Considerações Finais: a leitura do UFC FN 49

Lucas Rezende | 24/08/2014 às 05:01

Em abstinência, os habitantes de Tulsa, Oklahoma, não viam um octógono em sua cidade-natal desde que Royce Gracie finalizou Dan Severn na quarta edição do Ultimate.

Com a grande responsabilidade de realizar um show tão histórico quanto o de duas décadas atrás, coube a Rafael dos Anjos e Benson Henderson a missão de liderar o card, que, salvo por alguns outros nomes, estava tão isento de estrelas quanto o seu antecessor.

Por sorte, isso não nos impediu de prestigiar bons combates e uma luta principal que também entrará para a história.

Mas isso depende de como você olha para ela.

O nocaute Dos Anjos e seus múltiplos significados

Joelhada de Rafael: o começo do fim

Joelhada voadora: o começo do fim para o cabeludo

As opiniões sobre o combate principal da noite podem ser divididas entre as que concordam com a interrupção de “Big” John McCarthy e as discordantes.

Confesso pertencer ao grupo número um, mas isso é dificilmente a questão a ser debatida.

Independente de quem está certo ou errado – até porquê esse debate é puramente relativo e sem propósito-, o pior de ver uma luta terminar deste modo é carregar para sempre o peso da dúvida.

Esta que assombra o vitorioso, o perdedor, o árbitro e também os espectadores.

O que não podemos deixar de lado é o evidente desenvolvimento de Rafael dos Anjos como “striker”.

Oriundo do jiu-jitsu – e dependente da arte suave até sua chegada ao UFC-, sua guinada rumo à excelência no muay thai começou há poucos anos e já mostra resultados avassaladores.

Cortesia de Rafael Cordeiro (e das viagens à Singapura para treinar na Evolve MMA).

Quanto a Bendo, apesar da ironia de ter sido injustiçado (na opinião de alguns) depois de tantos triunfos altamente contestáveis a seu favor, um retorno diante de alguém entre os 10 melhores para afastar o ainda jovem ex-campeão da irrelevância é bem provável.

Prevejo muitos emergentes querendo comprar uma briga de alta recompensa e pouco risco contra o “Suave”.

Por fim, não podemos deixar de lembrar o quanto a vitória de RDA diz sobre um tal de Khabib Nurmagomedov, que está lesionado, mas não está morto.

O russo dominou o carioca por 15 minutos e se encontrou na cara do cinturão sem ter precisado lutar.

Se realmente estiver saudável no começo de 2015, como dizem as previsões, Rafael terá que esperar na fila e provavelmente derrubar mais um antes de ter sua vez.

Jordan Mein prova o óbvio mais uma vez

1924374_10152611183516276_5323414653568742882_n

Celebração canadense

Admiro bastante a experiência dentro do mundo dos esportes de combate que Jordan Mein possui com somente 24 anos de idade.

O menino prodígio treina desde os quatro e já derrotou nomes como Joe Riggs, Josh Burkman e Dan Miller.

Então por quê eu ainda não consigo entrar na onda dele?

Reconheço que posso ser um pouco severo com o “Young Gun”, mas acompanhemos sua breve trajetória pelo UFC.

Estreou com uma boa vitória sobre a carcaça do que costumava ser o real Dan Miller, em seguida machucou Matt Brown brevemente, mas sucumbiu à pressão final.

Contra Hernani Perpétuo, fez uma luta mais cadenciada e sofreu com as tardias investidas do brasileiro para conquistar a decisão unânime.

O veterano, Mike Pyle, seria um teste legítimo.

Mas seu boxe – de longe o melhor atributo do canadense – obliterou o “Areia Movediça” com um único gancho canhoto.

O quinto nocaute sofrido na carreira do americano de 38 (quase 39) anos.

Creio que Mein está no caminho certo, mas gostaria que Joe Silva não se deixasse levar pela popularidade do rapaz e o permitisse enfrentar pelo menos mais um oponente de bom – mas não excelente – nível.

Somente para termos certeza de seu talento.

O processo precisa ser gradual ou as consequências podem ser desastrosas como já vimos acontecer antes (contra o Imortal).

Ou podem me ignorar completamente, atirá-lo aos lobos e ver como ele se sai.

Thales Leites puxa a cadeira de Francis Carmont

Nem os conselho de GSP salvaram a pele do europeu

Nem os conselho de GSP salvaram o europeu…

De Ronaldo Jacaré, passando por C.B. Dolloway e chegando a Thales Leites.

Francis Carmont tem sido uma recorrente escada para as estrelas ascendentes dos médios.

Antes um gabaritado nome, dono de seis vitórias e nenhuma derrota no UFC, o francês agora se às voltas com três derrotas consecutivas – sendo a de hoje a mais devastadora.

Nunca um cenário esperançoso quando você já é infame por fazer combates enfadonhos.

Pode agradecer à Tristar Gym e seus planos meticulosos, Francis.

Afinal, o que aconteceu com o seu kickboxing?

Como os demônios pessoais de Carmont não são problema de Thales Leites – que, assim como Rafael dos Anjos, fez questão de mostrar seus avanços na trocação em suas últimas aparições.

Agora, com quatro resultados positivos (dois por nocaute) desde que retornou ao Ultimate, o representante da Nova União pertence novamente à nata.

Dessa vez não só mais experiente e preparado como também livre de um campeão chamado Anderson Silva – caso chegue ao primeiro lugar da fila novamente.

Nada mau para quem passou três anos sem perspectiva de saber se um dia voltaria a atuar sob os holofotes da principal organização do ramo.

Sem motivo para comemorar ainda, Wilson

10608770_10152611182646276_5438815700926353885_o

Animação na entrada

Tenho certeza que Wilson Reis sentiu que sua decisão de migrar para o peso-mosca não fez sentido ao ver o porte físico descomunal de Joby Sanchez do outro lado do octógono.

Depois de perder para um peso-galo massivo – Iuri Marajó – o paulista, que enfrentaria Tim Elliot – até a lesão do americano -, foi, no mínimo, azarado.

Para piorar, o faixa-preta de jiu-jitsu, que diferentemente de Thales e Rafael, ainda não incorporou com tanta eficácia outros aspectos do MMA, por pouco não foi nocauteado com um chute alto durante o segundo assalto.

Felizmente, queixo resistente é uma qualidade inata.

Logo Wilson já estava nas costas de Sanchez mais uma vez.

E grudado contra seu oponente permaneceu até que todos os 15 minutos se passassem.

Sofrido, mas o sucesso veio.

No entanto, com um aviso que já estampa o cartel de Wilson há algum tempo.

Bem-sucedido em 18 de seus 23 embates, o brasileiro nunca nocauteou adversário algum, mas já pereceu a golpes duas vezes.

Não podemos nos deixar enganar pelo fato da categoria ser a mais leve para homens.

John Lineker, John Dodson e Joseph Benavidez são exemplos vivos de colecionadores de nocautes que circulam entre os principais da divisão.

Reis já exibe um jogo de pernas trabalhado, mas só o utiliza para encurtar a distância e procurar a queda.

É melhor que seus treinadores entendam que isso só o carregará até certo ponto.

A diversificação de habilidades não é mais opcional para os que buscam grandiosidade no MMA, e ela cobra seu preço a quem não a procura.

Outros resultados:

Max Holloway nocauteou Clay Collard no terceiro round
James Vick venceu Valmir Bidu por decisão unânime
Chas Skelly finalizou (mata-leão) Tom Niinimaki no primeiro round
Neil Magny venceu Alex Garcia por decisão unânime
Beneil Dariush finalizou (katagatame) Tony Martin no segundo round
Matt Hobar venceu Aaron Phillips por decisão unânime
Ben Saunders finalizou (omoplata) Chris Heatherly no primeiro round

  • Rodrigo Carvalho

    Comentei, quando vocês divulgaram suas apostas, o que faltava pro Rafael vencer era um pouco de incentivo.. ele só precisava de que alguém acreditasse nele. hahaha

    • Ele ficou bolado antes da luta, dizendo que todo mundo sempre acha que ele vai perder hehehe

      • Rodrigo Carvalho

        Então, é isso mesmo! Só precisava que alguém acreditasse nele hahaha

    • Renato Rebelo

      Certamente, o Rafael será visto de outra forma a partir de agora, mas, convenhamos, era difícil botar grana nele contra o Bendo.

  • William Amaral

    Achei a interrupção precoce, uma vez que o Bendo jamais havia sido nocauteado e estava se movimentando. Bendo é excelente, mas não deveria acreditar tanto na trocação contra um cara que derrotou Cerrone na luta em pé. Deveria ter ido pro clinch pra cansar o brasileiro, que costuma ser bem explosivo nos round iniciais.

    Passo a olhar o Thales com outros olhos. Não acreditava que ele pudesse vencer dessa forma, mas ele perdeu o 1° Round.

    • Rodrigo Carvalho

      Até concordo sobre o jogo que o Bendo deveria usar, mas discordo profundamente sobre a postura que o Bendo tinha enquanto golpeado no chão, ele estava sem defesa, se mexendo a esmo, o Dos Anjos estava por cima golpeando, a interrupção foi um pouco adiantada mas não mudaria o final.

      • Dan Mendes

        Concordo contigo. Bendo tomou dois nos Knockdowns seguidos e quando o Big John interrompeu ele demorou alguns segundo para ficar consciente e reclamar, segundos que ele ficaria apanhando desnecessariamente.

    • Henderson levantou sem saber onde estava.

  • Luiz Guilherme

    concordei com a interrupcção. o bendo caiu qse que apagado. grande vitória do rafael, que pode lutar contra o green agora

  • Walber Gomes

    Para quem gosta de BJJ, o o omoplata do Saunders salvou a noite…..

    • Renato Rebelo

      Lindo msm. Mt raro no MMA. E olha que o Killa B é striker…

    • Vou te falar que nessa hora pedi para minha esposa buscar um copo d’agua pra mim na cozinha para ela não ver uma possível fratura..rs..
      Mas foi uma linda omoplata mesmo! Como o Carlão Barreto (se não me engano) disse: “Essa foi para quem não acredita na guarda por baixo.”

  • A mudança de categoria do Reis não só fez total sentido como foi até tardia. Se ele pegou peso mosca grande, imagine o que pegaria na divisão de cima?

    Sobre o Jordan Mein, ele tem pouco tempo no UFC, mas o Joe Silva tá careca de saber o potencial dele, já que o garoto não tá circulando por aí desde ontem. A divisão meio-médio é forte demais pro UFC ficar receoso de queimar futuro contender. É uma categoria cuja formação física é a mais comum no mundo, ou seja, é a categoria que mais vai receber novos lutaddores sempre, junto com os leves.

    Recomendo a leitura deste ótimo artigo sobre termos mais Vasyl Lomachenkos e menos Deontay Wilder: http://www.sherdog.com/news/articles/Boxing-Viewpoint-The-LesnarLomachenko-Plan-70725

    • Lucas Rezende

      Rapaz, eu simplesmente fiz uma piada sobre a falta de sorte do Wilson, não que ele não deveria ter descido. Ele pegaria um grappler franzino no Tim Elliot, mas acabou com um striker que mais parecia um peso-pena.

      Sobre o Jordan. Tenho certeza que o Joe Silva sabe que essa divisão tá lotada de contender e que se o Jordan for apressado, ele pode acabar igual como quando o entregaram para o Matt Brown.

      Só porque é a categoria que mais recebe lutador não justifica tratarmos as carreiras dos caras como se eles fossem descartáveis.

      • Não é o caso de tratar como se fosse descartável, mas sim não perder tempo.

        • Lucas Rezende

          O cara só tem 24 anos. O tempo é aliado dele.

          Podem até jogar ele contra o alto escalão, como eu já falei, mas continuo achando imprudência.

          • Calma, cara. Eu não estou dizendo que você tá errado, só quis mostrar que nem sempre é preciso ficar segurando lutador, ainda mais um malandro que fez mais lutas que aniversários. Dá uma lida no artigo do Sherdog que eu coloquei em cima.

            Abraço!

  • Matheus Araujo

    só discordo em relação a wilson ,acho que ter um volume na trocação suficiente pra encurtar a distancia e grampear é um bom caminho pra um grappler como ele ser bem sucedido, claro que ser nocauteador sempre ajuda, mas não vai ser um fator chave pra determinar o papel que ele vai seguir nessa divisão, pra mim vai fazer um certo barulho o careca.

    • Lucas Rezende

      Acho perigoso, a categoria tem excelentes wrestlers que não se deixam derrubar facilmente e com bastante punch, como os que eu citei. Sem falar do Mighty Mouse.

      • Matheus Araujo

        ele tem qualidade no grappling pra quebrar a defesa de quedas desses 3 ao meu ver, e nessa luta vimos que tem queixo também,não digo que hoje já pode bater de frente com eles, mas pra mim já é top 10 fácil nessa categoria que é rasa pra caralho

  • Arthur Malaspina

    Só um comentário. Depois da surra que o Werdum deu no Browne e dessa performance absurda do Rafael, o que dizer mais do nível de treinando do Cordeiro? Transformando literalmente seus atletas, incrível!

    • Renato Rebelo

      Disse isso no Twitter. O trabalho dele com o RDA e o Werdum é digno de Oscar. Há pouco tempo os caras davam moquecadas no Fury e no Jungle (respectivamente).

  • Luis Felipe Fabricio

    Independente da concordância ou não com a paralisação (aqui fica a remissão ao belo texto do sexto round falando sobre que só uma morte no MMA mudaria as regras!) o fato é que Rafael dos Anjos aniquilou o Bendo, queimei minha língua, achava que o Bendo ia fazer a mesma escolinha do Russo de jogar como carrapato.
    .
    Minhas humildes conclusões dessa luta:

    1 – Bendo caiu de vez no ostracismo da divisão, vai virar um escada assim como Frank Mir nos pesados, vai ter ganhar várias lutas e dar show enquanto o Pettis for campeão (o que é dificílimo) se quiser fazer a terceira luta ter sentido.

    2 – O TS caiu no colo no Khabib Nurmagomedov se voltar logo.

    3 – Rafael tem que pegar mais um top pra se consolidar como desafiante número 1.

    Quanto ao Thales, a evolução é aparente e faz todo o sentido o que disseram na transmissão ontem, com caras mais pesados pra treinar na Nova União como Cigano e Cara de Sapato só tem a evoluir.

    Com base nos dois eventos de ontem eu casaria Thales e Bisping na próxima.

  • Maxsupremo

    Poxa! Vim seco aqui pra ver a análise do show de técnica do Valmir Bidu, e a melhor luta da noite Max Holloway vs Clay Collard.

  • Rodrigo Loureiro

    Quanto a interrupção, as pessoas que acham que foi precoce com certeza nunca receberam um golpe tão contundente como um joelha voadora muito menos um joelhada voadora seguida de um duro cruzado de esquerda como foi o caso, para entender que o atleta fica totalmente atordoado com uma sequência de golpes como este. Situação relativamente parecida com o outro Henderson (Hendo) que nunca tinha sido nocauteado, mas diante de tal sequência duríssima de golpes era mais que obrigação do juiz parar a luta.
    Agora falando a respeito do desempenho do Rafael, além de perfeito, um excelente inicio de round, onde começou na frente e apresentou mais uma vez um muay thai de altíssimo nível que rende milhões de parabéns para Rafael Cordeiro, que tem transformado duas máquinas do jiu jitsu que é o Werdum e o Rafael, em dois strikers de ponta, o que me deixa cada vez mais curioso de ver como o Werdum vai estar diante do Velasques no final do ano!!

  • Davi Sean Ribeiro

    Mais que merecida essa vitoria para rafael, não vou mentir desde do inicio falava que ia dar rafael por conta da melhora na trocação, coitado de quem botou grana em bendo digo 90% das pessoas, ainda chutei ele finalizando mas quando a luta começou ele acertando os kicks ja deu pra perceber que não iria para decisão, Rafael merece estar ali olhem o cartel dele so lutou com gente grande !

  • Anderson Neimayer

    A performance do Thales foi muito boa, excelente nocaute, porém achei que a luta tava parelha no 1º round mas o Carmont desconcentrou na volta para o 2º round e o Thales via a brecha e caiu matando, bom trabalho moleque. =)

  • Alexandre Andrade

    Entendo quem achou precoce a interrupção da luta do RDA. Porém, basta ver o momento do KD (há GIF na rede em velocidade perfeita para observação) que percebemos que da forma como caiu o Bendo, com o rosto de frente para mão direita de RDA, seria inevitável o TKO. Sendo assim, e de acordo com a função de preservar o atleta, considero justa a interrupção.
    No mais, um evento de razoável à bom, com as vitórias de TWoodley e Thales Leites como principais destaques além do main event.

  • Marcelo

    Essa categoria é a mais competitiva do UFC hoje. A sequencia do Bendo é brutal, pegou a cinta contra o Edgar, depois pegou Meléndez, Pettis, Khabilov, Thomson e Rafael dos Anjos e ainda tem Nurmagomedov, Jim Miller, Cerrone… Vida difícil a do peso leve, a categoria é muito boa e muito nivelada. O Frankie Edgar fez bem em sair fora hehe (pra ele, porque pra nós quanto mais casca for a categoria, melhor)…

  • Leonardo Neves

    O sexto round é disparado o site com as melhores análises do MMA nacional., Se colocassem o Nico Anfarri, aí não teria pra ninguém.

Tags: