Son, Machine e Grispi: os bandidos do MMA

Felipe Paranhos | 16/08/2014 às 12:24
Mack e Machine

Mack e Machine

Na semana passada, Renato Rebelo escreveu aqui sobre como Josh Grispi passou de promessa do MMA a sociopata acusado de bater na esposa há dois anos e de treinar seu pitbull para atacá-la, o que acabou acontecendo dias atrás.

Depois, foi a vez de uma nova história monstruosa surgir envolvendo um lutador de MMA.

War Machine, outrora conhecido por Jon Koppenhaver, foi acusado por sua mulher, Christy Mack, de ser o autor de um brutal espancamento.

Os dois casos me fizeram lembrar de Joe Son, um dos mais infames praticantes do MMA na história e o protagonista de uma das piores monstruosidades já cometidas por um lutador.

À meia-noite de 24 de dezembro de 1990, a jovem californiana “Jane Doe” (nome fictício já que a identidade da vítima é preservada em segredo de justiça) passeava com seu cachorro na rua, quando foi abordada por um homem que lhe pediu informações.

Ele dizia estar perdido. De repente, ele e um outro homem aproveitaram a distração da garota e a forçaram a entrar no carro em que estavam.

Son atuando no filme "Austin Powers"

Son atuando no filme “Austin Powers”

Eram Joe Son e seu comparsa, Santiago López Gaitán.

Dentro do carro, disseram que iriam levá-la até a cidade de Compton, enquanto dirigiam rumo a Huntington Beach.

Os dois acertaram coronhadas em Jane e ameaçaram matá-la ao longo do caminho.

Depois, estupraram-na repetidas vezes, inclusive com a arma do crime.

Como parte da tortura, Son chegou a contar o número de balas dentro da arma enquanto fazia suas graves ameaças.

Por fim, afirmando que aquele era o “presente de Natal” deles, ele e Gaitán deixaram Jane ir embora nua e vendada pela própria calça.

18 anos depois, a polícia de Orange County concluiu o inquérito depois de um exame de DNA comprovar a participação de Son no episódio.

Em 2011, ele foi condenado à prisão perpétua. Gaitán, por sua vez, pegou 17 anos e quatro meses de reclusão.

O transtorno de estresse pós-traumático está comigo todos os dias. Sinto um medo me tomar e fico certa de que uma mão está chegando por trás novamente. Minhas cicatrizes emocionais são intensas. Meus vinte anos foram arrancados de minha vida. Eu reaprendi a andar, ver, ouvir e lidar com o mundo novamente. Joseph Son não só me tirou meu emprego como também minhas economias para a faculdade… Isso sem mencionar o impacto de celebrar o Natal ano a ano”, “Jane”.

A carreira de Joe Son condiz com o seu histórico de covarde.

O americano de origem japonesa fez sua primeira aparição no UFC 3, como manager de Kimo Leopoldo, e lutou contra Keith Hackney no UFC 4, representando a obviamente fictícia e infame arte marcial Joesondo.

Pra piorar, Joe ainda entrou carregando uma cruz e disse, no vídeo de introdução, que os espectadores veriam “o espírito de Jesus Cristo no octógono”.

Son tendo as bolas socadas. Bem feito?

Son tendo as bolas socadas. Bem feito?

Nesta luta, sua estreia no MMA, Son tomou uma série de socos nos testículos, que ainda eram legais no UFC, e bateu em desistência depois de ser estrangulado ridiculamente por Hackney.

Oito anos depois, enfrentou Yusuke Imamura na primeira edição do Pride, e nitidamente simulou uma lesão no cotovelo quando era dominado no chão.

Sua luta seguinte foi contra o brasileiro Joe Moreira, pelo Xtreme Pankration 2, em Los Angeles.

Ainda no primeiro round, Son foi derrubado e bateu… por medo.

Por fim, ainda em 2002, Son enfrentou Jukei Nakajima e novamente usou o expediente ridículo de simular uma lesão quando foi jogado ao chão.

Dentro da prisão, Joe Son ainda matou um colega de cela.

Vai morrer por lá (pegou perpétua). Ainda bem.

Atualização: War Machine foi capturado pela polícia na noite desta sexta-feira. Ele responderá por sete acusações graves e deve passar longo período enjaulado. Ainda bem.

  • Lucas Pereira Carrano

    Boa lembrança do Son, do ponto de vista do conteúdo (a figura é das mais lamentáveis que já pisaram no octógono). Com essa história relatada fica difícil “adEvogar” (como diz o outro) por esse cara em qualquer esfera.

    Pior ainda foram os jornais que tiveram a pachorra de creditá-lo como “ator” quando ele matou o companheiro de cela, e reforçou ainda mais o ticket carimbado “for the rest of your days” na prisão.

  • Renan Trigueiro

    Caramba, não conhecia essas histórias. Q figuras repulsivas!

  • Renato Rebelo

    Falando de casos mais contundentes, tem o do Hermes França – que chegou a disputar o cinturão dos leves contra o Sean Sherk. Ele ficou um tempo preso por estupro e, em seguida, foi deportado de volta para o Brasil.

    • Dan Mendes

      Eu nunca entendi direito essa história do Hermes. Parece que foi uma menor de idade (sedução de menor).

  • Marcelo P.

    hauhauah eu lembro desse japa Austin Powers ele era segurança do vilão né?

  • Dudu do Carmo

    E o Lee Murray que lutou com o Anderson Silva no Cage Rage e pegou 25 anos de cadeira por um assalto a banco sinistro?

    • Renato Rebelo

      Tem esse tb. Dana dizia que ele era assustador – e não falava sobre ele como lutador…

  • Dan Mendes

    A Christy não era mulher (esposa) do WM como esta no texto. Ela era “propriedade de War Machine”, mas não chegou a ser esposa.

    Acho a história dela muito estranha…

  • Guilherme Assis

    E eu achando que doido era o Thiago Silva.

Tags: , ,