FNs 53 e 54: os palpites dos colunistas do Sexto Round

Renato Rebelo | 03/10/2014 às 19:03

Fim de semana agitado pra quem curte uma porradaria em ambiente controlado – e não falo de debate presidencial.

Neste sexta, a cidade de Temecula, na Califórnia, recebe o Bellator 127 – evento que contará com a análise do meu mano Lucas Rezende logo mais.

No sábado, dose dupla. Primeiro, a partir das 13h10, direto de Estocolmo, Suécia, o UFC Fight Night 53.

Logo em seguida – começando às 19h45- o Fight Night 54 dá as caras em Halifax, Canadá. 

Portanto, vamos aos (nem sempre tão precisos) bicos de fora da área dos colunistas do Sexto Round para as principais contendas:

UFC FIGHT NIGHT 53:

GUN_STO

Alexandre Matos: Tirando o wrestling, Nelson é melhor que Story em todos os âmbitos técnicos do jogo. Sendo assim, este combate será um bom teste para ver como o islandês reage com um sujeito querendo esmagá-lo contra a grade ou trabalhando o ground and pound. Gunni por finalização.

Felipe Paranhos: Assim como faz com Conor McGregor, o UFC está construindo Nelson devagar, por saber se seu potencial esportivo e mercadológico. Story, hoje, é o adversário perfeito: tem nome, é fraco no ponto fraco do islandês e inferior no seu ponto forte, o grappling. Nelson por finalização.

Lucas Carrano: Existe uma expectativa interna no Sexto Round, da qual compactuo, pelo dia em que Gunnar Nelson se verá diante de um meio-médio grande e, apesar do seu talento, terá que pensar em ocupar seu lugar de fato, a divisão de leves. Mas, apesar de Rick Story ser um cabra duro, esse dia não será neste sábado. Gunnie vence por finalização.

Lucas Rezende: De um lado, um islandês invicto em 14 combates. Do outro, um americano que alterna vitórias e derrotas há sete lutas. Não posso ignorar os números, o talento de Gunni, nem a inconsistência de Story. Nelson por finalização no segundo round, rumo ao top 10.

Renato Rebelo: À medida que o levíssimo Gunni, sumidade técnica, ainda não conheceu seu par no MMA, Story, wrestlerzão truculento, quer ser a resposta. Infelizmente (para o americano), o carateca islandês domina a distância e se movimenta (à la Lyoto Machida) como poucos. A receita será igual à aplicada contra o russo Omari Akhmedov: bate-sai, knockdown e finalização.

MAX_AKI

Alexandre Matos:
Acho que veremos alguns bons momentos de troca de golpes, especialmente no primeiro round. Conforme a luta se estenda, o maior volume de jogo do havaiano deve prevalecer sobre o sueco. Se não conseguir um nocaute na segunda metade da luta, Holloway leva na decisão.

Felipe Paranhos: Eu não me surpreenderia com uma vitória de Corassani, mas o fato de o sueco ser pouco ativo e de ser muito inferior no striking vai decidir a luta. Holloway por KO.

Lucas Carrano: Último atleta da casa a pisar no octógono, Corassani, como se diz, “saiu do espeto e caiu na brasa”. Ele enfrentaria o Zumbi Coreano Jung Chang-Sung, que se lesionou, mas foi substituído pelo não menos encardido Max Hollaway. Vai sobrar o segundo TKO seguido para o sueco, pois Hollaway vence por nocaute.

Lucas Rezende: Em um dos co-main events mais imponentes desde Tibau vs Hallman, dou vantagem para o havaiano sobre o sueco. O muay thai cada vez mais afiado o direcionará para mais uma decisão ou um possível nocaute técnico no último assalto. Vamos com a decisão. Holloway por DU.

Renato Rebelo: O Abençoado, único a levar Conor McGregor à decisão dos jurados no UFC, é, simplesmente, mais maduro técnica e psicologicamente aos 22 do que Corassani – uma pequena bomba-relógio- aos 32. Quem acompanhou o TUF 14 sabe bem o quão temperamental é o sueco – e quanto essa característica lhe atrapalha na hora H. Hollaway, que não tem nada a ver com isso, sobreviverá à blitz inicial e achará um KO no R2.

UFC FIGHT NIGHT 54: 

ROR_SAF

Alexandre Matos: Caso estivéssemos falando de uma luta de kickboxing, provavelmente o talentoso canadense teria muitos problemas para vencer. Mas como se trata de MMA, a caixa de ferramentas mais abarrotada de MacDonald lhe será útil na hora de variar o jogo caso sua vantagem na envergadura não esteja dando conta da habilidade do belga na troca de golpes. MacDonald na decisão e revanche contra Robbie Lawler valendo o cinturão.

Felipe Paranhos: Ainda acho Rory um pouco superestimado, a despeito de seu potencial impressionante. Por outro lado, Saffiedine é bem subestimado. Acho que MacDonald tem mais recursos, mas seu cardio me deixa com uma pulga atrás da orelha. Vou de Rory por decisão. Mas com um pé atrás.

Lucas Carrano: O estilo de Saffiedine e uma grande simpatia pessoal pelo belga me deixam tentado a apontá-lo como vencedor neste combate. Mas, apesar disso, vou com Ares nessa – que, aliás, já garante seu title shot. A julgar pelo histórico da dupla, pelo menos uma coisa parece mais provável: que a luta vá se arrastar até o fim do tempo regulamentar. Então, MacDonald leva na decisão.

Lucas Rezende: Ambos vindo de cinco decisões em suas últimas cinco lutas, me sinto seguro em crer que esse duelo se estenderá por todos os rounds. O belga é mais experiente que o canadense nesse quesito, creio que veremos mais um espetáculo de chutes baixos. Saffiedine por DU.

Renato Rebelo: Seria loucura ignorar a ameaça – via socos retos duros e chutes baixos horripilantes- que o belga traz pra mesa. Mas Ares, pupilo de GSP, tem a seu favor a envergadura – muito bem aproveitada em alguns dos melhores jabs do esporte- e o benefício da dúvida (vai quedar ou trocar?). Portanto, Firas Zahabi, malandro da estratégia, conduzirá Rory a uma decisão pragmática, porém, preciosa.

RAPH_BRY

Alexandre Matos:
A observação feita no começo do palpite para Nelson-Story vale aqui. Tirando o wrestling, o brasileiro é melhor que o americano nas demais valências técnicas. Caraway certamente vai fazer Assunção lutar de modo mais dinâmico, mas deverá passar mais tempo levando soco em pé. Assunção também por decisão.

Felipe Paranhos: Depois do lamentável e desonesto fish-hooking na luta contra Erik Perez, é meu dever torcer para que Caraway perca. De preferência, humilhantemente. De qualquer forma, Assunção é um salto longo demais pro namorado de Miesha Tate. Raphael por nocaute.

Lucas Carrano: Para um lutador que há pelo menos um ano tem estado em vias de disputar o cinturão, um duelo contra o 10º colocado do ranking pode parecer mera formalidade, especialmente porque Caraway não terá vida fácil para finalizar Assunção como fez com quase 90% dos seus adversários. Apesar de não ser essa teta toda, Raphael Assunção vence, na decisão.

Lucas Rezende: Entre dois grapplers, vou com o mais bem-sucedido. Assunção é melhor em pé e também no solo. Desde que não vacile e deixe o pescoço exposto, não terá problemas maiores contra Caraway. O brasileiro leva essa, mas não ganha title shot. Assunção por DU.

Renato Rebelo: Caraway se autointitula “o melhor grappler da divisão”. Não só há controvérsias como suas chances se resumem basicamente ao setor. Entendendo que o rival em mãos é um faixa-preta de jiu-jítsu legítimo que dominará as ações no meio-campo e ainda leva vantagem em pé, fica fácil torcer o nariz pro namorado de Miesha Tate nessa. Palpite: Assunção, decisão.

Retrospecto dos colunistas em UFCs (acertos/erros):

Alexandre Matos: 5-1
Felipe Paranhos: 11-12
Lucas Carrano:  13-10
Lucas Rezende: 16-7
Renato Rebelo: 13-10

E vocês, amigos, como veem as lutas principais transcorrendo?

Abraços.

  • Lucas Rezende

    Vamo, Esponja!

    • Renan Trigueiro

      Nem pensar! Apostei uma grana no Rory hahaha

    • Renato Rebelo

      Nem pensar, preciso pontuar! hahaha

  • Diego_MT

    Cards bem fracos. Vou assistir o da Suecia so por causa do Nelson msm. No do Canada, vou de MacDonald e Assunção

  • Leonardo Neves

    Renato forçou a barra ao comparar a movimentação do Nelson com a do Machida. Ainda acredito que o Nelson vá pegar um wrestler bom de trocação que o vencerá com facilidade, porém, não será Story. Saffiedine é superestimado. Só vence se encaixar um golpe de sorte. Vejo a evolução do Holloway e continuo com a impressão que esse garoto ainda fará estrago entre os penas. Rafael vencerá!

    • Acho que o Renato quis dizer que os estilos de se movimentar são parecidos. E são mesmo.

      E eu acho que o Saffiedine é um lutador de primeira linha.

    • Renato Rebelo

      Hehehe foi um exagero proposital, Leonardo. Guardadas as devidas proporções, ambos são caratecas de mão cheia (Gunni, inclusive, já foi considerado o melhor de seu país quando jovem) e se movimentam de forma parecida.

      • Leonardo Neves

        Ser o melhor carateca da Islândia não quer dizer muito. Se fosse da Coréia eu iria reconsiderar.

        • Renato Rebelo

          Pois não considere, então = )

  • Rodrigo Tannuri

    Não acho essa luta fácil pro Gunnar. Vou apostar nele, mas o Story não é brincadeira. Será um belo teste. No UFN 53, além do islandês, quero que Holloway, Latifi e Backstrom vençam. Siver pode brilhar também. No UFN 54, se vencer, Rory tem tudo pra lutar pelo cinturão. Finalmente! A luta entre os strikers Cruickshank e Njokuani promete bastante.

    Gunnar Sub R2
    Holloway UD

    Rory UD
    Assunção UD

  • Tiago Nicolau de Melo

    Acho que Rory e Rapha levam antes do tempo regulamentar, mesmo curtindo muito seus adversários. Story não segura o Nelson, não. Tko ou Sub do 2nd round pra frente.

    • will

      O Rory é favorito. O grande problema do Rory é que ele não tem a mão pesada, apesar de ser muito bom tecnicamente. Já o Saffiedini bate duro é pode complicar a luta se um golpe entrar.

  • joao neto

    Acho que o Gunnar Nelson finaliza!!! tem um bom jogo de chão,ja lutou addc com Andre Galvão e apesar de perder deu trabalho, inclusive venceu Clark Gracie no pano!!!

    • Renato Rebelo

      Gunni já foi bronze no ADCC batendo o Jeff Monson – 35 kg mais pesado!

  • Neil Magny

    A perfomance do Rory depende se ele vai ter a alma sugada ou não pelos monstrinhos do Space Jam.
    Acho que o meu conterrâneo Raphael vence do rapaz que tem a melhor dieta do UFC! 🙂

  • João Marcelo Ecco

    é…. story é casca demais… wrestling wins.

    o que acharam da decisão dividida?

  • Leonardo Neves

    Aldo fará pior com Mcgregor. Nelson e Mcgregor cometem os mesmos erros com Nelson se valendo do seu chão que sempre o salvou (não hoje kkk). Mcgregor passará um mês de cadeira de rodas. Podem anotar.

Tags: ,