Colunistas Respondem: Jones / Pride / McGeary

admin | 28/12/2014 às 00:09

Nessa edição de “Colunistas Respondem”, tentaremos sanar as dúvidas dos leitores Kelion Almeida, Christian Maia, Vítor Câmara e Geovanny sobre os tópicos “Jon Jones”, “Rounds do Pride”, “Liam McGeary″ e “Lesões no MMA” – respectivamente.

Vamos lá:

Captura de Tela 2014-12-26 às 14.35.01

Alexandre Matos: Ótima pergunta, Kelion. Acho que Jonny Bones já está no caminho de se tornar o maior de todos os tempos, não só pelo nível da concorrência batida, mas pelo talento e inventividade mostrados no octógono. Então seria apenas uma questão de tempo, tipo batendo Daniel Cormier, o vencedor de Alexander Gustafsson vs Anthony Johnson e concedendo revanche a DC. Assim ele igualaria o recorde de defesas consecutivas de Anderson e o de vitórias de GSP. A questão é que Jones precisa olhar para outro camarada. Se José Aldo subir de categoria e destronar Anthony Pettis, seria o manauara quem assumiria o posto. Neste caso, Bones teria que ir atrás de Cain Velasquez. Já imaginou que cenário épico? Torçamos!

Captura de Tela 2014-12-26 às 14.33.59

Fernando Cappelli: Acho que o fato de ‘mais tempo’ favorecer mais nocautes e mais finalizações é relativo e depende muito das características de quem está lutando. No Pride, os rounds mais extensos geraram quilos e quilos de discussões. Na época, isso também era adotado porque os praticantes de jiu-jitsu puristas exigiam um tempo maior para executar as táticas de finalizações corretamente. Então, para eles, seria uma das formas mais justas de equiparar handicaps. Atualmente, o MMA tenta aplicar pesos e medidas iguais nas regras para as ações de grappling e striking (pelo menos a intenção é essa). O nível de atleticismo aumentou vertiginosamente e por consequência a intensidade de desgaste dos lutadores também. Os cinco minutos de cada assalto foram convencionados para se adequar às normas das comissões atléticas e para combinar melhor com a nova dinâmica do esporte.

Captura de Tela 2014-12-26 às 14.34.20

Lucas Rezende: Interessante falar do Liam, Vitor. O inglês é muito técnico e o vejo acabando com a maré de sorte do Newton que passou raspando nas suas últimas lutas. Olhando o Top 15 do UFC como ele está atualmente, acredito que ele teria reais chances de vencer boa parte dos listados. Pat Cummins, Rogério Minotouro, Fábio Maldonado, Maurício Shogun (nessa fase em que se encontra, né) e Rafael Feijão seriam todos oponentes à sua altura, acredito, exatamente pelas qualidades que você destacou. Lembrando que ele é um faixa-roxa do Renzo Gracie e está invicto com 9-0 sem nunca ter ido à decisão. Talvez Cummins seja o desafio mais difícil do bolo, por ser um wrestler calibrado e muito forte fisicamente, que o obrigaria a estender o combate. Mas, caso mudasse de organização, o cara ainda enfrentaria um ou dois do fim da fila antes de chegar nesses. Ainda assim, Liam seria uma grande adição. É um dos lutadores que mais gosto de assistir no Bellator.

11111

Felipe Paranhos: Rezar. Isso se você acredita em forças superiores. Senão, é torcer mesmo. Me parece claro que o treinamento de MMA é brutal e complexo demais para que o mero cuidado dos atletas seja suficiente para evitar lesões. Ortopedistas, fisiologistas e fisioterapeutas ainda vão descobrir modelos de treinamento menos massacrantes e que gerem os mesmos resultados. Até lá, não se tem muito o que fazer.

  • Gabriel

    Vcs podem me responder uma pergunta , quanto tempo countdown ė gravado antes da luta

    • mazzaropi

      Vou ligar para meu empresário!

    • Renato Rebelo

      Gabriel, não sei se entendi bem a sua pergunta. Vc quer saber com quanto tempo de antecedência, antes do evento, o countdown começa a ser gravado?

  • will

    O Alexandre Matos sugeriu que Jones lute com o Velasquez!!! Eu li certo? E os direitos humanos? Isso é tentativa de homicídio! A Comissão Atlética nunca vai aprovar essa luta. Seria como 100 PMs do BOPE batendo num funkeiro de Havainas!

    • mazzaropi

      Será?

      • William Terres

        Filho, se os camaradas estiverem no peso a luta rola, não teria porque nenhuma comissão atlética impedir…

  • mazzaropi

    Vou responder as perguntas sendo curto e grosso…

    1. Cada campeão em sua respectiva categoria e sob a luz de sua própria realidade é o campeão e pronto. Não existe esse negócio de pound-for-pound… Existiu apenas neste universo um cara chamado Fedor, conhece?

    2. Não existe rounds diretos amigo, Veja, existiu combates sem limites de tempo e depois rounds de 10 minutos que favorecia o jiu-jitsu (como as regras do Pride). Os rounds de 5 minutos (herança do boxe) só dependem da estratégia em função das ferramentas do atleta. Atleticismo sempre existiu e o desgaste do lutador depende muito dele próprio. O atleta para vencer depende de bons treinamentos e uma excelente estratégia… Aqueles que não usam da perda drástica de peso antes das competições tem melhor desempenho dos demais (Não abordei a parte biomecânica).

    3. Atletas do Bellator ainda não podemos discutir, pois muitos ainda são negados…

    4. O segredo para que os atletas não tenham tantas lesões é fácil. Basta que eles treinem se preservando ao máximo, comam alimentos importantes, descansem proporcionalmente, e o principal, não façam uso da perca drástica de peso antes das lutas…

    Abraços.

    • Malk Suruhito

      Eu vejo P4P de duas formas:
      1 – O quão dominante é um lutador em relação ao restante da sua categoria;
      2 – Num utópico embate dos melhores lutadores de cada categoria entre si, quem seria o maior vencedor analisando caso à caso (esta forma, claro, por N motivos inaplicável).
      Em ambos os métodos só vejo um cara para figurar no topo: Cain Velasquez!

      • mazzaropi

        Hoje, vejo diversos campeões em suas respectivas categorias e tento cada um enfrentou pedreiras para poder estar lá… Mantenho a prerrogativa: Qual deles enfrentou mais pedreiras? Por quanto tempo isso durou?

        Realmente não vou questionar combates que nunca se realizaram…

        Durante 10 anos Fedor foi o cara! Hoje é Velasquez. Quem pode vencê-lo? Na categoria de Jones quem pode vencê-lo?

        • mazzaropi

          Fedor no auge enfileirou todo mundo!

          Cain venceu Cigano, mas já teve sua invencibilidade descabaçada… kkk!

          Werdum provou que uma zebra pode se tornar campeão!

          Rickson não enfrentou Euclides Pereira por que?

          Kron Gracie enfrentaria Toquinho no MMA hoje?

          Dizem que no período que Spider foi campeão não enfrentou os melhores…

          E aí galera, o que vocês acham?

        • Raphael Seiji

          Sua visão sobre o P4P é a mesma que levo em consideração. No entanto, especificamente, na questão entre Velásquez e Jones, eu considero que Jones enfrentou (e enfrentará) muito mais pedreiras, enquanto Velásquez é dominante numa das categorias mais rasas do Ultimate (ainda cabe um adendo sobre os grandes períodos que Cain passa no estaleiro). Enfim… tomando isso como base, pra mim JJ é o topo do P4P.

          • mazzaropi

            Se eu fizesse uma análise sobre Jones ter vencido 5 ex-campeões da categoria, posso afirmar categoricamente que já é o maior de sua categoria, mas ainda não poderia dizer sobre todas as categorias…

            Não entendo, pois ninguém me disse quais são os critérios para se tornar o maior de todas as categorias… Talvez porque isto seja insano, irracional, louco, psicótico, sei lá… Não há explicação plausível para isto… (Cada dia que passa só vejo achômetros… kkk!)

    • O boxe tem rounds de 3 minutos, não de 5. E o atleticismo é muito, mas muito mesmo, maior hoje em dia do que há dez anos, nos tempos áureos do PRIDE.

      • mazzaropi

        Não mestre.

        Este é o tipo de armadilha que não se pode cair… Como poderia confirmar tal afirmação apenas com empirismos, achômetros… Não dá! Não existe escalas atemporais, nunca existiu protocolos de treinamentos, não existiu se quer registros dos treinamentos, tudo o que sabemos são coletâneas de informações e muitas deles imprecisas… Na atualidade ninguém fala de seus treinamentos com medo que o adversário trabalhe na contra resposta (e vai…).

        É o mesmo que falar de artistas marciais que nunca se provaram… Aqueles que treinaram e lutaram sim! O que existe são lutadores com suas histórias e seus fãs com suas conjecturas, algumas interessantes e outras lunáticas (risos)…

        Obs: Sobre os rounds estava falando do MMA mestre Alexandre Matos. Você lembra muito bem… kkk!

        • O atleticismo é melhor porque a ciência está sempre evoluindo. É por isso que, salvo raras exceções, recordes mundiais não duram décadas. É óbvio que os atletas do meio da década de 2010 têm condicionamento físico melhor que os da década de 2000 e que estes eram melhores que os de 1990. Isso é bastante óbvio e só exceções fogem a isso.

  • Leandro

    Renato,
    Não encontrei o local para enviar as perguntas.
    Tomando a liberdade de fazer o questionamento na parte de comentários mesmo, me responda, por favor:
    Por qual motivo você acredita que o UFC dispensou a Grace Tourinho?
    Você acha que tem alguma relação com Gary Cook, dirigente com, aproximadamente, um ano de Zuffa, super elogiado por Dana White, que trabalhou, em 2014, fechando acordos de televisão para a organização na Europa e Ásia?
    E para finalizar, na sua opinião, em se tratando dos interesses do UFC no Brasil, será o inglês que vai ditar as regras aqui no nosso país em 2015?

    • mazzaropi

      Esta pergunta seria respondida se soubéssemos quais eram os poderes de Tourinho aqui ou se ela própria falasse, mas como nenhuma das duas coisas aconteceram acredito que esta resposta o mestre Rebelo não se arriscaria a falar sobre…

    • Renato Rebelo

      Leandro, o que escutei nos bastidores é que a Grace recebeu uma proposta superior para voltar à empresa da qual ela era executiva antes. Sobre o substituto, o UFC – via empresa brasileira de head hunter- está a procura. Deve ser outro executivo com perfil semelhante… Enquanto isso, o Marshall Zelaznik, diretor de desenvolvimento internacional, acumula a função.

      • Leandro

        Legal, Renato!
        Sua resposta sanou a minha dúvida.
        Obrigado pela atenção e parabéns pelo portal que é, com toda certeza, “a pílula diária de MMA” para àqueles, que, como eu, curtem demais esse esporte, como a própria descrição do site sugere.
        Grande abraço!

        • Renato Rebelo

          Mt obrigado msm, irmão. Espero que continue conosco em 2015

      • mazzaropi

        Gênio!

        Quanto mais eu provoco, mas me surpreendo… kkk!

        • Renato Rebelo

          Hahaha curto suas provocações, Mazza = )

    • William Terres

      Falando sobre o acordo de televisão, creio que a Globo e todas as suas plataformas(combate, combate.com, combateplay, sportv e a própria tv aberta) fazem um bom trabalho no Brasil. Se os número$ são altos, aí já é outra história…

      • Olha, o UFC tá tentando trazer o Fight Pass pro Brasil. Não sei se o trabalho está sendo a contento não.

  • William Terres

    Quanto a última pergunta, sobre as lesões, creio que o alto número para as mesmas seja o treinamento equivocado. Esses dias o Durinho deu uma entrevista pro Combate, dizendo que toda sexta na Blackzilians tem o “meat day” ou o “Dia da carne”. Ele falou que toda sexta os caras saem na mão valendo, como se fosse luta de verdade. Aí não tem como nego não se machucar

    • Vitor Camilo

      Em compensação olha o nível da galera da Blackzilians. É complicado definir a melhor forma de se treinar.

  • Tiago Nicolau de Melo

    Não entendi pq o Alexandre falou sobre “revanche pro DC”. Caso o Bones vença com propriedade (o que acredito que vá acontecer), por que revanche?

    • Bastante simples: porque você acredita que o Jones vai vencer com propriedade e eu acredito que ele vai vencer com dificuldade.

      • Tiago Nicolau de Melo

        Beleza. Mas, não fica meio estranho o campeão vencer e rolar revanche imediata? Ou, nesse caso, não seria imediata? Seria tipo o Lawler, que pegou uma luta e voltou pro Barba denovo (e denovo, srs).

        • Isso, tipo o Lawler e tipo o próprio Gustafsson. Não precisa ser imediata.

  • Kelion Almeida

    Opa! Valeu por responder a minha pergunta.
    Concordo plenamente com a resposta, principalmente quanto a inventividade do tio Jones. Não tinha pensado no Aldo, que também tem méritos para disputar o posto. Porém creio que para ser considerado “o melhor” o atleta tem que dominar todos os quesitos do jogo e acho que um deles o João domina mas que nosso conterrâneo: O midiático. JJ com certeza é uma celebridade. Lembro dele participando no Altas Horas, da Globo. Sem contar a notoriedade que ganhou com a treta com o Cormier. Espero que o Aldo embarque no “trem midiático” que vem da Irlanda e consiga se destacar fora do octogono, por que dentro ele já deu o recado.

    • O aspecto midiático é importante mesmo, mas lembremos que o Aldo é da Escola Fedor Emelianenko de (Não) Promoção. Acho que isso não interfere na questão do maior de todos os tempos.

      • Kelion Almeida

        Comparação legal. Espero que realmente não interfira.
        Hey, cadê vc no podcast?

        • Dezembro foi osso, fera, mas já estou à disposição do Renatão novamente.

  • Vitor

    Se o Jones vencer DC e o vencedor de Gustafsson vs AJ eu coloco ele sim como o maior da história.

Tags: ,