FNs 55 e 56: os palpites dos colunistas do Sexto Round

admin | 07/11/2014 às 15:42

Após outra semana de abstinência, uma rodada dupla aparece como insulina para nós, diabéticos.

A equipe de Dana White será repartida da seguinte forma entre hoje e amanhã: metade na Oceania e metade na América do Sul.

Isso porque o Fight Night 55 dá as caras na Austrália nesta sexta, a partir das 22h, e o Fight Night 56 tem início às 23h de sábado em Uberlândia, Minas Gerais.

Boa oportunidade para os (nem sempre tão precisos) bicos de fora da área dos colunistas do Sexto Round.

Vamos a eles:

UFC Fight Night 55

BIS_LUK

Alexandre Matos: Bisping é chato, arrogante e meio mundo (ou 90% de mundo) adora vê-lo perder. Mas isso não significa que o inglês é um lutador fraco, ainda que tenha sucumbido em todos os momentos cruciais da carreira. Isto posto, Rockhold é tão bom quanto na troca de golpes e no ritmo e condicionamento, além de ser superior na luta agarrada. Não vai ser uma vitória fácil para o americano, mas ela chegará na decisão dos juízes ou até mesmo numa finalização no terço final do combate.

Felipe Paranhos: Bisping é subestimado, de fato, e a cara de Cung Le é o contra-argumento que faltava para a alcunha de “mãos de almofada” que o inglês recebia. Mas Rockhold vive o melhor momento de sua carreira e, cada vez mais maduro, deve encaminhar uma vitória tranquila por decisão unânime.

Fernando Cappelli:  O inglês uma das melhores médias tentativa/acerto dos pesos médios, mas no ‘elas por elas’ Rockhold é um cara muito mais consistente. O estilo híbrido do norte-americano tem amadurecido desde a derrota para Vitor Belfort. Longilíneo, deve usar o handicap do alcance para domar o ritmo do combate e colocar o britânico na roda. Rockhold, por decisão.

Lucas Carrano: Sem punch ou técnica suficiente para fazer o que Belfort fez, Bisping deve tomar um baita atraso de Rockhold. Um prato cheio para a legião de haters do Conde, que, aposto, terminará com a cara na lona. Luke “SeguraPedra” vence por TKO.

Lucas Rezende: Chegou a hora de Michael Bisping cair mais uma vez. Vejo Rockhold mais arredondado no solo e ligeiramente melhor trocando pancada.Em cinco rounds árduos, Luke sai vitorioso. Rockhold DU.

Renato Rebelo: Bisping tá longe de ser esse mamão com açúcar que pintam por aí. Afinal, 15 vitórias no octógono é feito pra poucos. Só os tops o param. E é exatamente isso do que Rockhold se trata. O inglês penará com a envergadura superior do criativo rival – que ataca bem da média pra longa e mistura socos, chutes e entradas de quedas com facilidade incomum. Palpite: Rockhold, decisão.

ROSS_AL

Alexandre Matos: Minha boa vontade com Iaquinta me fez cair do cavalo duas vezes. O moleque é muito talentoso e um lutador completo nos aspectos do MMA, mas lhe faltam ajustes para fazer a engrenagem rodar com fluidez. Isso vai acontecer com a experiência. Por mais que o jogo de Pearson seja o que Iaquinta melhor dá conta, a potência e a confiança do renovado inglês resultará em vitória por decisão na melhor luta do outro lado do globo.

Felipe Paranhos: Sinceramente, não vejo como Iaquinta possa vencer Pearson. O inglês tem uma defesa de queda quase intransponível para o nível médio da divisão dos leves e um boxe mais polido e cada vez mais preciso. No melhor momento de sua carreira, acho muito improvável que Ross seja clipado pelo pupilo da Serra-Longo. Como a luta deve transcorrer em pé, Ross por decisão tranquila.

Fernando Cappelli: Esta luta pode ser bacana pela colisão de estilos. Em boa fase, Pearson é um dos boxeadores mais azeitados dos leves, com combinações bem montadas. Iaquinta teoricamente leva vantagem na potência e confia nos overhands e cruzadões, como base ofensiva mais direta, mas sofrer um bocado com o volume de golpes do britânico. Pearson, por KO.

Lucas Carrano: Esta certamente está no rol das lutas sobre as quais mudo de opinião até o fim do último round. Por isso, meio ressabiado, especialmente por ter minhas dúvidas se Iaquinta terá condições de manter o ritmo para fazer impor seu wrestling, vou de Ross Pearson na decisão – mas já temendo por negativar meu saldo.

Lucas Rezende: De Rodrigo Damm para Ross Pearson é um salto perigoso, Al Iaquinta pode ter dado um passo maior do que a perna aqui. O inglês é experiente e sabe lidar com wrestlers. O pupilo de Matt Serra e Ray Longo vai dar mais um passo para trás. Pearson UD.

Renato Rebelo: Iaquinta disse ontem que nenhum perrengue que Pearson possa lhe oferecer será pior do que os passados na academia de Ray Longo e Chris Weidman – recheada de pugilistas profissionais. Ele até pode estar certo, mas as experiências em Nova Jersey não serão salvo conducto contra o Hooligan inglês – que é ágil, polido e bate feito um caminhão. “Todos tem um plano até receberem um soco na boca”, dizia Tyson. Esse é o caso. Person, TKO. 

UFC Fight Night 56:

SHO_ST

Alexandre Matos: Vamos parar com o debate de “Shogun 100%” porque não nutro nenhuma expectativa que isso volte a acontecer. Porém, mesmo abaixo de seu ápice, o curitibano continua sendo um lutador perigoso, que quase arrancou a cabeça de Te Huna e dominava Hendo até ser vitimado pela Bomba-H. OSP é superior no meio-campo e fisicamente é mais privilegiado, mas minha aposta é no sétimo nocaute de Rua no UFC.

Felipe Paranhos: Depois de ganhar o dinheiro mais fácil da minha vida de apostas com Bader x OSP, verei o superestimadíssimo haitiano enfrentar Shogun, num abismo técnico absurdo pró-Rua. O problema é que o brasileiro tem sido capaz de coisas como cair inocentemente numa guilhotina de Chael Sonnen. Ciente de que Shogun tem tudo pra vencer, vou no feeling: OSP.

Fernando Cappelli: Mesmo um tanto limitado tecnicamente, OSP está distante de ser ‘escada’ para qualquer um, e os módicos 2,03 m de envergadura têm de ser levado em conta como um dos principais ‘fiéis da balança’ aqui. Shogun pode penar bastante com isometria e jogo de abafa, e a execução do jogo explosivo característico do brasileiro mais uma vez estará ligada umbilicalmente ao nível de preparo físico, oscilante (e traumatizante) desde que alcançou o UFC. Ok, meu palpite vai no voto de confiança: Shogun, na decisão.

Lucas Carrano: Shogun já não vivia o mais tranquilo dos cenários, com três derrotas em suas quatro últimas lutas, e essa mudança de adversário fez as coisas ficarem ainda piores – seja pelo timing ou pelo matchup. Ainda assim, com um quê de torcida, vou dar este voto de confiança ao fluente falante de Ruanês e acreditar que a melhora apresentada na revanche contra Hendo não morreu junto com sua simetria nasal depois daquela H-Bomb. Shogun vence por TKO.

Lucas Rezende: A mudança de adversários repentina não fez nenhum favor para Maurício Shogun. OSP derruba bem, é forte e bruto, e a defesa de quedas do brasileiro deixa a desejar. No entanto, Maurício é muito mais técnico que o americano em pé, desde que consiga manter a luta em sua vantagem. Não vai acontecer. Ovince por DU.

Renato Rebelo: St. Preux é maior (a diferença de envergadura é significativa), mais forte, mais jovem, mais rápido e muito, muito mais atleta (se destacou do futebol americano ao tracking nos tempos da faculdade). O gringo ainda controlará o meio-campo e, francamente, se cair por cima, duvido que o brasileiro levante. Com tudo isso dito, abandonarei a razão sob pena de descartar um último voto de confiança no ex-campeão do Pride. Shogun, KO. Cruzado de canhota pra ser mais preciso…

IAN_JOHN

Alexandre Matos: “Speed kills” ou “hands of stone smash”? Qual dos conceitos vai prevalecer? A favor de McCall, o fato de ter negado o jogo de Brad Pickett, bastante parecido com o de Lineker. A favor do brasileiro, o fato de ser um lutador melhor do que o britânico atualmente e de atuar em casa. No fim das contas, a velocidade e as transições bem executadas de McCall devem render a ele uma vitória apertada e um bônus de luta do fim de semana para ambos.

Felipe Paranhos: Lineker é muito talentoso e tem as mãos mais pesadas da divisão, mas McCall me parece um desafio duro demais para o atual momento do brasileiro. O jogo rápido e imprevisível de quedas e trocação de Ian deve anular as principais armas do paranaense. UD para o americano.

Fernando Cappelli: O brasileiro traz um estilão ‘one shot kill’ cascudo, mas aquele queixão à mostra nas trocas mais francas ainda me dá arrepios. Se alcançar o peso sem traumas, dá pra confiar no embalo do paranaense para o desafio da vez contra o habilidoso e sempre arisco norte-americano. Arrisco: Lineker, por KO.

Lucas Carrano: Apesar de nos vermos aqui diante de uma escala bem menor, vou me ater aqui à velha máxima: velocidade supera a força. Quinze minutos de Lineker caçando o “Tio Esquisitão” no octógono, sem sucesso, em busca de um petardo que não virá. No fim, McCall leva a melhor por decisão dos juízes.

Lucas Rezende: Depois de dois anos tentando convencer no UFC, acredito que a chance de Ian McCall chegou. Se o americano não se preocupar em dar show, capitalizará na fraqueza de Lineker, o levará para o solo e passeará no ground and pound. Especialmente quando John se cansar. McCall por TKO no terceiro round.

Renato Rebelo:  Nesse tiroteio, temos um cidadão portando uma bazooka contra outro equipado com pistola, metralhadora e facão. Ou seja, o segundo terá que fugir da linha de tiro a qualquer custo. Velocidade, resistência e criatividade serão fundamentais para esse sucesso. Bom, cerebral pra isso o Uncle Creepy é. McCall, decisão. 

Retrospecto dos colunistas em UFCs (acertos/erros):

Alexandre Matos: 10-4
Fernando Cappelli: 0-0
Felipe Paranhos: 17-14
Lucas Carrano:  19-12
Lucas Rezende: 22-9
Renato Rebelo: 17-14

E vocês, amigos, como veem as lutas principais transcorrendo?

Abraços.

  • Paulo Melo

    Bora dar uns chutes de fora da área também :

    Rockhold – TKO 4º round ( Infelizmente rs )
    Pearson – KO 2º round
    Shogun – KO 1º round
    Lineker – TKO 2º round

  • Natan Machado Fauzi

    Eu acredito no Lineker!

  • Jonas Angelo

    Lineker já perdeu a primeira: Não bateu o peso. E acho que isso afetará seu psicológico na luta, ainda mais diante de um maluco daqueles. Quanto ao Shogun, acho que podemos admitir que estamos mais pela razão do que pela emoção. hehe.

  • Rodrigo Oliveira

    Eu sinceramente acho o OSP superestimadíssimo. Acho ele um cara que se garante muito na força e na capacidade atlética. Ok, Shogun já passou e muito do auge, mas, baseado apenas na técnica e na potência, ele ainda é capaz de destruir caras do nível de Brandon Vera, James Te Huna e Forrest Griffin – que não são lá essas coisas, mas que, pra mim, estão no mesmo patamar do St. Preux. Shogun por nocaute no terceiro round é o meu palpite.

  • Renato Rebelo

    Adendo, amigos: Lineker não bateu o peso na primeira tentativa. Precisou de mais alguns minutos pra enxugar as 300 gramas extras.

    • will

      Esse Lineker é outro que está perdendo tempo com UFC. Muito fraco. Vai brilhar no Bellator!

    • Dan Mendes

      Mas ele bateu o peso mesmo ou bateu o peso com uma libra a mais?

      • Renato Rebelo

        Bateu no limite da categoria (126 libras, ou seja, uma a mais). Se fosse disputa de cinturão, ele nao teria batido.

  • Rodrigo Loureiro

    Rockhold – TKO 2º round pra fazer minha alegria
    Pearson – KO 1º round
    Shogun – KO 2º round
    MacCall – SD

  • Pedro Duarte

    Infelizmente, estou pessimista quanto às chances do Shogun e do Lineker. Ao mesmo tempo, ansioso pelo desempenho do Warlley contra o Jouban. Uma vitória convincente já o coloca na beira do Top 15 da categoria. Já apostando no brasileiro, um próximo embate com Neil Magny ou Ryan LaFlare seria fantástico. Passando por essas pedreiras, já dá pra cravar que o brasileiro é nossa grande esperança de cinturão da nova geração. A conferir..

    • Dênnys Dias

      Concordo com vc em td!!!

  • will

    Eu acho engraçado isso. A maioria dizendo que o Shogun vai ganhar, e por KO! Isso só pode ser “Pachecagem”! Não tem lógica! O “Shogun”, que hoje está mais pra soldado raso, vai tomar uma das maiores surras deste ano. Ele disse que pára a hora que quiser. Errado! Vai ser parado e com força!

  • Neil Magny

    Renato, já que você tá conhece o Warlley, você acha que ele é meio-médio mesmo?
    Eu sempre acho ele pequeno para meio-médio, acha que dá pra descer?

    • Renato Rebelo

      Magny concordo com vc. Ele ainda tem 23 anos e o metabolismo vai desacelerar – e tb ainda dá pra fazer um trabalho de ganho de massa muscular (às custas da mobilidade). Enfim, eu acho que ele podia tentar o peso leve. Do lado do Joubin hj, ele ficou pequeno.

  • marco antonio

    Rockhold ganha por TKO no terceiro round
    Pearson ganha na decição dos juizes
    Shogun ganha por TKO no segundo round
    Lineker ganha por TKO no terceiro round
    Eu não só acerto palpites,mas digo quando as lutas acabam kkkkkkkkkkkkkk
    Brincadeiras a parte,meus palpites não são necessariamente intuição ou favoritismo e sim minha torcida
    oss

  • Rodrigo Tannuri

    Palpites são sempre divertidos. Vamos lá!
    Rockhold – UD
    Pearson – UD
    OSP – SUB R3
    McCall – SUB R2

  • marco antonio

    Que evento!!!!
    Pela primeira vez na historia nenhuma luta foi pra mão dos juízes

    • Foi primeira vez não, fera. O TUF 5 Finale também foi assim.

  • Jorge Anderson Winchester

    todo mundo errou em Pearson x Iaquinta , e a luta do MCcal x Lineker caiu a provável melhor do fds!

    • Natural que todo mundo errasse Pearson-Iaquinta. Mas pelo menos eu apontei que a vitória do Iaquinta era plenamente possível e só não fui nele por descrédito de ter caído duas vezes quando ele era favorito.

  • Flávio Bueno

    “Com tudo isso dito, abandonarei a razão sob pena de descartar um último voto de confiança no ex-campeão do Pride. Shogun, KO. Cruzado de canhota pra ser mais preciso…”… HAHAHA..Isso sim é um cara que não fica no muro…vc é o melhor cronista do MMA. Parabéns pelo texto e pelo site!!!

    • Renato Rebelo

      Hahaha obrigado, Flávio. Somos seres humanos dotados de emoções, certo?

Tags: ,