Pensando alto: a análise informal do TUF 20 Finale

Renato Rebelo | 13/12/2014 às 02:58

Mais uma edição do reality show The Ultimate Fighter foi pra conta.

Em sua Finale, nasceu a primeira rainha da categoria até 51kg, a estrela de Charles do Bronx finalmente brilhou contra adversário ranqueado e um balde de água fria foi jogado sobre Daron Cruickshank e K.J. Noons.

Cortando o papo furado, vamos à minha humilde leitura do filé mignon:

SPARZACarla Esparza vs. Rose Namajunas

E não é que o bom e velho wrestling fez outra vítima (e outra campeã)? Rose parecia ter tudo a seu favor: envergadura, trocação mais criativa e fluida, velocidade, jiu-jítsu justo e até jovialidade. Esparza, cabeça de chave número um do TUF 20 – e primeira escolha de Anthony Pettis-, no entanto, bateu no peito e provou que não foi all-american duas vezes nos tempos de colegial à toa. A partir do momento em que encurtou a distância e aplicou pressão, a Monstra dos Biscoitos (Cookie Monster) viu Rose se abrir feito flor. Aí, entra outro ponto. A noiva de Pat Barry, que tinha crises de choro antes das lutas no reality show, chegou ao final do segundo round absolutamente desolada, abatida, como se tivesse perdido um parente – isso porque, na marcação de muita gente, a luta tava 1 a 1. É emotiva demais a moça! Quanto à primeira campeã da categoria feminina até 51kg, é melhor não se acomodar. A vencedora de Claudinha Gadelha x Joanna Jedrzejczyk poderá, muito bem, ser a luta mais dura de sua vida.

CHARLESCharles Oliveira vs. Jeremy Stephens

E não é que o menino da Baixada Santista adentrou o top 10? O potencial de Charles, com apenas 25 anos e 13 lutas no UFC, é assustador – mas alguns nós precisam ser desatados para que esse potencial seja alcançado. Antes de chegarmos neles, saliento que O Esquentadinho, bom defensor de quedas (65%), caiu feito banana madura e viu seu gás ir pro beleléu graças à blitz isonométrica do jiujiteiro – que poliu bastante seus double legs. A confiança em pé também é outra. Baseado em envergadura acima da média da categoria, Charles marcha pra frente fechadinho, abusando dos chutes na linha de cintura – até chegar no clinch e trabalhar cotoveladas e joelhadas contra a grade. Agora, vamos aos pontos sensíveis. 1- Não dá mais para não bater peso. Ou faz um trabalho de reforço muscular e sobre ou fecha a boca no período fora de competição. 2- Por mais que Stephens mereça os louros da sobrevivência, um faixa-preta do calibre de Charles não pode perder dois armlocks esticadinhos. 3- Nunca se sabe o que os jurados estão vendo, portanto, não rola puxar pra guarda no meio de um terceiro round aberto pra tomar cotovelada na cara (faz-se necessário um raciocínio mais estratégico). 4- Por favor, permita-se explorar o mundo. Você é Bronx Gold Team até a alma, eu sei, mas três meses de intercâmbio numa AKA, Roufusport, Alpha Male, Kings MMA, Cesar Gracie (principalmente, pelo boxe do Richard Perez), Alliance MMA, etc, não mudariam isso e poderiam mudar sua vida…

Mesmo vocês me vaiando, eu amo vocês e tenho certeza que um dia vocês vão me aplaudir. O Stephens falou que eu não era nada e que eu não ia aguentar a trocação dele, mas, pra me vencer, vai ter que fazer muito mais do que falar”, disse Charles.

DARONDaron Cruickshank vs. K.J. Noons

Alô, Reebok, vamos fazer da nova luva (que force a mão dos atletas a ficarem um poucos mais arqueadas) uma prioridade para julho de 2015? Ideal mesmo era a peça ficar pronta a tempo de Jon Jones x Daniel Cormier, mas esse é outro assunto. A vítima da noite fomos nós, fãs, que perdemos, no primeiro minuto do segundo round, a colisão entre dois dos melhores strikers do peso leve. Ou seja, o faixa-preta de taekwondo que solta coice feito mula levou um dedadão no olho do faixa-preta de kempo havaiano com 13 lutas no boxe profissional e 14 no kickboxing. Pra quem não fala bem o idioma inglês, a tradução de no contest é “empata coito”.

Outros resultados:

Yancy Medeiros finalizou (guilhotina) Joe Proctor no R1
Jessica Penne venceu Randa Markos por decisão dos jurados
Felice Herrig finalizou (armlock) Lisa Ellis no R2
Heather Clark venceu Bec Rawlings por decisão dos jurados
Joanne Calderwood venceu Seo Hee Ham por decisão dos jurados
Tecia Torres venceu Angela Magana por decisão dos jurados
Aisling Daly finalizou (armlock) Alex Chambers no R1
Angela Hill venceu Emily Kagan por decisão dos jurados

Abraços.

  • Luis Paulo

    Concordo sore o Charles, deveria realmente fazer um intercambio. é um monstro e tem tudo pra bater nos tops

  • Kelion Almeida

    Que tal Rose Namajunas x Paige Van Zant? Ambas tem um excelente nível na trocação, além de muita agressividade. Vencer a Namajunas seria o passaporte perfeito para a ex-modelo se candidatar a uma disputa de cinturão numa categoria tão desértica. Também seria bom para a ex-desafiante vencer a dona do prêmio da noite no UFC FN Edgar vs Swanson.

    • Dan Mendes

      Não é uma boa ideia: vai queimar uma jovem e promissora o ideal é que elas tracem caminhos paralelos.

    • JPOliveira91

      Eu pensei Jessica Penne x Paige Van Zant como TE junto com primeira disputa de cinturão entre Esparza x Gadelha/Jedrzejczyk. Sei que a Penne perdeu para a Esparza no TUF, mas como a categoria é rasa não vejo uma outra alternativa.

  • OrielRamazan

    Numa entrevista agora há pouco o Dana disse que vai conversar com o Charles, pra ver essa questão do peso dele e quem saiba, mandar ele subir. Charles tem que pedir mais uma chance pra ver se bate o peso direitinho e que se ligar de agora em diante, pois acho melhor que ele continue nos penas.

  • Carlos Montalvão

    .Meu rápido raciocínio (ou puta texto, como preferirem) sobre as lutas e lutadoras (es), pois estou levemente alcoolizado (mas não o suficiente pra escrever bobagem, não se preocupem haha)

    Emily Kagan x Angela Hill: Massacre total da moça com voz e risada insuportáveis, eu realmente esperava MUITO mais da Peters, sendo veterana, basicamente subiu lá pra passar vergonha em rede mundial e apanhar tentando trocar com uma campeã invicta de Muay Thai (mesmo que amador), passou vergonha e infelizmente deixou uma péssima impressão de que não treinou e subestimou a adversária. Uma pena, torcia pra ela;

    Alex Chambers x Aisling Daly: Torci para a LINDA da Astro Girl, mas nessa luta ficou implícito que ou a astro-física australiana é muito pequena pra categoria, ou a irlandesa é gigante para as peso-palha (tendo em vista que venceu a Jessica Eye, que hoje luta no peso-galo, mas deve ter perdido pra Daily quando lutava no mosca em épocas “pré-Bellator”, sei lá, ainda não fui atrás dessa luta), o que não ficou muito claro no TUF, pois todas pareciam mais ou menos do mesmo tamanho. Acho que a Alex tem muito mais potencial, mas faltou agressividade, quando ela levantou mais pro fim do round e andou pra trás, apenas fez isso, se tivesse recuado mando 2 ou 3 socos, teria garantido um tempo extra para sobreviver pelo menos até o segundo round, mesmo se fosse pega por aquele armlock.

    Tecia Torres x Angela Magana: Como tenho um quedinha pela Tecia, óbvio que fui Team Tiny Tornado, além do que, a personagem da “Sua Majestade” criada por Angela nas redes sociais é tão forçado que faz o Sonnen merecer um Oscar de melhor ator e apesar da Magana ser linda, postar foto no Twitter comendo salsicha, nudes e ser em alguns momentos engraçada, a guria mora na CASA do Muay Thai, mas não honra a arte e tem um trocação muito limitada, fora toda a polêmica do TUF contra as meninas, mereceu a surra que tomou da Torres (que por sinal, depois de uns 2 flash/knock down, já que os comentaristas do combate ficaram em dúvida, podia ter apertado o passo e vencido por TKO se tivesse menos cuidado em se expor pra adversária), ótima luta com mais um show de striking (guardadas as proporções) da Tecia, que não faz luta ruim.

    Joanne Calderwood (meu MOZINHO) x Seo Hee Ham: Terceira luta que a Calderwood rende muito abaixo do esperado e do que os fãs estão acostumados a ver com as lutas da doce escocesa no Invicta e nos highlights de MMA/Muay Thai dela no YouTube, mas venceu claramente a partir do segundo round (não sei o que o Artur Mariano e Carlão Barreto fumaram pra darem a vitória pra coreana) e aquele frontalzão na fuça depois da (entre várias) cotovelada giratória foi animal demais e a JoJo do 3º round sim é a que os fãs esperam ver nas lutas. E mesmo com a cara arrebentada, a DRKneevil não perde o encanto e fofura hahaha.

    Heather Jo Clark x Bec Rawlings: Estando do lado da Hurricane desde o começo do TUF, acho que ela foi bem superior ai que era esperado, especialmente com o joelho detonado, colocou a marrentinha da Bec no lugar dela e deu um chá de humildade pra ela depois de detonar a australiana por 2 rounds. vitória merecida e a segunda melhor luta da noite, boa tanto no striking quanto no grappling. A Rowdy 2 merecia esses tapas pra deixar de ser mala.

    Felice Herrig x Lisa Ellis: Como eu disse no Twitter, já vi muito lutador sem coração, mas a Lisa é a que se entregou mais fácil e aceitou sem titubear o jogo da adversária, torcia para ela mas o jogo unidimensional dela e a falta de coragem pra mudar a estratégia depois de tomar atraso no próprio jogo foram decisivos para a derrota de forma besta pra Felice que dominou a luta inteira, depois do estrangulamento que a Ellis quase conseguiu.

    Jessica Penne x Randa Markos: Esperava que fosse uma luta boa, mas não tanto assim. Pra mim (assim como pra staff do UFC), luta da noite, muito movimentada, ótima tanto em pé quanto no chão e as duas deram show, eu já tinha simpatizado com a Randa no TUF (não a conhecia antes) e depois dessa luta, virei fã de carteirinha, além de aguentar muita porrada, fez um lutão tanto no chão quanto em pé, teve momentos que eu pensei que se ela acertasse aquelas cotoveladas e chutes rodados ia arrancar a sobrancelha da Jessica e acertar o calcanhar no fígado da Penne causando o “efeito McMann”. Com certeza a maior surpresa desse TUF, literalmente o Gastelum das mulheres. Foi massa demais, essa é uma luta que eu definitivamente mostraria para quem tem dúvidas quanto ao MMA feminino, até achei que a Markos ganhou o segundo e terceiro round. Uma das melhores lutas femininas que já vi, entra pelo menos no meu top 5 geral e top 3 do ano hehe.

    Yanci Medeiros x Joe Proctor: Não assisti, tava ocupado conversando sobre a luta anterior kkk

    Daron Cruickshank vs. K.J. Noons: Achei justo o no contest, pois foi uma dedada no olho sem querer e não acho que luvas novas poderia solucionar o caso, pois mesmo a do Pride que protegia bem mais os dedos, ainda assim deixava eles soltos pra uma furada de zói. Acredito ser impossível evitar isso 100% do tempo no MMA, mas talvez uma punição ou regra para o atleta medir distância só com a mão fechada mudaria um pouco a situação.

    Charles do Bronx x Jeremy Stephens: Não gosto do estilo do Charles mas ele claramente destruiu o Stephens que além de perder, manteve a marra a luta inteira e ficou ignorando o fairplay do Charles, que ganhou muito mais respeito de mim (não que valha coisa) com o belo discurso no final. Seria ótimo ver ele treinando na Kings MMA e evoluindo absurdamente igual o Rafael dos Anjos e o Werdum.

    Carla Esparza x Rose Namajunas: Minha torcida pra campeã era pra JoJo,seguida da Tecia e Randa, como as 3 não sobreviveram, pra mim não importava quem vencesse e eu não tava torcendo pra nenhuma das duas. Na brincadeira do UFC Fantasy escolhi a Thug Rose por finalização no terceiro round, mas pensava na vitória como sendo da Esparza pelo clássico lay n pray dela e 1% a mais de torcida pra ela devido a música do Metallica que ela escolheu pra entrar na cage… A vitória veio pra Esparza até de forma surpreendente, pensei que ela ia fazer uma luta pior que contra a Tecia, mas mandou bem em todas as áreas. Eu acho que as pessoas estavam superestimando a Rose e continuo com a opinião de que ela é sensacional, mas só finalizou a Randa e a Joanne por falta de estratégia das duas. Agora é esperar a Claudinha vencer a Joanna Jedreckcycyrezkcyzdkcdzkdczkcyzklçakslajskldakd e buscar esse cinturão, que vai contar com aquele tempero a mais fa rivalidade criada no Invicta entre as duas. Entre Esparza vs Gadelha acho que da brasileira, mas pessoalmente, queria mesmo era ver uma das três citadas como minhas apostas ser campeã, mesmo em cima da brasileira.

    • Raphael Seiji

      Amigo… se levemente alcoolizado você fez uma análise dessas… imagina sóbrio hahahaha

  • Raphael Seiji

    Análise muito, muito boa. Namajunas tinha minha torcida, mas Esparza era dureza. No entanto, como a Thug Rose é novinha ela tende a evoluir, inclusive no aspecto emocional frisado pelo Renato.

    Do Bronx tem um BJJ lindo de se ver, no chão tirou Stephens pra nada, mas fiquei com a impressão que ele foi displicente ao deixar as oportunidades de finalizar. A respeito do peso e intercâmbio, é isso aí mesmo, sem tirar nem pôr.

    • Renato Rebelo

      Obrigado, fera!

  • Deivis Chiodini

    Duas coisas pro Charles corrigir: Esse costume de fazer guarda o tempo todo, que contra um top 5 não vai funcionar, é meio suicida.
    E esse costume de querer dar mãozinha, abraçar em cada round…nem todo mundo é gente boa e da paz como você Charlinho. Toca as luvas no começo do primeiro round e depois cai pra dentro.

    • Renato Rebelo

      Esse é outro bom ponto, Deivis. Ontem foi constrangedor ver o Stephens tendo que empurrá-lo duas vezes para não abraçar. Nem todo mundo tá nessa vibe na hora da porrada!

  • Felipe Lemes

    Renato, eu sei q deu Ctrl C + Ctrl V no Jedrzejczyk!
    kkkkk

    • É quase um exercício de datilografia:

      ASDFGÇLKJH

      Datilografia, eu sei, estou ficando velho..rs

    • Renato Rebelo

      Sem vergonha alguma!

    • Carlos Montalvão

      Acho que nem a própria sabe escrever de cabeça o sobrenome

  • Junior dos Santos

    Em relação ao jiu jitsu, o Charles só está atrás do Kimbo Slice na história do ufc!

  • Dan Mendes

    Aconteceu entre daron x KJ o mesmo que aconteceu com faber x rivera, dedada no olho que o juiz nao viu. a diferença é que o próprio kJ teve carater e não continuou porque o “marcão” mandou seguir o jogo.

  • Vitor Torre De Avila

    Charles fez o jogo que um jiujiteiro do calibre dele tem que fazer: Fechar a guarda, abafar, encurtar e , como diria o grande mestre Royce “Entrar em clinch”….eu certo né!? Parabéns ao Stephens pela capacidade de defesa de finalização….

    Quero levantar 2 questionamentos aqui

    1 – Qual o ponto que em que um round se torna um 10-8? Na trocação é quando o atleta chega perto do KO, certo? E no chão? O Charles, por exemplo, esticou 2 armlocks justíssimos…ficou muuuito perto da finalização…talvez até não nessa luta, mas não falta uma maior valorização da tentativa de finalização? Creio que tentativas seguidas de finalização que fiquem beeem encaixadas e cheguem perto da submissão, deveriam ser premiadas com um 10-8, assim como na trocação…Alias, o 10-8 nao deveria ser dado um pouco mais liberalmente?

    2 – Qual seria a solução pras dedadas? Luvas que forcem os dedos a ficarem arqueados não prejudicariam os grapplers? Haveria algum outro design adequado? Talvez uma mudança nas regras que não seja tão condescendente com quem luta com os dedos esticados na cara do adversário? Qual seria a solução?

    • Renato Rebelo

      Vitor, com certeza absoluta o 10 a 8 deveria ser dado com mais frequencia. Agora, se jurados do boxe não o marcam pra round com knockdown e o escambau, a chance de marcarem pra tentativa de armlock é zero – infelizmente. Sobre as luvas, foi exatamente o que a Everlast fez no Bellator. Não só as dedadas diminuiram estatisticamente como não vimos grapplers reclamando.

  • will

    Sobre o Charles, eu não acredito que ele vá brilhar no UFC. Ele vai ficar ali no meio da tabela e vai se acomodar. Não tem “sangue nos olhos”!

  • vicente fernandes

    O engraçado e que msm com varias surpresas no tuf a campeã acabou sendo quem todos esperavam.

  • Jonas Angelo

    “Ideal mesmo era a peça ficar pronta a tempo de Jon Jones x Daniel Cormier”

    huahuahua. Morri.

  • Vitor Halk

    No contest = Empata Coito!!!!! kkkkkkk

  • Nilo Júnior

    A maturidade do Charles dentro do octógono foi um dos pontos altos de todo o evento, por outro lado, não bater o peso traz um ruído desnecessário.

    Foi assustador o modo como ele encurralou um sujeito de mão tão pesada (pra categoria de cima!) e se transformou no lendário Kraken dominando a presa com seus tentáculos.

Tags: