Pensando alto: a análise informal do UFC 177

Renato Rebelo | 31/08/2014 às 05:52

Com a frase “bem-vindos ao mal-assombrado card do UFC 177”, Joe Rogan tentou justificar o injustificável.

Beleza, Demetrious Johnson e Chris Cariaso foram descolados para tapar o –enorme- buraco causado pela lesão de Jon Jones no UFC 178, mas culpar a pobre bruxinha do MMA por falhas claramente humanas é demais.

Henry Cejudo – que enfrentaria Scott Jorgensen– foi o primeiro a perder a queda de braço com a balança.

Pra quem não se lembra, o campeão olímpico já havia, em nove meses, pulado fora dos Legacys 25, 31 e 34 pelo mesmo motivo.

A Nova União – indiscutivelmente uma das melhores equipes do mundo-, também tem, no processo, seu grande calcanhar de Aquiles.

Ronny Markes, Hacran Dias, Claudinha Gadelha, José Aldo, entre outros, já culparam o corte de peso por problemas de desempenho.

Renan Barão, bola da vez, anunciou, no início da semana, que havia voltado à velha fórmula de tirar nove quilos em quatro dias – já que, em sua última luta, chegou mais leve e não curtiu o resultado.

Pois bem…

No apagar das luzes, o card abaixo da crítica (certeza de recorde negativo de vendas de pay-per-view) até que entregou bastante diversão.

Bom pra quem – como eu- não seguiu a sugestão de Dana White: “Não precisam comprar o evento hoje. Aluguem um filme e não me encham o saco”.

Chega de papo furado. Vamos às minhas humildes leituras:

TJTJ Dillashaw x Joe Soto

Wrestler de ofício, Tyler Jeffrey construiu, tijolo a tijolo, movimentação simplesmente exuberante em pé. A leveza e a velocidade lembram Dominick Cruz no auge, enquanto o volume que emana por rounds a fio tem um quê de Irmãos Diaz. Com isso dito, Joe Soto provou que jamais fora boi de piranha. Pelo contrário, no papel, o corajoso tapa-buraco trazia nível compatível na luta olímpica (foi companheiro de Jon Jones e Cain Velásquez em Iowa), experiência superior (17 lutas profissionais e os cinturões de Bellator e Tachi Palace no currículo) e a forma física de alguém motivado para estrear no UFC (contra Anthony Birchak, na porção preliminar do mesmo card). Ou seja, duelo pra lá de competitivo que mostrou o quão perigoso passa a ser um assassino treinado quando adicionamos paciência e frieza à equação. Outro nocaute no quinto round e a certeza de que, pra tirar o ouro de Sacramento, precisarão trazer algo diferente.

Ele é um oponente muito duro. O conheço faz tempo e sei que tinha que ser um pouco mais hesitante na trocação, porque ele iria tentar me derrubar”, cravou o campeão.

TONYTony Ferguson x Danny Castillo

E não é que, finalmente, uma guardeiro ativo convenceu os jurados perante um wrestler passivo? Entendendo que nada drástico ocorreu em pé, a quebra de paradigma se deu por conta da inquietude do El Cucuy – que tentou triângulos de mão, kimuras, leglocks e cotoveladas mis. O Alpha Male, por sua vez, se lascou ao acreditar que abraçar e tirar uma pestaninha por cima seria seu salvo-conduto. Confesso ter ficado com os olhos marejados. Parabéns, Michael Bell e Derek Cleary – oficiais que marcaram 29 a 28 Ferguson!

Ele não estava tentando passar (minha guarda), só estava descansando. Os jurados viram isso”, registrou o campeão do TUF 13.

BETHEBethe Correia x Shayna Baszler

Logo no início, a diferença de tamanho gritou. Baszler, grappler desde sempre, tentou grudar e, quando sentiu a pujança paraibana, foi obrigada a puxar pra meia-guarda! No segundo round, já com os bracinhos cansados de tanta isometria (leia-se antijogo), a protegida de Ronda Rousey travestiu-se de saco de areia. Pitbull, mais inteira, só teve o trabalho de descarregar meses de treino em alvo fixo, forçando Big John McCarthy a interromper fortes sequências que começavam no fígado e terminavam na cabeça. Agora, com a queda de duas das quatro Horsewomen, só resta a chefona (considerando que a outra sequer luta no UFC).

Quero deixar uma mensagem para a Ronda: eu vou tomar esse cinturão!”, disse a confiante vencedora.

CARLOSCarlos Diego Ferreira x Ramsey Nijem

Vítima de Tony Ferguson na final do TUF 13, o palestino-americano tentou intimidar o novato amazonense soltando os cachorros no início – mas logo perdeu o centro do octógono e passou a jogar no contragolpe. Diego, por sua vez, tá longe de ser um striker polido, mas compensa direitinho a falta de técnica com frieza e potência. Ou seja, foram exatamente seus swingões selvagens que mantiveram Nijem na defensiva. Aliás, dois deles pegaram em cheio. O primeiro, no R1, tirou do gringo o controle das próprias pernas. O segundo, no R2, fechou a tampa do caixão. 11-0 com 29 anos, duas finalizações no UFC e imensa margem para progresso, Carlos Diego pode muito bem vir a ser algo especial. É só trabalhar. Obs: se bobear, ainda cabe uma descida de peso (pro pena)…

Ser invicto não quer mais dizer muita coisa. Sou um dos melhores do mundo e é muito excitante apenas estar lutando aqui”, analisou o brasileiro.

Outros resultados:

Yancy Medeiros finalizou (guilhotina) Damon Jackson no R2
Derek Brunson venceu Lorenz Larkin na decisão dos jurados
Anthony Hamilton nocauteou Ruan Potts no R2
Chris Wade finalizou (guilhotina) Cain Carrizosa no R1

Abraços.

  • Carlos Montalvão

    Aquele porradão do Diego no disjuntor (?) do adversário foi coisa de louco. Quanto ao desempenho da Bethe, a gente tá acostumado ver Sarah Kaufman se destruindo “facialmente” no boxe por 3 rounds inteiros, Ronda Rousey e Miesha Tate dando shows de queda etc, mas dá pra dizer que foi brutal mesmo, apesar do sufoco no primeiro round. Eu gostaria muito de ver a Bethe contra a Marina Shafir, ela bem que podia descer e assinar com o UFC de uma vez antes da brasileira se meter na enrascada que é enfrentar a campeã – nessa história de Pit Bull vs 4 Horse Women, eu faço uma comparação e considero Rousey um chefão no maior estilo Shao-Khan (Mortal Kombat), Mr. Bison (Street Fighter), Ginyu (do tão amado por ela Dragon Ball Z) ou Eddie (Need for Speed Underground 1), aquele chefe que está numa dimensão superior aos demais adversários e só aparece pra enfrentar o “mocinho” depois que seus maiores capangas são derrotados, com umas frases clichês do tipo “chega de brincadeira, agora é minha vez” ou “se você quer algo bem feito, faça você mesmo”. Jessamyn Duke e Shayna Baszler (não dá pra dizer o mesmo quanto à Marina por ela ter dormido devido à bomba que tomou na fuça) mostraram que não tem coração de guerreiras nem espírito de campeã, simplesmente desistindo de lutar e se entregando à pancadaria de Leslie Smith e Bethe Correia sem esboçar qualquer tentativa de contra-golpe pra se livrar do castigo ou qualquer reação e já deram a deixa de que se qualquer adversária quiser vencê-las é só encurralar elas na grade e mandar uma muqueta tailandesa, coisa que ninguém nunca verá acontecer com a Rowdy. Mas não acho que a brasileira tenha sequer chances de durar mais que a Alexis Davis, cuja qual eu coloco no “Grupo A” das lutadoras junto de Tate, Zingano, Kaufman, Eye e McMann. Diria que a Bethe se encontra, junto com Amanda Nunes e Jessica Andrade, num espaço entre esse pessoal de elite do WMMA e o “Grupo B” (que seria o com as garotas do TUF, Dudieva, Philips, Randamie, etc), acho que umas duas lutas a mais pra ela amadurecer seria bom antes de tentar o Title Shot.

  • Carlos Montalvão

    Nesse main-event o Joe Soto merece todo o respeito do mundo, o que começou com um “lutador de card preliminar jogado de alimento ao leão” pra salvar o evento terminou com uma boa luta que eu jamais imaginaria ver numa situação dessas (estreante contra campeão), eu realmente achava que o Soto ia sucumbir no segundo ou terceiro round, ele surpreendeu muito e como o Dana White disse na coletiva, ele não veio pra lutar, ele veio pra vencer. De quebra mostrou muitas brechas do Dillashaw e eu mesmo como praticante de artes-marciais, vi muito golpe maldoso que poderia ter sido encaixado no campeão por alguém com a experiência de Renan Barão em seus dias felizes ou qualquer lutador mais agressivo que o Soto. No fim, com certeza ajudou a tornar a vida do Raphael Assunção mais fácil

  • Draggo

    Rebelo, o que você acha disso? acha que o carequinha estava certo em fazer isso, ou não? http://sportv.globo.com/site/combate/noticia/2014/08/barao-nao-recebe-valor-da-bolsa-e-dana-diz-vai-voltar-sem-um-centavo.html

    • Draggo

      e não seria hora da Nova União e o Dede começarem a exigir mais respeito do UFC com seus atletas?

      • Antonio

        Amigo Drago, o melhor a fazer é seguir as regras do jogo… Comece pelo corte drástico de peso, não funciona… Segundo, escutou ou percebeu que o UFC não ajuda (salve Deus pai a concorrência), MUDE… Tem o Bellator e o One esperando de portas abertas!

    • Luiz Guilherme

      eu concordo com o dana

    • Renato Rebelo

      Não tem jeito, tem que sofrer represália msm. Botou o evento em xeque por erro de cálculo (chamado, por muitos, de falta de profissionalismo)

      • Antonio

        Exato.

        Apenas temos que alertar aos fãs desavisados que o puxão de orelha no Barão, na verdade é no Dedé Pederneiras e equipe que comanda todas as decisões sobre tudo que acontece com o Barao…

        • Antonio

          Agora com a réplica do Dedé tentando explicar o acontecido com o Barão a coisa fica pior… Diz ele que o Barão fará uma bateria de testes para descobrir porque Barão desmaiou e não há motivos para se preocupar, pois existe uma equipe por trás de médicos e nutricionistas cuidando… Oras, digo apenas uma coisa aos médicos e nutricionistas envolvidos, cuidado para não associar o nome de vocês com atitudes negligenciadas à saúde… Querendo ou não, vocês já estão envolvidos!

  • Luiz Guilherme

    soto representou, saiu bem na fita.

    mas que me impressionou muito foi o diego. que ele já tinha um jiu jitsu afiado se sabia, agora temos a comprovação que ele tem punch e queixo! tem mto futuro o brasileiro!

    sobre o co main event, o fergunson é um excelente lutador mais precisa de alguém que o guie. ele em certos momento parece que tava treinando..que rolamento foi aquele no terceiro round??

    sobre a bethe, mto bem em se promover…mais acho que não dura um round com rounda..e por isso mesmo que essa luta deverá rolar, pq a campeã vai fazer questão

    • Antony

      A Bethe evolui a cada luta e ontem ela foi fenomenal!!!

  • Arthur Malaspina

    Achei o Soto muito bom, talentoso, escolhendo bem os golpes. E acho que é pequeno, talvez possa descer pros Moscas (se bem que já lutos até nos penas né).

  • Luiz De Marco Freitas

    ontem foi um deleite os chãos de diego ferreira e tony fertusson… plasitcamente muito bonitos e efetivos. o fergusson treina na 10th planet, ne? representou bem o espírito de confiança na guarda do eddie bravo… e o diego ferreira tinha umas transicoes muito suaves, pqp

  • Douglas Bernardi

    Ai eles os juízes ajudaram o Ferguson pelo trabalho com as costas ao chão e sempre condenam o Hioki em outras ocasiões…

  • Renan

    Só eu achei que o Dillashaw não é essa coisa toda que estão falando dele? Se fosse o Barao ontem,não posso dizer que o barão ganharia,mais daria muito trabalho pro campeão,mais que na primeira luta..vejo outros dos tops dando jogo pro Dillashaw ,diria que se ele brincar assim com um cara com a potência de um Mcdonald ,ele dormiria tranquilo,deu a cara várias vezes pro Soto,o Raphael pra mim ganhou a primeira e tem chances na segunda,penso o contrário do que falam por aí e já assisti a luta novamente e vitória do raphael.,Assim como o Hendricks,vejo o Dillashaw sem a cinta logo,logo..a não ser que ontem tenha sido uma luta atípica,será?

    • Antonio

      Barão sem o corte drástico de peso simplesmente “mata” o Dilashow!

  • Rodrigo OLiveira

    E finalmente Dillashaw desencarnou de algum guerreiro ancestral e voltou ao seu estado normal ontem. Mostrou-se o mesmo lutador de sempre – a exceção da luta contra barão- e não fez o que se esperava dele. Pelo contrário, saiu até com a lataria meio avariada e venceu apenas no fim do 5 rd quando o sujeito já estava com os bofes pra fora. Soto tinha tudo contra: estreante no evento, pegou uma luta de 5 rounds em cima do laço, e com a pressão de valer cinturão, além de estar lutando na categoria errada. Ele parecia um anão perto do já anão Dillashaw, e mesmo assim deu trabalho, e muito. Dillashaw é apenas mediano, e agora que desencarnou de vez, assim que pegar alguém do gabarito do Barão, Cruz ou Raphael, entregará a cinta docilmente, sem muito esperneio. A conferir.

    • Batista

      Quanto floreio nas palavras… kkk!

  • Felipe

    Do ponto de vista estratégico o adiamento caiu bem para o
    Barão, e para todos os desafiantes ao cinturão do Dillashaw. Soto, fechadinho,
    deu muito mais trabalho do que os ataques destrambelhados e abertos do atleta
    da Nova União. Creio ter mostrado o caminho das pedras para os futuros
    desafiantes. Quanto a comparação ao Dominick, acredito que o TJ seja ainda mais
    rápido, mas não usa tão bem a variação de ângulos e chutes.

  • Renatão, o Cejudo deixou o Legacy 34 por causa do convite do UFC.

  • Imagine o rumo da história se respeitassem guardeiros ativos. Isso significaria derrotas de Clay Guida para Hatsu Hioki e, principalmente, Anthony Pettis. Assim, o Showtime teria enfrentado o vencedor de Edgar-Maynard no UFC 136 e haveria uma grande possibilidade de o Ben Henderson jamais ter sido campeão do UFC.

  • Caio Abreu

    muita gente criticando o TJ, respeito a opnião de todos mas é muito bom ver aquele cara lutar um cara que veio do wrestling, se transformar em um trocador desse nível que ele ta apresentando, versatilidade,velocidade e tecnicas muito apuradas gosto muito de ver o pigmeu lutando, é um estilo diferenciado e muito perigoso agora o joe soto é duro pacas, grande luta.

Tags: