Marquardt x Belfort: de bom
tamanho para uma última vez

Lucas Rezende | 08/05/2017 às 15:05

Para atender aos insistentes pedidos de Vitor Belfort por uma liga máster de MMA, o UFC lhe concedeu um combate, mais ou menos, redentor no seu Rio de Janeiro: Nate Marquardt.

Não é que seja um passeio garantido para o brasileiro. Longe disso, mas é o primeiro duelo, em muito tempo, em que exista mais do que 10% de chance de vitória, veja bem.

Ambos triturados por Kelvin Gastelum, Belfort e Marquardt tem mais do que apenas um fim de carreira próximo pela frente. Compreensível, uma vez que pesquiso e descubro que juntos, os veteranos somam um total de 93 combates profissionais.

Não é para qualquer um.

Com Nate aos 38 anos de idade e Belfort um recém quarentão, o combate que lhes foi permitido é a melhor alternativa possível se não há mesmo como obrigar ninguém a se aposentar.

Os titios precisavam de uma colher de chá, verdade seja dita.

Marquardt até conseguiu puxar mais de um coelho de dentro da sua cartola, nocauteando os bem mais jovens Tamdam McCrory e C.B. Dollaway, mas não sem antes demonstrar os defeitos da idade avançada.

Se os triunfos serviram para algo, foi apenas para comprovar que Mike Tyson estava certo quando disse que o poder de nocaute é a última coisa a abandonar um lutador.

Marquardt levando atraso do Sam Alvey

Infelizmente, uma mão ou pé milagrosos falharão muito mais que acertarão, principalmente quando você envelhece, mas a concorrência continua jovem. Sam Alvey, Thiago Marreta, Kelvin Gastelum, Brad Tavares, entre outros, não permitem que Marquardt sonhe alto demais.

E o que dizer de Vitor Belfort, então? Quatro anos sem vencer ninguém que não atenda por Dan Henderson, o velho leão tem sido fácil de abater pelos membros mais jovens ou pelo menos mais inteiros da alcateia: Ronaldo Jacaré, Gegard Mousasi, Chris Weidman e Gastelum de novo.

Pelos muitos anos de serviço de prestado ao esporte, títulos conquistados, guerras travadas e nocautes memoráveis, essa contenda é o mínimo do mínimo que pode chegar perto a qualquer tipo de recompensa honorária para qualquer um dos dois.

Não devemos esperar vitalidade, técnica apurada ou uma batalha prolongada de fazer o coração bater ensandecido. É como um agradecimento, num card recheado de combates eletrizantes.

Belfort: também nenhum condição de competir com a nova geração

É o combate de aposentadoria que todos os que fizeram tanto pelo MMA deveriam ter a chance de ter. Com uma vitória, Vitor pode se aposentar em casa, onde sua carreira começou há mais de 20 anos, ao som dos brados acolhedores da torcida, com a esposa ao lado e os filhos a tiracolo.

Para Marquardt, é a chance de se superar contra outra lenda do esporte, vencendo fora de casa, com milhares de brasileiros repetindo a plenos pulmões que ele irá morrer. Não seria uma maneira ruim de por um ponto final nessa jornada, também.

Quando paramos para pensar quantos outros não tiveram uma oportunidade tão primorosa para se afastar das jaulas, ringues ou tatames, fica ainda mais evidente que não se deve desperdiçar uma chance como essas.

Wanderlei Silva poderia ter se aposentado no Japão, o país onde fez sua história, após nocautear Brian Stann. B.J. Penn após encerrar sua trilogia versus Matt Hughes com um devastador nocaute. Minotauro, quando nocauteou Brendan Schaub na primeiríssima edição do UFC no Rio.

A lista continua, mas acho que já me fiz por entender.

Obviamente, ninguém quer se aposentar com uma derrota, mas a realidade dos esportes de combate é essa. A poesia só pode existir para um. Viver para lutar outro dia até que surja outra oportunidade perfeita pode nunca acontecer. E não há vergonha em pendurar as luvas dando todo o sangue e suor, também.

Que este apelo quase inaudível possa chegar aos ouvidos dos gigantes.

  • Rodrigo Xavier

    Rapaz, pior que estou achando que o Vitor vai levar um atraso

  • Luis Coppola

    Excelente luta para aposentadoria de ambos, mas creio que se o UFC não der algum cargo para o Belfort ele irá tomar tang e continuar lutando no Japão (Rizin/Bellator). Se vier com defesa de quedas em dia deve vencer, para o Nate é levar para o chão e trabalhar o BJJ..

  • Renato Rebelo

    O detalhe é que, pelo menos pro Vitor, acho que não será saideira. Discutiremos essa possibilidade hoje no podcast…

    • Paulo Patto

      Então estou ansioso para o lançamento desta edição @renatosaraivarebelo:disqus .

  • Lele Me

    Sinceridade e opinião própria: acho que o povo nao curte o MMa a esse ponto, de ir a uma final para ver um cara, nao creio nisso, ainda mais quando o atleta para em nível baixíssimo.

    • Renato Rebelo

      Esse é um ponto interessante. Acho que tem que haver uma simbiose entre nome e relevância esportiva. McGregor nunca será anônimo, mas se perder três seguidas vira outro caso. O Bellator 180 será um bom termômetro. Sonnen já teve alavancagem pra pegar TUF e title shot na categoria de cima vindo de derrota. Vamos ver o que ele, Wand e Fedor convertem em números de PPV no fim da carreira.

    • Tiago Nicolau de Melo

      Belo avatar, BTW.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    A primeira mão que entrar leva, acho que vai ser simples assim, deve acabar no primeiro round se eles não ficarem se estudando.

  • Mateus Elias

    Wanderlei Silva poderia ter se aposentado no Japão, o país onde fez sua história, após nocautear Brian Stann – SONHO! Luta de despedida a altura do que ele fez no esporte, em especial, no Pride.

  • Mauricio

    São dois lutadores que eu torço muito… mas nessa ai vou de Belfort!

  • Leo França

    Essa é a luta a se fazer, depois de Spider Vs Belfa. Vai pegar um cara atravessando a mesma da carreira que ele, mas que não deixa de ser um nome relevante, pois o Marquadt já foi campeão do Pancrase e do Strikeforce, então ele não é um frango, e é uma luta vencivel pro Vitor, vamos torcer para ele sair por cima, mesmo que eu acha que ele não vai parar por aí

  • flavio israel

    Cara , que texto bacana!

  • Lorenzo Fertitta

    Excelente artigo, Lucas. Tem tudo para não ser uma luta equilibrada, com vitória avassaladora para qualquer um dos lados.
    Espero que o fenômeno consiga mais um nocaute pra conta e leve a galera que comparecer para esse evento fraco (para um card numerado) ao delírio. Não será fácil…
    É a última luta do Marquardt também?

  • Tiago Nicolau de Melo

    E o Luke vai ter de viver com a lembrança da sola do Vitinho a vida toda… mesmo que não se aposente, não vejo ele escalando a Categoria a ponto de pegar mais algum Top5.

Tags: , ,