Colunistas Respondem: UFC e Reebok / Arona / Kron

admin | 05/12/2014 às 16:47

Nessa edição de “Colunistas Respondem”, tentaremos sanar as dúvidas dos leitores Felipe Matiolli, João Marcos Gama e Marcos Dias sobre os tópicos “Patrocínio da Reebok”, “Ricardo Arona″ e “Kron Gracie” – respectivamente.

Vamos lá:

Captura de Tela 2014-12-04 às 15.56.59

Renato Rebelo: Felipe, obrigado pela pergunta. Vejo da seguinte forma: só saberemos, ao certo, se o novo modelo será benéfico ou não quando os primeiros cheques contendo esse “direito de imagem” chegarem em julho de 2015. Grandes mudanças devem ser encaradas de forma pragmática. Não existe paraíso – vai ter gente perdendo dinheiro, sim… A questão é identificar se, para a maioria, melhorou – ou, ao menos, foi possível manter o mesmo patamar de renda. A novidade também é bastante arriscada para o próprio UFC. Trocar dezenas de patrocinadores independentes por um fixo pode representar um prejuízo a curto prazo – já que a grana da Reebok irá integralmente para os lutadores e eles perderão a receita, que variava de 40 a 400 mil dólares, das empresas que queriam aparecer no octógono. E mais: já que a aposta é lucrar com a venda de produtos, vai que a Reebok não atende a demanda… Nada garante que as camisas, luvas, bermudas (etc) cairão no gosto popular! No caso dos atletas, ficando comprovado que está todo mundo perdendo dinheiro, raposas felpudas como Scott Coker abocanharam novas fornadas de talentos (veja o caso de Aaron Pico) com modelos mais flexíveis, abrangentes. Agora, garanto a você que o UFC não joga pra perder. Essa negociação com a Reebok se arrastou por anos a fio e os caras, que vivem sob telhado de vidro, não explanariam o acordo se não fosse extremamente favorável. Portanto, me declaro otimista.

Captura de Tela 2014-12-04 às 15.55.31

Felipe Paranhos: João, 2015 é o ano do tigre. (Mentira, mas eu não ia perder a piada.) Ricardo Arona tem um talento que muito cara de alto nível do UFC gostaria de ter. Mas ele deixou o bonde passar. Não creio que um cara que não luta há cinco anos e fez uma só luta nos últimos sete possa voltar a ser competitivo no mais alto patamar do MMA. Dos contemporâneos que estiveram na ativa durante o hiato de Arona, quantos ainda são top de categoria? Pouquíssimos, quase nenhum. Imagina pra um cara que está parado há tanto tempo.

Captura de Tela 2014-12-04 às 15.55.18

Lucas_Carrano: Fala, Marcos, tudo bem? Boa questão, cara. Toda vez que ouço algo do tipo, sempre me lembro do saudosismo do Royce, a parada do style against style, etc. É muito simples: o MMA hoje existe como modalidade independente, que aglutina estilos e é subsidiado por outras práticas, mas tem suas rotinas próprias e situações particulares, logo demanda uma preparação voltada exclusivamente para tais condições. É simplesmente impensável hoje em dia um atleta lutar em alto nível sem ter recursos tanto na trocação, quanto nas quedas e no chão (ou pelo menos, vá lá, em dois destes aspectos). A proposta do Kron pode ser viável se ele estiver querendo lutar em um patamar bem inferior, o que não acredito ser ambição para nenhum atleta. No mais, registro também a lembrança do sempre preciso Renato Rebelo ao comentar sua pergunta comigo: “Puro jiu-jitsu colado nos irmãos Diaz e treinando boxe com Richard Perez?”, não é?

  • Bruno Alves

    Meus caros Ricardo Arona é o ex-lutador mais entrevistado e com noticias nos portais especializados de MMA no Brasil, Foi top sim na época do Pride mas agora é mais fácil achar ele pegando onda em itacoatiara do que num octogono

  • Luiz Guilherme

    Mestre arona faz falta…se tivesse continuado após o pride, teria ganho o cinturão em algum o momento do UFC

    • Raphael

      Também acho, cara.
      A grade iria favorecer o estilo do Tigre, q iria botar pra baixo e amassar quem quer que fosse. Mas no cenário atual, acho que não acharia nada nos meio-pesados, talvez os médios seria uma opção melhor. Mas enfim, depois de tanto tempo não acredito mais que irá lutar. Quem sabe num futuro Metamoris…

    • Matheus

      Só eu lembro que ele saiu do Pride com três derrotas em quatro lutas sendo duas por nocaute no primeiro round pro Shogun e pro Sokoudjou?

  • Luiz De Marco Freitas

    quando o rickson foi no podcast do joe rogan com o eddie bravo, ele falou um pouco sobre o kron no mma, e apesar de nao ter dado muitos detalhes, ñ me lembro de ele ter dito que a estrategia do kron seria usar jiu jitsu puro… lembro de ele ter falado sobre a guarda ser mal usada no mma e que eles estao desenvolvendo novas estrategias de guarda adaptadas pro mma e coisas assim, alem de ter dito q ele ta treinando bastante boxe…

    • Renato Rebelo

      Luiz, tb apostaria em algo nessa linha. Por mais que o Rickson, por muitos anos, foi da parte da família que acreditava que só o Gracie JJ bastava – isso fica mt claro no documentário do Renzo, no vestiário antes da luta com o BJ, ele parece ter aberto muito a cabeça nos últimos anos. O Kron tb me parece um cara bem independente e, quem acompanha o Instagram dos irmãos Diaz, vê que ele está nos treinos dia sim outro tb. Além do mais, o jiu-jítsu do Kron é muito propício para o MMA. Muito giro, ofensivo, de bote… É o cara que luta para pegar e, por mais que goste de uma guarda fechada, é versátil e joga bem em tds. Esse início no Japão me parece bastante razoável. Vamos ver como ele se desenvolve…

      • Yuri David

        Como chama esse documentario Renato?

    • Danilo Lopes

      Então. mas o Eddie Bravo perguntou pro Rickson o que o Kron estava treinando pra fazer caso pegasse um top wrestler que não conseguisse derrubar. O Rickson respondeu “Vai deixar o cara derrubar. Ele vai puxar pra guarda” Então ele tá planejando sim resolver tudo no chão.

      Ele proprio foi no podcast e questionaram ele sobre uma luta que o Maia perdeu por não conseguir levar pro chão (acho que foi a luta com o Weidman) e se ele se preocupava com isso. A resposta dele foi “Mas então, ai o que o Maia fez? Tentou trocar em pé. Ai está o erro…”

      Nessa entrevista achei o Kron bem pé no chão dizendo que primeiro vai fazer testes pra ver qual vai ser sua estratégia definitiva.

      Acho que treinando com quem ele treina, tem chance de sair coisa boa.

      • Luiz De Marco Freitas

        mas esse eh um problema q quem vem do jiu jitsu sempre vai ter… não quer necessariamente dizer q o cara tem a mente fechada e se recusa a treinar trocaçao, a questão eh q o background prévio sempre falara mais alto

        e wrestlers tops sao uma dor de cabeca p/ qualquer arte marcial! hehe

  • Lero

    É claro que eles tem que falar que só con Jiu-Jitsu é suficente, eles tem que pagar o aluguel das academias da família.

    O ano do Tigre é foda, eu queria que ele tivesse lutado contra o Mioic em vez do Maldonado rs…

    • Renato Rebelo

      Hahha já vi que tu não curte mt o cara…

  • João Marcos Damasceno

    Galera do Sexto Round, valeu por responderem minha pergunta! Sempre aprendo muito com vocês!
    Um relato rápido… Por eu viver no interior de Minas, não tenho como ter contato direto com a galera do meio do MMA, mas o Arona foi o único lutador que já encontrei. Lá em 2008, numa viagem à Búzios, encontrei o cara numa noitada, de pronto fui falar com ele, e o Tigre foi super maneiro comigo. Já era fã, e fiquei muito mais… Torço de coração para que ele retorne (mesmo sabendo que isso não vai rolar).
    Ah, só mais uma coisa, podiam botar uma mulher no meio desse time de vocês aí, hein? Nem que seja pra escrever às vezes. Eu votaria, fácil, na Lais Lacerda… Saca da parada e ainda é gata demais!
    Abraços!

    • Renato Rebelo

      Muito obrigado pelo relato, João! Ideia anotada = )

  • Gus Hansen

    Olá, colunistas do Sexto Round.
    Quero deixar uma questão para o debate. Não sei se esta é a maneira correta de fazer o comentário para a seção de respostas dos colunistas. Caso esteja errado, perdoem-me. Segue o meu pitaco.
    Acabei de assistir a entrevista do novo contratado do UFC, o ex-WWE, C.M. Punk. Uma bela entrevista, muito articulada, e que me fez chegar a ideia de que ele foi contratado justamente para isso: ser um role model na nova era Reebook no UFC.
    Creio que ele deve fazer algumas lutas com prospects 0-0 e 1-0 como Dana já disse e depois sair de cena, lutando bem ou não, já que é um cara de 36 anos, sem background de luta competitiva real e cheio de lesões, pelo que dizem. Mas no período em que estiver ativo ele pode ser o cara que vai “ensinar” os lutadores do UFC a usufruir do que o acordo Reebok tem de bom, e como gerar retorno para a marca e a si mesmos. Algo como mostrar que tem que bater bem na luta e falar bonito fora do cage. Pode ser um dos caras ajudem a provocar uma mudança na imagem dos lutadores perante o público médio, principalmente. Acredito que o UFC queira que seus lutadores trabalhem o lado promocional e de imagem com mais profissionalismo e com uma dedicação igual a de treino.
    Hoje as estrelas são caras como Jon Jones (polêmico), Showtime, MacGregor, que dão show dentro e/ou fora do octágono, mais ainda não são tão famosos fora do mundo da luta. Acredito que o UFC vai investir muito em lutadores que gerem mais do que boas lutas. Personalidades como Cain e Barão, dificilmente vão gerar retorno com o público familiar que assiste aos Faustões mundo afora.
    O C.M. Punk até agora estava mais para empresário do que para atleta, com planos de ter sua própria organização de telecatch. Portanto, não boto muita fé na sua carreira de lutador de MMA daqui pra frente, levando em conta a reação no twitter com metade elenco do UFC se colocando á disposição para recepciona-lo no cage e outro tanto dando-lhe boas vindas. Mas, pode ser um cara que trabalhe muito bem como relações públicas da categoria em um futuro próximo. Lembrando que o UFC reservava este posto a Chael Sonnen, carta fora do baralho, hoje em dia (mas não tá morto quem peleia).
    Então Srs colunistas, qual a opinião sobre o C.M. Punk e o que ele veio fazer no MMA depois de tanto tempo?
    Obrigado pelo espaço e Parabéns pelo material de qualidade e podcast – imperdível todas as terças!

Tags: , , ,