Doping no MMA: quando a verdade aparece

Renato Rebelo | 14/08/2014 às 20:26
Era uma vez um empregão...

Era uma vez um empregão…

Em quase oito anos envolvido, direta ou indiretamente, com o mundo das lutas, já escutei todo sorte de desculpas vindas de atletas pegos com a boca na botija.

Suplemento batizado é um clássico.

“Um amigo me deu e tomei sem perguntar”, então, nem se fala.

Acreditem, até churrasco contaminado já entrou em aspas escritas por esse humilde jornaleiro.

O que, infelizmente, não é abundante em minha experiência são seres humanos assumindo a responsabilidade por seus atos.

Por isso, confesso ter ficado um tanto quanto comovido na última semana – quando dois ex-lutadores do UFC encararam de frente seus demônios.

O primeiro deles, Chael Sonnen.

Humilhado publicamente, o Gangster de West Linn perdeu a carreira de lutador de MMA, foi limado do cargo de apresentador da Fox e até ignorado pelo circuito do telecatch americano (segundo o próprio).

Sem saída, Sonnen dispensou a muleta social (refiro-me àquele papinho sobre saúde, gravidez da esposa, etc) e abriu o jogo:

Não achei que fosse ser testado por outros 44 dias. Eu tentei burlar o sistema. Geralmente, no MMA somos testados na noite da luta, então, independente do que você estiver usando, você tem que aparecer limpo na noite da luta. Sou um homem crescido. Eu sabia o que estava fazendo”.

Vitória de King no TUF

Vitória de King no TUF

Mas, Renato, há mérito em deixar o armário apenas quando não se tem outra saída?

Pensemos friamente.

Estamos falando de um sujeito com o burro na sombra (rico) que poderia simplesmente fechar-se numa concha e cagar baldes para o que pensam dele.

Quantos atletas e ex-atletas viverão em negação até o último de seus dias por vaidade, medo de repercussão ou pressão social?

Outra caso foi o de Mike King, revelado pelo TUF 19, finalizado por Cathal Pendred no Fight Night em Dublin, pego no doping e ceifado do plantel de Dana White.

Dentre mil desculpas à mão, ele optou pela honra:

As consequências da minha conduta são muito significantes: os 50 mil dólares do bônus pela luta da noite que mudariam minha vida foram tirados de mim. Fui informado que meu acordo promocional com o UFC foi terminado, terei que cumprir uma suspensão de nove meses sem trabalhar e me humilhei publicamente. Eu aceito total responsabilidade por meus atos e decisões e não darei nenhuma desculpa. Gostaria de pedir desculpas para meu oponente e amigo Cathal Pendred, UFC, Dana White, treinadores, companheiros de equipe, amigos, família e, principalmente, fãs. Acredito no poder da redenção e em segundas chances. Vou trabalhar exaustivamente para provar que sou uma pessoa de confiança e mereço a honra de competir no nível mais alto do esporte que amo”.

Não deveria, mas no mundo de aparências em que vivemos, adultos que não recorrem a bodes expiatórios são exceções.

King lembrou-me até de outro desabafo notório:

Eu sou negativo, sou sombrio. Eu me odeio porque fiz muitas coisas ruins. Meu sonho é ser perdoado pelas pessoas que machuquei e por isso quero ir até elas. Quero mudar minha vida, quero viver uma vida diferente. Quero ficar sóbrio, não quero morrer. Estou quase morrendo porque sou um drogado, um alcoólatra inveterado. Wow! Isso é interessante. Eu não bebo nem uso drogas há seis dias –e pra mim isso é um milagre. Eu tenho mentido para todo mundo que acha que estou sóbrio. Não estou”.

Me digam, quem teria culhão para dizer tudo isso de cara limpa numa coletiva de imprensa transmitida ao vivo para todo o planeta?

Apenas um campeão do quilate de Mike Tyson

Obviamente, Sonnen não virou um paladino da moral (até por que essa pessoa não existe) por tentar limpar a própria barra, mas os erros do passado (punidos exemplarmente) também não tornam menos relevante o recado deixado em sua recente entrevista ao podcast do ex-pro-wrestler Chris Jericho:

O ser humano tem capacidade de perdoar quando você é honesto. Se eu pudesse dar um conselho a alguém que está na minha situação é esse: abra o jogo. Abra o jogo o mais rápido que puder. Seja o mais sincero que puder e deixe as pessoas decidirem”.

Abraços.

  • Yuri David

    Burro na sombra foi boa hahaha. Parabéns pelo trabalho, sempre muito bom!

    • Renato Rebelo

      Valeu, irmão!

  • Texto irado, como de costume. E apenas uma constatação (triste) da diferença de tratamento que o UFC dispensa com quem é pego no doping, entre uma estrela e um qualquer.

  • Cauã Albuquerque

    Muitos atletas se lesionado antes de suas lutas e a tendência é só piorar por conta dessa política antidoping. Um esporte de contato como é o MMA tem que haver doping, não tem jeito.

  • Lucas Pereira Carrano

    Você acha a história do churrasco Bizarra, Renato? Tá certo que não é no MMA, mas se liga nessa aqui, então :http://esportes.terra.com.br/futebol/europeu2006/interna/0,,OI1346328-EI7494,00.html

    • Renato Rebelo

      Hahahha essa é campeã!

  • Flavio Bueno

    Belo texto! Torcendo para o Sonnen voltar a ativa!Ele tem uma visão, ou sabe como transmitir, pontos de vista que outros lutadores não conseguem!

Tags: , ,