Andrei Arlovski e o real peso de ser um pesado

Lucas Rezende | 15/09/2014 às 20:53
Direita, que já foi lapidada por Freddie Roach, derrubando Pezão

Direita, que já foi lapidada por Freddie Roach, derrubando Pezão

Mais um UFC se passou e com ele outro pesado surpreendeu a maioria dos que assistiram luta principal entre Andrei Arlovski e Antônio Pezão, em Brasília.

O segundo azarão a derrubar um grande favorito em duas semanas, ao lado de Ben Rothwell.

Não precisaria retroceder nem um ano para ser taxado de maluco se dissesse que Arlovski e Rothwell fariam parte da elite dos pesos-pesados em 2014.

Mas essa é a realidade da mais rasa de todas as divisões do MMA.

E isso não deveria ser uma grande surpresa, pois o ciclo se repete há anos.

Essa superficialidade não se concretiza apenas em falta de lutadores, mas também em escassez de talento – salvo por míseras exceções, anos-luz à frente do restante que vive pela máxima “quem acertar primeiro, vence”.

Atualmente, essa esfera engloba três nomes no maior evento do mundo: Júnior dos Santos, Fabrício Werdum e – na liderança – Cain Velásquez.

De resto, temos um caos imprevisível de brutamontes desesperados para definir o combate o quanto antes.

Dancinha pós-nocaute

Dancinha pós-nocaute

Se no mundo do MMA, já se espera que qualquer coisa possa acontecer, nos pesos-pesados, essa regra se confirma ainda mais.

O que me faz ponderar: qual o motivo dos pesos-pesados não serem tão polidos quanto os membros de outras categorias?

Seria a falta de necessidade para cortar peso?

Quase uma unanimidade, os pesados não carregam preocupações para cima da balança.

Mas isso é uma faca de dois gumes.

Por um lado, inabalados pelo hábito sacrificante.

Por outro, desleixados, lentos, inadequadamente preparados para uma atividade tão extenuante.

Além de já serem vítimas de seus próprios corpanzis naturalmente mais lentos.

O reflexo da falta de preparo é nítido.

Só não enxerga quem ainda é leigo o bastante para acreditar que a categoria é a melhor por ter os maiores sujeitos.

Essa história de “homem mais malvado do mundo” colava na época de Brock Lesnar, que vendia essa imagem por ser oriundo da indústria do entretenimento, mas convenhamos que não passa de balela.

É verdade, um nocaute de peso-pesado é charmoso, mas vê-los cambalear exaustos pela arena ao fim do primeiro assalto, não é.

É essa certeza de que se o nocaute não vier, a luta se tornará um maçante exercício de paciência, que impede a divisão de crescer e desenvolver um interesse genuíno de quem ama o esporte.

O peso-galo, Aljamain Sterling, sintetizou o sentimento em um tweet.

O fato de todos os pesados se exaurirem, com exceção de Cain, me irrita. Vocês são profissionais! Entrem em forma como tal! É por isso que prefiro assistir lutas de meio-médio para baixo”.

Lesnar: representante da fase "freak"

Lesnar: representante da fase “freak”

Também é o mesmo motivo pelo qual não me veio uma sensação de “algo novo está por vir” quando vi Rothwell e Arlovski despacharem seus adversários.

Pois já vi ambos tombando diante de concorrência que nem sequer chega aos pés do trio de elite que citei anteriormente.

E não só uma vez.

Somemos isso a altos períodos de inatividade pelo qual todos passam com mais recorrência que seus parceiros mais leves (disso nem mesmo Cigano, Velásquez e Werdum se safam), e temos uma divisão estagnada e pobre.

Composta por lutadores, em sua maioria, já em meados dos 30 anos de idade, viciados e dependentes da possibilidade do golpe perfeito para avançarem em suas carreiras e alcançarem um espaço mais digno entre os melhores.

Fadados a cair, no entanto – mais cedo ou mais tarde – pois é assim que as coisas sempre foram.

Vez ou outra aparecerá alguém que despertará nossos interesses e nos fará vê-lo com outros olhos.

Como foi com Cain, Fedor Emelianenko, Cigano, Rodrigo Minotauro, Randy Couture e, mais recentemente, Travis Browne – que acabou ficando pelo caminho.

Mas para cada um desses, virão dezenas de Pat Barrys, Soa Paleleis, Shawn Jordans, Tim Sylvias e Matt Mitriones.

E no fim das contas, é um círculo vicioso.

Pesados são isso pois é o que se espera deles.

Um nicho tão nivelado por baixo – em relação às outras categorias – que aqueles que simplesmente executam suas funções corretamente reinam quase intocáveis.

Ênfase ao “quase”, pois todos estão sujeitos ao golpe avassalador.

Mas quantos terão sequer a chance de chegar tão longe?

  • Renan Trigueiro

    Eu incluiria o Miocic nessa lista de pesados mais polidos. Foi Golden Gloves no boxe e wrestler colegial de bom nível… No mais, boa leitura!

    • Lucas Rezende

      A gente vê onde o Miocic se encaixa se ele acabar pegando o Cigano. Não dá pra esquecer que o Struve já nocauteou ele.

      O melhor feito do cara no UFC foi quebrar o recorde golpes significantes desferidos em um combate, contra o Roy Nelson, que é famoso por aguentar pancada, mesmo.

  • Dan Mendes

    Eu acho que é só uma fase, Lucas!

    Há um ano os moscas tinham um campeão dominante e tipo por muito como imbatível na categoria, agora o cenário mudou totalmente.

    Logo logo haverá uma renovação, acredito eu. Principalmente, quando o pessoal perceber que Peso ganha bem mais que os demais (Pezão tem uma Ferrari).

    • Lucas Rezende

      Quando o DJ deixou de ser dominante, cara?

      Peso-pesado não ganha mais que os demais, vários fatores definem o quanto um cara vai ganhar. Popularidade, PPV, patrocínio, bônus, se o cara venceu ou perdeu. Enfim.

      Como o Pezão vem lutado em main events, claro que ele tem recebido uma grana boa, mas o fato de ser um pesado não é a causa por trás disso.

      Basta olhar pro Georges St-Pierre, o cara também ganhava bem, era até campeão de PPV, mas não tinha essa aura de nocauteador que os pesadões emanam.

      Abraço!

      • Dan Mendes

        Eu errei, quis dizer pesos galos.

        É só acompanhar esse Sítio → MMApayout.com e comparar valor de bolsa média de peso pesado é maior do que de outras categorias. Isso é fato.

        • Lucas Rezende

          Boa, não conhecia o site.

          Bom, isso infelizmente só reforça o hábito ruim de encher a bola dos pesados simplesmente por eles serem grandes.

          • Gabriel Castelani

            Acho justo ganharem mais! A possibilidade de lesoes serias é muito maior! Como disse lá em cima, um golpe de um pesado com essas luvas de 4 oncas pode causar danos irreversiveis!

          • Gabriel Castelani

            Imaginem o Shogun levando aquele mesmo golpe limpo, que sofreu do Dan Henderson, do Mark Hunt por exemplo! A cirurgia no minimo… seria mais delicada!

          • Dan Mendes

            Um exemplo disso é o Maldonado que aguentava pancada nos meio, mas como foi para os pesados.

    • Renato Rebelo

      Eles, na média, recebem mais do que as outras categorias msm – graças à atração da população pelo tamanho e pela pergunta “quem é o homem mais perigoso do mundo?”. Só acho a renovação problemática. É mt difícil vir uma formada de homens talentosos com mais de 100kg (lembrando que a categoria até 61kg é recente e o peso pesado sempre esteve lá)…

      • Dan Mendes

        Tem razão, mas os pesado estão perdendo atletas, os mais leves para corte de peso.

        …E a invasão Russa vem ai!

  • Matheus Araujo

    excelente texto, já respondeu a pergunta que eu fiz pra o podcast, ehehehehhe

  • Luis Felipe Fabricio

    É só ver por Exemplo a luta do Roy Nelson com o DC, literalmente dois pesados por obesidade, não por natureza.
    Acho até meio utópico falar isso, porém, quase todos os pesados do UFC tem condições de bater uns 105 quilos (quase todos!!!), faz isso pra ver, a galerinha vai ter que se virar pra chegar no peso, no geral pode proporcionar um espetáculo bem melhor, em tese todo mundo estaria em forma.

    • Ainda assim não seria o ideal, só melhoraria um pouco em relação à tristeza que é. Não é fácil realizar movimentos de um esporte tão complexo quanto o MMA com 105kg.

      • Luis Felipe Fabricio

        Ai vai depender da preparação de cada um, um atleta de 1,90 (na média) com 105 kg, tende a estar em forma.

        • Estar em forma não significa que o cara vai executar os movimentos com a mesma leveza, velocidade e precisão que um cara com quase metade do peso dele.

          • Gabriel Castelani

            Na NBA e no volei existem atletas de 105 a 110 kg com agilidade e gas parecido a atletas menores! O cigano é super rapido e agil, o velasquez nem se fala! Falta comprometimento mesmo! O werdum diz que durante quase toda sua carrerira nunca foi profissional, nos ultimos anos quando comecou a comer, dormir e treinar melhor chegou na cinta em 4 lutas!

          • Luis Felipe Fabricio

            Exatamente o que eu penso.
            .
            Constituição física de cada ser humano é uma história diferente, em qq categoria, os atletas estando em forma podem propiciar um belo espetáculo.

          • Cara, talvez não tenha ninguém (ou bem raros) na NBA com menos de 85 quilos. Imagine 66, 61, 57, 52…

          • Gabriel Castelani

            Podemos comparar a agilidade de uma armador contra um pivo! Um libero contra um meio de rede!

          • Por mais atlético que um Kevin Love, Blake Griffin, um Dwight Howard ou Chris Bosh sejam, dá pra comparar com a leveza do jogo de um Chris Paul, Derrick Rose, Russell Westbrook? É até maldade com os grandalhões.

  • Antonio Pedro

    Um dos piores textos que já li na minha vida… Meu Deus!

  • Como eu sempre digo, não consigo entender como um fã de MMA esclarecido consiga gostar de peso pesado lutando. Além dos motivos citados no texto, é também o prazer mórbido de ver gente estirada no chão em colapso. Eu fico até desanimado quando o UFC casa uma luta na categoria hahahaha. Velasquez, Cigano e Werdum se salvam. Browne e Miocic têm possibilidades. O resto (Alistair Overeem incluso) é exercício de paciência mesmo.

    E, como eu disse no podcast, a categoria sempre foi assim. Hoje temos três dominando. Um dia, no PRIDE, os três foram Fedor, Cro Cop e Minotauro. Depois foram Lesnar, Mir e Minotauro. Nunca passou disso. É difícil cobrar que um sujeito de 1,95m e 110-115kg tenha a desenvoltura de um que precisa carregar 60% do peso.

  • Lejionator

    Quem disse q o pezão era o favorito? 🙁

    • Renato Rebelo

      Feroz, o Pezão não era só favorito, mas mt favorito (-400 no somatório das principais casas de apostas estrangeiras).

    • Bart Simpsons

      como o renato já disse, o pezão era muito favorito, ainda mais que o arlovski retornou ao ufc fazendo aquela luta ridícula contra o schaub, luta por sinal em que ele só ganhou pq “garfaram” o namorado da ronda rousey.
      Outro caso é que arlovski podia até ser tecnicamente melhor do que o tym silvia, mas não dominava nada, lutaram 4x e o bielorusso só ganhou 1 (uma), enquanto Sylvia ganhou duas. Contra frank mir, não me lembro desse dominio, não me lembro nem que lutaram.
      Na atualidade ele só terá forte concorrencia do mark hunt, do miocic, do travis browne e do ben rothwell, contra cigano, werdum e velasquez, ele seria massacrado, principalmente levando em consideração que o arlovski é “queixo de vidro”, mesmo caso do overeem..

  • Antonio Pedro

    Quando eu disse que este foi um dos piores textos que já li, jamais pessoalizaria a situação com o autor… Mas agora mudo meu ponto de vista! Como vocês deletam comentários que não lhe agradam (e provavelmente deletarão este também) e ficam apenas com aqueles pseudo “positivos”, é hora de me retirar deste ambiente, pois ele também está contaminado… Escutar apenas o que lhe agrada é a alegoria do mundo perfeito!

    Já disse e vou repetir, não existe nivelamento por baixo… Os acontecimentos são em universos diferentes! O MMA é um esporte explosivo e decidido em detalhes, os atletas são caras preparadíssimos que fizeram do esporte suas vidas… Ganhar ou perder é um detalhe! Um tal de Fedor ficou por 10 anos invicto e ainda assim teve seus mals dias…

    • Renato Rebelo

      Antônio, esse é um ambiente privado com regras privadas. Se você acompanha o Sexto Round, sabe que até encorajamos as pessoas a discordarem de nós para que haja debate. Se você diz que esse é o pior texto que vc já leu na vida de forma minimamente respeitosa e explica por que (como tentou fazer agora), seu comentário jamais será apagado. O que é diferente de soltar uma frase crítica no vazio sem nenhum tipo de argumentação. Atacar o interlocutor ou seu trabalho, geralmente, é a primeira linha de defesa de alguém que não consegue debater idéias e isso não queremos por aqui. O Sexto Round não é nem nunca será um “hub” para trolls anônimos de internet (não estou dizendo que é seu caso). Pelo contrário, ele sempre será um porto seguro para aqueles que querem discutir pontos – quaisquer que eles sejam, concordando ou não com os autores (que, nesse caso, nem sou eu).

    • Lucas Rezende

      Deixando desavenças de lado.

      Fedor ficou 10 anos invicto e depois disso perdeu. O mesmo aconteceu com Anderson Silva, e isso não é demérito nenhum. A idade chega para todos.

      É injusto tirar o maior representante da categoria que o esporte já viu para comprovar que o peso-pesado não é nivelado por baixo.

      Como expliquei, para cada Fedor aparecem 10 Pat Barrys, Matt Mitriones, Soa Paleleis e por aí vai…

  • Adoro luta de pesado! Fã esclarecido? fã Hardocore? fã modinha? Sei lá, mas sei que gosto de peso pesado.
    Tb não curto quando tem brutamontes cansados no primeiro round, mas também não tenho paciência para ficar vendo mosquinhas que ficam girando pelo octógono trocando golpes como garotas brincando de adoleta!
    Questão de gosto mesmo.
    Jogar em discussão o preparo, técnica e limites de pesos acho completamente válido, mas ficar com papinho segregativo acho perda de tempo, somos todos fãs e ponto!

    Sou baixista e o que mais vejo em fóruns são topeiras dizendo que baixista não pode gostar de baixo 4 cordas e sim de 5.

    Sou designer e não é de hoje que metralham quem usa Corel Draw

    Agora, Lucas você é jornalista de formação, certo? Pois gostei do texto e sei que isso não é coisa de um simples blogueiro..rsrs.. (brincadeira rapaziada)

    • Luis Felipe Fabricio

      Cara, compartilho integralmente da sua opinião.
      .
      Adoro luta de peso pesado pesado e sou baixista tb, a discussão é sempre essa mesma.
      .

      • Gabriel Castelani

        De baixista pra baixista! É simples… um peso pesados pode mudar a vida de sua vitima com um golpe! E na real, hoje no UFC desde do medios, sao todos pesos pesados! Os caras em off pesam mais de 90 KG!

        • Luis Felipe Fabricio

          Bem observado, O JJ reza a lenda que pesa quase 110, o Anderson e o Weidman pesam uns 100, acho que o glover que comentou que pesava 104. A coisa é feia.

        • Renato Rebelo

          Sexto Round virando confraria dos baixista hehehe

    • Lucas Rezende

      Primeiramente, Acho segregação uma palavra muito forte.

      Respeito sua opinião, mas a diferença entre um combate de pesados vagarosos e de moscas ligeiros, é que mesmo que o perigo do nocaute não seja tão presente em 57kg (embora existam diversos nocauteadores na divisão), a técnica não é prejudicada.

      E no fim das contas, eu gosto de pensar que assistimos ao esporte para ver sempre como ele ainda pode evoluir individualmente (com o desenvolvimento pessoal das habilidades de cada lutador) e também como um todo ( quando olhamos de longe o trabalho de todos os envolvidos em um camp, por exemplo).

      E sempre que ponho as coisas sob essa perspectiva, me fica claro o quanto os pesados estão aquém em relação aos outros. Foi como eu disse, os grandalhões nunca perderam seu charme e não há vergonha em gostar deles, mas nunca poderei dizer que são os mais empolgantes ou aprimorados.

      • Foi mau pela palavra “segregação”, realmente pode parecer forte.
        Quando quero dar uma olhada nas novidades aqui no SR eu simplesmente abro o Chrome, digito “S” e dou enter, pois o endereço já está nos favoritos 😉
        Pois entre um job e outro na produtora meu tempo é corrido até para resolver lapsos da minha cabeça para encontrar a palavra mais correta para exemplificar o que eu penso. rs

        • Renato Rebelo

          Davizão, a casa é sua. Expresse-se como bem entender. Vc sempre deu uma moral enorme ao nosso trabalho e sou mt grato por isso.

  • Gabriel Castelani

    Tenho a mais plena convicao que no futuro nao será assim! Todas as categorias sofreram um upgrade fisico/tecnico, nos pesados será um processo mais lento justamente porque uma pequena porcentagem da populacao tem mais de 1,90 cm, em forma, com gordura corporal abaixo de 10% 12% seriam pesados de 110 kg em otimo shape! Quando a popularidad do esporte, ganhe um pouco mais de espaco, boa parte da geracao dos gigantes do voley ou do basquete vao migrar para o MMA! Ai veremos uma heavy weight mais competitiva e diciplinada!

    • Renato Rebelo

      Bom ponto de vista, Gabriel. Tinha dito que acha mt difícil pintar uma formada (leia-se mais de 5 atletas) de caras mt bons com mais de 110kg, mas, como vc disse, a popularidade do esporte fará com que a médio longo prazo grandalhões que iriam para outros setores abracem o MMA. Imagina um cara do top físico do Lebron James no octógono? Provavelmente, teriam que criar a categoria super heavyweight ou expandir o limite de 120kg. E, para que isso aconteça, basta surgir uma grande estrela…

    • Lucas Rezende

      Que assim seja!

  • Gabriel

    Boa leitura, mas ainda sim prefiro luta de pesos pesados, é melhor do que peso mosca ficar pulando no octogono sem dar praticamente nenhum soco, pelo menos os lutadores peso pesado tem vontade de lutar.

  • Vitor MR

    O termo “Heavy” e a velocidade – leia-se nocaute relâmpago – são indissociáveis da cultura esportiva norte-americana; por isso tamanha popularidade.
    Independente disso, ver aquelas jamantas decidindo a vida em um soco é bem legal, principalmente em época de cards mirrados. Sou fã desses caras, mas prefiro a técnica do que a força e, de fato, a maioria carece disso e de atleticismo.
    Nunca fui fã de boxe, mas não me lembro de tantos pesos-pesados lentos. Aliás, é a categoria mais rica em história no pugilismo.

  • Gabriel Castelani

    Quando tinha uns 22 anos um tal de CARLAO lá da
    minha cidade natal me mostrou o perigo de um peso pesado natural! Eu pratiquei
    artes marcias desde pequeno, capoeira, judo e jiu jitsu, e até então jamais
    havia sentido perigo em uma troca de golpes, mesmo sofrendo cortes e pontos! Em
    forma peso cerca de 93 KG, tenho 1,85, e naquela noite por uma fechada no
    transito e com umas cervejas a mais na cabeça, decidi descer do carro e encher
    de porrada o sujeito que me perseguia com sua Pick-up ranger! Ou seja tudo
    errado, moleque, bêbado e valentão! Não era minha noite, mais a vida ensina e
    por sorte, hoje, posso dar risada das muitas cagadas da minha juventude! Bom,
    quando vi que a camionete balançou quando o sujeito desceu, e sua cabeça passou
    por cima da cabine, pensei, por fim, hoje vou achar o meu par! E foi isso
    mesmo! O cara era grande e forte demais pra um mortal como eu! Depois me inteirei
    que ele era dono de uma transportadora, ele era geneticamente enorme e forte
    por passar a vida inteira carregando e descarregando caminhões! Bom voltando ao
    vergonhoso relato, já que tinha descido e nunca havia levado a pior num mano a mano
    confiei, eu mandei um cruzado que, direcionado no rosto aterrissou no peito, opa…alto
    demais! E o cara nem se mexeu! Quando ele soltou alguns golpes no vazio, só
    pela potência vi que meu maxilar corria sério risco! Lembrei da frase, ”
    só o Jiu Jitsu salva”, caiu num single leg pra jogar o Golias pro chão,
    levei ele em contra a parede, mais não consegui derrubá-lo, fiquei ali,
    brigando com a perna do sujeito, que começou a largar marretadas de cima pra
    baixo, na parte traseira da minha cabeça! A cada golpe a luz diminuía, é igual quando
    ligamos o chuveiro elétrico em horário pico com outros eletrodoméstico e a luz
    da aquela fraquejada e o disjuntor quase cai, o som sumia e voltava! Por “sorte”
    estávamos fazendo aquele circo em frente da delegacia, e algumas almas
    caridosas tentaram separar. Me lembro bem deles voando ao tentar segurar os braços
    do OGRO. Eu estava quase nocauteado, quando ele decidiu parar agradeci a Deus
    por isso! Me lembro bem da mulher dele gritando de la da cabine: “para que
    você vai matar esse moleque!” Sabe quando os lutadores falam que estão
    no automático, eu estava mais automatizado do que a linha de produção da AUDI e
    da MERCEDEZ! Fiquei mancando durante uma semana, o cara tinha me acertado um
    chute na altura da panturrilha e a cabeça abobada e doida! Eu não quero
    imaginar o que dever ser levar um soco de um Cigano, Cain, Mark Hunt, Roy
    Nelson! Não adianta bater só o peso, você tem que ter a resistência pra
    aguentar esse tipo de golpe, vejo caras tipo, Brendan Shaub, Arloski e Overrem,
    o botão de Danger deles disparam no primeiro golpe! O meu ligou na primeira
    martelada que levei!

    • Carlos Felix

      Fábio Maldonado sabe o que você passou, Gabriel. Maldonado era conhecido pelo queixo de titânio. Bastou um balaço do Miocic para destruir a lenda.

      O lance dos pesados é a potência.

      O Shane Carwin é um lutador muito limitado. Mas, no auge, mandaria muito campeão das categorias de baixo para a vala.

      • Bart Simpsons

        É o que a gente sempre fala “peso pesado é peso pesado”. Vejo muita gente que fala do Jones pq acham que por causa de seu tamanho e envergadura ele deveria subir para os pesados. Bom, nem preciso dizer que isso não tem nada a ver. Não é qualquer cara grande e forte que pode ser um peso pesado, basta ver o overeem, o arlovski e o proprio schaub, que foram citados acima pelo gabriel. Será que se eles descessem de categoria, não aguentariam mais pancada estando entre os meio pesados??
        Eu tenho 1.85 de altura, treino muay thai, jiu jitsu e mma, estou na categoria de peso pesado, mas vou baixar com toda certeza, de preferencia para ficar com 85 (peso médio), pq não sou peso pesado natural, não tenho nem força de peso pesado como alguns companheiros meus de treino possuem.

    • Guest

      É o que a gente sempre fala “peso pesado é peso pesado”. Vejo muita gente que fala do Jones pq acham que por causa de seu tamanho e envergadura ele deveria subir para os pesados. Bom, nem preciso dizer que isso não tem nada a ver. Não é qualquer cara grande e forte que pode ser um peso pesado, basta ver o overeem, o arlovski e o proprio schaub, que foram citados acima pelo gabriel. Será que se eles descessem de categoria, não aguentariam mais pancada estando entre os meio pesados??
      Eu tenho 1.85 de altura, treino muay thai, jiu jitsu e mma, estou na categoria de peso pesado, mas vou baixar com toda certeza, de preferencia para ficar com 85 (peso médio), pq não sou peso pesado natural, não tenho nem força de peso pesado como alguns companheiros meus de treino possuem.

  • Carlos Felix

    Poxa, galera. Vocês acabaram a categoria dos pesados. Coitados…

    Não acho a categoria dos pesados tão ruim assim. Cada categoria tem sua especifidade. Precisamos apreciar o que cada uma tem a oferecer.

    Como o Alexandre Matos disse:

    “É difícil cobrar que um sujeito de 1,95m e 110-115kg tenha a desenvoltura de um que precisa carregar 60% do peso.”

    Cada categoria tem sua especifidade.

    Nos moscas vemos lutas freneticas, com muita velocidade, e não muitos nocautes.

    Nos leves, por ser o biotipo mais comum da população mundial, temos o maior número de talentes. São lutadores super ténicos e com poder de nocaute.

    Os meio pesados são sijeitos enormes, ténicos e bem condicionados. O melhor lutador da atualidade está nessa categoria.

    E chegando aos pesados temos os lutadores mais fortes do planeta.

    Os caras não são velozes como os moscas, não são técnicos e bem condicionados como os leves, nem proporcionam lutas equilibradas como os meio-pesados…

    mas é só lá que vemos gigantes de quase dois metros de puro músculo caindo em câmera lente pela mão de um gordinho barrigudo.

    Roy Nelson é mestre em proporcionar esses momentos.

    Demetrious Johnson x John Dodson foi um lutão. Mas 5 lutas dessas num card principal é cansativo.

    Uma virada como Cheick Kongo x Pat Barry. Ver um gigante girando no octogon como Velasquez x Lesnar. São os tipos de lutas que pesados proporcionam.

    Sem contar que ainda há fascínio de ver o mais “perigosos” lutadores em combate. Miocic x Maldonado mostra bem isso.

    Resumindo: cada categoria tem seu valor. Os pesados proporcionam momentos que outros não conseguem.

    • Renato Rebelo

      100% de acordo, fera!

    • Lucas Rezende

      Sem dúvida, e eu fiz questão de destacar o charme que os pesados possuem. Não é à toa que são os favoritos de muitos.

    • Boa Carlos!!!

  • will

    A verdade é que vocês, do sextoround, subestimaram o Arlovisk. Ele claramente estava mais atlético e preparado nessa luta. E o nosso amigo Pezão, sem o “suco Gummy” não aguentou nem dois golpes. Lembrando que ele aguentou 5 rounds apanhando do Hunt com o suco. Os peso pesados são a 1° divisão do MMA por um motivo muito simples: ninguém gosta de ver dois homens de 50kg trocando socos por 25 minutos sem poder de nocaute! O povo gosta é ver o “corpo estendido no chão”!

    • Lucas Rezende

      Alto lá! Se você conferir nossa coluna de palpites, verá que eu apostei no Arlovski!

      • will

        Verdade, seu palpite foi bem embasado. Parabéns, análise perfeita.

    • Bart Simpsons

      normal se o pessoal não apostasse no Arlovski depois da luta ridícula que ele fez contra o Brendan Schaub, que convenhamos é 10x pior que o Pezão, e ainda só ganhou pq “garfaram” o Schaub.

      • Renato Rebelo

        Perfeito, Bartolomeu. E não nos esqueçamos que em meados de 2013 ele levou dois knockdowns de um ex-meio-médio. Posar agora de profeta do passado é mole, o difícil era botar dinheiro no Arlovski contra o Pezão (msm pagando -400). E msm assim, o Lucas apostou nele.

        • will

          O problema é que vocês não levaram em conta ausência do TRT. O “suco gummy” faz toda a diferença. Se vocês não levarem isso em conta na luta do Vitor, vão errar de novo. Eu botaria dinheiro sim numa vitoria acachapante do Weidman. Sem o “suco gummy” o Leão é manso!

          • Renato Rebelo

            Will, vc deve ser novo por aqui. Sobre o Belfort, estou sempre tocando nesse ponto. Escrevi, recentemente, esse texto aqui, ó: http://sextoround.com.br/14045-quao-preocupante-e-o-novo-fisico-de-vitor-belfort/. Sobre o Pezão, ele, teoricamente (publicamente), só fez a luta contra o Mark Hunt com prescrição para TRT. As vitórias sobre Overeem e Browne, portanto, foram sem. Portanto, imaginei que o impacto da ausência seria menor – do que no caso do Vitor, que já está anos nessa manobra.

          • will

            Você acredita mesmo que ele só usou TRT contra o Hunt? Eu não acredito. Acho que a carreira dele e de 90% do UFC acabou depois da proibição do TRT. Vitor, Pezão, Overrem, Henderson, Wanderlei Silva e outros tantos são passado a partir de agora. O futuro do UFC são os super atletas. O Arlovisk estava visivelmente em forma e isso fez dele vencedor. Eu sei que esse assunto é polêmico, mas a verdade é impiedosa. Enfim, parabéns pelo trabalho.

          • Renato Rebelo

            Claro que não. Mas tb não temos como afirmar o contrário, né? Obrigado a vc por contribuir com a sua opinião, fera!

  • Maykon Douglas

    Concordo com os motivos ditos no texto, que explicam o fato de a divisão dos pesados ser uma das mais insossas do MMA mundial. O que mais me deixa desanimado em relação a está categoria, é pensar na possibilidade que mesmo, Werdum permaneça mostrando uma evolução monstruosa e Cigano reinvente o seu estilo de luta, mesmo com tudo isto, é bem provável que o reinado de Cain continue inabalável por muitos anos. Também acredito no fato de a divisão dos moscas ser uma das categorias mais rasas do UFC, pelo mesmo motivo visto nos pesadões: poucos são os nomes que possuem potencial para vencer o dono da cinta, daí a necessidade no surgimento de novos talentos nestas divisões, para se tornarem mais competitivas e empolgantes…

Tags: ,