dominado, via de regra, até mesmo em sua especialidade – apontada até então como grande trunfo para surpreender o campeão.

Foi assim também com Maurício Shogun, que, mesmo sendo um dos atletas mais agressivos e defendendo seu cinturão pela primeira vez, sucumbiu à trocação.

Também contra Lyoto Machida, que por algumas vezes sofreu com os golpes de encontro, sua arma mais temida. Isso sem falar na finalização sobre Vitor Belfort, um faixa-preta de Carlson Gracie, ou a vitória quase impecável sobre Rashad Evans, contra quem se esperava que pudesse ter problemas devido ao forte histórico emocional entre eles.

Indo até o limite pelo título

Indo até o limite pelo título

Falando em retrospecto e defesas de cinturão, outro ponto importante nesta equação é a gama de nomes superados por Jones.

Nem Anderson Silva, Fedor Emelianenko ou GSP, trio que usualmente domina as listas de GOAT, foram desafiados de maneira tão intensa em todas as suas lutas.

A lista de lutas pelo cinturão de Jon Jones inclui: Maurício Shogun, Quinton Rampage, Lyoto Machida, Rashad Evans, Vitor Belfort, Chael Sonnen, Alexander Gustafsson, Glover Teixeira e, agora, Daniel Cormier.

Destes, só Sonnen destoa, mas sua luta contra o campeão foi meramente circunstancial, e motivada por uma série de fatores externos relativos ao cancelamento do fatídico UFC 151.

Além disso, é interessante também notar que Jones venceu, com propriedade, todos os ex-campeões dos meio-pesados ativos durante seu reinado, exceto Forrest Griffin e Tito Ortiz – os quais àquela altura não acrescentariam tanto assim no saldo final, convenhamos.

Mas diante de tudo isso, por que ainda existe tamanha reticência diante de Jon Jones? Duas explicações se apresentam como mais plausíveis.

Dizimando veteranos (1)

Dizimando veteranos (1)

A primeira é cortesia de King Mo Lawal, em entrevista a Ariel Helwani – lembrada pelo Google do MMA Renato Rebelo.

O peso meio-pesado do Bellator apontou que, quando se trata de ser considerado o melhor de todos os tempos, talvez só Michael Jordan o tenha feito ainda em atividade.

Bela lembrança, King Mo. Eu acrescentaria alguns nomes à restrita lista, como Pelé ou Wayne Gretzky, mas mesmo nestes casos é inegável o benefício do distanciamento histórico à reputação.

Mesmo sem precisar recorrer a exemplos como Jesse Owens e Muhammad Ali, cujo reconhecimento como vemos tardou um pouco mais, é possível notar que o timing entre os acontecimentos e seu dimensionamento em raras oportunidades é simultâneo.

A outra possibilidade, que de forma alguma exclui a primeira, tem a ver com o carisma de Jon Jones.

2009-01-31-jon-jones-stephan-bonnar

(2)

Naturalmente, o produto da Jackson’s MMA já não era um fenômeno de popularidade e, diferentemente do que aconteceu com Anderson Silva, não conseguiu reverter essa pecha.

Pelo contrário, a cada dia parece abraçá-la mais e mais.

Se tal afeição contamina até mesmo o julgamento do resultado de um combate – como em algumas críticas ao resultado contra Cormier, uma vitória incontestável-, o que dirá quando se aumenta a amplitude – e, portanto, observa-se prioritariamente as “grandes figuras” – ao analisar toda uma carreira.

Aliás, o conceito de carreira é a grande ressalva aqui apresentada.

Para o bem e para o mal, os principais concorrentes de Jones já construíram suas trajetórias – Anderson Silva é o caso mais dúbio, porque ainda pode acrescentar outra história incrível a seu retrospecto, mas ao mesmo tempo é difícil que consiga feitos maiores do que os já realizados.

26abr2014---glover-teixeira-cospe-o-protetor-bucal-apos-ser-atingido-por-forte-golpe-de-jon-jones-1398576957965_1920x1080

(3)

Por esse motivo, ao mesmo tempo em que tem as metas a serem alcançadas para dirimir qualquer dúvida a seu respeito bem definidas, Jones também pode ver o tempo jogar contra e, mantendo-se em atividade por um longo período, sofrer algumas derrotas que colocarão seus feitos, mesmo que eles até o momento já o credenciem a ser o maior de todos, em xeque.

Até lá, o gerenciamento de carreira e principalmente a questão do carisma, “tentar transformar a opinião pública ou se tornar de vez um Flody Mayweather Jr?”, vão desempenhar um papel de destaque, tanto quanto suas atuações dentro do octógono.

Por fim, deixo a Jon Jones, a quem já considero o número um na história do MMA mundial, um conselho de Harvey Dent, o “Duas Caras”, retirado do ótimo Dark Knight (2008, com direção de Christopher Nolan), e que pode ser útil em um futuro não tão distante.

Morra como herói, ou viva tempo suficiente para se ver tornar-se o vilão”, ou, na versão adaptada, “Pare como uma lenda, ou continue tempo suficiente para se ver tornar-se um mortal”.

Abraços!

  • Luis Felipe Fabricio

    Eu confesso que o carisma de Jones nunca me atraiu, sempre torci contra, todavia depois dessa vitória sobre o DC o cara ganhou meu respeito, já no comecinho ele deu uma queda no Cormier, na hora eu pensei, ele vai tirar o gordinho pra nada, dito e feito.
    Passando Gustavão já era a divisão dos meio pesados, vai virar um marasmo terrível.
    A outrora divisão dos meio pesados, a divisão que historicamente levantou o UFC, a divisão mais temida, com diversos campeões em curto espaço de tempo foi devastada pelo cara.
    No passado as lutas eram pedreiras, Chuck Liddel, talvez o meio pesado mais adorado da história conseguiu carisma por enfrentar guerras, já jones encarou adversários muito mais cascudos e passou por cima de todos, não tem como não se render ao talento do cara.
    Com exceção do primeiro round contra o Lyotto e Gustafsson e a chave de braço contra Vitor Belfort, de resto o cara passou por cima de quem aparecesse pela frente.
    Vai ser difícil alguém destronar o homem meus caros!

  • Caio Abreu

    Texto sinistro, Não dá pra ingnorar os feitos do cara, como ele falou o melhor curriculum do mma, tudo isso com 27 anos, numa lista que vai de dinossauros a promessas, o cara faz por merecer tem um talento monstro, mais acho que foco e determinação devem ser elevados ao quadrado nessa equação. Apesar da personalidade não tão carismática, dos pisões no joelho, dedos nos olhos dos adversários(isso realmente é sacanagem) e até a altura que incomoda tanta gente, o cara é mma na descrição versatilidade, velocidade, força, QI de luta e pra fechar uma equipe foda, na qual acho melhor até do que o produto. Fui reticente por muito tempo, achava que seu jogo sujo o favorecia sua envergadura era o que diferenciava (ainda acho. mas não é só isso), hoje acho que uma subida pro pesados seria mais um desafio, até porque ele pegou um cara que veio dos pesados apesar de ser pequeno senti a mão pesada e viu no clinch a melhor saída. agora só aprecio suas performances, a derrota umdia vai chegar pra todos , mas o legado já foi feito com maestria de trabalho duro como ele gosta de falar. parabéns pelo texto!!!!

  • Rodrigo Carvalho

    Curti muito o texto, e respeito muito essa opinião. Mas o que me faz não ‘aceitar’ isso – o problema é que ninguém liga pros fãs, separadamente falando – é como ele faz algumas coisas. Ele abusa de golpes ‘proibidos’ ou ‘desleais’, e por algumas vezes parece ganhar vantagens com eles – não posso dizer que sem eles, os golpes ‘desleais’, Jones não teria o mesmo desempenho, mas que são feios e mudama dinâmica do combate, isso ninguém pode negar.

    Por isso, não o considero o melhor. Mas ele é muito bom, agraciado com 2,15 de envergadura e QI de luta – ou foco na estratégia, ele só precisa ter calma e implementar com calma o jogo que treina tanto.

    • Jonatas Maciel da Silva

      Respeito sua opinião, mas se o pisão no joelho não infringe a regra qual o problema de usar? Pq se torna desleal ao usa lo? É como se um chute de três dedos no futebol fosse desleal pq a bola faz curva e já é difícil para o goleiro defender ainda mais com a bola mudando de trajetória. Eu acho desleal infringir as regras propositadamente, fish hook, chute no saco para parar a luta, segurar na grade para não cair, bater depois do soar do gongo, dedo no olho de propósito.. Etc…, exemplo eram os tiros de metas, eram violentos? Sim. Era um movimento desleal com o adversário? Não. PQ qd ele assinava o contrato sabia que o tiro de meta poderia ser usado tanto por ele como pelo adversário.

      • Rodrigo Carvalho

        Fale sobre os dedos nos olhos, em todas as lutas ele faz isso, seguidas vezes.

        • Jonatas Maciel da Silva

          Eu citei o dedo no olho, mas não acho q ele faça para acertar o olho do adversário e sim q ele é imprudente, mas os árbitros devem ser mais rigorosos com ele e qualquer um que não se prevenir de acertar seu adversário. Com um golpe ilegal.

  • Cristiano

    Textão! Compartilho da opinião do Lucas! Jones já é o melhor lutador da história recente. Não digo de todos os tempos porque o cartel do Sansão é mais variado, incluindo filisteus e leões. Ráá!
    Mazzaropi, você ganhou um ponto, pule um comentário! :p

    • mazzaropi

      (risos)

  • Junior

    Concordo com o texto e hoje Bones é o maior da história, mas vou esperar um tal José Aldo da Silva Oliveira Júnior para poder cravar isso, pois ambos tem potencial para ser o GOAT.

    • Natan Machado Fauzi

      Concordo com você, se despachar Mcgregor, vai estar na mesma situação que o Jones em sua categoria.

  • Diego Parente

    Excelente artigo, mais uma vez.

    Nunca havia pensado por este ângulo. De fato, Fedor, hoje, vive uma versão nostálgica, considerado por muitos que nem o acompanharam, mas somente repetem o que os demais falam, como o melhor da história.

    Também considero Fedor o melhor da história, mas creio que há alguns motivos para tal, além do fato deste ter feito lutas incríveis: a nostalgia trazida em virtude do Pride, a vontade, mesmo que inconsciente, de desvalorizar o que é dos EUA (no caso, o UFC), o fato de estarmos falando de um cara pequeno para categoria que fazia um estrago absurdo e, principalmente, porque Fedor lutada nos pesos pesados.

    Para um leigo, principalmente, o fato de Fedor ter lutado nos pesos pesados, creio que seja o que mais pesa.

    Mas hoje, se já não o é, Jones chega bem próximo de ser o melhor de todos os tempos. Sua evolução é surpreendente. Para completar o artigo, só faltou citar que Bones, além de bastante novo para o que atingiu, chegou “causando” ainda com pouquíssimo tempo de profissional.

    Para complementar, como possíveis derrotas, só vejo subindo de categoria (dificuldade de adaptação e punchs superiores), ou enfrentando AS (psicológico afetado).

  • Matheus

    Texto mt bom! Ainda acho que ele tem que passar a limpo a vitoria polemica sobre o Gustavao, mas seus argumentos fazem mt sentido

  • Felipe

    A diferença é que o Jones sapecou muito ex-campeões. Mas o GSP pegou vários lutadores técnicos das mais variadas modalidades que fazem frente aos adversários do Jon Jones. Bj Penn, Sean Sherk, Matt Hughes, Nick Diaz (no seu devido peso), Shields, Fitch 400 lutas invicto, Carlos Condit e Hendricks são lutadores de altíssimo nível, mesmo que não tenham sido consagrados campeões (foram barrados justamente pelo GSP). E até os medianos Dan Hardy e Thiago Pitbull faziam frente a um Glover Teixeira na época em que foram batidos.

  • Completamente aceitável nessa altura do campeonato nomear Bones como GOAT.
    Porem eu ainda não o faço simplesmente por saber que ele irá futuramente ser, com um currículo mais vasto ainda. Portanto pra mim…

    1- Fedor (10 anos invicto na HW com desvantagem física clara em quase todas suas lutas) O único erro realmente foi ter optado pelo GP do SF onde o nível estava mais alto do que a HW do UFC. Fedor mesmo em fim de carreira amassaria o gorila albino. Mas isso não apaga sua história e pelos motivos descritos p mim ele (por enquanto) é o GOAT.

    2- GSP: Ok foi um leve garfo contra o Hendricks, mas luta apertada é assim e até ai Jones contra Gusta tb poderia ter ido para qualquer lado. O amigo Felipe ja fez o favor de citar todos os nomes batidos pelo canadense, e a forma como foi feito, de domínio quase que absoluto, na maioria das vezes, era muito absurdo. Fora que vingou em grande estilo seus 2 únicos revezes. E na minha opinião, volta e pega a cinta.

    3- AS: Nem é necessário descrever, todos sabem que o que ele fez no 8 ainda ta pra nascer quem faça igual, porém teve sua época mediana nos tempos de ringue no Japão, e quando se trata de GOAT passado conta sim.

    4- Aldo: O manauara TEM TUDO pra se tornar o GOAT, resta agora saber por onde fazer, bater o mcdonalds, creio que bata sem muitas dificuldades, e Edgar de novo. Depois subir e fazer história. Potencial e psicológico para bater de frente com o TOP 5 dos leves tem.

    5- Jones: Realmente Bones assim como Aldo tem a faca e o queijo na mão, superou os desafios mais difíceis da categoria, e acabou de bater no companheiro de treino, que tem estrutura física, e jogo bem parecidos com o campeão da HW, mostrando que tem totais condições de bater de frente com o Chicano. E vou além, depois de sábado se rolasse essa luta eu colocaria minhas dilmas no Janjao sem dúvidas, pra mim entraria favorito. Fazendo um adendo, o pior jogo pro Bones seria o Cavalo.

    menção honrosa pro Royce.

    • emelianenko

      Concordo com tudo menos da parte em que o Werdum seria o pior jogo pro Jones , Werdum só tem o Jiu – Jitsu superior ao Jones , perde tanto na trocação quanto na parte do Wrestling , acho que a única chance do brasileiro seria levar o americano pro chão e acho que isso seria meio impossível de acontecer já que nem o melhor wrestler do MMA conseguiu tal feito .

      • Então, falei do Werdum pq ele ta a cada luta mais sinistro na trocação, trocou facil com o Browne, e por mais que tenha tomado um sufoco no inicio, nocauteou o Hunt. Jones n tem punch pra deitar o Werdum, e na trocação acho que o Jones nunca pegou algm que chute tao bem e forte como o brazuca (pode se falar do Lyoto e Shogun, mas ambos nem sequer tentaram chutar). Acho que o caminho seria esse, minar a movimentação do Jones com os low kicks e dai tentar encurtar. E tem tambem a questão de que Jones nao seria louco de quedar o Werdum, ali é risco sério de toma um triangulo ou perder um braço. Enfim pra mim seria lutao e dependendo das odds ate apostaria no Vai Cavalo.

  • Nelson Junior Ticaum

    Pra mim ele já “zerou” a categoria… Acho que ele passa pelo sueco… E agora estou muito mais empolgado por lutas contra Cigano, Werdum, Browne e Cain… E tenho certeza que ele vai subir pro pesado, porque se fizer isso de maneira vitoriosa, pode amarrar as luvas e sentar no trono de GOAT. Tinha minhas dúvidas com relação a questão do punch dos heavyweights e sua absorção, mas ele trocou, sem medo, com uma das mãos mais pesadas do UFC. E dps de passar pela blitz do Cormier e não sentir o gás, fiquei muito mais curioso e empolgado com uma possível luta contra Cain. E se via o Cain com um favoritismo elevado, digamos que hoje já tenho minhas dúvidas, e até uma tendência a achar o Jones sendo um pouco favorito. Agora é esperar e ver o resultado.
    OBS: Não gosto dele, sempre torço contra… Mas tá difícil. .. hehehe

  • William Santos

    Bom cada um tem sua opinião, e é fácil falar e comparar fases quando muitos estão assistindo o MMA só agora, com todo respeito mas quem vê Jon Jones e Anderson Silva lutar, acham q nada pode ser melhor que eles.
    Mas Bato na tecla fedor emelianenko.
    O cara simplesmente derrotou campeões do k-1 citando o semy shilt como maior exemplo, campeões mundiais de judô, a lenda minotauro 2 vezes no auge, fora a lista de campeões do ufc . 10 anos invicto é muito tempo. Lutando de uma maneira jamais visto trocação elasticidade e frieza sem igual, treinando de maneira rustica e sem uso de tecnologia ou camps mirabolantes.
    Com isso foi campeão do rings do pride LINEAR e gp , 8 vezes campeão de sambo. O curriculum é extenso,
    Sei q ‘se’ não joga mais, se fedor tivesse lutado no ufc coisa q Dana não quis. Ele seria tão venerado quanto Anderson Silva, Pelé, bo Jackson ou qqr outro.
    A opinião de quase 90 por cento dos lutadores de elite do MMA mu dial reconhecem e isso é estatística. Fedor emelianenko o maior de todos.

    Sem mais…

    • mazzaropi

      Perfeito!

  • Vamos lá, o que eu penso sobre os oponentes do Jon Jones

    Maurício Shogun = Morto Vivo considerado ainda um lutador, visivelmente sem o suco que era liberado no Pride nunca foi ninguém.

    Quinton Rampage = Outro lutador aposentado e unilateral.

    Lyoto Machida = Essa vitória merece créditos, sim Lyoto estava em ótima forma física e muito bem treinado, pontos para o Jon Jones.

    Rashad Evans = Lutador Unilateral que só tem Wrestler como jogo principal, sem falar no mais importante, Jon Jones tinha a vantagem do tamanho.

    Vitor Belfort = Lutador que recorreu a vida toda aos anobolizantes e sinceramente não merece nem ser citado, amarelão de marca maior.

    Chael Sonnen = Mestre do Trash Talk precisa falar mais alguma coisa?

    Alexander Gustafsson = Luta em que o Jon Jones perdeu mais foi ajudado pelo UFC, sinceramente alguém ainda acredita que o Jon Jones ganhou essa luta?,

    Glover Teixeira = OK pontos para o Jon Jones, mas sempre achei que ainda não era a hora do Glouver, porém pontos para o Jon Jones.

    Daniel Cormier = Lutador bom porém com um problema sério, o biotipo e o alcance, alias esse é um ponto importante.

    Jon Jones não é um peso meio-pesado ele é um peso pesado e dos grandes, talvez ele mereça o titulo de melhor em perder peso e lutar na categoria que não é sua.

    Apesar de ter derrotado nomes importante na sua grande maioria eram nomes em fim de carreira ou caras que ainda não estavam preparados para o combate.

    Jon Jones é bom? claro! hoje em dia é o melhor em atividade, porém ele ainda está bem longe de passar Anderson, Fedor e GSP.

    Talvez depois dele fazer algumas lutas na categoria dele quem sabe podemos falar sobre isso, até lá é coisa de gente imediatista.

    • Vc ta querendo entrar no zorra?

    • Vitor MacGruber

      Por que você não faz uma análise parecida a respeito do cartel do AS cujo maior adversário da carreira foi o “lutador que recorreu a vida toda aos anobolizantes e sinceramente não merece nem ser citado, amarelão de marca maior”?

      “Chael Sonnen = Mestre do Trash Talk precisa falar mais alguma coisa?”

      Esse mesmo “mestre do Trash Talk” chegou a vencer 5 rounds contra o AS.

      “Alexander Gustafsson = Luta em que o Jon Jones perdeu mais foi ajudado pelo UFC, sinceramente alguém ainda acredita que o Jon Jones ganhou essa luta?,”

      Todos os sites de MMA deram a vitória ao Jones e a maioria dos analistas também deram.

  • Thiago Arruda

    Jon Jones sem dúvida nenhuma tem o melhor currículo do mma. Mas pra ser considerado o GOAT falta alguma coisa… Talvez se ele passar por Gustafsson pela 2ª vez e subir de categoria e varrer ela, não vão restar dúvidas sobre isso.

    Mas em minha opnião pra ser considerado o GOAT em qualquer esporte, tem q haver uma espécie de magia, considero o Anderson Silva o maior de todos os tempos não pelas 10 defesas de cinturão, mas sim por sua genialidade, Chute frontais, Finalizações no ultimo round de uma luta no qual foi dominado, Cotoveladas vindo de baixo, Clinch Mortal. Jon jones, claro q tem seus feitos, nocautear um kickboxer, dominar um wrestler é um enorme feito, mas n o vejo ultrapassando anderson, nem fedor por isso

  • Gabriel Guimarães Calefi

    Eu já o considero um dos melhores, mas não O melhor. Pra mim este posto ainda fica divido entre três, nesta ordem: Fedor, Anderson e Bob Sapp….. brincadeira….. GSP. Mas o Bones é novo, tem 27 anos só, tem totais condições de quebrar todos estes recordes.

  • Rodrigo Muringa

    A única vez que Jones pegou um cara do seu tamanho (Gusta), apenas suas habilidades não o salvaram de apanhar igual bode na horta, foi quedado por um NÃO WRESTLER, e não conseguiu quedar (registre-se). A luta foi parelha até demais, gerando dúvidas até hoje. Ou seja, muito de sua vantagem na categoria se deve a algo que é natural dele (seu tamanho) e não a nenhuma habilidade treinada. Outro coisa que reparei: ultimamente o negão apesar de vencer tem saído bem arrebentado do octógono, (contra Gusta foi pro hospital direto) coisa que não víamos acontecer com Anderson, que até hoje jamais deixou um gota sequer de sangue na lona do ufc. Pra resumir: acho Jones o melhor carregador de piano do mundo. E Anderson o melhor artista. Um toca bumbo, o outro violino. Nunca veremos Jon Jones dar show como Anderson dava, Jones é responsável demais pra isso. Por isso mesmo, não deve perder tão cedo. E será considerado o melhor um dia. Mas não pra mim.

    • Dan Mendes

      JJ quedou o Gustavão.

    • Vitor MacGruber

      Mas aí você tem que comparar o nível dos adversários dos dois, cartel do Jones é muito superior ao do AS, fato aliás que é o motivo do brasileiro não ser considerado por muitos como o maior da história.

      Acho muitíssimo improvável que o Jones sentisse qualquer dificuldade em vencer qualquer um dos adversários que o AS venceu nas 10 defesas que fez, talvez só o Belfort.

      Já Gustafsson. DC, Belfort numa revanche, Lyoto e talvez até o Glover poderiam sim dar bastante trabalho para o AS.

      • Pedro Duarte

        Cara, sou totalmente contra essa visão. É o mesmo que comparar banana com maçã. Jon Jones é um LHW com aspirações de HW. Nunca conseguiria bater 84kg para enfrentar um Nate Marquardt, por exemplo. O cartel do americano é sim mais vistoso, mas por outro lado, tenho total convicção que o Anderson no seu auge ganharia do Shogun, Rampage, Glover e do próprio Gustafsson. Por questões estilo teria problemas contra o Rashad e o DC, ainda assim teria boas chances de derroyat o primeiro. Não se pode diminuir os atropelos do Spider contra Rich Franklin, Dan Henderson (Que estava no auge), Sonnen (Sim, Sonnen era um ótimo peso médio) e o Belfort.

    • Jonas Angelo

      Rodrigo, nessa você matou a pau: “Pra resumir: acho Jones o melhor carregador de piano do mundo. E Anderson o melhor artista. Um toca bumbo, o outro violino. Nunca veremos Jon Jones dar show como Anderson dava, Jones é responsável demais pra isso”

    • Lucas Pereira Carrano

      Rodrigo,

      Interessante seu ponto de vista – e as definições sobre cada um dos “candidatos” ao posto de melhor.

      A única ressalva que faço é com relação a questão de “se dever a algo natural e não uma habilidade treinada”.

      Como todo esporte, o MMA é uma combinação de fatores físicos, técnicos e psicológicos.

      Portanto, por mais que o afã pela excelência as vezes nos pregue peças, é legítimo que alguém se destaque por uma condição física que lhe é natural ou foi trabalhada ( sempre dentro dos limites éticos da prática esportiva). Além disso, saber executar os melhores movimentos para seu biotipo em determinada prática esportiva não pode deixar de ser considerada uma capacitação técnica.

      Abraços!

  • Kelion Almeida

    Caraca, texto muito bom!
    Que venham as superlutas para sacramentar esse posto!

  • Dan Mendes

    Concordo com texto. Quando terminou a luta pensei. Não tem jeito é o maior de todos, com um dor no coração por que não gosto de sujeito, Assim como levantado no texto acredito que a falta de carisma (ou de caráter) faz com o Jones não tenha mais pessoas o reverenciando.

    Inteligente o conselho final: Se o Fedor tivesse parado antes das 3 derrotas talvez o víssemos como maior indiscutivelmente.

    Muito inteligente usar este testo, vai conseguir muitas visualizações e comentários.

    GOAT de cu é rola!

  • Gabriel Bianchi

    Ótimo texto e belíssima análise,mas ele vai no caminho contrário da popularidade ao dizer depois da luta que teriam engoli-lo,acredito também que tem potencial para ser o melhor de todos os tempos,mas não conseguirá não ser questionado pois tem contra si o pouco poder de nocaute,aqueles inesquecíveis com um soco só e nem com suas famosas cotoveladas rodadas não consegue,então terá que terminar invicto para ser imortal.Não considero a derrota que teve por que nem o vencedor considera como vitória.

  • Franklin Stein

    Um ponto de vista de quem considera o Anderson Silva como “o melhor de todos os tempos” ainda http://www.mmafighting.com/2015/1/4/7490959/ufc-182-aftermath-jon-jones-the-greatest-of-all-time-not-quite-yet

  • Raphael Seiji

    Carrano, meus parabéns pelo texto, argumentos muito consistentes, texto realmente muito muito bom! Porém, na minha opinião, você tocou num assunto extremamente delicado, por dois motivos, a saber: 1) grande parte do público não consegue despir de preferências pessoais por ‘este’ ou ‘aquele’ lutador. 2) a subjetividade intrínseca ao tema, citada por você no próprio texto.

    Admiro muito Jon Jones como lutador por sua mentalidade (ainda) inabalável, que o faz extremamente frio em seus combates, o que lhe permite nadar pelas águas mais profundas que seus oponentes oferecem (por exemplo: desafiar o wrestling de DC); e principalmente, pela humildade de reconhecer e ajustar os erros que apresenta nas lutas, como quando reconheceu que deveria trabalhar seu jiu-jitsu após sofrer o arm lock do Belfort.

    Enfim, vejo Bones caminhando a passos largos para ser considerado GOAT. Apenas sou reticente quanto ao Spider, devido a magia e imprevisibilidade que o cerca. Mas acredito piamente que Jon Jones irá trabalhar para que seu nome seja o primeiro a ser lembrando quando o tema for “o melhor lutador de todos os tempos”, inclusive, Bones já está tratando sobre o tema nas últimas entrevistas.

  • Rodrigo Tannuri

    Muito legal o texto! Também vejo o Jones como GOAT do MMA. Os nomes no cartel, suas atuações, habilidades e mentalidade só reforçam isso. Ele tem tudo pra consolidar ainda mais este cenário. Os fãs podem amá-lo ou odiá-lo, mas não dá pra negar o que esse monstro está fazendo. Sou fã confesso! Muitos o chamam de lutador sujo, falso, mas o jeito nem aí dele pra essas críticas é sensacional. O cara provoca e, quando é provocado, não tem essa de pagar de bom moço por ser campeão. Retruca mesmo. Jones não é apenas envergadura. É um talento natural que vai além e que é extremamente dedicado. Acho muito legal as declarações ambiciosas dele. No nível em que está, tem que pensar em quebrar esses recordes mesmo.

  • Rodrigo Kenok

    Qualquer critério que a gente tenha pra definir qual é o melhor lutador de todos os tempos nos permite, de certa forma, afirmar que é o Jones… oq muitas vezes esbarra nisso é a popularidade negativa (ja aceitou o papel de vilão), a envergadura muito acima da média (como se somente isso fosse suficiente), as acusações dele ser um lutador sujo e até mesmo o simples fato de que muitos fãs não conseguem aceitar que, com 27 anos de idade, o Jones ja tem um recorde melhor que o do AS e Fedor, ja mostrou genialidade e ainda tem muito tempo nesse esporte pra fazer mais historia… Eu não gosto muito do Joe Rogan (por vários fatores) mas tenho que concordar com ele nisso: Jon Jones é, possivelmente, o maior talento que ja vimos na historia desse esporte

  • Leo Corrêa

    Não sou fã dele, mas, uma coisa que eu admiro no Jones é que quando ele chegou no topo ele só lutou contra os melhores da sua divisão (com exceção de Chael Sonnen, que a gente sabe o porquê…).

    Sobre ser o melhor, só se for do UFC. No mma mundial, pra mim, continua sendo o Fëdor. o

  • mazzaropi

    Meu Deus do céu, o que é isto?

    Que texto genial!

    O cara puxa puxa os dois lados, aquele que elogia e aquele que critica, acolhe os dois… Expõe a problematização, contextualiza racionalmente, evidência fatos, divaga, explana possibilidades, justifica fatos, acrescenta detalhes, reflexiona, reflexiona, transforma possíveis subjetividades em argumentação sólida, escreve com simplicidade, viabiliza o positivismo…

    Fantástico!

    • mazzaropi

      Eu ainda acho que no mar de subjetividades e a luz da realidade de si, cada um definirá segundo seus critérios subjetivos seus “campeões de todos os tempos” e se a conjectura for maioria, sim, neste momento muito dirão a mesma coisa… kkk!

      Eu acho que no quesito nocautes Tyson foi o maior de todos os tempos, em superação Hollyfield… Rickson Gracie foi exaltado, mas no auge não enfrentou Euclides Pereira… Anderson é genial, mas não quer enfrentar brasileiros e nem amigos… Jones é genial, mas não enfrentaria Anderson… Maguila conquistou brasileiro e sulamericano, mas Eder Jofre só teve duas derrotas na carreira e ainda sim contestadas… No MMA, aos trancos e barrancos, um cara chamado Fedor enfileirou todos oponentes por 10 anos… Nunca negou combate. (Atualmente com 35 anos bate em muita gente se quiser… kkk!)

    • Celso blu

      Concordo plenamente com sua análise.

  • Celso Gomes

    Minha análise é bem mais simplista. Para ser o maior é necessário causar frisson no público com nocautes ou vitórias acachapantes e impactantes, tipo a do Spider contra o Griffen. Não vejo isso no Jhon, o que vejo é muito parecido com o que eu via no GSP, estratégia para se manter campeão, na maior parte das vezes amarrando a luta, como foi o que aconteceu contra o Cornier, muito tempo agarrados com pouca ação.
    Penso que para se tornar o maior de todos os tempos seja necessário fazer o que outros não fizeram, como o Pelé por exemplo.
    De qualquer forma respeito a opinião de quem tem visão diferente, mas as lutas do Slide sempre foram espetaculares, já que estamos falando de espetáculo.
    Celso Blu.

  • Maykon Douglas

    Jon Jones fazendo mais defesas de cinturão na LH, e finalmente subindo pra H, ele tem tudo pra conseguir um title shot nos pesados, imaginando um possível confronto entre ele e Cain, valendo a cinta, acredito que caso JJ vença esta luta, seria muito difícil não coloca-lo como “Greatest of all time”

  • Lucas Pereira Carrano

    Amigos, é incrível como sabemos tão pouco.

    Durante as quase três horas a que me dediquei a este texto, eu basicamente pensava: “Ok, não há com o que se preocupar se a repercussão for negativa. Pelo menos, com o sinal da audiência, fica a expectativa de que a semente da reflexão terá sido plantada”.

    Mas, no fim das contas, confesso que fiquei bastante surpreso com a aceitação e repercussão positiva desta opinião. Sinal de que algumas “certezas” que pairam por aí podem estar prestes a mudar? Quem sabe, as vezes é até tema para uma futura coluna… hahaha

    Agradeço aos comentários e prometo que amanhã, com mais tempo, vou tentar respondê-los individualmente.

  • Dan Mendes

    Não vai ter podcast esta semana?

  • Danilo Lopes

    Acho engraçada essa discussão sobre o que é “desleal” ou não no MMA.

    Vejo muita gente usando o adjetivo “desleal” de forma generalizada pra caracteriza o cara e ainda não entendi muito bem o que isso significa.

  • Andre Nishimura

    “Pare como uma lenda, ou continue tempo suficiente para se ver tornar-se um mortal”
    Que texto da hora, viajei lendo hahahaha … e fecho o texto com chave de ouro !!!

  • João Marcos Damasceno

    Senna, 3 títulos mundias. Schumacher, 7 títulos mundias. Acho que um campeão não se faz por números, minto, um cara que quer ser melhor de todos os tempos não se faz com números. O Janjão é foda! Mas nunca chegará na elegância de um Fedor, de um espetáculo de um Spider, e uma amarração bonita de um GSP! Enfim… Eu sou apena um torcedor, um admirador, um cara que só gosta de MMA. E o Jon Jones nunca será o meu 1# p4p all time!

  • Lero

    Sou meio Fedorzete; Se o JonJoão Ganhar de forma CONVINCENTE do Gustavão “de novo” Vou aceita chamar ele de GOAT. Antes não.

  • Rafa FriAll

    Numeros, performances e qualidade dos adversários. Tudo está a favor de Jon Jones. E mesmo que alguem venha dizer que ele não tem a genialidade do Anderson eu digo que para mim vencer o adversário em seu campo (como Fedor fazia) é sim coisa de gênio. Perfeito texto!

  • Jonas Angelo

    Muito boa sua análise Lucas, conseguiu transmitir ideias novas e interessantes.

    Eu, particularmente, não gosto de eleger “o melhor de todos os tempos”. Me contento em saborear o máximo de cada um dos “candidatos” ao cargo. Claro que é necessário vender um título implícito de melhor do mundo, só não prefiro analisar lutadores sob essa ótica.

    Não vi Fedor Lutar (Pelé jogar), então não posso falar muito. Mas pelo que revi, ouvi, li e pesquei, o cara jogava…ops, quer dizer, lutava absurdamente, de maneira inigualável e original.

    Já Anderson Silva é o artista, o bailarino, o artista plástico do MMA, o cara que dava, criava, fazia o show e o espetáculo, o cara que entrava em transe como Senna, e está para o MMA assim como Gaúcho, Messi e Garrincha estão para o futebol.

    Jão Jonas é o anticristo, o anti-herói do MMA, o vilão. Não é um típico camisa 10. É um Ibrahimovic do MMA. Não é grosso dentro do cage, mas fora dele não faz cerimônia nenhuma pra não ser. É negro (e sim, isso pesa), usa golpes e táticas “imorais”, não faz questão de ter carisma ou ser simpático, não faz questão de agradar o patrão, é brigão, tem o Ego inflado. Mas sim, Jones é do caralho! Luta, bate, apanha, faz estratégia, torna caras fantásticos em aposentáveis, os domina em suas áreas. E foi campeão somente com 23, demonstrando uma força mental monstruosa, inclusive em fazer defesas contra caras tão fortes.

    Enfim, resumindo: não sei se curto a ideia de colocar um melhor ou pior do que outro. São diferentes, e por isso são espetaculares no que fazem. Se fossem iguaizinhos, talvez justificasse eleger um “melhor”.

  • Pedro Duarte

    Jones talvez seja o melhor mas não o mais especial. Ainda acho que existe algo que o separa de Anderson, Fedor, GSP e Aldo.
    É questão pessoal, mas a vantagem física do americano sobre seus adversários é o mesmo que me faz não ser fã do Super-Homem, e sim do Batman.
    Anderson sempre foi um lutador unidimensional, mas sua capacidade de improviso e efetividade eram executados de maneira ímpar. GSP dominava todos os aspectos do jogo, lutava com adversários maiores e os dominava como nunca antes visto. Fedor dispensa comentários (Ainda que seus 10 anos de invencibilidade sejam míopes, pois entram nessa sequencia combates patéticos contra Choi Hong-Man e Zuluzinho, por exemplo). Além do Aldo, que pra mim é de fato o melhor P4P da atualidade por ser igualmente dominante, enfrentou competição ainda mais acirrada e não possui qualquer vantagem física sobre seus adversários

  • Bruno Fares

    Apenas uma ressalva: Ali não foi o maior boxeador de todos os tempos. Nem dos pesados. Foi a maior personalidade do boxe, isso sim.

    Parabéns pelo texto Lucas, muito bom. Realmente essa discussão é muito subjetiva, pois épocas diferentes tem análises diferentes.

    É o mesmo problema de comparar o Messi com o Garrincha.

    Tecnicamente acho ele o melhor mesmo.

    Ainda acho o LEGADO do Fedor maior, seus 10 anos de invencibilidade, sua aura de indestrutível e do homem mais temido do planeta.

    Até por ser PESO PESADO, ou seja, o teórico campeão absoluto do MMA.

    Acho que o Jones poderia desafiar e ganhar do campeão dos pesados do UFC. Aí não teria muito o que falar hahahaha.

    Mas convenhamos que mais uns 3 ou 4 anos de invencibilidade, e uma explicação nao será necessária após uma manchete de “Jon Jones: o melhor de todos os tempos”.

    abraços!

  • Jônatas Freitas

    Não vi o Fedor lutar e só vi o auge do Anderson, agora, acompanhei a carreira do Jones e pra mim ele é o melhor, se passar pelo Alex, tem que subir de categoria (óbvio). Já pensou? Ele varrendo os pesados também? É difícil, mas não impossível! É claro que na categoria de cima o buraco é mais embaixo, mas com o talento que esse cara tem não duvído mais de nada.

    José Aldo tá no bolo também, tem que passar pelo Pettis né? Sem dúvida vai ser a luta mais técnica da história do MMA. Pelo McGregor ele passa fácil..

  • Raphael Seiji

    Só pra “apimentar” a discussão sobre Jones: o cara testou positivo pra cocaína!

    • Fabricio Alves

      E cocaína não é considerado doping fora do período de competição.

    • Jônatas Freitas

      🙁

  • Se Fedor é Pelé do MMA, Anderson Silva, o Garrincha, Jones é o Maradona, certo?
    Agora sabemos como ele ganhou uma “carreira” de lutadores… kkkkk

  • doujhou

    sem mais, jones o melhor ”kilo por kilo” atualmente.

  • Comprei 1 kilo de farinha pra fazer farofa-fa kaekaekeak Drogado!

  • Caio Abreu

    e ai galera jon jones seria o maradona do mma.. hehe

  • Junior

    Se Anderson Silva der a volta por cima, vencer Diaz e vencer o seu Algoz Weidman após quebrar a perna nos seus quase 40 anos, ele entra nessa briga de Maior de todos os tempos com vantagem sobre Jones, GSP e Fedor.

  • Daniel Campos

    Concordo com o Thiago Arruda, falta algo nele para ser definitivamente um GOAT.
    Ele é extremamente técnico, mas é um LHW que tem a maior envergadura do UFC, talvez perca para o Struve, mas não tenho certeza. A vida fica muito fácil, ele luta confortável com a maioria. Se o Jones subir de categoria, ou até marcar umas 2-3 lutas contra HW e vencer com propriedade, acho que ninguém poderá negar o título de GOAT dentro do MMA. mas até lá ou ele faz a mágica no octógono ( e por favor, sem dedo no olho e torsão sacana de braço/ombro) ou sobe e vence HW’s. enquanto isso não acontecer ele só será o melhor LHW de todos os tempos.

  • Ricardo Betti

    Melhor de todos os tempos não existe pra quem ainda vai lutar… se ele perder já não vai ser mais o melhor como aconteceu com o Anderson… se o Anderson não tivesse perdido todos falariam ” nunca Anderson é o melhor”… O melhor peso por peso atualmente eu até concordaria ,se não fosse pela luta contra o Alexander.. que ao meu ver foi vitória do sueco… vitória ao quadrado ainda… deu uma surra no bones .. sendo assim ATUALMENTE pra mim o melhor peso por peso é o José Aldo.. se passar pelo conor então fica mais a frente ainda…

  • Juliano Amaral

    Artigo muito bom, mas Jon Jones não é o melhor. O cartel do cara é muito bom, mas a maiorias dos especialistas em luta diz que Gustafsson ganhou aquela luta. Eu tbm acho, mas vamos deixar esse comentário pra depois. Ele venceu alguns ex-campeões já cansados e quase aposentados. Agora eu tenho que admitir o seguinte: o cara tem uma envergadura fantástica e sabe usá-la muito bem, muito forte e inteligente, extremamente maldoso (dedos nos olhos dos adversários diversas vezes, chutes nos joelhos…) Se ele subir de categoria e vencer Cain, Cigano ou Werdum, aí sim, eu digo que o cara é o melhor de todos os tempos.

Tags: ,