Colunistas Respondem: as chances de Askren e Diaz

admin | 21/11/2014 às 19:03

Nessa sexta edição de “Colunistas Respondem”, tentaremos sanar as dúvidas de Claiton Freitas, Diego Campachi e Vicente Fernandes sobre os tópicos “As chances de Diaz contra Silva”, “Ben Askren no UFC″ e “A distribuições dos UFCs pelo Brasil” – respectivamente.

Vamos lá:

Captura de Tela 2014-11-20 às 17.55.24

Lucas Carrano: Diego, tudo bem? Cara, não tem exatamente muito a ver com a questão, mas foi uma baita coincidência essa sua pergunta porque eu estava entrevistando o Ben há menos de 24 horas. Sem mais delongas, vamos à sua resposta. Acho que sim, o Askren teria totais condições de aprofundar ainda mais as águas dessa já espinhosa divisão até 77 kg, e sim vencer alguns dos top-5. Não acho que o simpático Coalhada entraria limpando a categoria, honestamente só GSP tem poder pra fazer isso neste peso, mas entraria em igualdade de condições e com boas chances no bolo.

Captura de Tela 2014-11-20 às 17.56.03

Felipe Paranhos: Sobre Manaus e Curitiba, confesso não saber, Vicente. Inclusive porque a Prefeitura de Manaus tem feito campanhas publicitárias agressivas enaltecendo Ronaldo Jacaré, José Aldo e Adriano Martins, representantes da cidade no UFC. Mas Salvador não se animou para receber o Ultimate por um motivo simples: não há nenhum lugar na cidade capaz de sediar um evento. Salvador, acredite, não tem ginásio poliesportivo de grande porte. Há um a ser inaugurado, no subúrbio, mas que provavelmente não seria elegível para tal. O único lugar que poderia receber um evento é a Arena Fonte Nova, mas sabemos quão grandes são os obstáculos para que um estádio de futebol acolha o UFC. Para piorar, há uma questão de branding que pode ser um empecilho: o naming rights da Arena é da Itaipava, e o UFC tem como patrocinador no Brasil a Budweiser. Enfim, pelo menos sobre Salvador, não espere uma visita da turma dos Fertitta.

Captura de Tela 2014-11-20 às 17.56.16

Renato Rebelo: Curto e grosso, Claiton: Nick Diaz é melhor jiujiteiro e melhor pugilista. E que fique claro: isso não quer dizer que o americano leve vantagem no chão, muito menos em pé. Isso por que Anderson é o striker mais completo (lembre que valem chutes, joelhadas e cotoveladas no MMA?) e, por mais que seu wrestling seja meia-bomba, o de Diaz consegue ser pior. Em outras palavras, não há o controle do meio-campo para que o filho de Stockton implemente o jiu-jítsu de Cesar Gracie – comprovadamente mais polido do que o do rival. Há também outro grande diferencial: o tamanho. Anderson gozará de superioridade em termos de força bruta (lembrando que Diaz jamais competiu com 84kg) e alcance (1,97m x 1,88m). Entendendo que Diaz não é um pegador nato e brilha mais no volume de golpes desferidos do que na contundência dos mesmos, fica claro que ele terá que engolir muita bordoada dolorida para poder trabalhar. Em suma, a diferença física entre eles anula quase todas as brechas que poderiam ser exploradas por Diaz. Menos uma: a resistência. Triatleta, vegano, nove anos mais jovem e conhecido por aguentar grandes quantidades de castigo… Se Diaz tem uma chance, ela é resistir como puder, levar Anderson à águas profundas e afundá-lo.

  • Matheus Maliska

    boa noite pessoal. vocês acha que se caso o werdum ganhar do velasquez ou defender seu cinturão interino contra o cigano o UFC faria a disputa em Porto Alegre que é a cidade do werdum. levando em conta que Porto alegre possui 2 estádios e um deles contem uma relação com o werdum já que ele até foi participante de uma torcida aqui.

    • Renato Rebelo

      Fala, Matheus. É tudo uma questão de demanda. O UFC não joga pra perder e não faria um evento num estádio se não tivesse convicto que o encheria. Atualmente, ainda acho que só Anderson Silva e Vitor Belfort – ou pelo menos um dos dois compondo card forte seriam capazes de tal feito. Mas, vamos ver como se desenrola o futuro do Werdum no peso pesado. Ele pode sim vir a ser um ídolo. Só note que a luta dele com o Velásquez deve rolar em março – novamente na Cidade do México.

      • Jonas Angelo

        Não seria em Junho, Renato?

        • Renato Rebelo

          A primeira projeção é no meio de março (15). De todo modo, vai depender da recuperação do Cain, ne

  • Bart Simpsons

    Vou dar opiniões curtas dessa vez:
    1 – Acho que o único top 5 que ben askren poderia bater, pelo menos tecncicamente falando, seria em Matt Brown, mas lembrando que “O Imortal” é um ogro, tem queixo de pedra, bate muito forte, gosta de abusar das cotoveladas e tem um ímpeto inicial infernal. Uma chance para Askren, amarrar bem, tipo como ele fez com o brasileiro Douglas Lima, na época em que defendia o cinturão do Bellator.

  • Dan Mendes

    Eu acredito que se o Askren fosse para o UFC ele venceria todo mundo se tornaria campeão. Acredito, inclusive, que por este motivo ele não foi contratado por que o Ben não é “comercializável”.

    • Jailes Vieira

      O jogo do Ben é chato para o público médio, mas o fato é q, domina qlq adversário inclusive no UFC, e concordo com o Dan Mendes.

    • Renato Rebelo

      Campeão não sei, mas tb boto uma fé que o Funky botaria uma galera famosa de costas pro chão e não sairia mais de lá!

      • Tonny Varela

        Rory , Demian , Hendrix e Gsp , esses acho dificil ele ganhar e do lombard tbm , queria ver uma dele com o Fitch hehehe

    • Vitor MacGruber

      Acho que ele perderia para Hendricks, Lawler, Rory e talvez para o Lombard. Queiram ou não, no UFC é diferente a coisa.

      • Dan Mendes

        O Ben é diferente, e existe lutador do UFC indo para outros eventos e perdendo.

  • Renan Trigueiro

    O problema do Brasil é que não existem boas arenas esportivas (para esportes amadores e até shows). Só estádios gigantes engolidores de dinheiro público…

    • Renato Rebelo

      Exatamente, Renan!

  • Rodrigo Tannuri

    Sobre o Askren, também acho que ele faria um baita estrago nos meio-médios do UFC. Ele tem jogo pra isso. O cara possui um estilo chato, tanto pro público quanto pros fãs de MMA, mas é muito eficiente pra ele. O americano pode ser irritante nas redes sociais, não ter carisma, mas é muito competente. Não sei se ele seria campeão, até porque essa divisão é sensacional, mas, com certeza, ele teria um lugar no topo dela.

    Sobre o Diaz, duvido muito que ele tenha sucesso contra o Anderson. As chances estão totalmente contrárias. O brasileiro é maior e mais técnico. Diaz é mais resistente. Uma coisa que o bad boy pode aproveitar é o fato do Spider ainda estar abalado pela grave lesão, não ter tanta confiança na perna e tal. Mesmo assim, acho que não veremos uma zebra, que seria enorme.

  • Nate Diaz

    Para mim a chance de Nick é nehuma!
    Pode aguentar oq for, mas do outro lado tem um cara que luta cinco rounds a 10 anos, pior, ele acaba antes contra médios e meio-pesados.
    KO rápido!

    • Jonas Angelo

      “Luta 5 Rounds há anos” bem lembrado.

  • Jonas Angelo

    Se vocês abrirem excessão para mais uma pergunta, gostaria de fazê-la:

    Renato, nas últimas apresentações do Anderson (leia-se nas duas contra Sonnen e Weidman, e contra Belfort- Bonnar era cachorro morto), tive a impressão que o Spider continuava no seu embalo de andar na linha tênue que divide o espetáculo (coelho da cartola, golpe certeiro e providencial, quebra de psicológico, etc), do risco de perder a luta. No entanto, tirando a luta contra o Belfa, nas outras 4 fui tendo a impressão que essa balançando estava pendendo cada vez mais para a derrota. Contra Sonnen tomou atraso de uma luta inteira, e depois estava tomando outro sufoco no chão na segunda luta. E contra o All American nem precisamos citar.

    Você acha (assim como eu acho), que AS está declinando, e que essa balança da linha tênue vai começar cada vez mais a pender para o lado da derrota (sobretudo quando pegar caras cascudos da divisão)?

    • Renato Rebelo

      Sim! Jonas, querido, o cara está pra completar 40 anos de idade! O jogo dele depende 100% de agilidade, reflexo, rapidez de raciocínio e até absorção de golpes. O tempo chega para todos – até para o melhor do mundo. Contra o Belfort, pelo menos dois cruzados de esquerda poderosos passaram a centimetros do seu rosto, contra o Sonnen ele tomou knockdown e contra o Weidman, na segunda luta, ele chegou a cair apagado no primeiro round com um soco na tempora. O acúmulo de danos do cara em uma vida inteira dedicada ao muay thai (tem uma penca de lutas só na modalidade – duas, inclusive, com o Pelé) e ao MMA (quase 40 lutas) cobram um preço. Não tô dizendo que ele tá acabado, mas é óbvio que há um declinio

      • Jonas Angelo

        Pois é. O mais curioso, no caso do Anderson, é que tenho a impressão que esse declínio veio repentinamente, não emitiu avisos, como acontece com outros. Enfim, acredito que vai começar a se tornar dramático vê-lo lutando ainda.

        Obrigado pela resposta meu caro. Abçs.

        • Renato Rebelo

          Tá em casa = )

  • Raphael Seiji

    Pra mim é difícil falar sobre o Funky, depois do que vi do Alvarez. Hoje sou bem mais precavido, não sei se criaria num top 5 de divida cascuda dos meio-médios. De todo modo, eu gostaria de ver o Ben no UFC.

    Quanto ao Nick Diaz, eu com certeza não apostaria um dinheiro no cara mas deverá ser um lutão.

  • Diego Campachi

    Posta o link da entrevista depois Lucas Carrano

    • Lucas Pereira Carrano

      Aproveitando o espaço pra jabazar, Diego, essa entrevista com o Askren (e várias outras que fizemos agora em novembro) vão estar no Super Lutas a partir desta segunda-feira (24), aniversário do site.

      Abraço.

Tags: , ,