Novo calendário do UFC é mesmo um grande anúncio?

Alexandre Matos | 06/11/2014 às 16:04
ufc-nov-17-announcement

Convite enviado à imprensa

No próximo dia 17 de novembro, o UFC fará um grande anúncio (assim mesmo, em letras maiúsculas e vermelhas, como a própria organização alardeou em comunicado enviado para a imprensa).

O discurso de impacto visa atrair a atenção e consistentemente vem sendo adotado pelos dirigentes do UFC, especialmente pelo presidente Dana White, contumaz adepto do discurso exagerado.

Como já sou macaco velho nessas paradas, não costumo mais me ouriçar tanto, uma vez que já caí no conto do Phillipe-Nover-próximo-GSP e me senti frustrado quando fizeram outro grande anúncio, colocando Georges St. Pierre numa solenidade apenas para oficializar que o UFC faria três eventos no Canadá em 2012.

Já nem perdi meu tempo procurando a nova Ronda Rousey no TUF 20.

Só que desta vez o negócio é realmente importante. Daqui a onze dias, o UFC vai anunciar o calendário completo de 2015.

Obviamente não há como escalar todas as lutas que acontecerão, mas as datas e locais dos eventos já são por demais importante.

Além de ajudar fãs e imprensa a se programarem decentemente, anunciar todas as datas do calendário anual é bom também para os concorrentes – e, por incrível que pareça, o UFC também ganha com isso.

O UFC precisa não só da grande concorrência, como o Bellator e o WSOF, que o pressionam e forçam a constante evolução, mas também dos eventos menores, de onde saem talentos que, via de regra, sonham em acabar no octógono mais famoso do mundo.

Por exemplo, deste modo, o MMA Super Heroes não precisa fazer uma edição no dia do UFC 180, com a disputa do cinturão da categoria mais nobre do MMA, ou o Circuito Talent não precisa dividir atenção com o UFC 181, que terá Johny Hendricks-Robbie Lawler e Anthony Pettis-Gilbert Melendez.

A grande questão de anunciar o calendário completo apenas em 2015 deixa evidente que a briga do UFC em se tornar uma liga do porte da NFL, NBA, MLB, NHL ou UEFA Champions League ainda está a uma certa distância de se tornar realidade.

Antes de começar uma temporada, a liga profissional de beisebol já anunciou todos os jogos, com datas e locais, da temporada regular, onde cada time disputa 162 jogos, fora os playoffs.

O mesmo acontece com o basquete e o hóquei e seus 82 jogos por temporada regular. O futebol americano, que só tem 17 rodadas antes da fase final, já tem anunciado o local do Super Bowl até 2018.

Até a F-1, que tropeça nas próprias pernas, segue a mesma linha.

Por que o UFC, que superou a marca de 35 eventos num ano apenas em 2014 – e recuará em 2015 –, só foi capaz de fazer este básico agora?

Há que se ter cuidado ao dizer que determinada liga é a que mais cresce no mundo. Assim como é difícil para uma economia consolidada como a alemã crescer nos níveis da chinesa, que passou tanto tempo adormecida, também é mais fácil para uma liga recém-criada apresentar crescimento percentual superior a de competições estabelecidas mundialmente.

Enfim, o anúncio do dia 17 é realmente histórico. Eu, como editor-chefe de um site especializado em MMA, agradeço do fundo do coração a oportunidade de me planejar a partir de agora para cobrir os eventos que serão realizados no Brasil (e quem sabe algum lá fora?).

Mas que fique claro que a disputa com a NFL, a NBA ou a Champions League ainda é dura e inglória.

  • Gabriel Carvalho II

    Eles devem anunciar os seus eventos na Coreia do Sul e em Porto Rico. O card na Coreia seria até interessante

    Benson Henderson
    Yoshihiro Akiyama
    Dong Hyun Kim
    Hyun Gyu Lim

    Só falta o Zumbi.

  • Danyel P Lorenzo

    Excelente tema Ale, ainda mais p gente q tenta criar alguma maneira de capitalizar com o evento. No meu caso a venda de pacotes p os eventos. Uma reunião que fiz com a Big Boss Nacional, ela me disse que o grande problema dos eventos no Brasil é casar as datas com a disponibilidade dos ginásios. Já que alguns ginásios são privados, outros públicos e nem todos tem um cronograma montado. Imagina q bagunça q deve ser isso por aqui né.

    • Pro seu negócio, ter as datas com antecedência é te dar muito mais oportunidade de ganhar dinheiro. E se você puder trabalhar melhor, é sinal que mais gente poderá se programar e ir aos eventos.

  • Paulo Melo

    Fiquei sabendo pelo seu texto que o anúncio se trata do Calendário , na verdade esse anúncio é interessante mais até para as esposas/namoradas de quem assiste do que pro próprio fã do UFC rs
    O UFC tem a barreira do preconceito que o MMA sofre pra se tornar grande como as ligas que vc citou , mas em termos de organização da empresa , está sempre melhorando e se aproximando .
    Como não acompanhava MMA na época do Pride , gostaria de saber se eles faziam esses anúncios das datas com tamanha antecedência , apenas por curiosidade mesmo já que se trata de um evento do qual escuto que quando disputava diretamente com o UFC , levava vantagem
    O que é vantajoso tb é para o fã de vários esportes , um cara que vai assistir uma final da UCL ( eu geralmente assisto ) por exemplo já saber que no mesmo dia terá um evento do UFC , muito bom isso
    Texto bem informativo e com a alta qualidade de sempre

    • hahahaha as namoradas/esposas vão agradecer mesmo. Por isso que eu sempre tento me relacionar com mulheres que curtem MMA hahaha

      Alguns eventos do PRIDE eram anunciados com certa antecedência sim. Por exemplo, o de fim de ano (31/12) virou de lei. O problema é que o PRIDE fez menos eventos na história do que o UFC fará em 2013-2014. A realidade era bem diferente.

      • Paulo Melo

        Caro Alexandre , minha namorada não curte MMA ( falei hj sobre essa notícia do Calendário do UFC pra ela e ela curtiu , ela não reclama que eu assisto fica “assistindo” comigo sem olhar muito pra tela ) , gosta de futebol mas torce pra o time que eu mais odeio , sorte eu tenho não ? hahahahahah
        Brincadeiras a parte , realmente , pesquisei umas coisas e vi tb que o PRIDE tinha esse lance de ter espaçamento grande entre os eventos ai ficava fácil se planejar , mas tb se perdesse um evento era uns 3/4 meses sem …
        No mais é muito bom o planejamento , já que qdo tem evento aqui na minha cidade e/ou proximidades sempre vou no Ginásio assistir e fica bom também pra vcs que trabalham cobrindo evento , sendo bom pra todos que seja assim sempre .

        • Minha namorada que gostava de MMA torcia pro Flamengo também. Eu tenho cuidado na hora de escolher hahaha

          A parada do PRIDE era exatamente essa: ansiedade legal no aguardo de um evento, mas um tremendo hiato entre um e outro. Se perdesse uma edição, dava até crise de abstinência.

          No fim das contas eu acho que 45 por ano, como faz o UFC, é exagero, mas os 10 por ano do PRIDE eram pouco. Acho que 25 por ano tava de bom tamanho: em janeiro, abril, julho e dezembro rolariam um PPV e um UFC On FOX; nos outros meses, um PPV e um UFC Fight Night, com um 13º PPV pra fechar a conta.

      • Nelson Junior Ticaum

        Isso ajudava mto na mitologia do Pride… Era um evento a cada 2, 3 meses… Recheado de estrelas, e gerava uma ansiedade absurda!!!Nunca vou esquecer a final do GP de 2005… Arona X Wand, Shogun X Overeen, e a luta mais epica de todos os tempos, Fedor X Crocop… Foi quando assinei o Combate… hahaha Galera na minha casa at’e as 6 da manha… Foda… Quem viveu essa epoca sabe a importancia dessa luta na epoca… Fedor GOAT!!!! (Fedorzete… hahahaa)

        • Certamente ajudou. Era muito legal esta ansiedade gerada, mas era ruim por ter poucos eventos por ano.

          E fedorzete sempre tem razão.

          • Nelson Junior Ticaum

            Uma coisa que eu sempre sonhei… Pq o UFC nao aproveitou a LYnn Hardt (n tenho certeza se ‘e assim que se escreve), a announcer que berrava os nomes dos lutadores no caminho do ringue. Ia ficar muito foda ela berrando os nomes enquanto os lutadores caminham pro octogono, e dps com o bruce buffer… hahaha
            Fedorzetes, uni-vos!!! hahaha

          • O nome dela é Lenne Hardt. Ela é announcer no ONE FC.

  • Marcel Alcântara

    Perfeito! Era muito mais do que necessário isso para uma organização que quer brigar outras ligas e esportes tão importantes. E, como você disse, quem trabalha com isso agradece E MUITO!!!

    • Não só quem trabalha, mas quem gostaria de viajar pra acompanhar um evento ao vivo, já que não tem como o UFC ir a todas as cidades onde existam fãs. Aí nego deixa pra anunciar um UFC Rio, por exemplo, em cima da hora e as passagens ficam assustadoramente caras, sem contar a hospedagem.

  • Marcio Valle

    Para nós da imprensa especializada independente, é excelente ter o calendário em mãos, para podermos nos planejar e ir atrás de patrocínios para custear as viagens e estadias. Acho uma grande sacada do UFC e aguardemos ansiosos pela divulgação deste calendário no dia 17 de novembro.

  • Rei Jaffe Joffer

    Como o Alexandre disse no texto, a divulgaçao de um calendario antecipado para o ano de 2015 é um grande avanço, no ponto de vista organizacional. É bom para o evento, para o fã e para a imprensa especializada.

    Na minha opinião, o UFC não havia feito isso antes por dois fatores simples:

    1) Uma cultura vinha do Boxe, onde também não existe um calendario fixo a ser seguido.

    2) Atletas de MMA se machucam e muito, seja no treino seja lutando, e seria dificil você seguir um plano, baseado em um calendario quando aquele Atleta X que o evento deseja que lute na Data Y está se recuperando de uma fratura no osso zigomatico, que dá um mês sem contato.

    • O boxe não trabalha com calendário porque não trabalha com o conceito de ligas detendo a exclusividade de lutadores.

      E determinar um calendário não é o mesmo de determinar as lutas. O UFC não pode ficar refém de escalar cards cheios de lutadores da casa. Isso basicamente acontece no Brasil e aqui tem material humano pra dar conta de eventuais substituições.

  • Malk Suruhito

    Realmente é inglória, visto NFL, NBA e Champions League tem capital próprio, e o UFC, mesmo com grana, faz os eventos aqui no Brasil dentro de acordos de incentivo com as prefeituras locais a exemplo dos próprios eventos nacionais (principalmente o Jungle).

    • Este cenário é bem comum na política brasileira, não é culpa do UFC. Ou é assim, ou nego tem que ralar.

  • Flávio Bueno

    Ótimo texto. Más o melhor foi a escolha do tema e como ele foi trabalhado. Parabéns Alexandre!

Tags: ,