Roy Nelson é uma baita
bola fora do Bellator

João Vitor Xavier | 31/05/2017 às 14:01

Sei que tenho sido bastante elogioso com o Bellator em alguns dos meus últimos textos e quem me conhece sabe que sou fã do trabalho de Scott Coker.

Apesar de alguns desvios de percurso, como Kimbo Slice x Dada 5000, a segunda maior organização de MMA do mundo tem feito um bom trabalho ao aumentar sua relevância entre os fãs hardcore do esporte, enquanto expande sua marca para os torcedores casuais.

Porém, fica difícil justificar a assinatura do quarentão Roy Nelson, peso pesado campeão do TUF 10 e de saída do UFC. Ao contrário dos últimos nomes que migraram do Ultimate para o Bellator, Big Country está claramente em decadência.

Acho que foi mais para que eu entendesse o que é melhor para a minha família. Eu vim e falei com a minha mulher e nós meio que fomos lá e decidimos o que precisávamos fazer pela qualidade de vida. São coisas que melhorarão a nossa qualidade de vida a partir do estresse que eu passei”, justificou Nelson no MMA Hour.

Nelson ainda vem de gancho por chutar árbitro

Suas últimas vitórias foram contra Jared Rosholt e Antônio Pezão. Perdeu para Alexander Volkov, ex-campeão do Bellator, Derrick Lewis, Josh Barnett, Alistair Overeem e Mark Hunt – este último lhe nocauteou, fato único na sua carreira pelo UFC.

Além do cartel recente pouco atraente, acho o poder de marketing de Nelson bastante superestimado. Seu gimmick, sua marca registrada é o barrigão saliente e o jeitão caipira, que normalmente caem bem no Bellator.

Porém, em uma divisão como a dos pesos pesados, quase desértica, colocá-lo no mix para o título é péssima ideia.

Desvaloriza muito a companhia contratar um lutador que já não se encontrava na organização rival e alçá-lo à condição de contender.

Não se enganem: apesar da péssima fase, Nelson tem potencial para ser campeão do Bellator, o que não é nenhum mérito, já que o melhor peso pesado do elenco de Coker é Fedor Emelianenko, que nem contrato exclusivo tem com a companhia.

Além de Fedor, que é realmente o melhor pesado de todos os tempos, mas claramente devia estar aposentado, o Bellator tem nomes como Cheick Kongo, Matt Mitrione, Justin Wren, James Thompson e Sergei Kharitonov. Nelson nocauteou os dois primeiros, venceu o terceiro durante o TUF e, hoje, seria favorito contra os outros dois.

Portanto, Nelson chega para ser campeão. O que, repito, é um tiro no pé do Bellator, que desvaloriza uma divisão já combalida trazendo um atleta que não era nem mais ranqueado no UFC para ser o poster boy, a estrela dos pesados.

O “belly rub” e a forma física não cativam mais

Alguém pode dizer que a contratação de Big Country é só o início de uma revitalização da categoria. A ideia de Coker pode até ser começar uma renovação com a chegada de um nome que tem apelo entre os fãs mais casuais (apelo este superestimado, repito).

Mas o problema central da questão é que os pesos pesados são, naturalmente, uma divisão escassa.

Primeiro por uma questão básica de que a porcentagem de homens que pesa entre 100 e 120 kg. é menor que a que pesa, por exemplo, entre 70 e 80 kg. Por isso, os leves e os meio-médios são divisões ricas.

Outra questão é que, principalmente nos Estados Unidos, atletas pesados que iniciam uma carreira no wrestling têm a opção de jogar futebol americano na universidade, o que é bem mais rentável, no geral.

Por isso, é difícil achar pesos pesados de qualidade. Até o UFC sofre com isso. Antes de Francis Ngannou e Lewis, o último prospecto até 120 kg. tinha sido Cain Velasquez, certo?

A intenção de Scott Coker pode até ser boa, mas acho que começou de forma muito errada. O ideal para o Bellator é fazer um scout nas promoções regionais, nos Estados Unidos e mundo afora, e achar um prospecto de qualidade. É difícil, mas não impossível.

Vale mais a pena fazer uma estrela do que trazer um “astro” (entre aspas mesmo) em decadência.

  • Lele Me

    Até que enfim alguém pensando como eu. As pessoas precisam parar de ver o ‘personagem’. Esse cara sempre foi um fanfarrão, sempre foi mais simpatia do que qualquer outra coisa.

    Eu sei que é difícil lidar com isso porque é a mesma coisa do jogador que sai do Brasil e faz sucesso lá fora, voltando depois com 30 e blau. As pessoas acham que vai voltar aquele lá de trás, só que quase sempre se frustram. Nesse caso nem tem o que se frustrar porque pelo amor de Deus, achar que isso aí vai trazer algo de bom para a instituição, poutz!

  • Ricardo Mazzo

    Entendo, mas discordo. Qual seria a opção então? Deixar o Nelson ir para alguma outra organização e roubar público do Bellator? Se o gordo chega com chances de título, quer dizer que ele é potencialmente melhor que seu atual campeão, não? Dessa forma, em média, ele está aumentando o nível da divisão. Por isso não acho que o Bellator errou. Eles se defenderam bem do mercado e adicionaram alguém de nome em seu plantel, por mais gordo e decadente que seja.

    • Malk Suruhito

      Como um cara que vem de várias derrotas em uma divisão já bem fraca no maior rival, chegando com possibilidade de ser campeão está aumentando o nível??

      • Ricardo Mazzo

        Se ele chega com possibilidade de ser campeão, concorda que ele é potencialmente melhor que o top 3 da divisão? Então ele está aumentando o nível da divisão. É um passo pequeno, mas o Bellator fez a coisa certa.

        • Malk Suruhito

          Se ele chega a ponto de ser campeão e não era nem top 10 na organização anterior, ele tá na verdade nivelando por baixo a divisão, ou seja, o cara que nem entraria no TOP 10 do UFC, mas no Bellator chega para ser campeão. É isso que a matéria quer dizer.
          Agora, se chega um Top 3 do UFC e este, nem consegue vencer um top-5, ai sim mostra que a divisão é bem forte.
          Resumindo: se vc trás um cara fraco, a divisão só fica mais cheia de caras fracos, se vc trás um cara que era forte, mas nesta, fica no meio de tabela, é sinal que a divisão estava forte e ficou mais forte e disputada ainda.

          • Tiago Nicolau de Melo

            Mas já conhecemos os nomes da Divisão no Bellator e próprio autor do texto concorda que o Nelson é favorito contra boa parte (ou todos).

            Se um cara vem de fora (seja do MMA amador ou do Rugby) e vence os atuais Tops da Categoria, ele é melhor do que os que o precederam, logo elevou o nível (mesmo que minimamente).
            Não se trata nem de ser o Roy ou não, se trata de lógica.

          • Colleman

            Concordo com os amigos…. e outra, acredito que o jogo dele casa muito bem com o próprio Fedor (vide luta com o nosso amigo Caipira de Aço).

          • Malk Suruhito

            Maldonado é muito mais boxer do que o Nelson que só tem (tinha) um overhand do capeta.

          • Malk Suruhito

            Ele é melhor ou os caras que são piores que um lutador de MMA amador ou de Rugby e deu um choque de realidade nos mesmos?
            Vc quer enxergar o copo meio cheio..

          • Tiago Nicolau de Melo

            O que o Bellator tem é do nosso conhecimento. Apaga o Nelson da memória, apaga até o MMA. Faz assim:

            Vettel, Hamilton, Kimi e Verstapen estão numa disputa acirrada no campeonato de F1. Valderi Bottas que não é Top5 abandona a Mercedez e eles trazem um coroa da Indy que nunca venceu uma prova. Esse coroa chega disputando em pé de igualdade com Vettel, Lewis, Verstapen e Kimi. O coroa não elevou o nível?

            Roy é o coroa. Vettel e cia são o plantel do Bellator, Indy é o UFC.
            (Seria mais legal nessa analogia usar o UFC como F1 e o Bellator como Indy, mas não sei o nome dos pilotos da Indy).

            ps.: eu até nem acho (como o autor do texto) o Nelson tão favorito contra “a nata” da HW do Bellator. 50/50, no máximo.

          • Malk Suruhito

            Aqui explica “cientificamente” o que eu estou dizendo e a sua perspectiva :v
            http://exame.abril.com.br/tecnologia/cientistas-comprovam-teoria-de-how-i-met-your-mother/

          • Tiago Nicolau de Melo

            iuahuishaushiuahsias, HIMYM <3

            Mas o Nelson perderia no visual pra qualquer HW, nisso concordamos.

  • Tiago Nicolau de Melo

    Afirmar que ele provavelmente será Campeão e que é um HW em decadência só demonstra o Saara que é essa divisão. Se o UFC, sendo a maior Organização de MMA do Mundo, possui em seu Top15 lutadores beeeeeem questionáveis, não é o Bellator (2a força) que vai abrir mão de ter um Lutador que ainda possui uma certa fama e ainda tem chances (segundo o próprio autor da Coluna) de ser Campeão.

    Nelson é um lutador abaixo da média? sim, seu cartel comprova isso.
    Coker devia deixá-lo a ver navios? de maneira nenhuma.

    • KRS Porlaneff

      Eu falei isso já no forum e digo aqui: o UFC não tem nem top 10 na HW, quanto mais top 15.

      Miocic campeão, e os outros 10 se espalham (colocando aqui em ordem completamente aleatória) entre Cigano, Cain, Werdum, Ngannou, Lewis, Overeem, Big Ben, Arlovski, Struve e… e mais quem? Hunt vindo de duas derrotas? Magomedov e Blaydes pêgos no antidoping? Oliynyk que tava vindo bem e derrapou contra um oponente muito vencível e inferior? Os novatos de UFC Volkov e Ledet?

      HW é caso complicado, mas pode ficar interessante com essas categorias novas que a CSAC abriu – sendo uma delas até 225lbs. Como eu também falei no forum, há uma boa chance de separar HWs técnicos de HWs freaks se isso for adotado por todas, alem de termos alguns LHWs subindo.

      • Luis Coppola

        Blaydes pegou um gancho de 3 meses, e já está com luta marcada para o UFC 213 contra o Omielanczuk..

        • Idonaldo Gomes Assis Filho

          E vai esmagar, Omielanczuk tá fazendo hora extra já praticamente

      • William Oliveira

        Sem chance de fazerem isso, LHW já é vazio e ainda teria que subir alguns pra essa divisão ser competitiva? E deixar a 265 só de freaks? Não, duvido.

  • Fernando Ribeiro

    Acho que o gordão tem seu valor ainda, não muito, mas tem. Ter algum destaque no Bellator talvez seja melhor que ser só mais um no UFC, ainda mais se vc ter em mente a politica anti-doping frouxa do Bellator. Acho que foi uma boa aquisição do Coker.
    Sobre o Velasquez ter sido o último prospect dos pesados, lembrei do Todd Duffee, ela também não era um prospect? Se bem que ele perdeu pro Frank Mir, então realmente não dá pra esperar muito do cara. Mas seria legal se ele lutasse com mais frequência, considerando a escassez da divisão, até que o Todd faz falta.

    • Luis Coppola

      Todd operou o ombro recentemente, disse que planeja voltar em novembro..

      • Tiago Nicolau de Melo

        Curto ele.

        • Idonaldo Gomes Assis Filho

          tutututu…

          • Tiago Nicolau de Melo

            hiuahsiuahuishuaisa
            disparou?

      • Fernando Ribeiro

        Tomara que volte ainda esse ano.

  • Luis Coppola

    Roy Nelson falando em qualidade de vida chega a ser cômico!
    Já deveria se aposentar, não tem gás nem pra 4 mins de luta..
    Falando sério, sem chacota nenhuma, se aposentando com um mínimo de qualidade de vida, afinal ele tem mta coisa pra ser vivida, e sem infartar no cage, Big Country já estará no lucro.

  • Daniel R Carletti

    Eu curto o Roy Nelson. As lutas dele costumavam ser divertidas, apesar das últimas terem sido bem zuadas. Acho que ele tem valor sim, tem amigo meu que não sabe quem é Alistair Overeem mas sabe que Roy Nelson é aquele gordão que nocauteia os maluco e alisa a barriga depois.

    • Idonaldo Gomes Assis Filho

      Idem, pasmem meu pai sabe quem é o Roy Nelson mas não conhece o Shogun

  • Tiago Nicolau de Melo

    Se o texto tivesse como título que o Gordinho é uma “bola fora” ou uma “aposta perigosa/no escuro”, acho que encontraria mais eco.
    “Baita Bola Fora” seria contratar um cara que perdeu as últimas 4 lutas num Evento pequeno, trazer o Mondragon (que eu até nem acho que seria “baita”RSRSR), anunciar um LHW mediano como grande contratação pra HW, contratar um advogado pro irmão do Fedor pra ele voltar a lutar… coisas assim.

  • Lucas Santana

    Acho que uma solução pro Bellator encher os pesados de uma qualidade pelo menos mais gabaritada é chamando caras do leste europeu, que para mim vai ser o futuro das duas categorias mais pesadas do MMA e falando de HWs Americanos, existe o Wrestling Profissional que não precisa levar soco de ” verdade” na cara.

  • pablomaz

    Homem de 100kg-120kg tem aos montes. Lutadores é que são poucos, ainda mais sem poder usar dorgas tanto pra ser um tipo atlético de 120kg, quanto pra conseguir aguentar o tranco de treinar MMA com esse peso pra lutar profissionalmente. Quanto pesava o Belfort com 20 anos?

  • William Oliveira

    Texto bem escrito mas discordo totalmente, Nelson é o perfeito exemplo de lutador que deveria ir para o Bellator pois a última coisa que vai embora é o punch, e isso o gordinho sempre teve, você acha que a galera não vai gostar de ver ele esmagar uns freaks por aí? Pelo amor de deus, Bellator só tem HW fora do seu prime, normal o Roy ser um desafiante aí, e nada de errado.

    A parada é que ele continua com apelo midiático, apoio da torcida norte americana por ser um fan-favorite e vai render bons números, é o que importa no final.

  • Wellington Fonseca

    Nelson deixou de ser um lutador temido faz tempo, mas na terra arrasada dos pesados, ainda mais no Bellator, creio que tenha algumas garrafas pra vender. Nome pra catapultar mais um pouco o nome do Bellator, isso ele tem de sobras.

  • Gustavo Lima

    Gordão vem porque vende bem, mas não tem chance nenhuma de ser campeão com esses Aliens se desenvolvendo dentro do ventre dele. Podem confiar, ele está muito atrás de Kongo, Kharitonov, Wren, etc. Acho que até o Lawal com um gameplan maneiro bate ele…

  • Gustavo Lima

    Bola fora do UFC, bola dentro do Bellator. Se é que você me entende.

    http://68.media.tumblr.com/tumblr_lk0onnznVH1qjp1zxo1_500.gif

    • Tiago Nicolau de Melo

      iauhsuihasasias! Well played, Sir!

      No final do Gif a Adele tá parecendo a Adriana Esteves.

  • Thiago_NCO

    Minha esposa aprendeu quem era o Roy Nelson antes de saber quem era Anderson Silva. Ela achava divertida aquela figura rechonchuda que alisava a barriga depois de mandar um bombadão pra lona. Com o tempo, ela pegou gostou (pelo UFC apenas); não se tornou hardcore, longe disso, mas hoje assiste os eventos comigo.
    Esse é o “público alvo” do Big Country. Se os pesados to Cocker são rasos, se o nível sobe ou desce, blablabla, isso eu não sei. Só sei que o gordão tem apelo e carisma. O resto é choro de fã hardcore (5% do total, sendo otimista)

    • Vinicius Maia

      Minha mulher também kkkk. Ela fica triste com o Roy Nelson perde.

      • Thiago_NCO

        Idem!!
        Na primeira vez que ela viu, ela falou “vou torcer pra ele, ele me lembra o Garfield, meio gordo e preguiçoso”

Tags: ,